Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

São José das Três Ilhas – um legado da imponência do ciclo do café

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O roteiro do Caminho Novo que ligava Minas Gerais à Cidade do Rio de Janeiro é um dos mais ricos da Estrada Real. Entre cidades históricas, polos regionais, fazendas e belas paisagens. Esse caminho, também, guarda pequenas cidades de grande valor histórico, como São José das Três Ilhas.

São José está localizado na região Sul do Município de Belmiro Braga, Região da Zona da Mata Mineira, próximo da divisa do Estado do Rio de Janeiro. Seu primeiro morador foi Antônio Bernardino de Barros, Barão de Três Ilhas, que adquiriu duas sesmarias do guarda-mor João Francisco de Souza. O Florescimento do vilarejo se deve a família de Antônio Bernardino, seu fundador, do seu irmão Gabriel José e ao desenvolvimento das fazendas de café.

Devido à beleza de sua paisagem natural e ao aspecto extraordinário de suas fazendas antigas, São José das Três Ilhas guarda reminiscências da época dos barões do café, expressos na arquitetura colonial do seu centro histórico que permanece intacto e na belíssima Matriz de São José.

A Igreja Matriz merece destaque por ter sido uma das grandes obras em cantaria na região. Foi erguida, com mão de obra escrava, entre 1877/1878 e finalizada em 1888, projetada por Quintiliano Nery Ribeiro e executada sob a coordenação do mestre português Manoel Joaquim Rodrigues. Foi a maior edificação envolvendo trabalhos em pedra e cantaria em toda região da Zona da Mata Mineira.

O ofício de cantaria representa uma parte importante do patrimônio artístico e arquitetônico local. A cantaria, arte de talhar a pedra, uma das mais antigas formas de trabalho que teve lugar em todas as etapas da historia de todos os países do mundo. Até meados do século XVIII as casas e capelas eram feitas de em taipa e cobertas por folhas, porém, com a chegada de mestres construtores, vindos de Portugal, com a técnica apurada de talhar a pedra,  modificaram o estilo de construção. Trabalho que pode ser visto nos degraus das escadas, nos pórticos, em pias, lavabos, frontespícios, colunas, janelas, vergas, cunhais, colunas e muitas outras peças que decoram templos, casas e prédios do Brasil Colônia.São  trabalhos repletos de importância  histórica e de valores culturais, refletindo os caminhos da cidade e da região em seus diversos períodos de formação. Do mesmo modo, constituem “lugares de memória” que necessitam ser valorizados e preservados, nos quais é possível perceber habilidades e sabedorias depositadas em remotos ofícios.

São José das Três Ilhas é um distrito pequeno, com pouco mais de mil habitantes, acolhedor, agradável, e, ainda, com pouca estrutura turística. Sua rua principal com seus casarões coloniais preservados forma um bonito conjunto arquitetônico, juntamente, com sua imponente igreja matriz. Para se chegar, partindo do Rio de Janeiro, é só seguir a BR-040, sentido Juiz de Fora até a saída 802 e seguir pela MG-353 até Belmiro Braga.

pt Português
X