Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Brasil já registra ao menos 16 casos de varíola dos macacos

A prefeitura do Rio de Janeiro, através de sua secretaria de saúde, confirmou na noite da última quinta-feira (23) mais dois casos de varíola dos macacos envolvendo residentes do município. As ocorrências se somam a outras 14 já registradas no país, conforme informou mais cedo o Ministério de Saúde. Dessa forma, já são 16 casos reconhecidos por autoridades sanitárias. Eles estão distribuídos por três estados: são dez ocorrências em São Paulo, quatro no Rio de Janeiro e duas no Rio Grande do Sul.

Segundo a prefeitura, os dois novos casos confirmados envolvem homens, de 25 e 30 anos. Nenhum deles tem histórico de viagem internacional recente ou contato com viajante. Portanto, são possivelmente dois casos autóctones, isto é, a infecção ocorreu dentro do estado.

Considerando as novas ocorrências, a capital fluminense registra agora três casos confirmados. Todos os pacientes estão em isolamento domiciliar e sendo monitorados diariamente. Segundo a secretaria de saúde do município, eles apresentam boa evolução clínica. O órgão também informa que está monitorando pessoas que tiveram contato com os infectados. A cidade de Maricá responde pela outra ocorrência já confirmada no estado do Rio.

O levantamento divulgado mais cedo pelo Ministério da Saúde, embora ainda não contabilizasse os dois novos casos do Rio de Janeiro, incluía três ocorrências do estado de São Paulo que também foram confirmadas hoje. Todos os pacientes são do sexo masculino e residentes na capital paulista. Segundo o Ministério de Saúde, dos 14 casos até então relatados, três eram considerados autóctones. Outros 11 foram classificados como importados, uma vez que os pacientes possuem histórico de viagem para a Europa.

Até o momento, não há no país registro de casos que evoluíram para uma situação grave. Tanto o Ministério da Saúde como as autoridades sanitárias estaduais e municipais têm relatado quadros clínicos leves e estáveis. Na Europa, onde estão concentrados mais de 80% das ocorrências do surto atual, também não há notificação de óbitos.

Há duas cepas conhecidas da varíola dos macacos. Uma delas, considerada mais perigosa por ter uma taxa de letalidade de até 10%, é endêmica na região da Bacia do Congo. A outra, que tem uma taxa de letalidade de 1% a 3%, é endêmica na África Ocidental e é a que tem sido detectada em outros países nesse surto atual. Ela produz geralmente quadros clínicos leves.

Conhecida internacionalmente como monkeypox, a varíola dos macacos é endêmica em regiões da África. Em maio, começaram a ser detectados novos casos na Europa e nos Estados Unidos, gerando uma preocupação sanitária internacional. Desde então, segundo Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 2 mil casos já foram notificados em mais de 40 países.

A doença é causaada por um vírus da família dos poxvírus, a mesma da varíola humana, erradicada em 1980. Ela tem esse nome por ter sido detectada inicialmente em colônias de macacos, embora possa ser encontrado principalmente em roedores. Entre pessoas, a transmissão ocorre por contato direto, como beijo ou abraço, ou por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais, além de secreções respiratórias.

A infecção costuma resultar em um curto período de febre, seguido da formação de lesões e nódulos na pele ou erupção cutânea generalizada. Após a contaminação, os primeiros sintomas aparecem entre seis e 16 dias. As lesões progridem para o estágio de crosta, secando e caindo após um período que varia entre duas e quatro semanas. O maior risco de agravamento envolve pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes, crianças com menos de 8 anos de idade e pacientes com leucemia, linfoma ou metástase.

Não existe um tratamento específico. Como prevenção, a pessoa doente deve ficar isolada até que todas as feridas tenham cicatrizado. Também é recomendado evitar contato com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado. Outra medida indicada pelas autoridades sanitárias é a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Ministério da Saúde confirma nono caso de varíola dos macacos no país

O Ministério da Saúde confirmou na última terça-feira (21) o nono caso da varíola dos macacos no país. A doença, causada pelo vírus monkeypox, foi detectada em um homem de 27 anos que está no estado de São Paulo. Ele é morador de Nova York, nos Estados Unidos.

De acordo com o ministério, o paciente apresenta quadro clínico estável, sem complicações, e está sendo monitorado pelas autoridades sanitárias. O teste que confirmou a doença foi feito pelo Laboratório Adolf Lutz, na capital paulista, por meio do método de isolamento viral.

Além dos nove casos confirmados, há dez casos em investigação no país: dois no Ceará, quatro no Rio de Janeiro, um em Santa Catarina, um no Acre, e dois no Rio Grande do Sul.

Os sintomas iniciais da varíola dos macacos incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados (íngua), calafrios e exaustão. Lesões na pele se desenvolvem primeiramente no rosto e depois se espalham para outras partes do corpo, incluindo os genitais. As lesões na pele parecem as da catapora até formarem uma crosta, que depois cai.

De acordo com o Instituto Butantan, a varíola dos macacos pode ser transmitida pelo contato com gotículas exaladas por um humano ou animal infectado, pelo contato com as lesões na pele causadas pela doença ou com materiais contaminados, como roupas e lençóis. O período de incubação da doença é, geralmente, de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias. Por isso, pessoas infectadas precisam ficar isoladas e em observação por 21 dias.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Saúde

Confira mitos e verdades sobre o AVC

Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que o AVC (Acidente Vascular Cerebral), conhecido popularmente como derrame cerebral, causa mais de seis milhões de mortes em todo o mundo anualmente. A doença é caracterizada pelo entupimento (acidente vascular isquêmico) ou rompimento (acidente vascular hemorrágico) dos vasos sanguíneos no cérebro, interrompendo o fluxo sanguíneo no órgão e levando a um quadro de paralisia na região do corpo controlada pela área do cérebro que foi danificada.

Os principais sintomas são paralisia ou fraqueza dos braços e/ou pernas de um dos lados do corpo, formigamento em apenas um dos lados do rosto, braço ou perna; dificuldade para falar; confusão mental; paralisia da metade inferior da face; perda repentina, parcial ou total, da visão; e dificuldade para deglutir. Reconhecer os sinais rapidamente ajuda a reduzir o risco de sequelas.

Confira mitos e verdades sobre o AVC

É uma das doenças que mais mata no Brasil.

Verdade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a segunda maior causa de mortes no mundo por ano. Já no Brasil, além de ser em grande parte causadora das mortes, o AVC também apresenta porcentagem significativa na incapacidade de pacientes. Isso porque durante a manifestação da doença, aproximadamente 120 milhões de células cerebrais morrem por hora, levando a perda aguda da movimentação das áreas do corpo controladas por essas células.

O AVC ocorre apenas uma vez em uma só pessoa.

Mito.. Ao contrário, a Associação Americana de AVC informa que um a cada quatro sobreviventes de AVC ou infarto relacionados a coágulos provavelmente terá outro, visto que as mesmas condições que levam ao primeiro AVC (maus hábitos de vida, cigarro, obesidade, diabetes, etc), podem levar a outros episódios.

As chances de cura são pequenas para aqueles que sofrem ou sofreram com AVC.

Mito. A realidade é que o aumento das chances de cura vai depender do diagnóstico e do tratamento. Os tratamentos existentes são distintos para cada tipo de AVC: para o acidente vascular cerebral isquêmico consiste na liberação do vaso obstruído para que a circulação e pressão arterial na região sejam normalizadas. Já para o acidente vascular cerebral hemorrágico é a contenção imediata da hemorragia em um primeiro momento. Após superar essa etapa, o tratamento segue, visando à prevenção de novos derrames, que podem voltar a ocorrer caso não sejam devidamente acompanhados. É importante ressaltar que em um episódio agudo de AVC, o atendimento em pronto-scorro deve ocorrer o mais rápido possível, tendo em vista impedir que o dano no cérebro aumente a cada minuto.

A trombofilia tem relação com AVC.

Verdade. Alguns casos específicos de AVC podem, sim, ser atribuídos à trombofilia quando há histórico familiar ou se o paciente já vivenciou algum episódio de trombose, sem motivo claro aparente. A trombofilia é uma predisposição em desenvolver trombose naqueles indivíduos que possuem anomalias nos fatores de coagulação do sangue, aumentando o risco de formação de coágulos sanguíneos.

Pílula anticoncepcional aumenta o risco de AVC.

Verdade. Segundo informações da Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares, o uso de pílulas pode aumentar o risco de surgimento da doença, principalmente em mulheres fumantes e com hipertensão arterial ou enxaqueca. Por isso, é sempre importante utilizar o anticoncepcional indicado pelo ginecologista ou especialista de confiança e com acompanhamento de rotina do uso do remédio.

O AVC trata-se apenas de uma questão genética.

Mito. Apesar do histórico familiar contribuir em grande parte para as chances de ter um AVC, é necessário se atentar também aos fatores de risco. O ideal é fazer a investigação assertiva de todos os fatores e ter a correta abordagem com um médico para modificar os hábitos e para tentar prevenir a doença.

O AVC ocorre apenas em idosos.

Mito. Apesar da grande maioria de acidentes vasculares ocorrerem na terceira idade, é possível em alguns raros casos ocorrer em outras faixas etárias. O fator mais comum em crianças são doenças genéticas. Já nos jovens, é a dissecção das artérias do pescoço, que é quando há uma lesão na parede do vaso que leva o sangue ao cérebro.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Primeiro infectado com varíola dos macacos recebe alta em SP

O paciente que foi o primeiro caso da varíola do macacos no país teve alta na manhã da última segunda-feira (20), informou a Secretaria de Estado da Saúde (SES) de São Paulo. Ele estava internado no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, contaminado pelo vírus hMPXV (Human Monkeypox Virus, na sigla em inglês), teve boa evolução do quadro clínico, está em bom estado de saúde e não necessita mais de cuidados médicos. 

O caso se refere a um homem de 41 anos, com histórico de viagem para Portugal e Espanha. Ele estava internado desde o dia 6 de junho. Por recomendação médica, segue agora em isolamento domiciliar por mais 14 dias.

A secretaria informou que, no momento, não há mais nenhum paciente internado com a doença na unidade. Quatro casos foram confirmados em São Paulo, com históricos de viagem para a Europa. Todos estão em isolamento domiciliar, sendo monitorados pelas vigilâncias municipais e estadual.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Covid-19: teste com paxlovid em voluntários de baixo risco é suspenso

O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz) suspendeu a busca por voluntários que fariam testes com o medicamento Paxlovid para pacientes de baixo risco para covid-19.

Segundo o instituto, a Pfizer, que desenvolveu o remédio, decidiu suspender os estudos clínicos no grupo de pessoas abaixo de 65 anos sem comorbidades por não ter constatado, em análise preliminar, diminuição significativa no tempo de sintomas e na internação desses pacientes.

Na terça-feira (14), o instituto divulgou que buscava voluntários para realizar os testes no Rio de Janeiro em parceria com a farmacêutica, como parte de uma pesquisa realizada em diversas partes do mundo com 1.980 voluntários.

O INI também participou dos testes anteriores do Paxlovid, que mostraram que o medicamento é seguro e eficaz no tratamento de pacientes com alto risco (pessoas acima dos 65 anos e com comorbidades) para o desenvolvimento de quadros mais graves da doença, o que continua válido.

Esses dados permitiram que o uso emergencial do remédio contra covid-19 fosse liberado por agências regulatórias como a FDA, dos Estados Unidos, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas para os grupos de risco.

Na convocação de voluntários publicada na terça-feira, a Fiocruz citava que os resultados em pacientes de alto risco apontaram que o remédio, que combina os antivirais nirmatrelvir e ritonavir, reduziu em 89% a hospitalização pela doença e óbitos.

A Pfizer Brasil esclareceu que com relação aos questionamentos sobre o estudo EPIC-SR (Evaluation of Protease Inhibition for Covid-19 in Standard-Risk Patients) do paxlovid, a empresa decidiu cessar a inscrição do estudo por causa da baixa taxa de hospitalização ou morte na população de pacientes de risco padrão. No entanto, continuará avaliando o tratamento em populações com alta necessidade médica não atendida.

A farmacêutica disse acreditar que os dados do estudo EPIC-SR “apoiam a eficácia e o perfil de segurança do paxlovid para o tratamento da covid-19 leve a moderada, em pacientes, com pelo menos, um fator de risco de progredir para a forma grave, independentemente do status da vacinação”.

De acordo com a Pfizer, um dos achados do estudo foi que “o autorrelatado alívio sustentado de todos os sintomas por quatro dias consecutivos, parâmetro clínico utilizado como objetivo primário do estudo, não mostrou diferença significativa do ponto de vista estatístico”.

Além disso, informou que demais dados analisados no estudo com a participação de pacientes de risco padrão, para vacinados e não vacinados, apesar de nem todos estatisticamente significativos, “reforçam os dados de segurança e eficácia observados no estudo EPIC-HR (uso de paxlovid em pacientes com covid leve a moderada com ao menos um fator de risco para evolução na forma grave) e serão incluídos na próxima submissão do registro definitivo ao FDA dos EUA para pacientes de alto risco”.

A empresa finalizou a nota informando que os dados de segurança disponíveis para paxlovid têm sido consistentes em mais de 3,5 mil participantes dos estudos EPIC-HR, EPIC-SR e EPIC-PEP, “bem como em experiência de segurança pós-autorização relatada até o momento”.

 

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

UFRN detecta duas novas variantes Ômicron da covid-19

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) detectou dois novos tipos de variantes Ômicron da covid-19 coletadas, em maio, de pessoas em Natal. A pesquisa foi feita com participação do Laboratório Getúlio Sales Diagnóstico e o Instituto Butantan.

O estudo sequenciou e analisou amostras coletadas pelas unidades de saúde da prefeitura de Natal e pelo IMT, detectando a circulação das variantes Ômicron (BA.5-like) e Ômicron (BA.4-like).

De acordo com a diretora do IMT, Selma Jerônimo, as novas variantes indicam ser mais transmissíveis, em razão do aumento no número de pessoas infectadas com covid-19 nas últimas semanas.

A diretora ressaltou a importância da vacina contra a covid-19, para evitar a forma grave da doença, bem como orientou sobre o uso de máscaras em locais fechados, além das demais medidas de biossegurança, como a higiene frequente das mãos.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

São Paulo tem menos de 40% das crianças vacinadas contra gripe

O estado de São Paulo está com menos de 40% das crianças vacinadas contra a gripe. A cobertura vacinal das gestantes e puérperas é ainda menor, de menos de 30%. A campanha de vacinação para esses grupos começou no início de maio e se encerra no dia 24 deste mês.

A vacina contra a influenza está disponível para crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade. Apenas 1 milhão das mais de 2,6 milhões no estado buscaram os postos para se imunizar, ou seja, 39,6%. Já as gestantes e puérperas somam 140 mil pessoas, com 29% deste público vacinado.

“É fundamental que os pais e responsáveis levem os filhos para vacinar, evitando casos graves e até óbitos pela doença. Estamos em um período de baixas temperaturas, quando vemos um aumento nos hospitais dos pacientes com doenças respiratórias. Por isso, é muito importante que pais e responsáveis levem os filhos para vacinar”, diz o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

O total de vacinados contra a gripe no estado é de 7,5 milhões. Os idosos foram os que mais aderiram à campanha: 60% deles foram vacinados. Os trabalhadores da saúde (50,7%) formam o segundo grupo mais imunizado, seguido dos professores (36%).

Também podem se vacinar indígenas, pessoas com comorbidades, pessoas com deficiências permanentes, membros das forças de segurança e salvamento, Forças Armadas, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo, rodoviário, urbanos e de longo curso, e trabalhadores portuários.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Laboratório da Fiocruz será referência em varíola dos macacos

O Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi nomeado Laboratório de Referência do Ministério da Saúde (MS) para análise de amostras suspeitas de varíola dos macacos (monkeypox). A unidade analisará o material coletado no estado do Rio de Janeiro e em toda a Região Nordeste.

A nomeação aumenta a rede de referência em diagnóstico laboratorial da doença no país. Já faziam parte da rede a Fundação Ezequiel Dias, em Minas Gerais; o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo; e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, por meio dos Laboratórios de Biologia Molecular de Vírus e de Virologia Molecular.

O chefe do Laboratório de Enterovírus do IOC, Edson Elias, destacou que, com a rápida proliferação do vírus no mundo, a experiência da Fiocruz vai contribuir para uma precisa resposta brasileira ao surto. Na semana passada, o laboratório da Fiocruz ministrou treinamento sobre como realizar exames de detecção da doença para profissionais de saúde da Bolívia, do Equador, da Colômbia, do Peru, Paraguai, Uruguai e da Venezuela.

De acordo com o Ministério da Saúde, é considerado caso suspeito ou provável o do indivíduo de qualquer idade que, a partir de 15 de março de 2022, tenha apresentado início súbito de febre, aumento dos gânglios e erupção cutânea. Também é preciso ficar atento à exposição próxima e prolongada sem proteção respiratória, contato físico direto, incluindo contato sexual, ou contato com material contaminado, como peças de vestuário ou roupas de cama, com algum caso provável ou confirmado de monkeypox.

Também se deve observar o histórico de viagem a países endêmicos ou com casos confirmados da doença, que circula de forma endêmica na África Central e na África Ocidental. Neste ano, foram registrados casos também na Europa e nas Américas. Até esta terça-feiira (14), foram confirmados mais de 1.700 casos em 36 países, como Reino Unido (470), Espanha (275), Portugal (231) e Alemanha (229). Na região das Américas, foram diagnosticados casos no Canadá (123), Estados Unidos (65), Argentina (3), México (2) e Venezuela (1). No Brasil, já são quatro casos positivos.

Apesar do nome, a doença não tem origem em vírus de macacos. Os primatas apenas podem adoecer, assim como os seres humanos. Atualmente, não se sabe que animal mantém o vírus na natureza, mas acredita-se que roedores tenham papel na disseminação da doença na África.

A transmissão do vírus de animais para pessoas pode se dar por meio de mordida ou arranhadura, pelo manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Entre pessoas, a transmissão ocorre principalmente por meio do contato direto, como beijo ou abraço, ou por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais, além de secreções respiratórias durante contato pessoal prolongado.

 

 

 

Agência Brasil

Categorias
Destaque Notícias Notícias do Jornal

Laboratório da Fiocruz será referência em varíola dos macacos

Dá Agência Brasil

O Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi nomeado Laboratório de Referência do Ministério da Saúde (MS) para análise de amostras suspeitas de varíola dos macacos (monkeypox). A unidade analisará o material coletado no estado do Rio de Janeiro e em toda a Região Nordeste.

A nomeação aumenta a rede de referência em diagnóstico laboratorial da doença no país. Já faziam parte da rede a Fundação Ezequiel Dias, em Minas Gerais; o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo; e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, por meio dos Laboratórios de Biologia Molecular de Vírus e de Virologia Molecular.

O chefe do Laboratório de Enterovírus do IOC, Edson Elias, destacou que, com a rápida proliferação do vírus no mundo, a experiência da Fiocruz vai contribuir para uma precisa resposta brasileira ao surto. Na semana passada, o laboratório da Fiocruz ministrou treinamento sobre como realizar exames de detecção da doença para profissionais de saúde da Bolívia, do Equador, da Colômbia, do Peru, Paraguai, Uruguai e da Venezuela.

Sintomas

De acordo com o Ministério da Saúde, é considerado caso suspeito ou provável o do indivíduo de qualquer idade que, a partir de 15 de março de 2022, tenha apresentado início súbito de febre, aumento dos gânglios e erupção cutânea. Também é preciso ficar atento à exposição próxima e prolongada sem proteção respiratória, contato físico direto, incluindo contato sexual, ou contato com material contaminado, como peças de vestuário ou roupas de cama, com algum caso provável ou confirmado de monkeypox.

Também se deve observar o histórico de viagem a países endêmicos ou com casos confirmados da doença, que circula de forma endêmica na África Central e na África Ocidental. Neste ano, foram registrados casos também na Europa e nas Américas. Até esta terça-feiira (14), foram confirmados mais de 1.700 casos em 36 países, como Reino Unido (470), Espanha (275), Portugal (231) e Alemanha (229). Na região das Américas, foram diagnosticados casos no Canadá (123), Estados Unidos (65), Argentina (3), México (2) e Venezuela (1). No Brasil, já são quatro casos positivos.

Apesar do nome, a doença não tem origem em vírus de macacos. Os primatas apenas podem adoecer, assim como os seres humanos. Atualmente, não se sabe que animal mantém o vírus na natureza, mas acredita-se que roedores tenham papel na disseminação da doença na África.

A transmissão do vírus de animais para pessoas pode se dar por meio de mordida ou arranhadura, pelo manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Entre pessoas, a transmissão ocorre principalmente por meio do contato direto, como beijo ou abraço, ou por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais, além de secreções respiratórias durante contato pessoal prolongado.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Ministério da Saúde lança campanha de incentivo à doação de sangue

Com o mote “Doe sangue regularmente. Você doa, a vida agradece”, o Ministério da Saúde lançou na última terça-feira (14) uma campanha para sensibilizar a população brasileira sobre a importância da doação de sangue. A campanha quer aumentar os estoques disponíveis nos hemocentros do país, que sofreram baixa durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

A secretária de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, Maíra Botelho, disse que a manutenção dos estoques é essencial em momentos graves e citou o exemplo das fortes chuvas que ocorreram há pouco mais de duas semanas em Pernambuco e Alagoas, vitimando centenas de pessoas.

“Devido às enchentes causadas pelas chuvas nos últimos dias, o estado de Pernambuco teve que ativar o Plano Nacional de Contingência de Sangue e seis estados enviaram, com o apoio do Ministério da Saúde, 767 bolsas de sangue para lá”, disse.

Ela pondera que, nesses momentos, os estoques acabam pressionados e é fundamental que a população seja solidária. Ela lembra que, apesar dos avanços na medicina, o sangue permanece insubstituível.

“Por mais que a medicina tenha avançado com vários paliativos sintéticos, não existe um substituto para o sangue. Não há risco de pegar doenças durante a doação”, observou. “Com uma doação você pode salvar a vida de até quatro pessoas que estão em risco”, acrescentou.

Maíra lembrou ainda que o número de doadores de sangue apresentou uma melhora, no ano passado, em relação ao início da pandemia de covid-19, quando os estoques sofreram redução de 10%.

Em 2019, foram realizadas 3.271.824 coletas de sangue no país. Em 2020, o número caiu para 2.958.665. Já em 2021, o número subiu para 3.035.533 bolsas de sangue coletadas.

Durante o lançamento, o ministro da Saúde substituto Arnaldo Correia de Medeiros disse que, mesmo com o desafio adicional para a manutenção dos estoques de sangue do país, não houve falta de bolsas de sangue para a população nos dois últimos anos.

“Passamos dois anos extremamente difíceis por causa da pandemia e não faltou sangue. Isso mostra uma vigilância e atenção muito especial, pois só quem precisa sabe qual a relevância de não faltar sangue ou hemoderivados para que você possa garantir a vida”, disse.

Até marco de 2022, de acordo com a secretaria, foram coletadas aproximadamente 732 mil bolsas de sangue. Ela lembra que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a taxa de doadores de sangue na população seja de 1% a 3%. A taxa de doação no Brasil foi de 1,4%, em 2021.

Para doar sangue, basta ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos devem possuir consentimento formal do responsável legal); pesar no mínimo 50 kg; estar alimentado. Não ingerir alimentos gordurosos antes da doação; ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas; e apresentar documento oficial de identificação com foto.

Uma única doação de sangue, de 450 ml, é suficiente para salvar a vida de até 4 pessoas. Além disso, essa quantidade é reposta no organismo em 24 horas.

 

 

Agência Brasil