Categorias
Ação Solidária Destaque Fazendo a Diferença

Felipe Noronha desenvolve projeto gratuito para atender pessoas com vitiligo

A máxima fazer o bem, sem olhar a quem, se encaixa como uma luva na vida de Felipe Noronha. Empresário carioca, ele resolveu lançar o seu primeiro projeto social voltado para pessoas com vitiligo, doença que alcança 1% da população mundial. No Brasil, mais de um milhão de pessoas convivem com a doença. O desenvolvimento de transtornos psicológicos, como a queda na autoestima e a retração no convívio social, são seus efeitos mais significativos. A doença não tem causa definida, mas está associada a fenômenos autoimunes, exposição solar ou química, estresse e traumas emocionais.

O projeto irá acontecer uma vez por semana, com vagas limitadas e gratuitas. De acordo com o profissional, é importante que a doença já se encontre na sua fase estável e que o paciente tenha o consentimento do seu médico dermatologista. É importante salientar que a pele com a mancha de vitiligo é mais sensível e existe a preocupação para que a área a ser camuflada não sofra escoriações. Para isso o profissional irá usar a técnica da tatuagem estética como também equipamentos próprios para o procedimento. As sessões ocorrerão em ambiente ambulatorial na clínica em que ele atende na Barra da Tijuca, com todos os protocolos de biossegurança necessários. Para se inscrever basta mandar uma mensagem ao instagram do profissional: @tattooplasty. “A ideia é devolver aos pacientes a confiança com o seu próprio corpo. O vitiligo e outras marcas que mexem com a pigmentação corporal podem ser camufladas com a dermopigmentação paramédica”, explica Felipe.
Felipe Noronha trabalha com a implantação de novas tecnologias cirúrgicas para a neurocirurgia, cirurgia da coluna e da face. Começou sua carreira como instrumentador cirúrgico e até hoje faz dos centros cirúrgicos dos principais hospitais do país o seu hábitat natural.

Apaixonado pela milenar arte da tatuagem desde garoto, pensando na próxima tecnologia a ser lançada no mercado cirúrgico e diante dos avanços na qualidade dos pigmentos e equipamentos para a dermopigmentação, Felipe decidiu ser ele mesmo essa novidade se tornando tatuador estético. Há 5 meses sendo um dos poucos profissionais habilitados do ramo no Brasil ele oferece os serviços de dermopigmentação de estrias, cicatrizes, vitiligo, manchas acrômicas, leucodermias e suas principais especializações: harmonização areolar e reconstrução do complexo Aréolo-Mamilar. O  procedimento da tatuagem estética  consiste na diminuição do contraste de tonalidades entre a área lesionada e a pele sadia através das técnicas de tatuagem realista e uso de pigmentos personalizados.

 

Categorias
Notícias do Jornal

Coronavírus desperta corrente de empatia

Por Franciane Miranda

Estamos passando por tempos difíceis, isso não podemos negar. É hora de todos nós deixarmos as diferenças de lado e focarmos em amparar o próximo, unindo forças em uma corrente humanitária. São nesses momentos que percebemos o quanto precisamos cuidar uns dos outros. É essencial reconhecermos e fazermos uma reflexão sobre a importância que cada um de nós tem para nos mantermos vivos e seguros nesse vasto universo.

A tecnologia tem ajudado muito nesse processo: vários canais de comunicação contribuem para que o isolamento seja o mais tranquilo possível. São dicas para você passar o tempo de forma segura e que ainda traz conhecimento.

Todas as vidas são relevantes e merecem ser preservadas. A enxurrada de notícias negativas que recebemos todos os dias nos fazem crer que o mundo está repleto de eventos ruins e que parece não existir acontecimentos positivos. O novo coronavírus trouxe calamidade, mas desencadeou o sentimento de humanismo em muitas pessoas. Ele mostrou que precisamos cuidar mais um do outro. Que necessitamos ser solidários e ajudarmos o próximo, não apenas nos momentos de crise, mas criarmos esse hábito e torná-lo contínuo.

Ao redor do mundo, principalmente nos países mais atingidos pelo Covid-19, vemos nascer uma corrente positiva e de fraternidade para ajudar, sobretudo os idosos, que estão classificados no grupo de risco com maior vulnerabilidade. As simples atitudes fazem toda a diferença na luta contra a doença. Para incentivar você a participar deste movimento, separei uns exemplos de como podemos ser úteis, mesmo que de longe, virtualmente, ou com o vizinho.

Em São Paulo, Estado bastante afetado pelo vírus, a gerente de comunicação Christiane Cralcev, colocou um bilhete no elevador do seu prédio avisando que está disponível para ajudar os idosos que precisarem de algum apoio. Eles necessitam da nossa proteção e saber que podem contar com alguém neste momento difícil é fundamental.

Na mídia acompanhamos várias atitudes que demonstram empatia com o próximo. Durante este período de pandemia, o que deve prevalecer é o espírito comunitário e não o individualismo. Na Espanha, país muito castigado pela pandemia, vizinhos fazem surpresa para vizinha que completava 80 anos. Eles colocaram na porta de sua casa um bolo de aniversário; Após ele ser aberto, os moradores em coro começaram a cantar os parabéns. Que belíssima atitude!

O isolamento é um dos momentos mais difíceis do processo, mas precisamos passar por ele. Este momento de reclusão de grande parte da população mundial ─ inclusive de muitos jovens e crianças ─ após governos fecharem grande parte de eventos, instituições e fronteiras, têm preocupado muitas pessoas. Para divertir os seus milhões de seguidores que estão em casa, o vocalista Chris Martin, do Coldplay, e o cantor John Legend realizaram minishows nas redes sociais. A ação faz parte do movimento Global Citizen, que possui como objetivo incentivar as pessoas a gerarem conteúdo para todos que estão reclusos. Levar alegria e tirar sorrisos também é um ato bondoso. Por isso vários artistas, que estão resguardados esperando a crise passar, apoiam esta linda causa, além de incentivar os fãs que tiverem um tempo livre fazerem o mesmo.

Esse espírito positivo que precisamos manter e fortalecer. Ele nos ajudará a passar juntos por tudo isso. Este vírus também nos deixa uma lição: juntos formamos uma grande fortaleza.