Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Opinião: “Libertas quae sera tamen” ou “liberdade ainda que tardia”

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Liberdade de expressão, liberdade religiosa, liberdade para trabalhar, liberdade do direito à vida, liberdade ao direito da dignidade humana, das famílias, dos trabalhadores, das crianças, dos homens e mulheres, dos adolescentes, dos idosos. LIBERDADES, apenas LIBERDADES!

Entretanto as nossas autoridades não eleitas, não representativas da sociedade, com poderes absolutistas andam atacando e cerceando nossas liberdades, infelizmente com apoio de grande parte dos parlamentares, deputados e senadores omissos e subservientes, da imprensa que se omite e até mesmo apoia os atos imperialistas dos imperadores do STF. O pior do que se possa imaginar, e a postura dos que se calam e aplaudem a censura e a tirania enraizada nos porões da Suprema Corte que nos impões decretos, inquéritos e prisões ilegais.

Estamos vivenciando em nosso país, o arbítrio através da censura geral imposta goela abaixo pelas cortes do Judiciário com a complacência dos poderes constituídos eleitos. Ao que tudo indica a postura dos imperadores de nossa Corte, ideologicamente visa atingir todos que são classificados adversários.

O imperador Alexandre de Moraes não satisfeitos com as críticas recebidas do Partido da Causa Operária (PCO), em recente decisão determinou o bloqueio dos canais de comunicação do partido.

Nossas liberdades encontram-se sob constante ataque e ameaça partindo dos imperadores do STF.  Temos que discutir políticas de resistência a esses ataques as nossas liberdades de forma pacífica e através de políticas públicas e medidas legislativas (nossos parlamentares) que visem à defesa da vida, da dignidade humana e pela promoção da liberdade. Independente de ideologias – de esquerda, de direita, de centro. É importante que todos defendam as liberdades garantidas na Constituição, a começar pela liberdade de expressão.

A Constituição Federal de 1988 garante liberdade de expressão a todos os brasileiros, e qualquer cidadão tem o direito de falar o que pensa contra os políticos e os demais representantes dos poderes constituídos, inclusive dos ministros do STF.

Os inquéritos abertos na Corte são considerados ilegais, sem sombra de dúvidas. Tais inquéritos visam intimidar toda a população e perseguir determinadas pessoas consideradas adversários políticos, impondo a estes prisões arbitrárias, censura e cassação de mandatos, inclusive contrariando as diretrizes do Código Penal, pois nele não há previsão para  crime de opinião. 

A representação de nossas vontades se dá por meio da eleição de legisladores (deputados e senadores), e dos chefes do Executivo (presidente, governadores e prefeitos). Entretanto, há mais de 5 anos que a função dos imperadores do STF tem sido a de decidir politicamente contra a carta Magna ao assumirem a diretrizes destinadas ao Poder Legislativo.

Temos que dar um basta ao imperialismo de toga! Cabe ao Senado Federal essa missão, que em se mantendo omisso, o povo o substituirá.

 Preservar a humanidade deveria ser a missão Nº 1

Um dos principais problemas do mundo são a fome e a miséria. Entretanto, o ser humano (crianças, adolescentes, homens, mulheres e idosos), carece de políticas de proteção à vida. Aqui em nosso País, essa questão é evidente, pois não há da parte dos governantes e das organizações não governamentais (ONGS), salvo raras exceções isoladas, políticas de proteção aos seres humanos.    

Os meios de comunicação a todo o momento cobram dos governos, políticas de proteção ao meio ambiente – combate ao desperdício de água, a poluição do ar, de proteção das florestas, dos animais em extinção entre tantos outros objetivos sustentáveis.

Obviamente todos são imprescindíveis.  Mas sem sombra de dúvidas a preservação do ser humano sempre será a missão número 1. Entretanto não tem sido a prioridades de nossos governantes e da sociedade organizada.

Fala-se muito, mas faltam atitudes.

pt Português
X