Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. ©2019 Diário do Rio.

Vassouras – A ” Cidade dos Barões do Café”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Vassouras nasceu de uma sesmaria (as sesmarias tinham, em média, entre 1.5 a 2.0 léguas agrárias de sesmaria; 1 légua de sesmaria é igual a 4.356 hectares) recebida pelos açorianos Francisco Rodrigues Alves e Luiz Homem de Azevedo, em outubro de 1782, denominada “sertão da serra de Santana, Mato dentro por detrás do Morro Azul e, posteriormente, sesmaria de Vassouras e Rio Bonito”. A região abundava um arbusto chamado “tupeiçava” ou “guaxima” popularmente chamado vassourinha, daí veio o nome de batismo da cidade. A região denominada o Caminho Novo era o elo de escoamento entre Minas Gerais e o porto do Rio de Janeiro, no período do Ciclo do Ouro. Elevada a Vila em 1833, por sua localização geográfica que a aproximava da Freguesia de Sacra Família, demonstrou, também, um grande impulso com seu desenvolvimento urbano que a diferenciou da Vila de Paty do Alferes. Porém o que a torna mais atrativa no início do século XIX se deve ao grande desenvolvimento econômico da região do Vale do Paraíba do Sul, em contraste com o esgotamento do Ciclo do Ouro e o incremento do Ciclo do Café nesta Região. Decorrentes destes fatos e da exportação do café pelo Rio de Janeiro, a pequena vila é elevada a categoria de cidade, em setembro de 1857. Na década de 1850 já se proclama a maior produtora de café do mundo, reconhecida, também, como “Princesinha do Café” e mais tarde, “Cidade dos Barões” pela grande quantidade de fazendeiros nobres ali residentes.

Segundo dados registrados de 1825 todo o Estado de São Paulo produzia, comercialmente, apenas, 250 contos de réis de café e Vassouras, em 1828, produzia 3.586 contos de réis, de café, que correspondia apenas 18% do total da exportação brasileira. Vassouras, foi uma consequência da cultura do café e, no seu apogeu, entre 1830 e 1875, produzia 70% de todo o café brasileiro que correspondia 50% de toda a exportação anual do império. Essa extraordinária riqueza gera enorme poder para seus fazendeiros, os verdadeiros Barões do Café que financiaram a guerra do Paraguai de outubro de 1864 a março de 1870. Em 1856, a vila mantinha uma vida de luxo, sem igual no resto do país, permitindo em seus palacetes da cidade e magníficas sedes de fazenda, que eram verdadeiros palácios rurais, uma vida com hábitos de requinte e elegância que eram, ainda, mais estimulados por conta do fácil acesso à Corte Imperial, graças à linha férrea D. Pedro II, que escoava o café e trazia, vindos da Europa, as roupas, os cristais (Saint Louis ou Bacarat), as porcelanas (de Sèvres, Limóges ou Vista Alegre) e a prataria portuguesa e francesa que ornavam a casa desses afortunados barões acostumados, aos saraus, às visitas do Imperador, da Princesa Isabel e do Conde d’EU, que eram recebidos em suas casas sem grandes embaraços.

A super exploração e o mau uso do solo levaram o seu enfraquecimento, pelo qual a produção do café declina em toda a região. Com a queda, porém, da cotação internacional, perdem-se muitas fazendas hipotecadas para o Banco do Brasil, entre elas propriedades de uma mesma família por várias gerações. Os descendentes dos barões do café seguem, então, para a Capital e outros lugares em busca da fortuna e do status perdidos. Os que ficaram e conservaram suas fazendas, abandonaram a agricultura e dedicaram-se a pecuária leiteira. Os antigos cafezais tornaram-se pasto. Além disso, a pecuária não necessitava de grandes mãos-de-obra.

Nas fachadas de seus casarios, monumentos e palacetes, Vassouras guarda as lembranças desse prospero período da História. Seu conjunto histórico urbanístico e paisagístico está protegido pelo processo de tombamento pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional IPHAN-MInc e, por decreto lei, foi declarada, como Estância Turística, em dezembro de 1984.

A cidade tranquila, de clima agradável está distante 116km do Rio de Janeiro e propõe ao visitante um grande patrimônio cultural.

pt Português
X