Categorias
Colunas Destaque Esportes Futebol Giro Esportivo Notícias Notícias do Jornal

Opinião: Retorno do público aos estádios faz muito bem ao futebol brasileiro

Por Guilherme Abrahão

Aos poucos o brasileiro vai retomando a vida após o período de pandemia e entre os seus principais meio de descontração está o futebol. E em todos os estados, o público já está liberado, seguindo determinadas restrições, obviamente. Mas o que já se viu nesse início de retomada normal do futebol, é que possuir público, realmente faz uma baita diferença em cada situação. Como exemplo mesmo, podemos pegar o clássico da última rodada entre São Paulo e Corinthians. Foram mais de 23 mil pessoas presentes no Morumbi, e uma atmosfera diferente para os donos da casa.

Em baixa no Brasileiro, o São Paulo contou com a ajuda do seu torcedor para voltar a vencer, depois de seis rodadas só empatando. Ainda mais em um clássico. A torcida tricolor fez a diferença e empurrou a equipe para a vitória e para tirar o time do sufoco que estava no Brasileiro. O Corinthians, por sua vez, quer utilizar o artifício de ter seu torcedor do lado para seguir subindo na classificação. Para o jogo contra a Chapecoense, a equipe pediu adiamento para o dia 1 de novembro, aceito pela CBF.

Isto porque, a partir desta data, está liberada a presença de 100% do público nos estádios de São Paulo. Como o jogo estava marcado para o dia 31, o Timão só poderia utilizar 50%. Além do ganho financeiro, o retorno da torcida dá ganho esportivo para as equipes.

No Rio de Janeiro não é diferente. Neste fim de semana, Flamengo e Fluminense se enfrentam no Maracanã, com as duas torcidas presentes. A CBF autorizou a entrada de torcedor visitante novamente e a expectativa é de todos os ingressos vendidos para o clássico. O acordo prevê bilhetes vendidos meio a meio para cada clube.

O retorno do público em alta é um sinal da melhora da pandemia no Brasil. Seguindo todos os protocolos corretamente, o futebol brasileiro volta a ganhar em espetáculo. E o povo pode voltar a sorrir nos estádio. Bom para todos!

Categorias
Notícias do Jornal

Taxa média do empréstimo pessoal varia 0,95% em outubro, diz Procon

Da Agência Brasil

A taxa média do empréstimo pessoal teve variação positiva de 0,95% em outubro, segundo a pesquisa de taxa de juros do Procon-SP.  Nos seis bancos pesquisados, a taxa média do crédito pessoal ficou em 6,38% ao mês, acréscimo de 0,06 ponto percentual (pp) em relação à média referente ao mês anterior, que foi de 6,32%, representando uma variação positiva de 0,95%.

O levantamento foi feito em 4 de outubro pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor nos seguintes bancos: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander.

No cheque especial, a taxa média dos bancos pesquisados manteve-se em 7,96% ao mês, sem alteração em nenhum dos bancos pesquisados.

Segundo o Procon-SP, as mudanças foram promovidas pelos Bancos do Brasil e Bradesco. O Banco do Brasil alterou sua taxa de 5,73% para 5,81%, um acréscimo de 0,08 pp, representando uma variação positiva de 1,40%. E o Bradesco alterou sua taxa de 7,42% para 7,72%, um acréscimo de 0,30 pp, representando uma variação positiva de 4,04%.

“O Procon-SP recomenda que o consumidor fique sempre atento ao seu orçamento. No caso de dívidas, deve pesquisar formas de obter linhas de crédito ou até mesmo buscar alternativas para negociá-las. Uma forma de pagar as dívidas de cheques especiais e cartão de crédito é trocá-las por empréstimos consignados, pois eles possuem taxas de juros menores”, diz o Procon-SP.

Categorias
Brasil Cultura Notícias Notícias do Jornal

Dica de Livro: A Escola: onde está um, estão todos

O escritor paulista Miguel M. Abrahão nasceu em São Paulo em 25 de janeiro de 1961, e é  formado em história, comunicação social e pedagogia, tendo exercido várias atividades em instituições de ensino, além de dedicar parte de seu tempo à literatura. É um dos mais prolíficos autores de romances históricos no Brasil, cujas obras mais importantes nesse sentido são A Pele do Ogro, A Escola: onde está um, estão todos, O Bizantino e O Strip do Diabo. E a obra que vamos destacar hoje é a A Escola: onde está um, estão todos.

O livro tem como pano de fundo os anos 30, durante a ditadura do Governo Vargas. O professor Bolívar Bueno, envolvido com ideias perigosas para a época, exerce forte influência e controle emocional sobre seus alunos do tradicional educandário Wolfgang Schubert, enquanto divide sua atenção para com as professoras Rosário e Suzy e enfrenta as intrigas do Reverendo Otto Stockhausen e de sua assistente, senhorita Catarina.

Em 2005, a peça foi adaptada por seu autor para o formato de romance, lançado em 2007. Nesse novo formato, Miguel M. Abrahão ampliou o fundo histórico aprofundando temas como a Revolução Constitucionalista de 1932, os conflitos entre o PCB e o Integralismo, além de dar detalhes históricos sobre a Intentona Comunista de 35. O livro é uma obra que traz o leitor para o cenário atual da luta entre integralista e comunistas, que mexe com o contexto político do Brasil atualmente.

O romance, que foi uma obra teatral adaptada – cuja montagem marcou a estreia do ator João Vitti na profissão, pai do Rafael Vitti, marido da Tatá Werneck – é praticamente um mergulho na história do Brasil e de São Paulo. Com personagens marcantes, A Escola traz conhecimento e cultura para quem quer aprender mais sobre o passado desta nação.

Você pode encontrar a venda em:

https://www.estantevirtual.com.br/sebo-renascimento/miguel-m-abrahao-a-escola-onde-esta-um-estao-todos-2486910376?show_suggestion=0

 

Categorias
Carlos Augusto | Opinião Diário do Rio Notícias do Jornal

Opinião: Alcolumbre fecha parceria com o STF em oposição ao governo federal

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Davi Alcolumbre, e os “Deuses das Capas Pretas” do STF resolveram se unir para combater as prerrogativas constitucionais do Poder Executivo, leia-se Presidente da República. A indicação de André Mendonça ao STF completou 91 dias na quinta-feira (14). A resistência em pautar a nomeação de Mendonça está expondo as reais intenções do Alcolumbre, que são chantagear o Executivo e, como se diz na gíria, “se dar bem” em algum projeto pessoal, pois, sem sombra de dúvidas, não se trata dos interesses do povo lá da longínqua Macapá essa postura arbitrária e inconstitucional.

Enquanto Alcolumbre permanece sentado na sabatina do André Mendonça, os malfeitores, corruptos, a banda podre do congresso e a bandidagem em geral estão sendo beneficiados nas votações empatadas das matérias julgadas pelo STF – “in dubio pro reo” , ou seja, “na dúvida, em favor do réu”.

Um dos “Deuses do Olímpio”, o ministro Ricardo Lewandowski negou na segunda-feira (11) um pedido para obrigar o Senador a marcar a sabatina, e Alcolumbre, de forma arrogante, disse a aliados que pretende sentar na sabatina até 2023. Toda movimentação de Alcolumbre, lamentavelmente, está sendo fortalecida pelos parlamentares dos partidos opositores do Presidente Bolsonaro, com a grande imprensa “burguesa” dando cobertura.

Muito preocupante também é a postura do Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que se mantém inerte diante da postura nefasta do Alcolumbre. Aliás, o que se esperar de um presidente do Senado que se pôs de joelho perante aos “Deuses do Olimpo” (STF)?

Nunca é tarde para lembrar a CPI das “Fake News” e a CPI da “Pandemia”, presidida por um dos maiores corruptos do Amazonas – Senado Aziz e pelo relator não menos corrupto senador Renan Calheiros, ou seja, é tudo “farinha do mesmo saco”.

Os Senadores pró-Mendonça estão articulando nos bastidores uma alternativa à decisão de Alcolumbre. O caminho mais rápido é pressão via plenário sobre Rodrigo Pacheco para este marcar a sabatina ainda em outubro. Por sua vez, deveria o Plenário do STF, se tivesse defendendo os interesses populares, decidir pela obrigatoriedade de Alcolumbre marcar a sabatina.

Os senadores aliados de André Mendonça têm criticado a postura do presidente da CCJ do Senado, como sendo ato antidemocrático. Mas ainda é pouco, pois a pressão tem que ser articulada sobre o Presidente do Senado.

Completando três meses sem ser apreciado, Davi Alcolumbre, sem a menor razão,  disse que: “não aceitará ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja”.  Muito interessante essa reação. O ilustre senador está até a “raiz do cabelo” totalmente ilegal e imoral, indigno de ocupar a cadeira que ocupa, se posta de coitadinho e ofendido, para não dizer outra coisa…

É importante esclarecer que a Constituição estabelece que a nomeação do Ministro do STF tem que passar, efetiva e necessariamente, pelo Senado. Essa regra existe inclusive para outros cargos e tem sido respeitada e seguida exatamente conforme prevê nossa Constituição, ou seja, em atenção ao princípio da separação e harmonia dos poderes, motivo pelo qual o STF ratificou a autonomia do Senado para definição dessa pauta específica.

Quem está destoando dessas prerrogativas é Alcolumbre, que afirmou ter “sofrido agressões de toda ordem. Debochadamente, não tem outra expressão a ser usada. Alcolumbre afirma que é agredido em sua religião ao ser acusado de intolerância religiosa. Diz ainda que  atacaram a sua família, acusando-o de interesses pessoais fantasiosos.

Mais adiante afirma que: “querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa”. “Reafirmo que não aceitarei ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja”, finaliza o senador.

Criticado por ampla maioria dos senadores, o senador, numa demonstração de retaliação, segura a sabatina se portando como o “senhor feudal” do Senado. Desrespeita a própria instituição e a sociedade. “Alcolumbre não pode usar a prerrogativa de presidente de uma comissão para transformar esta Casa em uma ferramenta pessoal de vingança”, observou um senador em tom de crítica.

Termino registrando que o País, o povo, não está mais aceitando esse tipo de postura vindo dos políticos, principalmente dos que estão encastelados no Congresso Nacional. Chega! Basta! O povo não aguenta mais!

Carlos Augusto (Carlão)
Jornalista, sindicalista e advogado

Categorias
Destaque Diário do Rio Mundo Notícias Notícias do Jornal

Papa abre caminho para a beatificação de João Paulo I

Da Agência Brasil

O papa Francisco reconheceu um milagre atribuído à intercessão de Joao Paulo I, cujo pontificado durou apenas 33 dias, abrindo assim caminho à sua beatificação, informou nesta semana o Vaticano.

Durante audiência ao prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Francisco autorizou a promulgação do decreto relativo ao milagre atribuído a João Paulo I (Albino Luciani), que nasceu no dia 17 de outubro de 1912 em Forno di Canale (hoje Canale d`Agordo, Itália) e que faleceu em 28 de setembro de 1978 no Palácio Apostólico (Estado da Cidade do Vaticano).

João Paulo I, que ficou conhecido popularmente como o “Papa do sorriso”, foi eleito em 26 de agosto de 1978 e morreu inesperadamente 33 dias depois, tornando o seu pontificado um dos mais curtos da história da Igreja Católica.

O milagre pelo qual Luciani será proclamado bem-aventurado refere-se à suposta cura inexplicável de uma criança argentina que sofria de grave doença cerebral.

A jornalista e vice-postuladora da causa da canonização, Stefania Falasca, anunciou há algumas semanas no jornal religioso Avvenire que o conselho médico que examinou o caso da menina argentina “decidiu por unanimidade que a cura era cientificamente inexplicável”.

A causa de canonização de Albino Luciani foi aberta em novembro de 2003, 25 anos após a sua morte, e terminou em novembro de 2017 com o decreto sancionado pelo papa Francisco, que proclamava as virtudes heroicas de João Paulo I.

No fim de novembro de 2017, terminou a investigação diocesana iniciada em 2016 na diocese argentina de Buenos Aires. Ao ser reconhecido o milagre da cura da criança, abre-se o caminho para a beatificação de João Paulo I, faltando apenas aguardar a data que será fixada pelo papa Francisco.

Categorias
Aisha Raquel Ali | Tecnologia Diário do Rio Notícias do Jornal Tecnologia

Revolução: Android 12

O Google lançou oficialmente o Android 12 na primeira semana deste mês cumprindo o calendário divulgado no início do ano. A empresa promete a maior atualização do sistema operacional, principalmente em termos de design.

A versão oficial começará a ser liberada nas próximas semanas para usuários da linha Pixel, da própria empresa, contudo o Google promete que celulares de empresas como Samsung, OnePlus, Oppo, Realme, Tecno, Vivo e Xiaomi também serão atualizados ainda este ano.

Rixa com a Motorola?

Uma empresa que antes estava no topo da lista com atualizações de software, lentamente se tornou uma das empresas que vem decepcionando seus usuários. Lembrando que a Motorola se prepara para lançar diversos smartphones novos no mercado nacional, provavelmente os mesmos cheguem ainda com o Android 10, contrariando nossas expectativas.

Na verdade, quando a empresa compartilhou seus planos de atualizar dispositivos para Android 11, ela afirmou que muitos deles dispositivos não receberiam a atualização para o Android 12.

A Motorola ainda não compartilhou um cronograma de quando espera lançar a atualização do Android 12 para produtos lançados recentemente. No entanto, a empresa confirmou que o Edge+ e o Moto RAZR receberiam a atualização. Portanto, em breve deveremos ter uma resposta mais concreta sobre a programação de atualização.

Novidades

Em termos de novidades já havíamos dado uma pincelada a algumas edições atrás, contudo não podemos deixar de falar sobre a “cara nova” que esta atualização trás. Quando você troca o papel de parede do celular, por exemplo, a cor predominante dele vai respingar sobre todo o sistema, indo desde o menu de configurações aos ícones de apps nativos.

Outra novidade é a Game Dashboard, o painel dedicado para jogos nativo. A função copia alternativas criadas por fabricantes parceiras, como Xiaomi, com um conjunto de ferramentas específico para a gameplay — incluindo compartilhamento rápido de capturas e uma barra de atalhos dedicada.

Finalmente, o Android 12 raíz se torna capaz de tirar prints mais compridos, incluindo partes do app que estejam fora da tela. Esse recurso também já foi visto em outras iterações do sistema, mas aqui ganha um capricho do próprio Google.

Atualizações nos Widgets, em configurações rápidas, em privacidade e segurança, trazendo até mesmo Animações suaves e mais leves. A atualização promete revolucionar a era dos celulares Android. E aí, você está preparado?

Aisha Raquel Ali
Webdesigner, assessoria em social media e marketing
aisha.raquel@jornaldr1.com.br

Categorias
Ana Cristina Campelo | Seus Direitos Diário do Rio Notícias do Jornal

“Seu direito termina onde começa o do outro”

Cidadania, diz o dicionário, é a condição de pessoa que, como membro de um Estado, se acha no exercício de direitos que lhe permitem participar da vida política e social de seu País. É a prática dos direitos e deveres de uma pessoa em um Estado. Os direitos e deveres de um cidadão devem estar sempre juntos, já que o direito de um cidadão implica necessariamente numa obrigação de outro cidadão.

Cidadão é aquele que se identifica como parte de um território, desfruta dos direitos e cumpre os deveres estabelecidos em lei. Assim, exercer a cidadania é ter consciência de suas obrigações e lutar para que o que é justo e correto seja colocado em prática, sempre e acima de tudo.

Para que a pessoa possa ter dignidade, faz-se imprescindível que lhe seja assegurado os seus direitos sociais previstos na Constituição Federal tais como: educação, saúde, trabalho, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância e assistência aos desamparados, como o mínimo absoluto e necessário para que os direitos sejam realmente exercidos como determinado inclusive nas leis da natureza. Sempre que se aborda as questões que envolve os direitos, se faz referência a algum tipo de obrigação, que pode ser moral, econômica, social ou política.

O termo deveres se refere às atividades, atos e circunstâncias que envolvem uma determinada obrigação moral e/ou ética. Geralmente, os deveres se relacionam com determinadas atitudes que todos os seres humanos, independentemente de sua origem, etnia, idade ou condições de vida estão obrigados a cumprir, de modo a assegurar ao resto da humanidade a possibilidade de viver em paz, com dignidade e com certas comodidades. Então, os deveres são um dos pontos mais importantes de todos os sistemas de leis porque tem a ver com conseguir formas comunitárias e sociedades mais equilibradas, por onde todos possam ter acesso a seus direitos.

Os deveres podem estar implícitos ou explícitos em uma sociedade e isto tem a ver com os costumes específicos de cada comunidade, assim também com a noção de sua sobrevivência, pois os deveres muitas vezes estão relacionados com a permanência das melhores condições para o desenvolvimento da comunidade. Em muitos casos, os deveres modernos tais como o pagamento de impostos, o respeito às leis públicas, a participação política ou o cumprimento com determinados níveis de alfabetização, se somam às leis e deveres tradicionais que existem sempre em todas as sociedades.

O mais importante do que representa os deveres é o momento em que eles estão ligados com a noção de direitos. Normalmente considera-se que o cumprimento dos deveres de uma pessoa tem a ver com respeitar os direitos do outro. Portanto, ambos se relacionam e são essenciais para que os membros de uma sociedade possam conviver de maneira ordenada e organizada. A contraposição deveres/direitos é inerente a todos e a cada um dos indivíduos que formam uma sociedade.

Assim, vivemos sob diversos conceitos, tais como: de deveres, de direitos, de cidadania, de lei, de responsabilidade social, de laser, de democracia, de mortal e de ética. E somente tendo consciência do que cada um destes conceitos representam, de como são importantes para uma vida civilizada e pacífica é que poderemos construir um Mundo Melhor. Fique de olho!

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista 
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

Categorias
Diário do Rio Notícias do Jornal Rafael Zarvos | Nosso Planeta

Refugiado climático e poluição do ar

Ao redor do mundo, cidadãos estão entrando com ações legais para forçar Estados ou entidades privadas a agir em questões ambientais e climáticas. É o chamado litígio climático.

Recentemente na França, o Tribunal Administrativo de Apelação de Bordeaux ao confirmar a renovação de autorização de residência naquele país de um cidadão de Bangladesh levando em consideração as condições ambientais no país de origem, acabou criando uma decisão jurídica histórica. A decisão inédita reconheceu pela primeira vez o status de “refugiado climático”, já que o próprio Estatuto dos Refugiados não define como refugiado “aquele que enfrenta alguma espécie de problema climático em seu país de origem”.

O cidadão de Bangladesh em 2015 conseguiu obter uma autorização francesa de residência temporária específica para estrangeiros que necessitam de tratamento médico especial devido à asma grave e apneia do sono. No entanto, em 2017, o governo argumentou que ele poderia ser tratado adequadamente em Bangladesh, o que levou a uma ordem de deportação.

Embora o tribunal de primeira instância tenha anulado a ordem de deportação com o fundamento de que a medicação adequada para sua condição não poderia ser obtida em seu país, o governo francês optou por apelar. Ao manter a decisão do tribunal de primeira instância, o Tribunal de Apelações de Bordeaux foi além ao incluir uma consideração até então inédita: as condições ambientais no país de origem, especificamente a severa poluição do ar em Bangladesh que serve como causa para impedir a deportação, equiparando ao status de “refugiado climático”.

Tal decisão do tribunal francês se baseou nos mesmos critérios aplicados pelo Comitê de Direitos Humanos da ONU em uma decisão de 2020 onde os países não podem deportar indivíduos que enfrentam condições induzidas pelas mudanças climáticas que violam o direito à vida.

O resultado poderá servir como procedente legal para futuros casos de deslocamento induzido pelo clima.

Categorias
Diário do Rio Luciana Marques | Empreendedorismo Notícias do Jornal

Do básico ao genial (Parte 1)

Segundo o papa do marketing, Philip Kotler; “marketing” é um processo tanto administrativo quanto social, pelo qual as pessoas obtêm o que desejam e necessitam através da geração de desejo, oferta e troca de produtos de valor”.

No parágrafo supracitado, as palavras desejam e necessitam ganham proeminência! No entanto, muitos são os tipos de marketing criados a cada dia que passa, na tentativa de atender a um novo nicho e/ou uma nova persona. Inclusive, um dos mais recentes criado, qual seja: O marketing de conexão, se assemelha muito com a técnica de Rapport, que nada mais é do que uma tática para se criar conexão, relação com uma outra pessoa. Todavia, muitas vezes é só muito mais do mesmo, com algumas alterações. Para o cliente trata-se apenas de conseguir ter uma experiência de compra, através de processos dignos, transparentes, que respeitem o tempo e não ofereçam estresse a ele. Sim! Esses básicos pré-requisitos também são estratégias de marketing; ou você pensava que marketing fosse apenas divulgação e propaganda no sentido mais literal da palavra? O cerco está se fechando e com ele, as falhas de conduta, valores e de processos de marketing e vendas estão ficando cada vez mais explicitas. Mas o que importa para o cliente é muito simples; então, que tal focar apenas nas necessidades e desejos deles? Meu caro empreendedor, você já deve ter percebido que o cliente não “engole” tudo tão facilmente.

Entretanto e apesar de muitos não cumprirem com a máxima, satisfazer os desejos e as necessidades do cliente, de fato e há tempo já se tornou uma obrigação e não um diferencial. Marketing é uma questão de encantar, segundo Kotler e o diferencial está aí! A exemplo disso, nos últimos tempos algumas empresas mais antenadas estão apostando na tática: Zonas de descompressão, quando são implementadas experiências associadas aos sentidos humanos. Essa estratégia é fundamental para que o cliente saia do ritual de sempre e tenha uma experiência única e marcante. No varejo, por exemplo, pode-se criar espaços confortáveis e com mobiliário diferenciado para que os clientes possam sentar, relaxar e até mesmo receber uma massagem rápida e de forma gratuita. Quem investe nesse recurso de forma planejada se diferencia dos demais concorrentes.

Entretanto, isso por si só não basta. O ponto crucial para aumentar as suas vendas e elevar de fato o seu negócio a outros patamares está onde você menos espera. Quer saber quais? Na próxima coluna eu te conto!

Luciana Marques
Consultora de Marketing e escritora
Instagram: lucianamc10_

Categorias
Culinária Destaque Diário do Rio Fernanda Haddock Lobo | Comer Bem Notícias Notícias do Jornal

Comer Bem: Fusilli ao gorgonzola e tomate cereja

Ingredientes

– 250g de massa fusilli

– 250g de queijo gorgonzola

– 150g de tomate cereja

– 1 alho-poró fatiado em rodelas finas

– Azeite, sal e pimenta do reino a gosto

– Temperos de sua preferência 

Modo de preparo

Unte com azeite o fundo de uma travessa e coloque o queijo no centro. Coloque os tomates cerejas e o alho-poró ao redor do queijo. Tempere com sal, pimenta do reino e temperos de sua preferência. Leve para assar em forno pré-aquecido por, aproximadamente, 30 minutos ou até o queijo derreter e os tomates ficarem macios. Enquanto isso, cozinhe a massa de acordo com as instruções da embalagem, escorra e reserve 200ml da água do cozimento para jogar junto com o macarrão na travessa. Tire a travessa do forno e misture levemente e despeje a massa, misture e sirva em seguida.