Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Ballet Manguinhos busca doadores para continuar trabalho

Foto: Ana Maria Silva/Direitos reservados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O Ballet Manguinhos, que completa dez anos de atividades este ano, está em busca de patrocínios para não fechar. Criada em 2012 pela educadora física Daiana Ferreira na comunidade do mesmo nome, zona norte do Rio de Janeiro, com o objetivo de tirar meninas das ruas, a organização não governamental já atendeu a mais de 4 mil crianças e jovens nessa década de funcionamento. Quando o projeto nasceu, atendia a apenas 70 alunos.

No primeiro semestre deste ano, termina o contrato firmado por Daiana em 2018 com a fundação social norte-americana The Secular Society (TSS), sediada no estado da Virginia, e a organização não governamental (ONG) Ballet Manguinhos ainda não tem nova parceria para garantir a continuidade dos trabalhos. Graças ao patrocínio da TSS, o Ballet Manguinhos ganhou sede própria, dentro da comunidade, instalada em um prédio com 600 metros quadrados.

Sua fundadora, Daiana Ferreira, morreu no ano passado devido a complicações da covid-19. A presidente da ONG, Carine Lopes, disse que o projeto conta atualmente com 410 crianças e adolescentes, que dependem de recursos para continuar os estudos de dança no local. Outros 700 jovens e crianças estão na fila de espera.

Carine está em busca de um patrocinador, em sintonia com o propósito do Ballet de oferecer alternativas socioculturais para moradores da favela de Manguinhos. Para isso, foi criada a campanha Adote uma Bailarina, cujo valor da contribuição anual custeia o que a ONG oferece às alunas dentro do ambiente do balé, que são as aulas, o uniforme, o figurino. “Tudo que ela precisa para realizar e manter as aulas de balé”. Qualquer pessoa pode colaborar financeiramente na plataforma de doações online. Doar para que uma bailarina do projeto tenha os recursos necessários para seguir com as atividades propostas. Os padrinhos recebem um certificado e atualizações mensais sobre os alunos ‘adotados’. “Pedimos sempre que os doadores se tornem fixos, para que a gente consiga fazer um planejamento anual”.

Segundo Carine, ter um patrocínio fixo dá estabilidade para que a ONG consiga planejar os gastos, administrar todas as contas e questões que envolvem, inclusive, a manutenção de 15 funcionários. “Quanto mais investimentos, mais trabalho a gente pode realizar”.

Outros patrocínios para a manutenção das atividades são buscados entre empresas que podem repassar parte do imposto devido de ICMS ou ISS, por meio das leis de incentivo à cultura, entre elas a Lei Rouanet. “Dependendo da lei, as empresas podem repassar entre 4% e 10% para um projeto social, uma ONG como nós. Em vez de pagar ao governo do estado, ela repassa esse imposto para manutenção do projeto e para que o trabalho continue sendo executado”.

Carine Lopes informou que a formação de um bailarino do Ballet Manguinhos leva em torno de oito a nove anos. Os alunos entram, em geral, aos 6 anos de idade e vão até 16 ou 17 anos. Noventa e oito por cento das crianças e adolescentes atendidos são do público feminino. “O projeto tem uma questão cultural muito forte no território de Manguinhos, que é a gravidez na adolescência. Como a maioria do nosso público é feminino, a gente já conseguiu fazer um medidor de impacto de acordo com o trabalho que realizamos, já tendo alcançado 1% de gravidez em todas as nossas alunas atendidas. Então, o impacto para o território é incrível”, comemorou a presidente da ONG.

Carine admitiu que a adesão dos meninos ainda é muito pequena, em razão do preconceito que é muito enraizado na comunidade com relação ao balé para homens. “No território de favela, isso se torna um pouco pior. Os meninos não têm abertura para participar, nem flexibilidade da comunidade. Isso ainda é muito atrelado à sexualidade. Quem faz balé é homossexual. Ainda tem esse preconceito bem forte”, comentou.

A presidente reconheceu que nem todos os alunos da ONG serão bailarinos. “O que a gente realiza, na verdade, é uma transformação social, mudando as gerações dessas famílias (atendidas). As famílias levam as meninas para o Ballet Manguinhos, para terem alguma atividade e, quando elas entram, se descobrem enquanto mulheres, enquanto pessoas e cidadãs que precisam estudar, ter uma vida, uma carreira”. Carine afirmou que por meio das filhas, a família também vai se transformando. “As maiores histórias das meninas que a gente tem lá são de transformação social. Há um número ainda pequeno de meninas que quiseram seguir a carreira de bailarina”. Carine reiterou que o maior impacto gerado pela ONG no território é mudar a situação de pobreza e o futuro das alunas.

O Ballet Manguinhos oferece também aulas de circo e cursos de capacitação profissional, de informática; traz médicos e especialistas para falarem de saúde e empoderamento feminino. ”É a construção dessa cidadã que chega ainda criança, e a gente começa a fazer essa construção para que ela voe não só como bailarina, mas em outras profissões, o que pode mudar a vida da família”.

Uma das alunas atendidas pelo Ballet Manguinhos é Vitória Gomes de Carvalho, de 16 anos. Ela frequenta a ONG há cerca de oito anos. A partir da entrada na organização a jovem aprendeu a se impor como pessoa, a ter opinião e a respeitar a opinião dos outros. “Na família, aprendi a ter mais amizade, ser mais companheira, a ajudar, a ser eu mesma, a me conhecer, a me explicar”. Principalmente com a mãe, Vitória, aprendeu a não ter medo de nada, “nem de ser quem sou”.

A jovem de Manguinhos pretende seguir a carreira de bailarina, não só no balé clássico, mas em outros tipos de dança. Ela lamentou a existência do preconceito contra os meninos fazerem balé. “Eu acho lindo ver homens dançando. Na minha opinião, não tem nada a ver isso (preconceito). Eu sou contra esses pensamentos”.

Um dos sonhos de Vitória é fazer concurso para entrar na Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, pertencente à Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro. “Tenho que me preparar primeiro. Vai ser uma boa”, afirmou.

 

 

Agência Brasil

pt Português
X