Categorias
Arte Cultura Destaque Música Notícias Rio

“Geração Glee – O Musical” estreia no Rio de Janeiro

Espetáculo estreia em janeiro no Teatro Clara Nunes

Dias 20, 23 e 30 de janeiro o Teatro Clara Nunes no Rio de Janeiro apresenta “Geração Glee – O Musical”. O espetáculo retrata a história de alunos do último ano do High School que estão prestes a passar pela fase mais difícil de suas vidas, enquanto trabalham para ter a chance de ganhar o concurso de música mais prestigiado do mundo em Nova York e compartilhar suas esperanças e sonhos com o novo professor do Clube de Coral.

Com músicas de Lady Gaga, One Direction, Jessie J., Katy Perry, Bruno Mars, Miley Cyrus, Demi Lovato, Madonna, entre outras, Geração Glee retrata um ano cheio de felicidades, decepções, amores e perdas na vida dos jovens alunos.

O Musical do britânico Martin Callaghan, ator e diretor em West End London, sucesso na Europa, chega ao Brasil com realização da Escola de Artes Faz Assim. Assim como na Europa, o espetáculo promete ser mais um sucesso de bilheteria.

Vale ressaltar que a apresentação do dia 30 de janeiro contará com a participação especial do ator, dublador e cantor Raphael Rossato.

Serviço:

Datas: 20, 23 e 30/01

Horário: às 20h

Local: Teatro Clara Nunes no Shopping da Gávea

Endereço: R. Marquês de São Vicente, 52 – Gávea, Rio de Janeiro – RJ

Classificação: livre

Duração:  80min

Texto e direção: Martin Callaghan

Adaptação: Fred Trotta

Direção residente: Fred Trotta

Direção musical residente: Kika Tristão

Direção de movimento: Andressa Tristão

Preparação de elenco: Karlla Guimarães

Realização: Escola de Artes Faz Assim

Valores ingressos:

Inteira – 80,00

Meia – 40,00

 

Categorias
Cultura Destaque Livro Notícias

Escritora Isa Colli comemora publicação de três títulos em anuário de livros infantis e juvenis

Os livros “Incêndio no Museu”, “Descobertas de Inaiá” e “Tulipa Glória e sua amiga Vitória”, da escritora Isa Colli, estão entre os destaques do Anuário 2022 da Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil – AEILIJ.

Em sua 8ª edição, a publicação reúne obras para os pequenos lançadas em 2021.

Tenho a alegria de estar presente com meus três livros lançados no ano passado, ainda em meio à pandemia, junto de tantas obras lindas e de autores incríveis – diz Isa.

A autora se diz honrada em fazer parte do anuário.

A edição desse ano ficou linda. Parabéns a toda equipe responsável pela realização do projeto. É mais uma ferramenta valiosa de incentivo à leitura – afirma.

Sobre as obras

“Incêndio no Museu” mostra às crianças a valorização do Museu Nacional, espaço tão importante, que um dia abrigou a família imperial e foi atingido por um trágico incêndio em 2018.

“Descobertas de Inaiá” conta os desafios e aprendizados da menina indígena Inaiá, quando ela começa a estudar em uma escola fora da aldeia. A chegada da jovenzinha ao colégio novo muda a sua vida e a dos colegas de classe.

“Tulipa Glória e sua amiga Vitória” traz a história de amizade entre uma sementinha e uma menina que está em tratamento contra a leucemia. É uma fábula encantadora que fala de amor, solidariedade e superação de uma doença tão dolorosa, que é o câncer.

Terceiro ano consecutivo

Em 2020, Isa estreou no anuário com “Vivene e Florine em o Pirulito das abelhas” e “A Fazendinha”. Em 2021 foi a vez de “Pássaro de Seda”.

A edição de 2022 está disponível neste link 

 

Categorias
Cultura Destaque Notícias Rio

Lei transforma mestre-sala e porta-bandeira em patrimônio do Rio de janeiro

Da Agência Brasil

Foi sancionada na última quinta-feira (13) a lei 9.588 de 2021, que garante às figuras carnavalescas do mestre-sala e da porta-bandeira o título de Patrimônio Cultural Imaterial do estado do Rio de Janeiro.

Para Vilma Nascimento, de 83 anos, a lei sancionada pelo governador Cláudio Castro é um reconhecimento à história dos símbolos do Carnaval.

A apresentação do mestre-sala e da porta-bandeira é um dos mais disputados quesitos na classificação das escolas de samba no Carnaval carioca, e pode ser determinante na avenida. As roupas luxuosas precisam estar de acordo com o enredo do ano e são preparadas especialmente para não impedir o bailado na passarela, que costuma encantar o público.

“É uma coisa séria. Agora eles têm que se unir, para cada vez ser mais valorizado o casal. Tem que ter união, respeito absoluto. O título valorizou muito e eu estou muito contente mesmo”, disse a sambista em entrevista para a Agência Brasil.

Considerada símbolo das porta-bandeiras de escolas de samba, Vilma faz a própria história na família. A primeira vez que desfilou foi aos 7 anos, no Bloco Unidos da Dona Clara – rua de Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

A estreia como porta-bandeira foi aos 13 anos na Escola de Samba União de Vaz Lobo, também na Zona Norte. Na Portela, onde se tornou destaque pelo seu bailado que envolvia a quem assistia, começou em 1957.

Nos últimos anos, além de entrar na avenida como destaque no início do desfile da Portela, Vilma esteve presente ao lado da filha nas apresentações do casal. “É uma emoção forte. Muito bom ver ela dançar, porque a Danielle é incrível na avenida. Ela não gosta de quadra, ela gosta é de avenida. Igual a mim, tanto é que eu vou para a avenida. Quero ver todas as escolas de samba”, completou sorrindo, lembrando que mesmo no ano em que precisou fazer uma cirurgia na cabeça pouco tempo antes do carnaval, foi para a Passarela do Samba e desfilou na Portela e acompanhando a filha na escola Paraíso do Tuiuti. “Fui para a avenida com os pontos na cabeça. Foi muito bom. Foi emocionante”.

Atualmente Julinho forma um dos casais mais longevos na Sapucaí. A parceria com a porta-bandeira Rute começou em 2008. Já passaram pela Vila Isabel e pela Unidos da Tijuca e desde 2018 estão na Viradouro.

Espírito do Carnaval

Para o governador, a lei reconhece a importância dos casais não só para as escolas, como para a cultura fluminense. “Os mestres-salas e as porta-bandeiras são mais do que os guardiões da folia. Assim como outros elementos emblemáticos das escolas que desfilam na Sapucaí, eles também representam o espírito do Carnaval”, disse.

A nova legislação de autoria do deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL) prevê ainda apoio de órgãos do poder Executivo à iniciativas de valorização e divulgação deste bem imaterial.

O calendário oficial do Rio de Janeiro conta com uma data de comemoração de figuras de destaque nas agremiações. O Dia Nacional do Mestre-Sala e da Porta-Bandeira é celebrado em 24 de novembro.

Categorias
Brasil Cultura Destaque Notícias

Morre aos 95 anos em Manaus o poeta Thiago de Mello de causas naturais

Da Agência Brasil

“Faz escuro mas eu canto, porque a manhã vai chegar”. O verso é de Amadeu Thiago de Mello, ou simplesmente Thiago de Mello, poeta e tradutor amazonense que faleceu nesta sexta-feira (14) de causas naturais aos 95 anos. O corpo do poeta será velado no Centro Cultural Palácio Rio Negro, no centro de Manaus.

Considerado um dos poetas mais influentes e respeitados do país, reconhecido como ícone da literatura da Região Norte do Brasil, Thiago de Mello tem obras traduzidas para mais de 30 idiomas. Foi adido cultural do Brasil na Bolívia e no Chile. Preso durante o regime militar, exilou-se no Chile, onde encontrou no escritor Pablo Neruda um amigo e colaborador. Morou também na Argentina, em Portugal, na França e na Alemanha, antes de retornar ao país onde nasceu, com o fim da ditadura.

Outra grande contribuição de Thiago de Mello para a literatura brasileira é a obra intitulada Os Estatutos do Homem, que dedicou ao amigo Carlos Heitor Cony. Nos últimos versos do poema, Thiago cita: “A partir deste instante a liberdade será algo vivo e transparente. Como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem”.

Categorias
Brasil Cultura Destaque Diário do Rio Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

MPF vai apurar acidente que destruiu dois casarões de Ouro Preto

Poucas horas após parte do Morro da Forca vir abaixo e destruir duas construções no centro de Ouro Preto (MG), o Ministério Público Federal (MPF) instaurou um procedimento administrativo para apurar as circunstâncias da ocorrência.

Em nota, o MPF justificou a iniciativa citando os “evidentes danos ao patrimônio cultural”, já que parte do conjunto arquitetônico municipal é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e está inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

“O MPF vai apurar as circunstâncias em que o fato se deu e pedir esclarecimentos aos órgãos envolvidos na tutela dos referidos bens quanto ao motivo do incidente, dimensão dos danos e seus efeitos”, informou o MPF, em nota.

O MPF quer que a prefeitura informe se há, em Ouro Preto, outros imóveis em risco iminente de serem atingidos por novos deslizamentos ou desmoronamentos e que providências o município está adotando para impedir que isso ocorra. Já do Iphan, os procuradores esperam receber um parecer sobre a extensão do dano cultural causado pelo acidente desta quinta-feira, bem como uma relação das construções históricas em situação de risco na cidade e quais medidas já foram adotadas para proteger o conjunto arquitetônico local.

Uma das construções destruídas esta manhã foi um casarão do século 19, o Solar Baeta Neves. Segundo o Iphan, o imóvel integrava o Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, mas estava interditado desde 2012, quando foi atingido por um deslizamento de terra que comprometeu parte da edificação. Ainda de acordo com a autarquia federal, a Defesa Civil já vinha monitorando a área desde o fim do ano passado, por conta do risco das fortes chuvas que atingem Minas Gerais causarem um acidente como o desta manhã.

Apesar do prejuízo histórico e cultural, o deslizamento não feriu nenhuma pessoa. Conforme o barbeiro Fábio Rogério Alves contou à Agência Brasil, o trânsito de veículos e de pessoas próximo à área atingida tinha sido interrompido pouco antes de parte do talude cair sobre as construções. Alves foi uma das primeiras pessoas a perceber que parte do Morro da Forca viria abaixo e, junto com outras duas pessoas, incluindo uma funcionária da prefeitura, alertou quem passava pelo local.

“Antes mesmo dos bombeiros chegarem, pouco antes da queda do morro, já tínhamos isolado a passagem de veículos e de pedestres. Como o terminal [de integração localizado a cerca de 300 metros] ainda não estava funcionando, não havia muita gente circulando naquela hora”, disse Alves.

Segundo ele, os dois casarões atingidos estavam embargados e lacrados há vários anos e não costumavam ser acessados por ninguém. Dono de uma barbearia de onde se vê o local do deslizamento, Alves disse que já havia testemunhado ao menos um acidente parecido, no mesmo lugar, em 2011. “O terreno ali é bastante instável”.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Cultura Destaque Diário do Rio Notícias

Orquestra Sinfônica Brasileira se torna Patrimônio Cultural do Rio

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, sancionou na última terça-feira (11) a lei que oficializa a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio de Janeiro. A medida ressalta a importância do mais tradicional conjunto sinfônico do país.

“Reconhecer a Orquestra Sinfônica Brasileira como Patrimônio Cultural Imaterial é valorizar a sua história e contribuição para a cultura do nosso estado. Vida longa à OSB, que, ao longo desses anos, vem brindando a população com suas belas apresentações”, disse Cláudio Castro.

Com mais de 5 mil concertos realizados desde sua fundação, em 1940, pelo maestro José Siqueira, a OSB tem se destacado pelo seu pioneirismo. Foi a primeira orquestra brasileira a realizar turnês pelo país e exterior, além de apresentações ao ar livre. Ao longo de sua trajetória, revelou grandes nomes, como os pianistas Nelson Freire e Arnaldo Cohen, e o violoncelista Antônio Meneses.

A OSB promove ainda ações educativas, buscando fomentar e divulgar o repertório sinfônico brasileiro, a partir da reunião entre tradicionais e novos compositores em seus concertos.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Cultura Destaque Notícias Rio

Exposição marca 85 anos de criação do Museu Nacional de Belas Artes

Da Agência Brasil

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro, comemora nesta quarta-feira (13) 85 anos de criação, oferecendo a uma parte reduzida de público a possibilidade de apreciar presencialmente obras incorporadas recentemente ao acervo. A incorporação foi feita por meio do projeto MNBA: Aberto para obras, que acontece às quintas-feiras, no horário das 15h às 16h. As vagas são limitadas a 30 participantes, que podem se inscrever pelo e-mail do museu (mnba.eventos@gmail.com) 

O conjunto de obras incorporadas à coleção do MNBA resultou de ação do Ministério Público Federal, da Advocacia-Geral da União e do Instituto Brasileiro de Museus, no fim de 2021. São dez trabalhos do artista Di Cavalcanti (1897-1976), uma obra de Djanira (1914-1979) e outra do artista romeno naturalizado brasileiro Emeric Marcier (1916-1990).

A diretora do MNBA, historiadora Vera Lúcia Mangas, disse que considerou que “esse dia de comemoração dos 85 anos seria  bom momento para a primeira apresentação ao público, embora reduzido, não só por causa da obra no espaço, mas pelos cuidados necessários em relação à pandemia. “Vai ser uma primeira apresentação desses trabalhos, obras de arte de extrema relevância para a cultura nacional, além de importante incorporação ao acervo do museu”.

Lava Jato

A incorporação das obras ao acervo foi estabelecida em acordo  firmado por Rosana Messer e Dan Messer, esposa e filho, respectivamente, do doleiro Dario Messer, preso no âmbito da Operação Lava Jato. As 12 obras são avaliadas em R$ 13 milhões, sendo que apenas a coleção de dez quadros de Di Cavalcanti tem valor estimado de R$ 10 milhões.

Vera Lúcia Mangas ressaltou que esse é um valor material. “Um conjunto de obras de um artista da relevância de Di Cavalcanti, para museu público, tem valor inestimável. A gente poder apresentar esse conjunto para a sociedade brasileira extrapola o valor monetário”.

Além da exibição dos quadros, haverá palestra sobre o acervo, dada por técnicos do MNBA. A incorporação das peças foi feita próximo das celebrações dos 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, que ocorreu em São Paulo entre os dias 11 e 18 de fevereiro daquele ano, no Teatro Municipal.

As obras são: Retrato feminino – 1965, Carnaval – 1960, Retrato de duas figuras femininas – 1967, Paisagem com barco – 1971, Três figuras femininas (Mulheres com Bandolim), Figura feminina janelaRetrato de figura feminina – 1967, Figura Feminina e gato, Duas figuras femininas com flor e Seis figuras femininas, todas de Emiliano Di Cavalcanti, além de Vendedor de Abacaxi, de Djanira de Motta e Silva, e Paisagem Urbana, de Emerie Marcier.

As 12 obras foram incorporadas ao museu no fim de 2021 e se encontram atualmente em processo de catalogação e registro, passando ainda por análise da área de conservação. A avaliação é feita para que se possa prever, ainda em 2022, com a conclusão das obras de restauração do museu, sua incorporação ao circuito expositivo, informou a diretora.

Obras

As obras envolvem a restauração das fachadas internas e externas do MNBA e de suas três cúpulas, além da instalação e modernização de toda a parte elétrica e de combate a incêndio. Vera Lúcia estimou que 60% das obras já foram concluídas. A partir de agora, os operários farão a restauração da fachada principal, situada na Avenida Rio Branco, região central do Rio, e das cúpulas. O término está previsto para outubro deste ano.

Projetos para a nova fase do museu já estão sendo analisados. Toda a área técnica está voltada para repensar o circuito expositivo de longa duração. Do mesmo modo, algumas exposições estão sendo finalizadas. “A gente precisa só aguardar a questão dos espaços e das datas para confirmar com segurança”, acrescentou Vera Lúcia.

Categorias
Cultura Destaque Música Notícias

Dhenni Santos e Paulo Malaguti do MPB4 estreiam parceria musical

A pandemia só fez aproximar os amigos de longa data, Dhenni Santos e Paulo Pauleira Malaguti, que estreiam a primeira parceria musical intitulada “Chega”, em ritmo de côco baiano”, lançada esta semana, em todas as plataformas digitais.

Dhenni Santos é cantor, compositor e violonista, já tendo lançado 2 cds físicos pelo selo Mills Records e 1 EP lançado direto nas plataformas de streaming. Este é o primeiro single que ele lança, experimentando esse novo formato, tão popular nos últimos tempos. Atualmente, Dhenni participa do coral Cant’DuRio, cujo regente é o Pauleira, e que lançou em 2021 um álbum nas plataformas de streaming, homenageando o grande João Gilberto.

Paulo Pauleira Malaguti é cantor, compositor, violonista, arranjador e maestro, além de participar da formação atual do conjunto vocal MPB4. Já tem vários cds físicos lançados pelo selo Mills Records, sozinho ou em parceria com outros artistas, como Augusto Martins e Andrea Dutra.

Categorias
Brasil Cultura Destaque Notícias

Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para escritores iniciantes

Autores com obras inéditas nas categorias de romance e contos têm até o dia 11 de fevereiro para se inscreverem na edição 2022 do Prêmio Serviço Social do Comércio (Sesc) de Literatura.

Os vencedores terão as obras publicadas e distribuídas pela editora Record, parceira do Serviço Social do Comércio (Sesc) no projeto, com tiragem inicial de 2,5 mil exemplares. O anúncio dos vencedores será divulgado em maio próximo. Desde a criação, mais de 17 mil livros foram inscritos e 33 novos autores ganharam destaque.

“A premiação foi criada em 2003 e se consolidou como a principal do país para autores iniciantes. No ano passado, tivemos a inscrição de 1.688 livros, sendo 850 em romance e 838 em conto. O cronograma não foi afetado pela pandemia, porque foi todo executado por trabalho remoto. Dessa forma, o resultado pôde ser divulgado no prazo previsto”, afirmou o analista de Literatura do Departamento Nacional do Sesc, Henrique Rodrigues.

Os livros são inscritos pela internet, gratuitamente, de forma anônima, o que impede que os reais autores sejam reconhecidos, o que garante, segundo Rodrigues, a imparcialidade no processo de avaliação. Os romances e contos são avaliados por escritores profissionais renomados, que selecionam as obras pelo critério da qualidade literária.

Na edição do ano passado, foram vencedores o paraense Fábio Horácio-Castro, jornalista de formação e professor universitário, com o romance “O réptil melancólico”; e o também jornalista pernambucano Diogo Monteiro, com a coletânea de contos “O que a casa criou.”

As inscrições são gratuitas, estão abertas desde ontem (10) e podem ser feitas pelo site do evento. O Prêmio avalia trabalhos com qualidade literária para edição e circulação nacional. O regulamento completo pode ser acessado aqui.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Cultura Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Rio

Programa Sesc Verão começa hoje com atividades gratuitas no Rio

Depois de uma versão virtual, realizada no ano passado, em função ainda da pandemia do novo coronavírus, o programa Sesc Verão do Rio de Janeiro retorna este ano no formato presencial. Por meio do projeto, o Serviço Social do Comércio (Sesc RJ) leva serviços a praias fluminenses e a unidades localizadas na capital e no interior, principalmente atividades culturais e de lazer, englobando ainda grandes shows musicais e oficinas com ídolos do esporte nacional.

A programação é 100% gratuita e começa amanhã (8), em Rio das Ostras, na Região dos Lagos, e em algumas unidades regionais do Sesc, estendendo-se até 20 de fevereiro. A programação pode ser conferida no site do Sesc RJ.

Expansão

A gerente de Lazer do Sesc RJ, Monica Velasques, informou que, este ano, o projeto foi ampliado e vai contemplar 30 municípios, com extensão para municípios onde a ação não havia atuado. O roteiro inclui, pela primeira vez, a Baixada Fluminense. Além de Rio das Ostras, haverá programações especiais nas cidades do Rio de Janeiro (Paquetá), Angra dos Reis, Mangaratiba, Paraty, Barra Mansa, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes (Farol de São Thomé), São Francisco de Itabapoana, Casimiro de Abreu, Magé, Guapimirim, Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Petrópolis, Três Rios, São José do Vale do Rio Preto, Teresópolis, Sumidouro, Duas Barras, Cantagalo, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Maricá, Niterói e São Gonçalo.

Futevôlei, futebol, vôlei de areia, beach tennis (tênis de praia), duathlon (corrida e ciclismo), desafio dos atletas, oficinas recreativas e esportivas, intervenções culturais, educação em saúde e meio ambiente, shows musicais, espetáculos teatrais, caminhadas e maratona fazem parte das atividades nas praias e nas unidades do Sesc nos municípios. Monica Velasques disse que nas atividades que ocorrerão em locais fechados, dentro das unidades, as vagas serão preenchidas mediante inscrições. A maior parte das ações, entretanto, será realizada em áreas abertas. Será dada prioridade à apresentação de bandas musicais locais, visando incentivar a cultura municipal.

A equipe feminina de vôlei do Sesc RJ Flamengo, liderada pelo técnico Bernardinho, circulará pelas localidades para interagir com o público. Participarão também o técnico da Seleção Brasileira Sub-21 masculina, Giovane Gávio, e a gestora esportiva e ex-nadadora, Patrícia Amorim.

Protocolos

O presidente do Sistema Fecomércio RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior, ressaltou que o Brasil, como país tropical, “é uma inspiração para atividades ao ar livre, como a prática de esportes e a interação com atividades culturais. É com muita satisfação que retornamos nesse sábado a realização do Sesc Verão, que promove uma ampla programação de cultura e lazer para a população de 30 municípios, em todas as regiões do estado”.

Queiroz Junior lembrou a importância dos protocolos sanitários, como distanciamento social, uso de máscara e de álcool 70%, apresentação de comprovante de vacinação, “para mantermos a saúde de cada um de nós e de nossos familiares”. Todas as atividades estão adequadas aos protocolos sanitários, acrescentou a gerente de Lazer do Sesc RJ. Monica Velasques afirmou também que as atividades não têm limitação de idade. “São para todos. A nossa ideia é que as atividades contemplem as famílias, desde atividades recreativas, esportivas, culturais, que possam ser vivenciadas pelas famílias, nos espaços”.

O presidente do Sistema Fecomércio RJ lembrou ainda que o setor de turismo foi um dos mais prejudicados pela pandemia, mas já dá sinais de recuperação. Com atividades em 30 cidades, ele espera movimentar hotéis, bares, restaurantes, transportes e toda a cadeia produtiva do turismo, de modo a gerar renda e emprego no estado do Rio de Janeiro.

Agência Brasil

Foto: Divulgação Sesc RJ