Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

Aplicativo ajuda a preservar caranguejo-uçá durante acasalamento

O caranguejo-uçá é um dos animais mais importantes da fauna do ecossistema de manguezal. Nas épocas de reprodução, os caranguejos saem das tocas e andam sobre a lama com o intuito de se reproduzir. O comportamento é apelidado de andada. Nesses períodos, é proibida a coleta do animal para que a espécie possa ser preservada.

A Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP), alerta que, de 2 a 7 de fevereiro, será dado início à segunda fase da andada do caranguejo-uçá. A SAP reforça a importância da utilização da versão 2.0 do aplicativo Remar Cidadão para a coleta e sistematização de dados sobre esse período de defeso, quando não se pode catar o caranguejo.

Nos períodos de andadas ocorrem competições entre os machos por causa das fêmeas que, depois de fecundadas, sobem nas raízes e troncos para liberar os ovos, que ficam presos ao abdome. Nesse período, a coleta predatória pode causar grave prejuízo à população de caranguejos e torná-los um recurso pesqueiro escasso.

O aplicativo é gratuito e está disponível para aparelhos de sistemas operacionais Android e iOS, e permite que os atores da cadeia produtiva da pesca e demais cidadãos, em qualquer parte do litoral brasileiro, contribuam com informações sobre a andada reprodutiva dos caranguejos. O passo a passo para o acesso está disponível no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

De acordo com a SAP, a participação dos cidadãos é fundamental para a avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso nos próximos anos. As informações recebidas através do aplicativo também são essenciais para o aprimoramento da gestão desses recursos pesqueiros.

Em 2022, o período de defeso do caranguejo-uçá ocorre em mais quatro datas: 2 a 7 de fevereiro; 17 a 22 de fevereiro; 3 a 8 de março; 19 a 24 de março. A proibição de captura deve ser observada nos estados Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

Desta forma, fica proibido capturar, transportar, beneficiar, industrializar e comercializar o animal nos estados definidos. É o que determina a Portaria 325/2020.

No Brasil, a chamada cata do caranguejo-uçá é uma das atividades extrativistas mais antigas, sendo praticada por comunidades tradicionais litorâneas que vivem de sua comercialização.

 

 

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias

Projeto sugere a incineração do lixo como alternativa aos aterros sanitários

Da Agência Senado

Está em análise no Senado o projeto de lei (4.603/2021) que sugere a incineração do lixo como alternativa aos aterros sanitários para incentivar a produção de energia elétrica por fonte térmica.

O texto, de autoria da senadora Rose de Freitas (MDB-ES), estabelece que a incineração do lixo pode ser utilizada como meio de produção de energia elétrica. Rose defende que as instalações de incineração ocupam menos espaços, pois o procedimento reduz em 90% o volume desses resíduos e rejeitos. Além disso, se construídas em áreas reduzidas, as instalações vão poupar a aquisição de grandes propriedades e longos deslocamentos até localidades remotas, onde se situam os aterros sanitários atualmente.

O PL também sugere que ao adotar a incineração com altos padrões tecnológicos, os gases nocivos serão filtrados na saída do sistema e as emissões de gás carbônico são amenizadas pela geração de energia elétrica nesse processo. Assim, a recuperação energética será a disposição final desses rejeitos.

Por fim, o projeto de lei ainda diz que o resultado da incineração do lixo deve seguir para uso na indústria química, na construção civil e na agricultura. Para isso, o projeto altera a legislação atual, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305, de 2010) e garante o descarte adequado em respeito ao meio ambiente.

Segundo a parlamentar, na justificativa do texto, há um enorme espaço para crescimento da recuperação energética de resíduos sólidos no país. “Trata-se de uma alternativa muitas vezes viável que tem sido pouco considerada no país, espero que a recuperação energética seja cada vez mais considerada e adotada, quando viável, como solução única ou combinada com aterros sanitários”, explica a senadora.

 

Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal Política Saúde

Cemig parcelará contas atrasadas de atingidos pelas chuvas em Minas

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) lançou campanha de negociação de débitos para os clientes atendidos em baixa tensão (até 220 volts) que foram impactados pelas tempestades do início de ano em Minas Gerais. A campanha permitirá que clientes solicitem parcelamento das contas de luz atrasadas em até 12 vezes, sem juros, nos canais digitais da companhia.

Para parcelar as dívidas, basta acessar o canal de atendimento Cemig Atende Web ou WhatsApp (31-3506-1160). Nesse caso, o cliente não poderá, porém, ter parcelamentos vigentes. A campanha também vale para consumidores que não foram atingidos pelas chuvas.

Outra opção de pagamento das contas em atraso em até 12 vezes sem juros é por meio do cartão de crédito, tanto no Cemig Atende Web quanto no WhatsApp (mande um “Oi” para 31-3506-1160, em seguida, digite “Pagamento” e siga as instruções). Nesta opção, os clientes podem apresentar parcelamento ativo com a companhia.

Segundo o gerente de Arrecadação e Adimplência da Cemig, Wellington Fazzi Cancian, as condições excepcionais oferecidas permitem aos clientes ficar em dia com a companhia. “[São] condições que possibilitam que o orçamento financeiro da família ou dos comércios não fique comprometido neste momento”, afirmou Cancian.

Para colaborar com as famílias que foram atingidas pelas chuvas, a Cemig e o Serviço Social Autônomo (Servas) estão disponibilizando pontos de coleta de doações para a campanha SOS Chuvas MG. São aceitas doações de água mineral, itens de higiene pessoal, alimentos não perecíveis, material de limpeza e roupas de cama e banho.

Para saber onde e como doar basta acessar o site da campanha SOS Minas.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Colunas Destaque Diário do Rio Meio Ambiente Rafael Zarvos | Nosso Planeta

Catadores e a sua importância

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, ao estimular a reciclagem dos materiais, incluiu entre os instrumentos da Política Nacional das coletas seletivas o incentivo à criação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis .

A atividade realizada por estes trabalhadores, aproximadamente 800 mil profissionais informais no país, consiste em catar, separar, transportar, acondicionar e, às vezes, beneficiar os resíduos sólidos com valor de mercado para reutilização ou reciclagem. Os catadores realizam um serviço de utilidade pública importante no contexto atual das coleta de materiais para reciclagem que, caso fossem descartados, iriam para os aterros sanitários e lixões. Através desta atividade, transformam o “lixo” em mercadoria outra vez. O montante coletado por eles chega a quase 90% de todo o resíduo reciclados no Brasil, segundo o IPEA.

A transformação desses materiais e a sua reinserção no ciclo produtivo gera benefício positivos para a natureza e para a sociedade, promovendo a economia de recursos naturais.

Apesar de serem responsáveis pela transformação do “lixo” em mercadoria de interesse de grandes indústrias, o que os coloca como verdadeiros agentes ambientais ao efetuarem um trabalho essencial no controle da limpeza urbana, a verdade é que estes trabalhadores ocupam uma posição marginal na sociedade.

Vários são os riscos a que estão sujeitos, por exemplo: exposição ao calor, a umidade,  a chuva, o risco de quedas, atropelamentos, contato com animais, o cheiro dos gases exalando dos resíduos sólidos acumulados, a sobrecarga de trabalho e levantamento de peso e  as contaminações por materiais biológicos ou químicos. Faltam equipamentos de proteção e disponibilidade de locais adequados para o trabalho.

Para que possamos ter sucesso na gestão compartilhada dos resíduos sólidos, conforme preconiza a Política Nacional, é preciso que o poder Público Municipal insira de maneira efetiva estes agentes no programa de coleta seletiva.

Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias Política Turismo

Estados vão avaliar áreas turísticas suscetíveis a desastres

Depois do desabamento de uma rocha que matou dez pessoas no Lago Furnas, em Capitólio (MG), ocorrido há uma semana, o Ministério do Turismo determinou que os estados realizem um levantamento dos destinos turísticos do país que apresentam risco de incidentes geológicos. A medida foi acertada durante reunião, por videoconferência, do ministro do Turismo, Gilson Machado, com integrantes Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur).

Segundo o ministro, o levantamento faz parte de uma série de medidas que estão sendo tomadas pela pasta para dar mais segurança à prática do ecoturismo no Brasil. “Solicitamos ao Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo que indiquem locais a serem analisados, a fim de possibilitar uma orientação mais efetiva contra perigos que ocorrem em lagos, cavernas, cânions, etc.”, explicou. A ideia é que, após esse levantamento, avaliações geológicas sejam feitas nas áreas para estabelecer novos parâmetros de prevenção.

Dias após o acidente em Capitólio, houve um deslizamento nas falésias da Praia de Pipa, Tibau do Sul (RN), durante uma madrugada chuvosa, sem vítimas. Pouco mais de um ano antes, em outubro de 2020, um desmoronamento no mesmo local matou três pessoas da mesma família. Em outubro do ano passado, o desabamento de uma gruta em Altinópolis, interior de São Paulo, deixou nove mortos. O grupo era formado por bombeiros que faziam um treinamento de resgate.

O Brasil possui milhares de cachoeiras, cavernas, cânions, falésias, praias, trilhas em montanhas e outros destinos turísticos que podem apresentar risco de ocorrências geológicas. A geóloga Joana Sanchez, da Universidade Federal de Goiás (UFG), acredita que o trabalho de levantamento e avaliação desses locais é fundamental para aumentar a segurança.

“Se você não sabe que existe risco, você não vai achar que existe. Como todo mundo que estava em Capitólio não achava que existe risco. E não é culpa de quem estava lá, e nem da prefeitura ou do governo porque isso não era exigido”, afirma. A ocorrência de desastres como o de Capitólio, segundo a geóloga, também está relacionado com o aumento do ecoturismo no Brasil. “O que a gente tem visto é que, com o aumento do turismo de natureza, tem acontecido mais acidentes, porque as pessoas estão se expondo mais ao risco”.

Em nota, a Federação Brasileiro de Geólogos (Febrageo) defendeu uma nova abordagem em áreas turísticas de risco para que acidentes como esse sejam evitados. “A forma já consagrada de prevenir tais situações é pela realização de mapeamento das áreas de risco, com o indicação das áreas de risco iminente e alto, onde são priorizadas ações controle e contenção, como, por exemplo, o desmonte controlado de blocos em risco de queda ou a implantação de técnicas de estabilização da encosta, que são corriqueiramente usadas na geotecnia”.

Na esteira do desabamento em Minas Gerais, esta semana o governo de Sergipe informou que vai acionar o estado vizinho de Alagoas para que seja realizado um monitoramento preventivo no Cânion de Xingó, no Rio São Francisco, que fica na divisa entre os dois estados.

No Pará, a Secretaria de Turismo promoveu uma reunião com os representantes das regiões turísticas do estado para debater medidas preventivas contra desastres e incidentes naturais. No Mato Grosso, um grupo de vistoria técnica foi montado para avaliar os riscos de desabamentos nos paredões do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, durante o período chuvoso.

Em 2008, um bloco de rocha do tamanho de um carro se desprendeu do paredão da cachoeira Véu de Noiva, uma das mais famosas do parque, e atingiu turistas que se banhavam no local, deixando feridos. Desde então, o acesso à cachoeira está interditado, por causa do alto risco geológico de desmoronamento.

Para além de uma ampla avaliação e monitoramento de áreas suscetíveis a riscos geológicos, especialistas defendem uma atualização da legislação na política nacional de prevenção de desastre e de defesa civil. Atualmente, a principal norma sobre o assunto é a Lei 12.608/2012. Ela foi aprovada um ano depois das enchentes e deslizamentos de terra ocorridos na Região Serrana do Rio de Janeiro, resultando em mais de 900 mortes, e teve como foco principal a adoção de medidas para áreas de risco em áreas urbanas.

“Então, a lei foi feita para áreas urbanas, o foco da lei é esse. Na minha opinião, o que deveria ser feito a partir de agora é uma atualização dessa lei, ou uma nova legislação, focando em áreas turísticas. Nós não temos nada que foque em áreas de risco ou em áreas de turismo. É como a gente fala, o Brasil sempre teve essa cultura de esperar acontecer alguma tragédia pra legislar sobre isso. A tendência acho que é a mesma agora, uma coisa específica pra área de turismo com esse viés geológico”, disse Tiago Antonelli, chefe da Divisão de Geologia Aplicada do Serviço Geológico do Brasil.

Para a Febrageo, há uma “necessidade urgente” de incluir na Lei 12.608/2012 dispositivos mais claros e específicos para o mapeamento e prevenção de riscos em áreas turísticas. A entidade também cobra a retomada de investimentos, por parte do governo federal, em mapeamento, prevenção e controle de riscos naturais no Brasil.

 

Agência Brasil

 

Categorias
Brasil Ciência Destaque Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal Política

Programa Antártico do Brasil completa 40 anos

Uma terra onde a ciência e a paz reinam absolutas. Nos dias de hoje, parece difícil imaginar um lugar assim no planeta. Mas ele existe. E fica no ponto mais ao sul da Terra. A Antártica corresponde a um arranjo geopolítico único no mundo. No dia 1º de dezembro de 1959, 12 países assinaram o Tratado Antártico. O documento pôs fim às disputas que existiam por porções de terra desse imenso continente. Com isso, abriu caminho para a liberdade de exploração científica da região, em um regime pacífico de cooperação internacional.  

O Brasil só viria a assinar o tratado em 1975 e em 1983 passou a integrar a chamada Parte Consultiva, com direito a voz e voto sobre as decisões relacionadas ao presente e o futuro do continente e de seus incalculáveis recursos naturais. Para ser membro consultivo, o pré-requisito exigido pelo tratado é justamente que o país promova algum tipo de pesquisa na região.

Atualmente, portanto, o Brasil compõe um seleto grupo de 29 países que têm estações científicas na Antártica e que poderão decidir os rumos de tudo o que esteja relacionado à exploração da região. E essa história começou justamente em janeiro de 1982, há exatos 40 anos, quando o governo brasileiro lançou o Programa Antártico (Proantar) e levou os primeiros cientistas para o continente, a bordo, na época, do navio oceanográfico W. Besnard.

“Esse projeto começa ainda no governo Geisel, em 1975, com adesão do Brasil ao Tratado Antártico, seguindo pelos anos 1980, com inauguração da estação científica, depois passando por todos os governos do período democrático até o momento atual. Certamente é umas das políticas de Estado mais bem-sucedidas do país, diferente das descontinuidades de projetos nacionais que estamos acostumados”, disse Paulo Câmara, professor do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UnB) e o primeiro coordenador científico designado para a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), a casa do Brasil no continente de gelo.

Câmara esteve na estação de outubro a dezembro do ano passado, na primeira leva de cientistas brasileiros que pisaram na Antártica após quase dois anos de paralisação por conta da pandemia da covid-19. Esse hiato nas pesquisas, que afetou praticamente todos os países que atuam no continente, acabou impedindo que o Brasil estreasse os modernos laboratórios científicos construídos para a nova Estação Comandante Ferraz.

Fundada em 1984, a estação sofreu um incêndio de grandes proporções em 2012. Na tragédia, dois militares morreram e 70% das instalações foram perdidas. O governo federal investiu cerca de US$ 100 milhões na obra de reconstrução, e a unidade recebeu os equipamentos mais avançados do mundo.

A entrega da base pronta ocorreu justamente no início de 2020, mas não deu tempo de retomar os projetos científicos porque cerca de dois meses depois foi decretada a emergência de saúde global provocada pelo novo coronavírus.

A volta dos pesquisadores para o continente de gelo não teve a mesma logística de antes. Por causa das restrições da pandemia, o tempo de permanência, que era de cerca de um mês, foi estendido para aproximadamente três meses, e agora ocorre em duas etapas ao longo do ano, e não seis, como antes. Além disso, os cientistas tiveram que ficar 10 dias embarcados a bordo do navio de apoio oceanográfico da Marinha, o Ary Rongel, fazendo quarentena e sendo submetidos a exames de covid-19. Pessoas com comorbidades não puderam viajar. O tempo de viagem também aumentou. O percurso anterior era feito via Punta Arenas, no extremo sul do Chile. Até ali, os pesquisadores chegavam por via aérea. Em seguida, embarcavam num navio para atravessar o tempestuoso Estreito de Drake até a Península Antártica, ou faziam um novo voo direto até o continente austral. Com o Chile fechado, a viagem foi feita de navio a partir do Rio de Janeiro direto para a Antártica, um percurso que durou cerca de 20 dias em alto mar.

Em uma área de 4,5 mil metros quadrados, a nova estação tem capacidade para hospedar 64 pessoas. O novo centro brasileiro de pesquisas na Antártica conta com 17 laboratórios de última geração. Os quartos da base, com duas camas e banheiro privativo, abrigam pesquisadores e militares com muito mais conforto do que antes. A estação também conta com acesso à internet 4G, sala de vídeo, locais para reuniões, academia de ginástica, cozinha e um ambulatório para emergências.

“As instalações são formidáveis. Conforto que antes não se tinha aqui, nos permite processar os dados que coletamos aqui e ter um bem-estar garantido. E com tudo ainda novo, é um prazer imenso compor o primeiro grupo de pesquisadores que faz uso de tudo isso que é feito para o nosso trabalho. Ter esses subsídios e todo o propósito de estar aqui e fazer ciência faz tudo parecer um sonho de pesquisador”, disse Dafne Anjos, estudante do décimo semestre do curso de Ciências Biológicas da UnB, que está na Estação Comandante Ferraz desde novembro de 2021, no primeiro grupo que retomou as pesquisas. Envolvida com pesquisas sobre musgos antárticos, Dafne Anjos deve ficar pelo menos até fevereiro na base, coletando amostras e analisando suas composições.

Entre as unidades reativadas recentemente, está a estação meteorológica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apelidada de “meteoro”, que faz medições automáticas diretamente da base brasileira na Antártica. Outra instalação de pesquisa que retomou suas atividades foi o módulo VLF (Very Low Frequency), que realiza estudos sobre a propagação eletromagnética na ionosfera (parte alta da atmosfera terrestre). Foi dali que cientistas puderam acompanhar, em dezembro do ano passado, o eclipse total do Sol. Esse fenômeno, que ocorre quando Sol, Terra e Lua estão totalmente alinhados, só pôde ser visto completamente da Antártica.

Em todas as unidades da estação foram instaladas portas corta-fogo e colocados sensores de fumaça e alarmes de incêndio. Nas salas onde ficam máquinas e geradores, as paredes são feitas de material ultrarresistente. No caso de um incêndio, elas conseguem suportar o fogo durante duas horas e não permitem que ele se espalhe por outros locais antes da chegada do esquadrão anti-incêndio. A estação tem ainda uma usina eólica que aproveita os fortes ventos antárticos. Placas para captar energia solar também foram instaladas na base e vão gerar energia, principalmente no verão, quando o sol na Antártica brilha mais de 20 horas por dia.

“Aprendemos lições ao longo desse processo, a ponto de hoje termos essa estação extremamente tecnológica e segura, com uma série de recursos que permitem a gente realizar pesquisa científica de ponta na Antártica”, destaca o capitão de mar e guerra Marcelo Gomes, da Marinha, que é subsecretário do Proantar.

Do ponto de vista estrutural e tecnológico, a estação científica brasileira está entre as mais modernas da Antártica, só perdendo em importância para a Estação McMurdo, a enorme base científica dos Estados Unidos, praticamente uma pequena cidade que pode abrigar mais de 2 mil pessoas, e a Estação Polo Sul Amundsen-Scott, localizada no Polo Sul geográfico da Terra, também controlada pelos norte-americanos.

A Antártica é considerada o principal regulador térmico do planeta, pois controla as circulações atmosféricas e oceânicas, influenciando o clima e as condições de vida na Terra. Além disso, é detentora das maiores reservas de gelo (90%) e água doce (70%) do mundo, além de possuir incontáveis recursos minerais e energéticos. Sua dimensão também impressiona: são mais de 14 milhões de quilômetros quadrados, quase duas vezes o tamanho do território brasileiro (8,5 milhões de quilômetros quadrados).

Para o Brasil, que é considerado o sétimo país mais próximo da Antártica, estudar e compreender os seus fenômenos naturais é literalmente uma questão de sobrevivência no futuro.

“A Antártica está esquentando e isso vai criando distúrbios na sua atmosfera. Essas correntes marinhas que sobem da Antártica para o Brasil garantem, por exemplo, a qualidade da água que permite o desenvolvimento de peixes pescados na nossa costa. Tem também a influência no regime de chuvas, já que a massa de ar frio e seco da Antártica sobre para a América do Sul, onde se encontra com a massa de ar quente e úmido vinda da Amazônia. O equilíbrio desse fluxo, onde ora uma predomina sobre a outra, é que garante períodos alternados de seca e chuva que, são essenciais para o funcionamento da agricultura”, explica Paulo Câmara.

O coordenador científico da estação brasileira na Antártica enumera ainda outras pesquisas relevantes desenvolvidas no continente gelado. Uma delas investiga espécies de fungo endêmicos da região que poderiam ser usados no desenvolvimento de fungicidas para combater a ferrugem asiática, uma doença causada por outro tipo de fungo que afeta mundialmente a agricultura, gerando perdas bilionárias em lavouras como a da soja.

Com o avanço acelerado das mudanças climáticas e o exaurimento dos recursos do planeta, os olhos de todos devem se voltar para a Antártica dentro de algumas décadas. “A Antártica é o último reduto de recursos naturais da Terra, é uma reserva para a humanidade”, enfatiza Câmara.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Cultura Destaque Diário do Rio Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

MPF vai apurar acidente que destruiu dois casarões de Ouro Preto

Poucas horas após parte do Morro da Forca vir abaixo e destruir duas construções no centro de Ouro Preto (MG), o Ministério Público Federal (MPF) instaurou um procedimento administrativo para apurar as circunstâncias da ocorrência.

Em nota, o MPF justificou a iniciativa citando os “evidentes danos ao patrimônio cultural”, já que parte do conjunto arquitetônico municipal é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e está inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

“O MPF vai apurar as circunstâncias em que o fato se deu e pedir esclarecimentos aos órgãos envolvidos na tutela dos referidos bens quanto ao motivo do incidente, dimensão dos danos e seus efeitos”, informou o MPF, em nota.

O MPF quer que a prefeitura informe se há, em Ouro Preto, outros imóveis em risco iminente de serem atingidos por novos deslizamentos ou desmoronamentos e que providências o município está adotando para impedir que isso ocorra. Já do Iphan, os procuradores esperam receber um parecer sobre a extensão do dano cultural causado pelo acidente desta quinta-feira, bem como uma relação das construções históricas em situação de risco na cidade e quais medidas já foram adotadas para proteger o conjunto arquitetônico local.

Uma das construções destruídas esta manhã foi um casarão do século 19, o Solar Baeta Neves. Segundo o Iphan, o imóvel integrava o Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, mas estava interditado desde 2012, quando foi atingido por um deslizamento de terra que comprometeu parte da edificação. Ainda de acordo com a autarquia federal, a Defesa Civil já vinha monitorando a área desde o fim do ano passado, por conta do risco das fortes chuvas que atingem Minas Gerais causarem um acidente como o desta manhã.

Apesar do prejuízo histórico e cultural, o deslizamento não feriu nenhuma pessoa. Conforme o barbeiro Fábio Rogério Alves contou à Agência Brasil, o trânsito de veículos e de pessoas próximo à área atingida tinha sido interrompido pouco antes de parte do talude cair sobre as construções. Alves foi uma das primeiras pessoas a perceber que parte do Morro da Forca viria abaixo e, junto com outras duas pessoas, incluindo uma funcionária da prefeitura, alertou quem passava pelo local.

“Antes mesmo dos bombeiros chegarem, pouco antes da queda do morro, já tínhamos isolado a passagem de veículos e de pedestres. Como o terminal [de integração localizado a cerca de 300 metros] ainda não estava funcionando, não havia muita gente circulando naquela hora”, disse Alves.

Segundo ele, os dois casarões atingidos estavam embargados e lacrados há vários anos e não costumavam ser acessados por ninguém. Dono de uma barbearia de onde se vê o local do deslizamento, Alves disse que já havia testemunhado ao menos um acidente parecido, no mesmo lugar, em 2011. “O terreno ali é bastante instável”.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias Política

Prefeitura de Campos monitora vazão do Rio Paraíba do Sul

A prefeitura de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, monitora a elevação do nível do Rio Paraíba do Sul. De acordo com a Secretaria Municipal de Defesa Civil, em nove horas o nível subiu 26 centímetros, chegando à cota de 10,91 metros às 9h15 de hoje (12). Pelos cálculos do secretário de Defesa Civil, Alcemir Pascoutto, mantida a média de elevação de dois a quatro centímetros por hora, a cota de 11 metros pode ser atingida ainda nesta quarta-feira.

Desde quinta-feira (6), a Defesa Civil monitora o Paraíba do Sul. Nesse dia, a pasta emitiu alerta sobre acumulado significativo de chuvas em Campos. As previsões também indicavam a possibilidade de grande volume de chuva em toda a região de influência hídrica do rio. Além do Paraíba do Sul, o Setor de Monitoramento também acompanha o comportamento de todos os afluentes e da calha principal, porque eles impactam diretamente o nível do Paraíba do Sul na cidade.

Nos pontos onde a água do rio está voltando pelas galerias, as equipes da Defesa Civil e do governo seguem colocando sacos de areia, ao mesmo tempo em que equipes técnicas estão realizando vistorias para verificação de todas as informações que chegam sobre pontos de risco.

“Estamos de prontidão, concentrando todos os nossos esforços para minimizar os possíveis impactos das cheias. Nosso foco é o povo, dar assistência ao povo, fazer chegar informação e auxílio a todas as pessoas afetadas, que precisam do governo nesse momento. O prefeito Wladimir está atuante junto com o Gabinete de Crise, definindo com a Defesa Civil as medidas a serem tomadas a cada mudança de cenário”, disse o secretário da Defesa Civil.

No final da tarde de ontem (11), como medida preventiva, a Defesa Civil interditou a ponte Barcelos Martins, no centro, logo após o Rio Paraíba do Sul ultrapassar a cota de transbordo, atingindo 10,43 metros. “A interdição é necessária, uma vez que a correnteza do rio está forte e há acúmulo de vegetação nos pilares da ponte, o que acaba provocando pressão nos pilares, podendo comprometer a estrutura da ponte”, justificou a prefeitura.

Para impedir o tráfego de motocicletas, bicicletas e a passagem de pedestres, a Guarda Civil Municipal está no local. “A desinterdição só acontece depois que o nível do Rio Paraíba é normalizado e a Defesa Civil realiza vistoria”, completou a prefeitura.

De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Civil do Rio de Janeiro (Sedec-RJ), o número de desalojados em consequência das chuvas que caem desde sexta-feira (7) subiu para 7.800, e há cerca de 700 desabrigados nos municípios atingidos pelos temporais, especialmente nas regiões norte e noroeste do estado.

Conforme a secretaria, agentes estaduais continuam visitando as áreas atingidas para verificar a situação e prestar todo apoio às defesas civis municipais. A Sedec-RJ e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) estão mobilizados para atuar na prevenção e na diminuição dos danos causados pelas chuvas que atingem o estado do Rio. Todas as regiões registram áreas de inundações, deslizamentos, alagamentos e quedas de árvores.

De acordo com a Defesa Civil, até o momento, os municípios de Bom Jesus do Itabapoana, Natividade, Trajano de Moraes, Santa Maria Madalena, São Sebastião do Alto e Cachoeiras de Macacu decretaram Situação de Emergência.

Desde sábado (8), o CBMERJ realizou mais de 360 atendimentos relacionados às chuvas. Até o momento, não há registro de mortos.

As avaliações do Centro Estadual de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais do Rio de Janeiro (Cemaden-RJ) indicam, para as próximas horas, a previsão de chuva fraca a moderada isolada durante a manhã e pancadas de chuva moderada a ocasionalmente forte, de forma isolada, a partir da tarde, em todas as regiões do estado.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias Política Rio

Chuvas no Rio desalojam 2 mil pessoas e provocam inundações

As chuvas no estado do Rio de Janeiro ainda causam dificuldades à população. De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Civil (Sedec-Rio), os dados compilados até o momento mostram que há cerca de 2 mil pessoas desalojadas e 350 desabrigadas em todo o estado. Todas as regiões registram áreas de inundações, deslizamentos, alagamentos e queda de árvores.

As enchentes nas regiões norte e noroeste do estado foram causadas pelo transbordamento de rios, alguns com origem em Minas Gerais, onde várias cidades também sofrem com as chuvas.

A preocupação é com o nível das águas dos rios Muriaé, Carangola, Itabapoana, Pomba e Paraíba do Sul, que passa por pelo menos dez cidades – Itaperuna, Italva, Natividade, Porciúncula, Bom Jesus do Itabapoana, Laje do Muriaé, Cambuci, Aperibé, Santo Antônio de Pádua e Cardoso Moreira.

Na região serrana, conforme a Sedec-Rio, houve registros de deslizamentos, alagamentos, interdições de vias, quedas de muros e de árvores em Carmo, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo, Cordeiro, São Sebastião de Alto, Cantagalo, Macuco e Trajano de Moraes.

Na região sul, um deslizamento de terra obstruiu a passagem de via em Mendes.

Na Região Metropolitana, também há registros de deslizamentos, desabamentos, quedas de árvores e de quedas de muros em Niterói e em Cachoeiras de Macacu.

De acordo com a Defesa Civil, os municípios de Rio Claro e de Itaperuna homologaram processo para situação de emergência e outras cidades estão com os processos em avaliação. “Com o reconhecimento da situação de emergência pelo estado, os municípios podem contar com a ajuda financeira do governo federal”, informou a Defesa Civil.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a BR 356 tem interdições no trecho entre os quilômetros 36 e 37, altura de Itaperuna, por causa de alagamentos. Outro trecho fechado ao trânsito na mesma rodovia é no quilômetro 99, em Cardoso Moreira. Na BR 101, há interdição no quilômetro 190, em Casimiro de Abreu, onde ocorreu uma abertura de cratera. O trânsito está sendo desviado para o distrito de Rio Dourado.

No município do Rio de Janeiro, o Sistema Alerta Rio, órgão de meteorologia da prefeitura, indicou que a previsão é de céu nublado a encoberto com pancadas de chuva moderada a partir desta tarde, mas podem ser fortes à noite. O tempo segue instável na cidade do Rio de Janeiro.

A meteorologista do Alerta Rio Judith Rodrigues disse que a circulação em altos e médios níveis da atmosfera influencia as condições de tempo na cidade. “Nas próximas horas, a tendência é de aumento de nebulosidade e o cenário meteorológico é favorável para pancadas de chuva isoladas”, alertou.

Os ventos variam de fracos com até 18,5 km/h, a moderados, de 18,5 km/h a 51,9 km/h. As temperaturas ficam estáveis em relação a ontem (10), com máxima de 29°C.

O Alerta Rio recomenda à população que fique atenta aos canais do COR, que além de comunicarem as previsões de chuva do Sistema Alerta Rio, em tempo real, 24 horas por dia, orientam sobre como agir em casos de alagamentos, ventos fortes e chuvas com raios, entre outros.

Os comunicados são publicados no site do COR, nas redes sociais (@operacoesrio no Twitter, Instagram e Facebook) e no aplicativo COR.Rio, como também em avisos para a imprensa. As imagens do Radar Meteorológico, podem ser acompanhadas no app COR.Rio, onde os usuários podem também ver a lista de sirenes acionadas e de pontos de apoio da Defesa Civil municipal.

A Sedec-RJ e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) continuam mobilizados para prevenir e minimizar danos causados pelos temporais em todo o estado. Desde sábado (8) os Bombeiros realizaram cerca de 280 atendimentos relacionados às chuvas. Até o momento, não há registro de mortos.

As previsões do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais do Rio de Janeiro (Cemaden-RJ) indicam núcleos de chuva fraca a moderada em todas as regiões do estado.

A Defesa Civil destacou que as mensagens que podem ser recebidas por celular são importantes para a prevenção de desastres. Para se cadastrar basta enviar um SMS com o número do CEP para 40199. O serviço é gratuito e atualmente já conta com mais de 1,6 milhão de registros.

 

Agência Brasil

 

Categorias
Destaque Meio Ambiente Mundo Notícias

Calor acumulado em oceanos bate novos recordes em 2021, alerta estudo

Dá Agência Brasil

O calor acumulado nos oceanos bateu novos recordes pelo sexto ano consecutivo, mostra pesquisa com dados até 2021, publicada hoje (11) na revista científica Advances in Atmospheric Sciences.

Os 23 autores do trabalho, de 14 institutos de vários países, alertam que as temperaturas no mar bateram recordes pelo sexto ano consecutivo. Lembram que são resultados do fim do primeiro ano da Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2021-2030).

O relatório resume dois conjuntos de dados internacionais, do Instituto de Física Atmosférica (IAP, na sigla original), da Academia Chinesa de Ciências, e dos centros nacionais de Informação Ambiental, da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla original), dos Estados Unidos (EUA), que analisam observações sobre o calor nos oceanos e seu impacto desde a década de 50.

O aquecimento dos oceanos “está aumentando incessantemente, em nível global, e este é um indicador primário da mudança climática induzida pela humanidade”, disse um dos autores do documento, Kevin Trenberth, do Centro Nacional de Investigação Atmosférica do Colorado.

No último ano, os estimaram que os primeiros 2 mil metros de profundidade em todos os oceanos absorveram mais 14 zettajoules de energia sob a forma de calor do que em 2020, o equivalente a 145 vezes a produção mundial de eletricidade em 2020.

Toda a energia que os seres humanos utilizam no mundo em um ano é cerca de metade de um zettajoule (um zettajoule é um joule, unidade para medir energia, seguido de 21 zeros).

Além de calor, os oceanos absorvem atualmente entre 20% e 30% das emissões de dióxido de carbono produzidas pela humanidade, levando à acidificação das águas, disse Lijing Cheng (IAP), acrescentando que “o aquecimento dos reduz a eficiência da absorção de carbono e deixa mais dióxido de carbono no ar”.

Os cientistas também avaliaram o papel de diferentes variações naturais, como as fases de aquecimento e arrefecimento conhecidas como El Niño e La Niña, que afetam grandemente as mudanças de temperatura regionais.

Segundo Lijing Cheng, as análises regionais mostram que o forte e significativo aquecimento dos oceanos, desde o fim dos anos 50, ocorre em todos os lugares e que as ondas de calor marinhas regionais têm enormes impactos na vida marinha.

De acordo com Lijing Cheng, o estudo mostra também que o padrão de aquecimento dos oceanos é resultado de mudanças na composição atmosférica relacionadas com a atividade humana.

“À medida que os oceanos aquecem, a água expande-se e o nível do mar sobe. Os oceanos mais quentes também sobrecarregam os sistemas climáticos, criando tempestades e furacões mais poderosos, bem como aumentando a precipitação e o risco de inundações”, alertou.