Categorias
Brasil Comportamento Destaque Mundo Notícias Notícias do Jornal Rio Saúde

Pesquisa aponta que células de pessoas deprimidas envelhecem mais rápido

Da Redação

Uma pesquisa feita pelo periódico científico Translational Psychiatry apontou que células de pessoas que sofrem de depressão podem envelhecer mais rápido. Segundo o estudo,  a depressão pode acelerar o envelhecimento celular e levar a pessoas que tenham esses transtornos a morte prematura. 

Ainda soma-se a outro estudo que já informava que esse tipo de doença, como a depressão, pode levar o indivíduo a desenvolver para doenças cardiovasculares, mal de Alzheimer e osteoporose. Sendo assim, a depressão, considerada a grande doença do século, é um fator de risco que pode levar pessoas a morrerem de forma precoce.

Os cientistas partiram da ideia de que essas doenças, as quais indivíduos com tal quadro apontado como grave possuem grandes chances de desenvolver, estão ligadas à idade avançada e a riscos de mortalidade precoce. Desta maneira, os estudiosos apontaram para um olhar mais clínico do que desenvolve tal envelhecimento celular, chegando assim a forma de compreensão com embasamento para melhor compreender o que pode causar essa correlação de envelhecimento com a depressão.

Como efeito de comparação, os pesquisadores começaram a observar as mudanças químicas no DNA que indicam o envelhecimento e o que pode ocorrer em pessoas que estejam em depressão. O teste comprovou que acontece de forma mais rápida nestes indivíduos, envelhecendo as células de forma precoce.

Mesmo com todo esse estudo, ainda não é possível comprovar tal tese. Os mesmos pesquisadores ainda apontam a possibilidade de existir um terceiro fator. A ideia é manter mais estudos, que possam auxiliar numa forma de desenvolver um combate eficaz à depressão.

Segundo estudos recentes, o Brasil possui 5,8% de sua população sofrendo com depressão. O Brasil também sofre com o problema da ansiedade, que em muitos casos leva à depressão. Números divulgados no último ano, mostram que 9,8% da população brasileira – ou cerca de 19,4 milhões – estão ansiosos, deixando desta vez a nação com a liderança do ranking. De acordo com o Ministério da Saúde, suicídio é a principl causa externa de mortes desde 2017, com cera de 12,5 mil casos.