Categorias
Brasil Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Rio Saúde

Butantan desenvolverá vacina brasileira contra a covid-19

O Instituto Butantan iniciou o desenvolvimento de uma vacina brasileira contra a covid-19, que será chamada de ButanVac. A expectativa é que os ensaios clínicos de fases 1 e 2 em humanos comecem já em abril, após autorização da Anvisa. A previsão é que a produção seja iniciada em maio e, se tudo ocorrer dentro do previsto, 40 milhões de doses estarão disponíveis a partir de julho.

A ButanVac será uma vacina desenvolvida e produzida integralmente no Butantan, sem necessidade de importação do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo). A vacina já leva em conta a variante brasileira (P1) e a promessa é que produza resposta imune maior que as vacinas atuais. Atualmente, o Butantan é responsável pela etapa final de produção da Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac.

Para a produção do imunizante 100% brasileiro, o instituto informou que usará tecnologia já disponível em sua fábrica de vacinas contra a gripe, a partir do cultivo de cepas em ovos de galinha, que gera doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos.

A tecnologia da ButanVac utiliza um vetor viral que contém a proteína Spike do coronavírus de forma íntegra. O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle, infecção que afeta aves. Por esta razão, o vírus se desenvolve bem em ovos embrionados, permitindo eficiência produtiva num processo similar ao utilizado na vacina de influenza. O vírus da doença de Newcastle não causa sintomas em seres humanos, constituindo-se como alternativa muito segura na produção.

Segundo informou o governo de São Paulo, os resultados dos testes pré-clínicos realizados com animais se mostraram promissores, o que permite evoluir para estudos clínicos em humanos.

A iniciativa do novo imunizante faz parte de um consórcio internacional do qual o Instituto Butantan é o principal produtor, responsável por 85% da capacidade total, e tem o compromisso de fornecer a vacina ao Brasil e a países de baixa e média renda.