Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio

Império Serrano é campeão da Série Ouro e volta ao Grupo Especial em 2023

O Império Serrano venceu a disputa na Série Ouro do carnaval carioca e desfilará pelo Grupo Especial no ano que vem. O resultado da Série Ouro do carnaval do Rio de Janeiro foi divulgado no na noite de hoje (26).

A tradicional escola de Madureira conquistou o título, completaram o pódio das três primeiras a Porto da Pedra e a União da Ilha do Governador.

As duas últimas colocadas foram a Acadêmicos de Santa Cruz e a Acadêmicos do Cubango. As agremiações desfilarão na Estrada Intendente Magalhães na Série Prata em 2023.

O Império Serrano desfilou na quinta-feira (21) na Sapucaí, com o enredo “Mangangá”, do carnavalesco Leandro Vieira, a escola da comunidade da Serrinha era a grande favorita ao título e liderou a apuração de ponta a ponta.

As escolas foram avaliadas nos seguintes quesitos: evolução, harmonia, samba-enredo, enredo, comissão de frente, bateria, alegorias e adereços, fantasias e mestre-sala e porta-bandeira.

Pontuação final

1º Império Serrano – (Campeã, acesso para o Grupo Especial) – 269,9
2º Porto da Pedra – 269,5
3º União da Ilha do Governador – 269,4
4º Inocentes de Belford Roxo – 269,4
5º Unidos de Padre Miguel – 269,3
6º Acadêmicos do Sossego – 268,3
7º Unidos de Bangu – 269,1
8º Estácio de Sá – 269,1
9º Império da Tijuca – 269,1
10º Acadêmicos de Vigário Geral – 268,9
11º Unidos da Ponte – 268,9
12º Lins Imperial – 268,6
12º Em Cima da Hora – 268,5
14º Acadêmicos de Santa Cruz (Rebaixada para a Série Prata) – 268,1
15º Acadêmicos do Cubango (Rebaixada para a Série Prata) – 267,8

Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio

É Campeã! Grande Rio vence o carnaval carioca de 2022 e conquista seu primeiro título

A Acadêmicos do Grande Rio é a campeã do carnaval carioca de 2022. O resultado do grupo especial do carnaval do Rio de Janeiro foi divulgado no início da noite de hoje (26).

A escola de Duque de Caxias conquistou o primeiro título de sua história com 269,9 pontos. O título veio antes mesmo das últimas notas serem lidas, a vantagem foi de 0,3 para a segunda colocada. A tricolor de Caxias só não ganhou duas notas 10, no quesito Samba-enredo com 9,9 e 9,8 (nota descartada pelo regulamento)

Em segundo lugar, ficou a Beija-Flor de Nilópolis, em terceiro ficou a Unidos do Viradouro que defendia o título. Outras três agremiações retornam ao sambódromo no próximo sábado (30) a Vila Isabel 4ª, a Portela 5ª e o Salgueiro 6ª colocada na apuração.

Em último ficou a São Clemente com enredo sobre o ator Paulo Gustavo e está rebaixada para a Série Ouro de 2023.

A Grande Rio desfilou no sábado (23) na Sapucaí, com o enredo “Fala, Majeté! Sete chaves do Exu”., dos carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora, a escola contou na avenida a história do Orixá Exu, desmistificando a visão que o orixá tem no mundo ocidental.

As escolas foram avaliadas quanto à fantasias, harmonia, comissão de frente, samba-enredo, bateria,  alegorias e adereços, enredo, mestre-sala e porta-bandeira e evolução.

Pontuação final

1º Grande Rio – (Campeã) – 269,9
2º Beija-Flor – (Desfile das Campeãs) – 269,6
3º Viradouro – (Desfile das Campeãs) – 269,5
4º Vila Isabel – (Desfile das Campeãs) – 269,3
5º Portela – (Desfile das Campeãs) – 269,2
6º Salgueiro – (Desfile das Campeãs)- 268,3
7º Estação Primeira de Mangueira – 268,2
8º Mocidade Independente de Padre Miguel – 268,2
9º Unidos da Tijuca – 267,9
10º Imperatriz Leopoldinense – 266,9
11º Paraíso do Tuiuti – 266,4
12º São Clemente – (Rebaixada à Série Ouro 2023) – 263,7

Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio

Justiça determina que alegorias sejam escoltadas para evitar acidentes

Dá Agência Brasil

As escolas de samba do Rio de Janeiro terão que escoltar os carros alegóricos do Sambódromo até os barracões para evitar imprevistos. A decisão foi tomada depois que uma menina teve uma perna amputada em um acidente envolvendo uma alegoria da escola Em Cima da Hora, após o desfile da agremiação, na noite de quarta-feira (20).

Após a decisão judicial o Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ela estava internada.informou que Raquel Antunes da Silva não resistiu e morreu por volta das 12h10 de hoje.

O carro já tinha deixado o Sambódromo quando, segundo a Liga das Escolas de Samba do Rio (Liga RJ), responsável pelos desfiles da Série Ouro (segunda divisão do carnaval carioca), a menina subiu na alegoria, ocasionando o acidente.

O pedido para a escolta foi feito pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). O juízo da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Rio determinou que todas as escolas da Série Ouro, do Grupo Especial e das escolas de samba mirins terão que garantir que nenhuma criança ou adolescente se aproxime indevidamente das alegorias.

A Justiça também determinou que a Polícia Militar coloque viaturas e a Guarda Municipal faça patrulhamento a pé na rua Frei Caneca e em outras vias do entorno do Sambódromo onde circulam as alegorias depois dos desfiles.

Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio

Morre menina imprensada por carro alegórico no Rio

Dá Agência Brasil

A menina Raquel Antunes da Silva, 11 anos de idade, que se envolveu em um acidente com um carro alegórico de escola de samba na noite de quarta-feira (20), morreu no início da tarde de hoje (22). A morte foi confirmada pela direção do Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ela estava internada.

Segundo a direção do hospital, a morte ocorreu às 12h10. Raquel subiu no carro alegórico da escola de samba Em Cima da Hora, que manobrava na saída da Praça da Apoteose, e acabou imprensada entre a estrutura e um poste quando o veículo se movimentou. Ela foi encaminhada ao hospital e teve uma perna amputada.

A Polícia Civil está investigando o acidente. Foi realizada perícia no local, que fica fora do Sambódromo, e imagens de câmeras de segurança estão sendo analisadas para esclarecer o que aconteceu.

Após o acidente, o Ministério Público (MP) se pronunciou em nota e pediu que os carros alegóricos sejam escoltados por seguranças no momento da dispersão, já fora do Sambódromo, quando é comum que o público no entorno entre em contato com as alegorias.

Pelo Twitter, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, prestou solidariedade aos familiares de Raquel: “A morte da pequena Raquel nos deixa um grande sentimento de tristeza. Vamos acompanhar de perto a investigação policial que apura as responsabilidades e estamos, através de nossa Secretaria de Assistência, dando apoio aos familiares. Minha solidariedade neste momento de dor”.

A Polícia Civil informou, por meio da assessoria de imprensa, que vai ouvir ainda hoje o presidente administrativo da escola de samba. O carro alegórico foi apreendido.

Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio

Rio: carnaval renasce no Sambódromo após dois anos de pandemia

Dá Agência Brasil

As estruturas de cimento e aço do Sambódromo ganharam vida novamente, após dois anos de sono involuntário, devido à pandemia. Quando a primeira escola pisou na Avenida Marquês de Sapucaí na noite desta quarta-feira (20), pela Série Ouro, foi dada a largada oficial do carnaval fora de época no Rio de Janeiro.

Mas antes das escolas, o privilégio de estrear na pista foi dos componentes da velha guarda, carregando os estandartes de cada agremiação, cantando a composição Velha Guarda, de Dicró: “Sou velha guarda, a espinha dorsal do samba”.

Um dos cuidados obrigatórios este ano seria a apresentação do comprovante de vacina contra a covid-19, exigido de todos para ingressar no local do desfile. Porém, conforme a reportagem da Agência Brasil constatou, as pessoas estavam passando pelas catracas sem terem que apresentar o passaporte vacinal.

Na ordem dos desfiles, a primeira escola a retomar o Sambódromo foi a Em Cima da Hora, às 21h50, trazendo o enredo 33 – Destino Dom Pedro II, uma reedição do Carnaval de 1984, quando a escola desfilou na estreia do Sambódromo pelo grupo 1-B, antiga segunda divisão. O samba tece uma crônica das viagens de trem enfrentadas pelos trabalhadores para ganhar o pão na capital. Dom Pedro II era o nome da estação de trem que, em 1899, passou a se chamar Central do Brasil.

Segunda a desfilar, a Acadêmicos do Cubango, de Niterói, entrou com muita garra, com todos os componentes cantando o samba, o que levantou as arquibancadas. Ela veio contar a história da atriz Chica Xavier, que atuou em mais de 50 novelas na televisão e estreou no Theatro Municipal do Rio em 1956, na peça Orfeu da Conceição, de Vinícius de Moraes.

A escola de São João de Meriti, Unidos da Ponte, este ano escolheu o enredo Santa Dulce Dos Pobres – o Anjo Bom da Bahia, desenvolvido pelos carnavalescos Rodrigo Marques e Guilherme Diniz. O objetivo era contar a história da santa e apresentar seu legado de obras sociais.

A Porto da Pedra, de São Gonçalo, apostou no enredo O Caçador que Traz Alegrias, para homenagear mãe Stella de Oxóssi. O sobrinho da importante ialorixá da Bahia, obá Adriano Obiodun, é um dos compositores do samba-enredo da escola.

A União da Ilha, que caiu para o Grupo de Acesso em 2020, elegeu o enredo Nas Encruzilhadas da Vida, Entre Becos, Ruas e Vielas, a Sorte Está Lançada: Salve-se Quem Puder!, a fim de exaltar a fé por Nossa Senhora Aparecida.

Já a Unidos de Bangu escolheu o enredo Deu Castor na Cabeça, em homenagem ao bicheiro Castor de Andrade, entrelaçando a vida do patrono do Carnaval e do futebol com a história do bairro da Zona Oeste e do Bangu Atlético Clube.

A última prevista a desfilar no primeiro dia da Série Ouro era a Acadêmicos do Sossego, com o enredo Visões Xamânicas. O carnavalesco André Rodrigues criou um pajé para conduzir o público por meio de suas visões.

Nesta quinta-feira (21) será a vez das outras escolas da Série Ouro desfilarem na Marquês de Sapucaí: Lins Imperial, Inocentes de Belford Roxo, Estácio de Sá, Acadêmicos de Santa Cruz, Unidos de Padre Miguel, Acadêmicos de Vigário Geral, Império da Tijuca e Império Serrano.

Categorias
Carnaval Cultura Destaque Notícias Rio Samba

Sávia David participa de ensaio da Beija-Flor abraçada pela comunidade de Nilópolis

Mesmo não desfilando esse ano na Beija-Flor de Nilópolis, Sávia David, rainha de bateria da Unidos de Vila Maria, de São Paulo, participou do último ensaio na quadra da azul e branco de Nilópolis. Amada pela comunidade, ela caiu nos braços do povo, embalada pelo samba.

Foto: Divulgação

Estar aqui, sentir esta energia é voltar há 14 anos, onde tudo começou, isso muito me emociona. Esse amor que recebo da comunidade recarrega as forças , me alimenta a alma.

Com desfile no mesmo dia e horário, a artista teve que optar pela apresentação no Anhembi na “Vila mais famosa de São Paulo”, onde vai levar com muita garra e samba no pé, a alegria contagiante da “Cadência da Vila”, regida pelo mestre Moleza, a premiadíssima bateria da escola. A diva garante que o coração estará nas duas escolas e a torcida também.

Tinha que estar aqui neste último ensaio e prestigiar essa escola que faz parte da minha história profissional e de vida. Toda minha torcida para os componentes, tenho certeza que será mais um desfile incrível.

Foto: Divulgação

O enredo da escola é “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”, que exalta a memória e o trabalho intelectual do povo preto. Na quadra, o encontro de Sávia, com Selminha Sorriso e Pinah, dois ícones da escola, foi marcante.

Esse enredo tem muita força, fala de representatividade, de luta por direitos, fala da história do povo preto, de todos nós. É a nossa voz e a nossa vez. Selminha e Pinah são orgulho. Motivos não nos faltam para celebrar.

E tem melhor forma de comemorar do que junto com a galera? Foi o que Sávia fez, com muito abraço, afeto e, claro, samba e folia.