Categorias
Brasil Notícias Política

Polícia Federal deflagra ação contra fraude na Caixa e no INSS

Da Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou a Operação Stellio, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. O objetivo é desarticular uma organização criminosa que pratica crimes contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Caixa Econômica Federal.

Estão sendo cumpridos três mandados de prisão e dois de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal de São Gonçalo.

Segundo investigações da Polícia Federal, os suspeitos são da mesma família. A quadrilha abria contas correntes na Caixa com documentos falsos, para receber benefícios previdenciários obtidos por fraudes.

Com as fraudes, os investigados contratavam empréstimos consignados de altos valores e compravam veículos, quatro deles já apreendidos. Eles responderão por crimes de estelionato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Os nomes dos envolvidos nos crimes não foram divulgados.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Política

PF prende ex-deputado do Amapá em operação contra o tráfico de drogas

Da Agência Brasil

A descoberta, em maio de 2020, dos destroços de um avião executivo que atolou em uma região de difícil acesso de Calçoene (AP) levou a Polícia Federal (PF) a deflagrar uma megaoperação contra supostos traficantes internacionais de droga que, segundo as investigações, atuavam a partir do Amapá, na Região Norte.

Cerca de 300 policias federais estão mobilizados desde as primeiras horas da manhã para cumprir a 24 mandados judiciais de prisão preventiva e 49 de busca e apreensão. Entre os alvos da chamada Operação Vikare, estão pessoas e empresas localizadas em oito estados (Amazonas; Ceará; Mato Grosso do Sul; Pará; Paraná; Piauí; Rio de Janeiro e São Paulo), além do Amapá, onde, até o meio-dia, ao menos duas pessoas já tinham sido detidas em caráter preventivo.

Entre os presos está o ex-deputado estadual amapaense Isaac Alcolumbre, primo do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que não é alvo da operação. Isaac é o dono de uma pista de pouso de aviões localizada no Macapá (AP). Segundo a PF, o aeródromo era usado como ponto de apoio onde aeronaves supostamente usadas para transportar drogas eram preparadas e reabastecidas ao voar de diferentes pontos do Brasil para países vizinhos, como Colômbia e Venezuela.

Em nota, Isaac disse não ter qualquer envolvimento com os fatos investigados pela PF. “Fui alvo de uma operação da Polícia Federal, que apura ilícitos, dentre eles, o tráfico de entorpecentes. Diante dos fatos que encontram-se em apuração, venho a público informar a quem interessar que não estou envolvido em nada com referência a tráfico de drogas. E fiquem certos de que provarei isso. Com relação a outras acusações das quais ainda não tenho informações, faremos a defesa no momento oportuno”, escreveu o ex-deputado estadual, confirmando ser proprietário de um aeródromo que, diariamente, “recebe várias aeronaves”. Por vezes, já comuniquei à polícia sobre suspeitas, inclusive proibindo pousos e decolagens”.

A partir da constatação de movimentações suspeitas de aeronaves, os investigadores identificaram indícios de que os alvos da operação usavam empresas de fachada sediadas em outros estados para ocultar os ganhos obtidos com as supostas práticas criminosas.

Formado por brasileiros e estrangeiros, o grupo investigado empregava mecânicos de aeronaves, pilotos, operadores financeiros responsáveis por transacionar os valores obtidos pelas atividades ilícitas, além de outras pessoas que, na condição de “laranjas”, recebiam dinheiro em suas contas pessoais e de empresas a fim de dar aparência legal aos valores movimentados.

Ainda de acordo com a PF, uma das empresas investigadas atuava no ramo de cosméticos, o que, segundo os investigadores, facilitava o acesso do grupo a produtos químicos usados para refinar a droga trazida ao Brasil. A dona, uma colombiana, já foi presa em 2012, por tráfico de drogas. Outra empresa alvo da operação atuava no comércio de peixes no Rio de Janeiro – atividade que a PF afirma ter permitido ao grupo transportar drogas escondidas no meio da carga.

Além de autorizar as prisões temporárias e a busca e apreensão de documentos em endereços ligados aos investigados, a Justiça Federal no Amapá também determinou o sequestro de bens e valores de 68 pessoas físicas e jurídicas. Entre os bens retidos estão três aeronaves; 19 embarcações; 95 veículos (boa parte deles de luxo) e imóveis. Só os ativos financeiros bloqueados alcançam cerca de R$ 5,8 milhões.

Se ficar provada a participação dos suspeitos, cada um responderá, na medida de suas atribuições, pelos delitos de tráfico internacional de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Somadas, as penas podem chegar a 51 anos de reclusão, além do pagamento de multa.

O nome da Operação Vikare é uma referência ao nome etrusco pelo qual era conhecido a personagem Ícaro, que, na mitologia grega, caiu no Mar Egeu ao tentar deixar a Ilha de Creta voando, utilizando asas feitas de penas de pássaros e mel de abelhas que derreteram sob o calor do sol.

Vikare pertence à Mitologia Grega, sendo conhecido pela sua tentativa de deixar Creta voando. A tentativa foi frustrada, resultando em queda no Mar Egeu. O nome da operação faz referência a duas tentativas frustradas de voos que sairiam do Amapá: uma porque a aeronave caiu (causas  desconhecidas) e uma segunda aeronave foi interceptada.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Tecnologia

Equipe de universitários vai representar o Brasil na NASA

Formado por jovens estudantes de Engenharia e de Física com o objetivo de criar soluções concretas para o mundo, especialmente no setor aeroespacial, o Projeto Ares foi lançado no fim de 2020 e vem enfileirando conquistas. E uma das maiores foi bem recente: representar o Brasil no Human Exploration Rover Challenge, que acontecerá no Alabama (EUA), no ano que vem.

A nossa proposta de rover de exploração espacial foi aprovada pela NASA e vamos representar a PUC-Rio como única universidade do Brasil aprovada nesta iniciativa. Estamos extremamente motivados com a conquista, e animados com a oportunidade de representar nosso país na NASA – celebra Luísa Leão, capitã do projeto.

Campeão e vice da OBSAT (Olimpíada Brasileira de Satélites), o Ares também recebeu, em 2021, apoio do governo federal, através do Ministério de Ciências e Tecnologia, para o desenvolvimento do CubeSats. Trata-se do satélite que garantiu ao projeto universitário carioca o objetivo de ir à Lua coletar dados quantitativos e qualitativos acerca dos depósitos de gelo lunares.

Para o lançamento deste satélite, o ANGEL (Análise do Gelo por Espectrometria na Lua), a janela de lançamento ideal seria em 2024, com o início da Missão Artemis, da NASA. Inclusive, fui convidada para estar presente na assinatura do Acordo de Cooperação entre Brasil e NASA para ida à Lua – revela Luísa.

Foto : Divulgação

Como não poderia deixar de ser, a capitã e idealizadora do Ares está radiante com os feitos:

Com menos de um ano de equipe, conquistamos reconhecimento como referência na área de satélites e, agora, de rover de exploração espacial. Nosso próximo passo é lançar um foguete que está em desenvolvimento, com o objetivo de quebrar recordes de altitude.

Fico extremamente feliz por atuar com êxito no setor aeroespacial, que desde pequena sou apaixonada. Entrei em Engenharia Mecânica com o objetivo de me especializar em Engenharia Aeroespacial, e posteriormente me tornar astronauta! Essas conquistas, tanto na Agência Espacial Brasileira (AEB), quanto na Agência Espacial Americana (NASA), me fazem ver que estou cada vez mais próxima dos meus objetivos!

Gratidão ao Franco

A ida à Agência Espacial Americana não será a primeira da jovem estudante brasileira. Em 2018, quando era aluna do Liceu Franco-Brasileiro, Luísa foi à NASA pela primeira vez, quando ganhou convite para apresentar um projeto sobre a criação de um campo magnético em Marte através da energia solar. No mesmo ano, ganhou bolsa de estudos para cursar a National Flight Academy, em uma base militar da Flórida.

Durante os 3 anos que fui aluna do Franco recebi apoio incondicional, e acesso a oportunidades extracurriculares de muita importância. Fui bolsista no Franco, e ter um colégio tão bom me acolhendo e investindo em mim mudou minha vida. Sou extremamente grata por poder experimentar tudo isso.

Luísa aponta o principal diferencial que notou no Franco:

Em outros colégios vemos que uma preocupação recorrente é a colocação no vestibular acima da formação do estudante como indivíduo. Porém, no Franco, uma coisa que foi muito especial para mim, e acredito que seja o seu maior diferencial, é que, além do ensino de qualidade, também nos foi proporcionado um acompanhamento pessoal, com a preocupação de formar indivíduos íntegros, e auxiliar os estudantes a se encontrarem na sua jornada. Eu entrei no colégio como uma pessoa, e saí uma outra completamente diferente. Durante os 3 anos tive apoio incondicional do colégio, e acesso a oportunidades extracurriculares de muita importância – agradece a futura engenheira.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Política

Parentes de vítimas da Covid-19 fazem relatos e pedem mudanças na lei

Da Agência Brasil

Em um dia exclusivamente dedicado a ouvir vítimas da covid-19, na Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPI) do Senado, a enfermeira obstetra Mayra Pires Lima contou nesta segunda-feira (18) como foi trabalhar no Amazonas durante o colapso enfrentado pelo estado no início deste ano, em meio à falta de insumos e oxigênio hospitalar para tratar pacientes da doença.

Emocionada, a enfermeira contou que hoje é responsável por quatro sobrinhos, filhos de sua irmã, que morreu durante o colapso da saúde em Manaus. À época do falecimento da irmã, Mayra disse que as crianças menores, gêmeas, tinham apenas 4 meses de vida. “Muitas vezes eu assumia a assistência de saúde da minha irmã porque nós tínhamos cinco técnicos de enfermagem para cuidar de 80 pacientes graves”, destacou Mayra aos senadores. “Só em Manaus nós temos mais de 80 órfãos da covid. Só na minha família são quatro”, destacou, questionando o que está se fazendo por essas crianças e por essas famílias.

Mayra acrescentou que também foi infectada pelo novo coronavírus e perdeu outro irmão para a doença. “Um pouco de bom senso e um pouco de humanidade por parte dos gestores teriam dado um rumo diferente à pandemia no Amazonas”, disse. Segundo ela, durante todo o ano de 2020, os profissionais de saúde com quem trabalha tiveram que comprar seus equipamentos de proteção individual. Ela agradeceu aos amigos que em várias ocasiões doaram os que ela usou.

Valorização

No Senado, a enfermeira comparou a situação dos profissionais de saúde a “um cenário de guerra”. “No Amazonas, tivemos uma situação bastante difícil. Quando eu me formei, tinha grande sonho de ajudar em outras calamidades. Hoje, eu falo que eu vivi uma guerra, atendi pacientes às vezes sem proteção nenhuma”, declarou.

Mayra lembrou ainda que no Amazonas a covid-19 vitimou “ótimos médicos e obstetras”. “Perdemos colegas pra depressão e suicídio”, destacou. Segundo ela, somente entre enfermeiros, foram 82 óbitos, sem contar os que ficaram com sequelas. “A gente via postagens sobre os nossos heróis. Nós não queremos parabéns, queremos valorização”, disse ao defender a aprovação do Projeto de Lei (PL) 2564/2020, que visa aumentar o piso salarial dos profissionais da enfermagem.

Em resposta ao pleito, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) disse que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), comprometeu-se a pautar a matéria “o mais breve possível” no plenário da Casa. A recomendação de aprovação da proposta também estará no relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Em outro depoimento, Giovanna Gomes Mendes da Silva, de 19 anos, que perdeu a mãe e o pai por complicações da doença em um intervalo de 14 dias, também falou aos senadores das dificuldades que enfrenta. Hoje a jovem, que tem a guarda da irmã mais nova, de 10 anos, diz passar por problemas psicológicos e financeiros. “Antes, vivia uma vida de alegria com alguns momentos de tristeza. Hoje, vivemos tristes, e uma ou outra coisa nos deixa alegres”, destacou.

A adolescente lembrou aos senadores que, antes de ser intubada, sua mãe chegou a passar uma noite inteira internada com uma máscara de oxigênio furada e que acredita que isso tenha agravado a situação de saúde dela. “Trocaram, mas de qualquer forma o quadro dela se agravou.” Dois dias depois, seu pai foi internado. O homem já havia se recuperado da covid-19, mas tinha um câncer, que segundo ela, após a doença, se agravou muito. “A gente não teve nem tempo de sofrer pela minha mãe, pois não podia ficar chorando na frente do meu pai”, contou a jovem. “Perdemos as pessoas que mais amávamos.”

Sem os pais, Giovanna relatou que se mantém e cuida da irmã com ajuda de doações de parentes da mãe que contribuem “com o pouco que têm”. “Passamos a não ter nossos dois pilares e também não ter quem nos ajudasse”, disse.

Propostas legislativas

Como resultado dos trabalhos da comissão, os senadores também adiantaram que vão apresentar uma proposta legislativa para que os órfãos de responsáveis vitimados pelo novo coronavírus recebam um auxílio financeiro de um salário mínimo até completarem 21 anos de idade. A CPI vai sugerir também a inclusão da covid-19 na relação de doenças que ensejam aposentadoria por invalidez quando a perícia médica atestar.

Prevent Senior

Outra experiência ouvida pelos senadores foi a de Katia Shirlene Castilho dos Santos. Ela também perdeu pai e mãe para a covid-19. “Fiz do meu luto uma luta”, disse. Segundo a depoente, o pai contraiu a doença em março deste ano, uma semana antes de poder receber a vacina. O homem faleceu enquanto a esposa estava internada, em São Paulo, em um hospital da rede Prevent Senior. “Ele não teve nenhuma despedida digna e isso aconteceu com muitos brasileiros”, disse.

Kátia contou que sua mãe, de 71 anos, foi tratada com o chamado kit covid após uma teleconsulta feita pela operadora. “Não fizeram nenhum exame e acabaram mandando o kit covid”, disse. “Como você vai falar para uma idosa de 71 anos que confia no convênio, que aquele remédio que o médico mandou para ela, para cuidar dela, não estaria fazendo nada?”, disse. Entre outras várias denúncias, a operadora, investigada pela CPI, é acusada de obrigar médicos a prescrever medicamentos sem eficácia comprovada para tratamento de pacientes com coronavírus. O plano de saúde nega as acusações.

Taxista

A CPI também ouviu hoje o taxista Márcio Antônio do Nascimento da Silva, que contou sobre a perda do filho Hugo Dutra do Nascimento Silva, de 25 anos. Hugo foi atendido em uma unidade de pronto-atendimento (UPA) em Copacabana, no Rio de Janeiro, transferido para um hospital, intubado por 15 dias, mas não resistiu.

Com a voz embargada, Silva narrou os últimos dias de vida de seu filho, quando ele começou a sentir cansaço e falta de ar. O taxista disse ter acompanhado Hugo no hospital até o seu falecimento, e lembrou com pesar do dia em que teve de reconhecer o corpo do filho.

“A última vez que o vi, ele estava dentro de um saco”. O depoente criticou declarações do presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre a covid-19 e a demora do Brasil para a aquisição de vacinas. Segundo ele, o que dói não é apenas o luto, mas o que veio após a morte de Hugo: “O deboche, a irracionalidade das pessoas, inclusive de amigos”. “Eu daria a minha vida para o meu filho ter chances de ser vacinado”, disse.

O taxista lembrou aos senadores como foi o episódio em que foi flagrado na Praia de Copacabana, em abril de 2020, recolocando as cruzes que homenageavam as 100 mil vítimas da doença à época – colocadas por uma organização não governamental – que haviam sido derrubadas por outra pessoa. Silva contou que, na ocasião, foi agredido verbalmente. “Quando descobriram que era apenas um pai que estava triste pelo seu filho, foi um constrangimento geral”, disse.

Para ele, o início da CPI da Pandemia foi um alívio. Ele destacou que sentiu alento em pensar que nem todas as autoridades diriam “e daí” para os óbitos em decorrência da pandemia. Para mim, não importa o partido político dos senhores, o que importa é que meu Hugo não volta mais, mas tenho outros filhos e quatro netinhos”, disse.

Executivo

Durante evento em São Roque de Minas, no norte de Minas Gerais, na manhã desta segunda-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro falou sobre o relatório da CPI.

“No relatório da CPI, uma das acusações é que eu retardei a compra da vacina. Exigi do meu ministro no momento só comprar vacina depois de sua certificação pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e só pagar depois que receber, e assim foi feito. É ainda emergencial? É. A decisão de tomar tem que ser de cada um de vocês. [A] todos aqueles que desejarem a vacina, como fizemos até o momento, [as doses] serão ofertadas pelo governo federal.”

No discurso, o presidente disse ainda que não vai editar decreto tornando o passaporte da vacina obrigatório. “Não farei isso, porque a nossa liberdade está acima de tudo. Não adianta quererem chamar o governo de negacionista, nós gastamos mais de R$ 20 bilhões por vacinas. Vacinas muitas ainda experimentais e a liberdade de tomar é de vocês. Não se pode perseguir quem quer que seja, por não ter tomado a vacina”, disse o presidente.

Próximos passos da CPI

Amanhã os senadores devem ouvir o último depoimento antes da leitura do relatório final dos trabalhos, marcada para quarta-feira (20). O representante do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Elton da Silva Chaves, que integra a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), órgão consultivo do Ministério da Saúde. Ele será cobrado a dar explicações sobre a última reunião da Conitec que retirou de pauta um documento que pretendia vetar o uso de medicamentos ineficazes no tratamento contra a covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS).

Categorias
Brasil Destaque Notícias TV & Famosos

Fontenelle promete inovar no mercado do info entretenimento no Brasil

Ao todo são 10 grandes nomes que participaram desse espetáculo inédito e cativante sob comando de Fontenelle

Antonia Fontenelle promete revolucionar o mercado do info entretenimento no Brasil. A atriz, apresentadora e Youtuber, vai subir ao palco de um grande teatro em São Paulo nos dia 13 e 14 de outubro pra apresentar BROADWAY.

Antônia também promete levar a plateia ao delírio e religar o disjuntor de todo aquele que pensa que sua luz apagou.

Foto : Divulgação

A empresária reuniu grandes players do mercado digital, empresários e artistas pra contar suas experiências de como chegaram ao topo do sucesso. Antônia também promete levar a plateia ao delírio e religar o disjuntor de todo aquele que pensa que sua luz apagou. Entre os convidados temos nomes como a empresária Cris Arcangeli, uma das mulheres mais influente do País e investidora do Shark Thank Brasil, Cátia Damasceno possui o maior canal sobre sexualidade feminina do mundo.

Mais de 3 milhões de livros vendidos, Pablo Marçal info produtor com maior alcance de Lives e autor do primeiro reality show em marketing digital, entre outras grandes personalidades.

Antonia garantiu que será o programa de info entretenimento mais divertido e ‘Na Lata’ da internet.

O figurino inspirado em Jessica Rabbit e Marilyn Monroe é  assinado pelo estilista Guilherme Tavares.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Política Rio

STF concede 22 dias para deputado Daniel Silveira apresentar alegações finais

Da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes concedeu à defesa do deputado Daniel Silveira um prazo de 22 dias para apresentar suas alegações finais no processo em que é acusado de agressões verbais e ameaças aos ministros da Corte. O prazo foi baseado no tempo que o Ministério Público teve para se manifestar.

“Não obstante, o mesmo prazo assinalado para a acusação deve também ser oportunizado à defesa, em homenagem aos princípios da ampla defesa (art. 5º, LV, da CF/88) e da paridade de armas. Considerando que o Ministério Público gozou, no total, de 22 dias para a apresentação de suas alegações finais, o mesmo prazo será assinalado para a defesa do réu”, disse Moraes em sua decisão.

O prazo começou a ser contado no dia 8 de outubro, sexta-feira da semana passada.

Na denúncia aceita pelo STF, Silveira foi acusado pela Procuradoria-Geral da República de incitar o emprego de violência para tentar impedir o livre exercício das atividades do Legislativo e do Judiciário e a animosidade entre as Forças Armadas e a Corte, por meio de vídeos publicados em suas redes sociais. Nos vídeos, ele ofendeu e ameaçou ministros, além de defender medidas antidemocráticas.

Deputado federal pelo PSL do Rio de Janeiro, Silveira foi preso em fevereiro. Um mês depois, recebeu o benefício de ficar em casa, mas monitorado por tornozeleira eletrônica. No final de junho, no entanto, voltou à prisão por determinação de Moraes em função de 30 violações da tornozeleira eletrônica, a maioria por falta de bateria e uma por rompimento.

No início de julho, o Conselho de Ética da Câmara decidiu suspender o mandato de Silveira por seis meses. No parlamento, ele responde por quebra de decoro parlamentar pelas mesmas razões que o levaram à prisão. A decisão sobre a suspensão, no entanto, ainda precisa ser confirmada pelo Plenário da Casa.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Economia Notícias

Aneel aprova leilão para contratação emergencial de energia elétrica

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a realização de um leilão de contratação emergencial de energia de reserva, a ser realizado em 25 de outubro.

Segundo a agência, o novo leilão foi aprovado “como parte das medidas para otimização do uso dos recursos hidroenergéticos e para o enfrentamento da atual situação de escassez hídrica, a maior em 91 anos”.

No certame, será contratada energia de reserva proveniente das fontes eólica, solar fotovoltaica e termelétrica a óleo diesel, a óleo combustível, a biomassa e a gás natural, com conexão nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, que são as regiões mais afetadas pela falta de chuvas que reduziu o nível dos reservatórios de hidrelétricas.

Ainda segundo informou a Aneel, a contratação será feita por edital de procedimento competitivo simplificado. Dessa maneira, os órgãos responsáveis devem “reduzir prazos, simplificar requisitos, quando couber, e editar rotinas operacionais provisórias, regras e procedimentos de comercialização transitórios de modo a viabilizar o suprimento em tempo reduzido”, informou a agência.

O período de suprimento para todos os contratos de energia de reserva será de 1° de maio de 2022 a 31 de dezembro de 2025. Os vendedores poderão antecipar a data de operação comercial dos empreendimentos, desde que os sistemas de transmissão ou de distribuição estejam disponíveis, hipótese na qual receberão receita adicional durante o período de antecipação do suprimento de energia elétrica, segundo a Aneel.

As regras simplificadas foram aprovadas pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (Creg), criada em junho pelo governo federal em meio crise energética. Participam da elaboração do processo simplificado a Aneel e o Operador Nacional do Sistema (ONS).

As empresas geradoras de energia interessados no leilão devem enviar suas propostas entre os dias 15 e 18 de outubro. O preço-teto da energia, estabelecido pelo Ministério de Minas e Energia, será de R$ 1.619 megawatt-hora (MWh) para as termelétricas e de R$ 347 MWh para usinas eólicas, solares e de biomassa. Os contratos devem ser assinados em 17 de novembro.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Política

Senado aprova criação de memorial para vítimas da covid-19

Da Agência Brasil

O Senado aprovou a criação de um memorial em homenagem às vítimas da covid-19 no Brasil. De acordo com o projeto aprovado, o memorial deverá ser erguido na parte externa do Senado, lembrando todos os brasileiros que perderam a vida em decorrência da doença, que já matou milhões de pessoas em todo o mundo.

De acordo com cálculos do Ministério da Saúde, até o momento,598.152 pessoas morreram de covid-19 no Brasil.

De autoria do senador Renan Calheiros (MDB-AL) e com relatoria de Omar Aziz (PSD-AM), o projeto segue para promulgação. Aziz é o presidente e Renan, o relator da comissão parlamentar de inquérito (CPI) que analisa as políticas adotadas pelo governo federal no combate à pandemia.

Segundo Aziz, o memorial a ser construído terá como principal função fazer um registro histórico do que aconteceu no Brasil desde o início da pandemia, em março de 2020, até os dias atuais.

Na leitura do relatório, Aziz destacou o trabalho da CPI da Pandemia, afirmando que a comissão “evidenciou que muitos dos óbitos decorrentes da covid 19 poderiam ter sido evitados, caso o poder público tivesse, simplesmente, agido em consonância com as recomendações científicas”.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Manifestantes protestam contra o governo Bolsonaro no Rio e outras cidades do país

Manifestantes foram às ruas nestes sábado (2) para protestar contra o governo do presidente Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro e várias outras capitais e cidades do país. Os protestos foram convocados por organizações da sociedade civil; entidades sindicais e de estudantes; e partidos políticos.

Pela manhã, foram registradas manifestações na cidade do Rio de Janeiro, de Salvador, Fortaleza, Belém, Boa Vista, Maceió e Goiânia.

Os atos pedem o impeachment do presidente, mais vacinas para a população, mudanças na política econômica do governo, ampliação das políticas de combate à fome, mudanças na reforma administrativa, entre outros temas.

No Rio de Janeiro, os manifestantes se concentraram cedo, na Candelária, que teve parte das pistas da Avenida Presidente Vargas interditada, nas proximidades da Igreja da Candelária. Em seguida, com faixas e cartazes as pessoas saíram, em caminhada, pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia, onde foi montado um palanque para os discursos.

Em Salvador, a concentração dos manifestantes ocorreu na Praça Campo Grande. Depois, eles saíram em caminhada, passando por ruas do centro histórico da capital baiana, até a Praça Castro Alves, onde foi realizado um evento cultural e discursos de líderes de várias entidades e partidos políticos.

A Praça da Bandeira, em Fortaleza, foi o local escolhido pelos organizadores para o protesto contra o governo na capital cearense. Os manifestantes portavam cartazes e faixas. A Polícia Militar acompanhou toda a movimentação das pessoas que participavam da passeata.

Pela manhã foram também registradas manifestações Goiânia, Belém, Boa Vista e Maceió e em dezenas de cidades de vários estados. A maior dos protestos está programada para a parte da tarde. O principal deles ocorrerá na cidade de São Paulo. A manifestação está prevista para as 14h, na Avenida Paulista no trecho próximo Museu de Arte de São Paulo. Já em Brasília o ato está programado para começar às 15h30. Vias públicas serão interditadas a partir das 13h.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias

Auxílio-inclusão a pessoa com deficiência entra em vigor

Da Agência Brasil

Pessoas com deficiência que recebam o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e tenham conseguido trabalho com carteira assinada podem pedir, a partir de agora, o “auxílio-inclusão”. O pedido pode ser feito pelo aplicativo Meu INSS ou do site com o mesmo nome.

Equivalente a meio salário mínimo (R$ 550), o auxílio-inclusão foi instituído pela Medida Provisória 1.023, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no fim de junho. Criado pela Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência em 2015, o benefício precisava ser regulamentado para entrar em vigor.

Para ter acesso ao auxílio-inclusão, a pessoa com deficiência inserida no mercado formal de trabalho precisa estar com o CPF em situação regular, cumprir os requisitos para ter direito ao BPC, ter recebido pelo menos uma parcela do BPC nos últimos cinco anos ou estar com o benefício suspenso no mesmo intervalo.

O beneficiário precisa comprovar deficiência moderada ou grave e fazer parte de família com renda per capita (por pessoa) de até dois salários mínimos (R$ 2,2 mil). Também é necessário estar inscrito no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ou em regimes de previdência dos servidores públicos e estar com inscrição atualizada no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadúnico).

Caso perca o emprego com carteira assinada, a pessoa com deficiência volta a receber o BPC, que paga um salário mínimo. A migração ocorre de forma automática, sem a necessidade de repetir as avaliações iniciais feitas para garantir o acesso ao benefício original.