Categorias
Janaina Macedo Calvo | Desenvolvimento Pessoal & Finanças Notícias do Jornal

Empréstimo bate recorde na pandemia: como evitar o endividamento?

 

Diante da pandemia causada pelo novo coronavírus, a situação econômica se agravou para muitas famílias e motivou a busca por crédito no mercado. É por isso que o empréstimo da pandemia aumentou 113%, em comparação ao volume de outros anos.

No entanto, uma situação de crise como essa exige atenção tanto de pessoas físicas quanto jurídicas. É preciso estar preparado para superar adversidades e manter as contas em dia.

Por isso, neste artigo você poderá descobrirá como anda a situação financeira das famílias e aprenderá a evitar o endividamento. Confira!

Como anda a situação do empréstimo na pandemia?

Em 2020, mais de 50% dos brasileiros pediram um empréstimo pessoal para quitar dívidas atrasadas ou pendentes. Com a suspensão ou redução dos salários, muitos encontraram no crédito uma solução para atender seus compromissos financeiros.

O empréstimo bancário atingiu um volume de  mais de  R$ 4 trilhos — sendo a maior alta em 30 anos. Além disso, foi aprovada uma ampliação da margem consignável para empréstimos do tipo. De 35%, o valor a ser comprometido passou a ser de 40%.

O agravamento da pandemia e da situação econômica acabou levando o endividamento das famílias a níveis recordes. Em novembro de 2020, as dívidas alcançaram 51% da renda acumulada pelas famílias nos 12 meses anteriores. Assim, os dados são alarmantes.

Dicas para evitar o endividamento

Elabore um planejamento financeiro

O controle financeiro é um passo essencial para manter as contas em dia, sem débitos que causem problemas. Portanto, crie um planejamento financeiro que parta das suas possibilidades e limitações. Isso vale tanto para empresas quanto para famílias.

Cuide da organização das finanças

Depois de se planejar, com seus objetivos e metas, procure compor um orçamento completo. Ele deve prever a distribuição dos seus recursos para otimizar o uso do dinheiro.

É fundamental ter acompanhamento, controle e registro desse orçamento. Quanto mais informações forem coletadas, mais fácil será tomar boas decisões e evitar dívidas.

Crie uma reserva financeira

Contando com imprevistos, o ideal é montar uma reserva financeira — chamada de reserva de emergência para as pessoas e de capital de giro para empresas.

Tente manter a saúde financeira

Não há segredos para sair das dívidas ou evitar o endividamento. É preciso ter disciplina financeira e se preparar para dificuldades. Assim, você poderá enfrentar problemas sem recorrer ao crédito ou atrasar suas contas.

Busque a educação financeira para manter a saúde das suas finanças. Caso você precise quitar dívidas agora, considere fontes de renda extra até se organizar melhor. Depois, lembre-se de manter hábitos positivos e uma reserva de patrimônio.

Os pedidos de empréstimo na pandemia cresceram substancialmente, o que aumentou o endividamento das famílias. Para proteger as finanças pessoais ou empresariais, vale a pena colocar essas dicas em prática, mantendo o orçamento sempre em ordem!

O que você tem feito para cuidar bem da sua vida financeira?

Janaína Macedo Calvo

Doutoranda em Administração e Sustentabilidade, Economista, Professora da FGV,  autora e palestrante.

Foto: Pixabay

Categorias
Janaina Macedo Calvo | Desenvolvimento Pessoal & Finanças Notícias do Jornal

Planejamento estratégico e gestão financeira empresarial: por que implementar? (parte dois)

 

Uma boa gestão empresarial depende de diversos fatores e o planejamento estratégico é um dos principais.  Na coluna anterior, vimos que essa gestão engloba um conjunto de processos desenvolvidos para atingir um objetivo e que, tão importante quanto o planejamento, é a gestão financeira.  E como os dois conceitos se relacionam?

O planejamento estratégico trata da análise da situação da empresa, objetivos e ações para conquistá-los. Já a gestão financeira trata do controle sobre o orçamento empresarial, visando a manutenção do negócio.

Os conceitos não se confundem, mas estão relacionados. Isso porque o planejamento estratégico também se aplica ao setor financeiro. É preciso que a empresa faça diagnósticos sobre a sua situação atual e os objetivos para manter um orçamento viável e potencializar lucros.

O desenvolvimento de estratégias e a aplicação das práticas previstas no planejamento dos diversos setores da organização envolvem custos e precisam considerar o orçamento e o controle financeiro.

Porém, para que as estratégias sejam eficazes, os gestores e líderes devem entender como colocá-las em prática. A principal dica para isso é estudar, buscando cursos e treinamentos sobre o assunto. Afinal, são temas complexos que exigem preparo para o melhor planejamento e gestão financeira.

Qual a importância de implementar os conceitos na empresa?

Após entender o que é o planejamento estratégico e a gestão financeira empresarial, vale reforçar a importância dos conceitos e de que forma eles impactam os negócios.

Um bom planejamento estratégico consegue trazer diversos benefícios para o negócio, então é importante aplicá-lo para conseguir aproveitar as consequências positivas. Confira as principais:

  • Melhora na comunicação interna;
  • possibilidade de integrar setores da empresa;
  • proteção contra oscilações do mercado;
  • prevenção contra imprevistos;
  • aumento da eficiência operacional;
  • suporte na tomada de decisão;
  • vantagem competitiva;
  • durabilidade do negócio;
  • maior eficiência na gestão empresarial.

Em complemento, uma boa gestão financeira também oferece vantagens importantes para a empresa. Veja só:

  • Redução de custos;
  • menor ocorrência de erros e prejuízos;
  • tomada de decisão embasada em dados;
  • cumprimento da legislação;
  • facilidade para identificar problemas;
  • melhora no potencial de crescimento.

Sendo assim, o desenvolvimento de competências e a aplicação dos conceitos na empresa permite otimizar os processos em vários aspectos e setores. Por consequência, o negócio consegue se tornar mais sólido e  se diferenciar da concorrência para se destacar no mercado.

Como você viu, o planejamento estratégico é fundamental para o sucesso da organização, assim como uma boa gestão financeira. Portanto, é preciso aplicar os dois conceitos em seu plano de ação para obter melhores resultados!

Quer aprender como implementar as duas frentes na sua empresa? Temos dois cursos para ajudar:  Planejamento Estratégico e Educação Financeira para Empreendedores. Confira e se inscreva!

Foto: Divulgação

Por Janaína Macedo Calvo, doutoranda em Administração e Sustentabilidade, Economista, Professora da FGV, autora e palestrante

Categorias
Economia

Planejamento financeiro para 2021: vale a pena fazer? Veja 8 passos para não errar

Depois de um ano totalmente atípico, no qual todo planejamento se perdeu por causa de uma pandemia, muitas pessoas se perguntam se vale a pena se planejar para 2021, principalmente na parte financeira. Para Reinaldo Domingos, educador financeiro do canal Dinheiro à Vista, em relação às finanças, não só vale a pena, como é fundamental se planejar.

“As pessoas planejadas passam melhor por imprevistos, pois possuem uma melhor visão do futuro, é mais fácil readequar um caminho do que construir do zero. Assim, colocar no papel as despesas previstas para 2021 é o primeiro passo para não perder o controle financeiro ao longo do ano. Para quem não tem o hábito de planejar o uso do dinheiro, o momento é agora: o início do ano é um marco na mudança comportamental”.

Reinaldo considera válido o uso de planilhas neste caso, para que as informações possam ser acessadas ao longo do ano com facilidade. Mas, para simplificar o caminho, o educador financeiros elaborou um passo a passo para colocar em prática:

Coloque no papel
Coloque no papel os compromissos dos próximos 12 meses, como datas comemorativas, pagamento de impostos (IPVA e IPTU), matrícula e material escolar, etc. Registre o valor previsto a ser gasto com cada uma dessas atividades. Claro, os números podem mudar no meio do caminho, mas é importante já ter uma ideia para se programar;

Anote as parcelas
Caso tenha parcelas de compras feitas que se estenderão por 2021, elas também devem estar registradas nesse planejamento, para fazer parte do orçamento financeiro dos meses seguintes;

Fale com a família
Sente e converse com todos os integrantes da família, inclusive as crianças, para falar sobre os sonhos individuais e coletivos. Esse é um passo muito importante para mudar a forma como a família lida com o dinheiro, passando a entender que ele é um meio para realizar sonhos. Viajar, trocar de carro, casa ou sair das dívidas são objetivos a serem considerados.

Pesquise os sonhos
Procure saber quanto custam e fazer cotações até achar a melhor possibilidade de preços para realizá-los. Assim você tomará os primeiros passos para realizar sonhos, seus e de sua família. Isso é o planejamento, agir com antecedência;

Poupe dinheiro
Guarde dinheiro para cada sonho simultaneamente e escolha o melhor investimento de acordo com o prazo de realização de cada um. Para os de curto prazo (até um ano), coloquei na caderneta de poupança, para os de médio prazo (de um a dez anos), no CDB, Tesouro Direto, fundos de investimento, aos de longo prazo (acima de dez anos), Tesouro Direto, previdência privada e ações são boas opções;

Reduza despesas
Façam um diagnóstico financeiro, ou seja, anotem tudo o que for gasto ao longo de um mês, separando as despesas por categorias (energia elétrica, água, alimentação, combustível, telefone, etc.), para saber onde exatamente se pode diminuir ou até mesmo cortar. Acreditem, todos nós temos, pelo menos, 20% de desperdício ou exagero nas contas. Assim também saberá como está gastando cada centavo do dinheiro;

Mude o orçamento mensal
Mude a forma como elabora o orçamento financeiro mensal. A partir de agora, calcule da seguinte maneira: Valor ganho, menos valor dos sonhos e depois tirar o valor das despesas, isto é, priorize os sonhos e não as despesas, e não mais o valor dos ganhos, menos despesas e o que sobrar será lucro ou prejuízo. Depois que tirar o valor destinado aos sonhos, com o que sobrar, adeque o seu padrão de vida;

Alerta: inadimplência
Caso esteja inadimplente, é necessário fazer uma verdadeira faxina financeira, buscando pela causa do problema. Não adianta procurar o credor para pagar sem saber das suas possibilidades, do quanto possui para quitar as parcelas, então pode acabar se enrolando ainda mais. Reeduque-se financeiramente para realmente iniciar um novo ano, com uma vida nova.
Categorias
Colunas Destaque Janaina Macedo Calvo | Desenvolvimento Pessoal & Finanças Notícias do Jornal

Cinco ferramentas de gestão de empresas que você precisa conhecer

 

Para se dar bem em um mercado cada vez mais competitivo é necessário que os gestores procurem aperfeiçoar as suas atividades internas constantemente. Essa regra inclui qualquer segmento empresarial, pois, com os avanços da tecnologia e a transformação digital nos empreendimentos, os líderes que não procuram acompanhar essa tendência podem acabar perdendo grandes oportunidades e verem sofrer a estagnação de seu negócio.

A esse respeito, vale ressaltar que adotar ferramentas de gestão é fundamental para melhorar a administração da empresa, otimizar as tarefas realizadas no dia a dia, evitar erros e, assim, aumentar a produtividade. Caso você não tenha noção sobre o assunto, preparamos este artigo com as 5 principais ferramentas de gestão de empresas. Continue a leitura e fique por dentro de tudo!

  1. Ciclo PDCA

A finalidade do Ciclo PDCA é proporcionar uma evolução contínua dos processos de uma empresa. Essa ferramenta trabalha com 4 etapas: planejamento, execução, verificação e ação.

Ao seguir os procedimentos estabelecidos em cada etapa é possível compreender como determinado problema surge e como ele pode ser tratado. Desse modo, os gestores conseguem obter uma maior performance em suas ações devido ao aprimoramento das atividades.

  1. Canvas

Canvas é um tipo de estratégia administrativa e empresarial que trabalha com planejamento, execução e gestão de projetos. Seu principal objetivo é obter uma visão ampla do negócio e utilizar todo o seu potencial, contribuindo para estudar como atingir o seu público-alvo e alcançar um excelente ROI. Tudo é feito por meio de reuniões com o esboço de projetos novos ou aprimorados para evoluir a gestão da empresa.

  1. Orçamento empresarial (Budget)

O Budget e o Forecast fazem parte dos principais métodos para orçamento empresarial. Basicamente, essa ferramenta trabalha com a criação de orçamentos do tipo estático (budget), possibilitando traçar as metas e os objetivos de um negócio referentes a determinado período. Esse processo, ao longo de sua formação, pode ser ajustado por meio do emprego de Forecast.

  1. CRM

A sigla CRM refere-se à expressão Customer Relationship Management, que traduzida para o português significa Gestão do Relacionamento com o Cliente. Em formato de software, esse sistema tem a função de gerir o relacionamento da empresa com o seu público, bem como integrar processos da administração para que possa existir uma gestão eficaz direcionada ao cliente.

Ele opera desde a inicialização de uma venda até o pós-venda. Com isso, é possível gerenciar dados e informações, otimizar o trabalho interno e fidelizar clientes.

  1. Análise SWOT

A análise SWOT é uma ferramenta bastante utilizada para melhorar o planejamento estratégico e desenvolvimento do negócio. Por meio dela é possível aprofundar o estudo sobre as atividades da sua empresa, bem como realizar uma análise minuciosa da realidade a qual está inserida a sua corporação. Com isso, consegue-se encontrar os pontos fracos e fortes do negócio e criar formas de contornar os riscos e ameaças, aumentando as chances de sucesso no mercado.

Essas são as principais ferramanetas de gestão de empresas que você pode utilizar em seu negócio. Percebe-se que, com o auxílio de recursos específicos para cada situação, é possível melhorar por completo a produtividade da empresa e, dessa forma, alcançar o sucesso esperado.

Gostou do artigo? Então siga nossas redes sociais e acompanhe mais informações sobre o mundo dos negócios. Estamos no Instagram e no Linkedin!

Janaína Macedo Calvo

Doutoranda em Administração e Sustentabilidade, Economista, Professora da FGV,  autora e palestrante.