Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Poluição do ar está ligada à arritmia cardíaca

Foto: Reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

No último Congresso Científico Anual da Sociedade Europeia de Cardiologia ocorrido recentemente em Madri, na Espanha, pesquisadores apresentaram um estudo relacionado arritmia cardíaca à Poluição do Ar.

A pesquisa analisou 5 anos de dados de pacientes da região de Piacenza na Itália que colocaram um Cardioversor Desfibrilador Implantável, dispositivo que monitora o ritmo cardíaco no paciente.

O estudo apontou que a sobrevivência dos pacientes cardíacos não depende somente do tratamento médico, mas também da qualidade do ar que respiram.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, OMS, aproximadamente 7 milhões de pessoas morrem todos os anos devido à exposição do ar poluído, 91% da população mundial vive em áreas com contaminantes no ar que ultrapassam os níveis de segurança recomendado pela OMS. Ainda, segundo a Organização, a poluição do ar é o quarto maior fator de risco alto de mortalidade, deixando para trás ocolesterol, a obesidade, atividade física e o uso de álcool.

Para chegarem a esta conclusão, os pesquisadores compararam a concentração de poluentes do ar nos dias em que os pacientes sofreram arritmia e os níveis de poluição nos dias sem arritmia.

Os pesquisadores acreditam que as partículas tóxicas emitidas pelas indústrias e carros, por exemplo, podem causar inflamação aguda do músculo cardíaco, atuando como gatilho para a arritmia cardíaca letal.

Ao mesmo tempo em que o mundo inicia uma transição para uma economia de baixo carbono, priorizando uma energia mais limpa, precisamos cobrar dos nossos gestores públicos, projetos “verdes” para as nossas cidades.

A poluição ambiental não é apenas uma emergência climática, mas também um problema de saúde pública.

pt Português
X