Categorias
Brasil Destaque Saúde

Pesquisa busca voluntários para testar tratamento para câncer de pênis

Dá Agência Brasil

O Hospital Universitário de Brasília (HUB) seleciona voluntários em cinco estados e no Distrito Federal para testar um novo tratamento para câncer de pênis. Os participantes devem ter diagnóstico da doença em estágio avançado ou com metástase.

O estudo vai associar o uso de imunoterapia com a quimioterapia. O medicamento em análise já é utilizado para tratamento de outros tipos de câncer, com aplicação na veia. A proposta é melhorar os resultados, com redução do tumor e aumento da sobrevida do paciente.

O protocolo contra o câncer de pênis que utiliza apenas a quimioterapia, de acordo com o hospital, não apresentou grandes avanços nas últimas décadas. “Por isso a urgência em buscar um tratamento mais eficaz para pacientes em estágio avançado da doença”, destacou o HUB.

Além do hospital universitário, o estudo é realizado em outros oito centros de pesquisa localizados no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Belém, em Fortaleza, em Jaú (SP), em Curitiba e em Barretos (SP). A meta é recrutar 33 voluntários em todo o país.

Requisitos
Para ser voluntário, é preciso atender os seguintes requisitos: doença avançada ou metastática, sem exposição prévia a quimioterapia; ou progressão da doença após 12 meses do término da quimioterapia adjuvante ou neoadjuvante.

Quem cumpre esses critérios e tem interesse em participar da pesquisa deve entrar em contato por meio do e-mail pesquisaclinica.hub@ebserh.gov.br ou pelo telefone (61) 3255-8920.

Câncer de pênis
De acordo com o HUB, o câncer de pênis é considerado um tumor raro, com maior incidência em homens a partir dos 50 anos. O tumor representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem a população masculina.

Os principais sintomas incluem alteração na pele, inchaço e nódulo na região da virilha. Cuidados com a higiene íntima, cirurgia de fimose e prevenção ao HPV podem ajudar a prevenir a doença.

“A falta de informação sobre a doença prejudica o diagnóstico precoce. Quando diagnosticada em estágio inicial, as chances de cura são elevadas, mas muitos pacientes demoram a procurar ajuda”, alerta o hospital.

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

Covid-19: o que se sabe até agora da variante Ômicron

Dá Agência Brasil

O surgimento de uma variante no novo coronavírus confirmado em regiões da África preocupa especialistas internacionais de saúde. Batizada de Ômicron – letra grega correspondente à letra “o” do alfabeto -, a cepa B.1.1.529 foi identificada em Botsuana, país vizinho à África do Sul, em meados de novembro. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a variante pode ser responsável pela maior parte de novos registros de infecção pelo novo coronavírus em províncias sul-africanas.

Onde a variante foi identificada?

Além de países vizinhos a Botsuana – África do Sul, Lesoto, Namíbia, Zimbábue e Essuatíni (ex-Suazilândia) -, casos da variante Ômicron também foram registrados em outras regiões: Hong Kong, na China, foi a primeira delas. Israel e Bélgica também tiveram registros, casos que seguem isolados.

O que há de diferente?

Nos casos analisados, constatou-se que a variante é portadora de dezenas de mutações genéticas que podem afetar os índices de contágio e de letalidade. A OMS, entretanto, afirmou que ainda não há estudos suficientes para afirmar as propriedades da Ômicron, mas que já existem esforços científicos acelerados para estudar as amostras. Um time de cientistas de universidades da África do Sul está decodificando o genoma da Ômicron, juntamente com dezenas de outras variantes do novo coronavírus.

Tulio de Oliveira, diretor do Centro para Respostas e Inovações Epidêmicas da universidade de KwaZulu-Natal, afirmou em coletiva de imprensa que a variante Ômicron possui “uma constelação incomum de mutações”. A variante Delta, por exemplo, possuía duas mutações em relação à cepa original do novo coronavírus, enquanto a Ômicron possui cerca de 50 – 30 delas localizadas na proteína Spike, responsável por infectar células saudáveis, explicou o brasileiro.

Em reunião de emergência realizada na tarde de sexta-feira (26), representantes da OMS classificaram a Ômicron como variante de preocupação (VOC) – mesma categoria das variantes Delta e Gama.

Existem casos no Brasil?

O Brasil ainda não registrou nenhum caso da nova variante. Para tentar frear a chegada da Ômicron ao país, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, determinou que voos com origem de países do sul da África não poderão desembarcar no Brasil. Outros países, como a Inglaterra, também proibiram a chegada de voos vindos da região.

A Pfizer, responsável por uma das vacinas inovadoras contra o novo coronavírus, afirmou que espera conseguir colocar no mercado uma nova versão do imunizante que seja eficaz contra a variante Ômicron em um prazo de até 100 dias. A eficácia das vacinas existentes ainda não foi testada em relação à nova variante.

Por que Ômicron?

A OMS usa letras do alfabeto grego para denominar as variantes importantes do novo coronavírus. A última variante registrada havia sido a Mu, que deveria ser seguida das letras gregas Nu (equivalente ao N) e Xi. As letras, no entanto, poderiam causar confusão, já que Nu em inglês tem pronúncia quase idêntica à palavra new (novo). Enquanto a letra Xi corresponde ao primeiro nome do atual presidente da China, Xi Jinping. A OMS decidiu, então, pular as duas letras.

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

Foco de gripe aviária na França terá animais abatidos e desinfecção

Dá Agência Brasil

A França anunciou ontem (27) que detectou uma forma “altamente patogênica” de gripe aviária em uma granja no norte do país. Autoridades francesas informaram que ainda não se sabe exatamente qual é a cepa que infectou os animais, mas que todos serão abatidos de antemão para evitar que a doença se espalhe.

Diversos focos de gripe aviária foram detectados na França no último mês, tanto em granjas quanto em animais selvagens. A epidemia levou o governo a determinar que os animais de criadouros sejam mantidos em instalações isoladas sem contato exterior.

Um surto da doença no último inverno foi responsável pelo sacrifício de cerca de três milhões de patos no Sudeste do país.

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) emitiu alerta no dia 15 sobre a rápida transmissão de uma cepa não identificada de gripe aviária, tanto na Ásia quanto na Europa. Segundo a organização, a China registrou 21 casos de infecção humana pelo vírus H5N6 – um dos responsáveis pela gripe aviária.

Segundo informa a agência internacional de notícias Reuters, donos de aviários temem que as notícias imponham bloqueios de importação das carnes de frango e de pato. Especialistas de saúde franceses alertam, ainda, para a possibilidade de transmissão da doença para humanos.

A gripe aviária geralmente é transmitida durante o fluxo migratório de aves selvagens.

Categorias
Brasil Destaque Educação Saúde

Inscrições para a segunda etapa do Revalida 2021 terminam neste domingo

Dá Agência Brasil

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) está com inscrições abertas para a segunda etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2021.

Os interessados devem se inscrever, por meio do Sistema Revalida, até as 23h59 de hoje (28), pelo horário de Brasília. O prazo também vale para as solicitações de atendimento especializado.

Provas

As provas de habilidades clínicas serão aplicadas nos dias 18 e 19 de dezembro. Para participar da segunda etapa, que é um exame prático, é necessário ter sido aprovado na primeira, que contemplou as provas objetiva e discursiva.

Os resultados definitivos dessa última fase foram divulgados na última sexta-feira (19). Participantes do Revalida 2020 aprovados na prova teórica e reprovados na prática também poderão se inscrever nesta segunda etapa do Revalida 2021 e dar sequência ao exame.

Ao todo, são 7.280 vagas disponíveis, distribuídas entre as 22 cidades de aplicação. São elas: Aracaju (SE), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campina Grande (PB), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Niterói (RJ), Pelotas (RS), Porto Alegre (RS), Salvador (BA), São Luís (MA), São Paulo (SP), Santa Maria (RS), Teresina (PI) e Uberlândia (MG).

Segundo o Inpe, na segunda etapa, os participantes realizarão provas de habilidades clínicas. O exame é estruturado por um conjunto de dez estações, que serão percorridas ao longo dos dois dias de provas, nas quais os médicos deverão realizar tarefas específicas das áreas determinadas. Isso pode incluir investigação de história clínica, interpretação de exames, formulação de hipóteses diagnósticas, demonstração de procedimentos médicos, aconselhamento a pacientes ou familiares, entre outras.

O participante aprovado nesta etapa estará apto a prosseguir com o apostilamento da revalidação do diploma de medicina junto a uma das universidades parceiras do exame. Após a divulgação do resultado final, a relação das instituições será disponibilizada no Sistema Revalida. Caso o participante reprove na segunda etapa, ele poderá se reinscrever diretamente nela, pelas duas próximas edições do exame.

Revalida

Aplicado pelo Inep desde 2011, o Revalida busca subsidiar a revalidação, no Brasil, do diploma de graduação em medicina expedido no exterior. O exame é composto por duas etapas (teórica e prática) que abordam, de forma interdisciplinar, as cinco grandes áreas da medicina: clínica médica, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria e medicina da família e comunidade (saúde coletiva).

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

Países europeus identificam casos da variante Ômicron

Dá Agência Brasil

Dois casos da nova variante Ômicron do coronavírus foram detectados no estado da Bavária, no sul da Alemanha, disse o Ministério Regional da Saúde neste sábado (27).

As duas pessoas infectadas entraram na Alemanha no aeroporto de Munique em 24 de novembro, antes que a Alemanha designasse a África do Sul como uma área de variante do vírus, e agora estão isoladas, disse a autoridade.

Na Itália, um caso da variante Ômicron foi diagnosticado, informou o Instituto Nacional de Saúde (ISS).

O genoma foi sequenciado no Laboratório de Microbiologia Clínica, Virologia e Diagnóstico de Bioemergência do Hospital Sacco, de Milão, a partir de uma amostra positiva de um paciente procedente de Moçambique.

O doente e seus familiares estavam bem de saúde, afirmou o ISS, acrescentando que a sequência da amostra estava em processo de confirmação adicional.

Já o Reino Unido anunciou novas medidas hoje para tentar desacelerar a disseminação da variante Ômicron, recentemente identificada. O primeiro-ministro Boris Johnson disse que todos os recém-chegados ao país teriam que fazer um teste e que era hora de intensificar as doses de reforço da vacina.

“Exigiremos que qualquer pessoa que entrar no Reino Unido faça um teste de PCR ao final do segundo dia após sua chegada e se isole até que tenha um resultado negativo”, disse Johnson em entrevista coletiva.

Ele disse que aqueles que entraram em contato com pessoas com resultado positivo para caso suspeito de ômicron teriam que se isolar por 10 dias e que o governo iria tornar mais rígidas as regras sobre o uso de máscaras.

O programa para oferecer doses de reforço da vacina também será intensificado, acrescentou.

Falando ao lado de Johnson, o diretor médico da Inglaterra, Chris Whitty, afirmou que havia uma chance razoável de que a variante recém-identificada pudesse ser menos fácil de combater com vacinas.

“Há uma chance razoável de que pelo menos haja algum grau de escape da vacina com esta variante”, disse Whitty.

Mais cedo neste sábado, o ministro da Saúde, Sajid Javid, divulgou que dois casos associados da nova variante ômicron foram detectados no Reino Unido, associados a viagens ao sul da África.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e o Departamento de Estado desaconselharam hoje (27) viagens para oito países do sul da África depois que a Casa Branca anunciou novas restrições de viagens em resposta à nova variante Ômicron de covid-19.

O CDC elevou seu alerta de viagem para Nível Quatro: Muito Alto para a África do Sul, Zimbábue, Namíbia, Moçambique, Malawi, Lesoto, Eswatini e Botswana, enquanto o Departamento de Estado emitiu avisos paralelos de “Não Viaje” neste sábado.

Na segunda-feira (22), o CDC havia reduzido seu alerta de viagem em função da Covid-19 para a África do Sul para “Nível Um: Baixo”.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Política Saúde

Ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países com nova variante da Covid-19

Da Agência Brasil

O Brasil fechará as fronteiras aéreas com seis países da África diante de uma nova variante de coronavírus, informou nesta sexta-feira o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Segundo ele, a restrição afetará, a partir da próxima segunda-feira (29), os passageiros oriundos da África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia, Zimbábue e Eswatini (ex-Suazilândia).

“O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia naquele país. Uma portaria será publicada amanhã e deverá vigorar a partir de segunda-feira”, publicou o ministro no Twitter.

A nova variante do coronavírus identificada na África do Sul, batizada de ômicron, foi declarada nesta sexta uma variante de preocupação pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mais cedo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou ao governo que restrinja os voos e viajantes de países do sul do continente africano, entre eles a África do Sul.

A decisão brasileira seguiu restrições de viagens impostas por diversos países, como Reino Unido, Estados Unidos e a União Europeia.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

“Não há casos da nova variante identificados no Brasil”, diz ministério

Da Agência Brasil

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (26) que não foi identificado nenhum caso da variante B1.1.529 do novo coronavírus no Brasil. “A pasta está em constante vigilância e analisa, de forma conjunta com vários órgãos do governo federal, as medidas a serem tomadas”, acrescentou, por meio de nota.

Ainda de acordo com o comunicado, o governo brasileiro solicitou à Organização Mundial da Saúde (OMS) mais informações sobre a nova variante. “Além disso, o ministério já enviou um comunicado de risco à Rede de Vigilância, Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública no Sistema Único de Saúde a estarem alertas para qualquer mudança no cenário epidemiológico”.

Omicron

Mais cedo, a OMS informou que batizou a variante identificada no continente africano como Omicron e classificou a cepa como uma Variante de Preocupação. De acordo com a entidade, a decisão foi tomada por conta da grande quantidade de mutações apresentada pela variante, sendo que algumas delas apresentam “características preocupantes”.

A classificação, segundo a OMS, exige importantes ações por parte dos governos, como o compartilhamento de sequências de genoma; a comunicação de casos e mutações; e a realização de investigações de campo e de análises laboratoriais para melhor compreender os impactos, a epidemiologia, a severidade e a efetividade de medidas de saúde pública.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A

Da Agência Brasil

O Ministério da Saúde avalia a inclusão de dois medicamentos para tratamento de pacientes com hemofilia A no Sistema Único de Saúde (SUS). A doença é mais comum em homens, é hereditária e se caracteriza pela deficiência na coagulação do sangue, fazendo com que o paciente tenha dificuldade para estancar sangramentos.

A inclusão dos medicamentos Alfadamoctocogue Pegol e Alfarurioctocogue Pegol no tratamento de pacientes da rede pública teve recomendação favorável pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), órgão que avalia a incorporação de novos remédios. A decisão final será do ministério.

Uma audiência pública promovida pela Conitec foi realizada para ouvir especialistas sobre a inclusão dos medicamentos.

Na avaliação de Mariana Freire, fundadora da Associação Brasileira de Pessoas com Hemofilia (Abraphem), a incorporação dos medicamentos poderá diminuir a quantidade de infusões durante o tratamento.

Segundo Mariana, a infusão endovenosa é uma barreira ao tratamento, que é feito a partir da aplicação do fator de coagulação na veia do paciente para prevenir as hemorragias.

“Ambos [medicamentos] representam um impacto bastante positivo na rotina do tratamento das pessoas com hemofilia. A diminuição da frequência de infusões endovenosas de três para duas vezes por semana, ou de três vezes por semana para uma vez a cada cinco dias, representa muito mais do que 30% ou 50% menos infusões, representa um fardo menor no tratamento desses pacientes, uma carga emocional a menos para eles e suas famílias”, afirmou.

Na avaliação do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti Neto, o objeto da inclusão dos remédios no tratamento oferecido no SUS é o bem do paciente, levando em conta considerações bioéticas.

“O SUS tem a missão de integralidade e universalidade para garantir a proteção da vida e a qualidade de vida a todos brasileiros”, comentou.

Os medicamentos são produzidos pelos laboratórios Bayer e Takeda Brasil.

Categorias
Destaque Notícias Rio Saúde

Rio de Janeiro tem risco muito baixo para a doença pela primeira vez

Da Agência Brasil

Pela primeira vez, desde o início da pandemia, grande parte do estado do Rio de Janeiro está na bandeira verde, o que significa risco muito baixo para a transmissão da Covid-19.

Estão neste cenário, a Região Metropolitana I, que inclui a capital e a Baixada Fluminense, e as regiões Metropolitana II e Serrana. No restante do estado, que são as regiões do Médio Paraíba, Baía da Ilha Grande, Centro-Sul, Noroeste, Norte e Baixada Litorânea, o mapa está com bandeira amarela, que indica risco baixo para a transmissão da doença.

De acordo com a 58ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, divulgada hoje (26) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), o número de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) caiu 33%. Nos óbitos provocados pela doença, a queda ficou em 46%. A análise compara as semanas epidemiológicas 45, entre 7 e 13 de novembro; e a 43 no período de 24 a 30 de outubro.

Para o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, as áreas de bandeira verde apresentam indicadores epidemiológicos e assistenciais muito baixos e contribuíram para que a classificação final do estado fosse considerada nesta cor.

Ainda assim, Chieppe alertou que a população continue se vacinando. “Voltamos ao melhor patamar desde o início da divulgação do mapa, mas, apesar da evolução, é preciso que a população retorne aos postos para receber a segunda dose, a dose de reforço ou adicional”, afirmou.

Na avaliação da secretaria, a taxa de ocupação nas unidades de saúde segue em queda sustentável com o avanço da imunização e a diminuição de transmissão da doença. Dados da secretaria indicam que a taxa de unidade de terapia intensiva (UTI) está em 13%, e a de enfermaria, em 9%. Esses percentuais são os menores desde o início da pandemia.

Além disso, conforme a pasta, todas as regiões de saúde apresentaram taxas inferiores a 50%. “Por isso, leitos que antes eram apenas destinados ao tratamento de pacientes com covid-19 foram revertidos para outras especialidades”, informou.

Cada cor de bandeira do mapa representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social. A roxa é de risco muito alto, a vermelha é alto, a laranja é moderado, a amarela baixo e a verde muito baixo. “Os resultados apurados para os indicadores apresentados devem auxiliar a tomada de decisão, além de informar a necessidade de adoção de medidas restritivas, conforme o nível de risco de cada localidade”, destacou a secretaria.

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

Agência reguladora do Chile aprova uso da CoronaVac em crianças

Dá Agência Brasil

A agência reguladora de saúde do Chile aprovou nesta quinta-feira (25) a aplicação da CoronaVac, vacina contra a covid-19 do laboratório chinês Sinovac, em crianças maiores de três anos, ampliando seu uso no plano de imunização local.

O país sul-americano tem utilizado a vacina da Sinovac como bandeira de seu bem-sucedido programa de imunização, que já vacinou completamente mais de 13,8 milhões de seus 19 milhões de habitantes.

“Temos antecedentes suficientes para aprovar a vacina em crianças a partir dos três anos”, disse o chefe do Instituto de Saúde Pública do Chile, Heriberto García.

Em setembro, o órgão já havia aprovado a dose para crianças maiores de seis anos.

No país, a vacina da Pfizer-BioNTech é aplicada em pessoas a partir dos 12 anos.

Apesar de um aumento no número de infecções nas últimas semanas, o país tem conseguido flexibilizar as restrições que foram impostas para combater a pandemia, apoiado na efetividade do programa de imunização.