Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

O perigo dos Vapes para a saúde do coração

Foto: Divulgação/Ministério da Saúde
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Apesar de não realizar a combustão e não ter cheiro de cigarro, os chamados cigarros eletrônicos não encontram respaldo na ciência para serem considerados inofensivos se comparados aos cigarros comuns.

Ao contrário: o que as pesquisas dizem é que não há benefícios aos consumi-los e, sim, há altos riscos para a saúde do coração.

De acordo com o Dr. Caio Henrique, cardiologista e arritmologista pela Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, os riscos desses cigarros eletrônicos que estão moda, ultimamente, residem no fato de simular o tabagismo, mas não ser restrito como o cigarro comum e porque o que ocorre é inalação de um líquido que também contém nicotina e várias outras substâncias que, ao ser aquecido, se torna um vapor (aerossol), inalado pelo usuário.

“Diferentemente do cigarro comum, onde ocorre a queima (combustão) do tabaco e inalação da fumaça, no cigarro eletrônico, também conhecido como Vape ou Vaping, imita-se o tabagismo, mas o que ocorre é a inalação de um líquido que é aquecido pelo dispositivo e não a queima de um conjunto de substâncias. E esse ‘produto’ é tão prejudicial à saúde como fumar um cigarro usual”, explica.

O Vape faz menos mal que o cigarro comum?

A ideia de que o tal cigarro pudesse ser utilizado para tratar o vício em nicotina não possui evidências científicas. “Atualmente já existem métodos médicos comprovados para interromper o tabagismo incluindo medicamentos, reposição de nicotina e acompanhamento psicológico”, frisa o cardiologista.

Segundo pesquisa do Circulation, uma publicação que traz dados de estudos científicos, de 2019, houve aumento do colesterol ruim (LHL) nos fumantes do Vape, em comparação com fumantes do cigarro comum, enquanto o HDL, colesterol bom, era baixo em ambos.

No vapor inalado pelo “fumante” de Vape e por quem está ao seu redor (fumantes passivos) há substâncias como o propilenoglicol e a glicerina vegetal que, quando submetidas a altas temperaturas, formam acetaldeído, formaldeído e acroleína, substâncias que provocam câncer por serem altamente tóxicas. Além disso, os aromas, como o de canela, oferece risco quanto à coagulação do sangue por ter efeito trombótico, assim como outros aromatizantes que oferecem risco de eventos cardiovasculares agudos.

Outro estudo da Associação Americana do Coração mostra danos nos vasos sanguíneos, como ocorre com o fumante do cigarro normal. A inalação lesiona a função vascular endotelial da mesma forma que os cigarros por combustão.

Ou seja, “não muda nada deixar o cigarro comum por um eletrônico, porque os riscos de desenvolver arritmias, coágulos e inflamações aumenta consideravelmente da mesma maneira”, atesta Dr. Caio.

Sem restrição social

Como não há uma restrição social legal, o vape é levado para o quarto, banheiro, praia, academia, escolas e os usuários acabam consumindo mais vezes ao dia do que o cigarro tradicional, para o qual há restrições.

Detalhe: e não são necessários muitos dias de uso do Vape para sofrer. Desde a primeira baforada, já há mudanças na frequência cardíaca e na pressão arterial.

“Os principais riscos para a saúde do coração estão no desenvolvimento de alguns efeitos cardiovasculares que têm sido descritos como por exemplo: aumento do tônus simpático cardíaco, disfunção e estresse na parede dos vasos”, resume e finaliza Dr. Caio.

pt Português
X