Categorias
Esportes

Mix: Olimpíadas, solidariedade, Ronaldinho Gaúcho e Roland Garros

Por Sandro Barros

Mais perguntas sobre as Olimpíadas

O adiamento dos Jogos Olímpicos era necessário e até demorou a acontecer. Agora, o Comitê Olímpico Internacional (COI) tem outro grande problema para resolver. Com a mudança do evento para 2021, confederações e atletas ficaram com muitas perguntas que precisam ser respondidas e delas depende a preparação até que aconteça a competição. Por exemplo, além da própria data, existirão novos critérios para classificação? Com a palavra, o COI.

Exemplos de solidariedade dos clubes

O Covid-19 trouxe para o futebol brasileiro o resgate da função social de muitos clubes. São Paulo, Athletico-PR e Bahia, por exemplo, abriram suas estruturas a órgãos públicos que necessitem de espaço para atendimento a pacientes. Vasco e Botafogo também abriram seus estádios para receber vítimas. Torcemos para que essa relação solidária perdure quando a epidemia passar, aumentando ainda mais a paixão popular.

Solidariedade também no futebol inglês

Os jogadores e comissão técnica do inglês Leeds United decidiram adiar o recebimento de seus respectivos salários para garantir que os funcionários do clube sejam pagos integralmente durante a paralisação do futebol mundial causada pelo coronavírus. Em comunicado oficial, a equipe esclareceu que a iniciativa partiu do próprio elenco e que foi liderada pelos atletas mais experientes. A nota ainda afirma que clube tem 272 funcionários a serem remunerados.

Ronaldinho Gaúcho fora das manchetes

O caso de Ronaldinho Gaúcho, o presidiário mais famoso do Paraguai, deixou de ocupar as primeiras páginas do país. A pandemia do coronavírus, que deixou a população confinada em suas casas, tomou todas as manchetes dos jornais. Ronaldinho e o seu irmão Assis estão detidos desde 4 de março, depois de terem sido acusados de usar documentos falsos ao entrar no país. A prisão preventiva pode durar até seis meses.

Torneio de Roland Garros é adiado

Em decorrência da pandemia do coronavírus, o torneio de tênis de Roland Garros, o segundo ‘grand slam’ da temporada, foi adiado para o dia 20 de setembro. A decisão da Federação Francesa de Tênis foi tomada em 17 de março. A entidade informou que a mudança de data foi feita pensando no interesse de jogadores, mas alguns reclamaram sobre a falta de informação prévia. A antiga previsão era de iniciar o torneio no dia 18 de maio.

Fotos: Reproduções

Categorias
Esportes

MP investiga se Ronaldinho Gaúcho cometeu outros crimes no Paraguai

O ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho e seu irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira, passaram a segunda noite presos em uma cela especial da Agrupação Especializada da Polícia Nacional, em Assunção, Paraguai. O Ministério Público do Paraguai pede ampliação das investigações para saber se o ex-jogador teria cometido outros crimes como lavagem de dinheiro.

Ronaldinho e Assis estão presos em caráter preventivo, a pedido do Ministério Público paraguaio, que temia que os dois deixassem o país antes das autoridades esclareceram porque os dois ingressaram no Paraguai usando documentos paraguaios com dados falsos. Caso não seja revertida, a prisão preventiva pode durar até seis meses.

O ex-atleta e seu irmão chegaram ao Paraguai na manhã da última quarta-feira (4). Embora cidadãos brasileiros possam ingressar no país vizinho apenas apresentando o documento de identidade brasileiro, Ronaldinho e Assis entregaram aos agentes da imigração um passaporte paraguaio preenchido com seus dados pessoais, como se fossem cidadãos naturalizados paraguaios.

Apesar de estranharem o fato, os agentes autorizaram o ingresso da dupla. Horas mais tarde, os dois foram alvos de uma operação que levou promotores do Ministério Público e policiais a vasculharem os quartos do resort em que Ronaldinho e Assis estavam hospedados e apreenderem os passaportes e as cédulas de identidade paraguaias que os dois portavam.

Segundo o promotor Federico Delfino, do MP paraguaio, Ronaldinho e Assis disseram ter viajado a convite do dono do cassino Il Palazzo, o brasileiro Nelson Belotti, e que, já no país, foram procurados por representantes de uma fundação de assistência, a Fraternidade Angelical, para participar de eventos beneficentes. Ainda de acordo com o promotor, os documentos são autênticos, mas foram preenchidos com informações falsas.

Na quinta-feira (5), promotores da Unidade Especializada em Crime Organizado, do MP paraguaio, propuseram que o ex-jogador de futebol e seu empresário fossem liberados por colaborarem com as investigações. Com base nisto, Ronaldinho e Assis prestaram novos depoimentos na sexta-feira (6) à tarde, já preparados a deixar o país. Mas após cerca de seis horas de audiência, o juiz Mirko Valinotti indeferiu o argumento do MP, estabelecendo um prazo de dez dias para que os promotores responsáveis pelo caso reavaliassem a situação.

Suspeita de lavagem de dinheiro

O MP, então, voltou atrás em sua manifestação. Um novo promotor, Osmar Legal, da Unidade Especializada em Delitos Econômicos, foi designado para o caso, sugerindo que as autoridades locais investigam também a hipótese de lavagem de dinheiro. Ainda na sexta-feira, o MP recomendou que Ronaldinho e Assis fossem presos em caráter preventivo.

Detidos, os dois brasileiros foram conduzidos para a cela especial da Polícia Nacional, onde passaram a noite de sexta para sábado, quando se apresentaram perante a juíza Penal de Garantias, Clara Ruiz Díaz, que manteve a prisão preventiva por considerar graves os fatos investigados. Segundo o MP, a defesa de Ronaldinho e de Assis ainda tentaram converter a medida em prisão domiciliar, mas o pedido foi negado. “Os advogados pediram a prisão domiciliar, mas [Ronaldinho e seu irmão] não tem endereço fixo [no Paraguai]”, comentou o promotor.

Além de Ronaldinho e de Assis, também estão presos por suposto envolvimento no caso o empresário brasileiro Wilmondes Sousa Lira, apontado como representante legal do ex-jogador no Paraguai, e as paraguaias María Isabel Gayoso e Esperanza Apolonia Caballero. O MP pediu também determinou a prisão da empresária Dalia López Troche.

De acordo com informações divulgadas pelo MP paraguaio, Ronaldinho e seu irmão afirmam que após viajarem à convite de Belotti, receberam o convite de Dalia participar de eventos beneficentes. O ex-jogador e seu irmão também afirmam ter recebido os documentos falsificados do empresário Wilmondes Sousa Lira – que, por sua vez, responsabiliza a Dalia.

Já María Isabel e Esperanza Apolonia são investigadas porque, segundo a Polícia Nacional, os documentos encontrados com os brasileiros foram emitidos para as duas, que os solicitaram em janeiro deste ano.