Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Política Rio Saúde

Projeto social reforça serviços gratuitos de saúde durante pandemia

Criado em 2007 por um casal de médicos em Duque de Caxias, o Brasil Sem Alergia surgiu com o intuito de levar tratamento gratuito de processos alérgicos para moradores carentes da Baixada Fluminense, em uma região cercada de indústrias e com prevalência de alergias respiratórias e dermatológicas. Com o passar dos anos, a iniciativa ganhou relevância e expandiu suas atividades, com novos postos de atendimento e a inclusão de mais serviços de saúde. Hoje, a ação social tem três unidades na Baixada Fluminense, uma na Zona Oeste do Rio e um quinto posto, na Região dos Lagos, em parceria com a Cruz Vermelha.

A iniciativa já beneficiou mais de 500 mil pessoas, transformando a vida de muita gente com a oferta gratuita de consultas médicas, testes alérgicos e orientação multidisciplinar, além da realização gratuita da espirometria, que custa em torno de R$ 200 em clínicas particulares. O exame é fundamental para o diagnóstico preciso de doenças respiratórias, agravantes em casos de Covid-19, como asma. A equipe oferece ainda a imunoterapia – vacinas para fortalecer o sistema imune – a custo de fabricação e conta com um centro gratuito de nebulização e um ambulatório antitabagismo.

Por ser um serviço essencial, as atividades do Brasil Sem Alergia não pararam com a chegada da pandemia. Muito pelo contrário. O projeto aumentou seu efetivo e está à disposição de todos os moradores do Estado do Rio, seja com atendimentos presenciais, seja com telemedicina, implementada em tempos de distanciamento social.

Para agendamento de consultas em alergias e doenças imunológicas, tirar dúvidas e saber mais sobre os serviços oferecidos, os interessados poderão enviar uma mensagem pelo WhatsApp para (21) 99374-2042 ou ligar para (21) 4063-8720 ou ainda acessar www.brasilsemalergia.com.br. Os atendimentos são realizados de segunda a sábado, de 9h às 18h, seguindo todas as normas de proteção contra a Covid-19.

 

Trabalho na pandemia

 

Durante a pandemia, o Brasil Sem Alergia intensificou suas atividades dentro e fora dos postos de atendimento, inclusive com um ônibus itinerante em ações voluntárias de saúde ao redor do estado. Respeitando todas as orientações sanitárias, a equipe percorreu municípios da Baixada Fluminense, como Mesquita, Nova Iguaçu e Queimados, além de Iguaba Grande e Maricá, com foco na prevenção das alergias e promoção da saúde. No período, mais de 2 mil pessoas foram atendidas nas 20 ações itinerantes do projeto, com testes alérgicos, consultas médicas, prescrição de medicamentos essenciais e orientações relacionadas à Covid-19.

Além disso, o Brasil Sem Alergia doou a seus pacientes mais de 3 mil kits com remédios para asma, um dos principais fatores de risco em casos de coronavírus. Antes da pandemia, a asma já era a quarta maior causa de hospitalização no país. No projeto, pacientes asmáticos ganharam atenção redobrada, inclusive com opção de consultas on-line.

 

Até o início da pandemia, o Brasil Sem Alergia também contava com um coral, o Canto que Cura, formado por 40 pacientes do projeto com problemas respiratórios. O grupo foi criado com o objetivo de melhorar a condição de saúde destas pessoas, já que há estudos demonstrando a eficácia da prática do canto no controle de sintomas pulmonares. Além das aulas gratuitas, cada integrante era acompanhado pelo departamento médico e recebia medicamentos para o tratamento de sua doença respiratória. Muitos alunos apresentaram melhora significativa dos sintomas, com ganho comprovado da condição pulmonar.

A equipe espera retomar os ensaios tão logo acabe esse período, voltando a proporcionar momentos de cultura e lazer para seus pacientes, além de retomar as performances da turma em eventos culturais.

 

– Ao longo desses quase 15 anos à frente do Brasil Sem Alergia, transformamos a realidade de muita gente, levando saúde e qualidade de vida para centenas de milhares de pessoas que não teriam acesso a serviços médicos na rede particular. Tenho muito orgulho do trabalho que nós desenvolvemos até aqui e espero que possamos fazer ainda mais pela população do Rio e do país – comenta Marcello Bossois, médico alergista e pesquisador, coordenador técnico do Brasil Sem Alergia.

 

*Atualmente, cerca de 35% dos brasileiros têm algum tipo de alergia, de acordo com o Ministério da Saúde.

 

Endereços das unidades do Brasil Sem Alergia

 

Duque de Caxias: Rua Conde de Porto Alegre, 155, 25 de Agosto

Nova Iguaçu: Rua Iracema Soares Pereira Junqueira, sem número, Cruz Vermelha Nova Iguaçu

Xerém: Praça da Mantiqueira, 18, Centro Médico Estrela de Davi

Realengo: Av. Santa Cruz, 1896

Iguaba Grande: Rua Paulino Pinto Pinheiro, 133, Centro, Cruz Vermelha Iguaba Grande

Canais oficiais do Brasil Sem Alergia

Site: www.brasilsemalergia.com.br

Instagram: www.instagram.com/brasilsemalergia

Facebook: www.facebook.com/brasilsemalergiaoficial

YouTube: www.youtube.com/alergiahormonal