Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Rio de Janeiro fará busca ativa para vacinar crianças contra covid-19

Com apenas 52% das crianças vacinadas contra a covid-19, a prefeitura do Rio de Janeiro lançou na última quinta-feira (10) duas estratégias de busca ativa para alcançar os pequenos que ainda não foram levados aos postos para iniciarem a imunização contra a doença: uma via secretaria de educação e outra via secretaria de saúde.

Atualmente a campanha de imunização está na fase de repescagem para todas as idades a partir dos 5 anos.

A primeira ação é voltada para o ambiente escolar, com o Programa Vacina na Escola. A Secretaria Municipal de Educação (SME) vai distribuir folhetos explicativos sobre a vacina contra a covid-19 a todos os estudantes de 5 a 11 anos, público que chega a 347 mil crianças matriculadas em 1.307 escolas públicas.

Junto com o folheto, será enviado um formulário que os responsáveis poderão preencher autorizando a aplicação das doses na escola, caso seja de interesse da família.

O secretário de Educação, Renan Ferreirinha, explica que a data será informada com antecedência e, no dia marcado, a aplicação da vacina nas crianças que estiverem com a autorização ocorrerá no fim das aulas, entre 11h e 12h30 para o turno da manhã e de 15h30 a 17h à tarde.

“Se a família não puder ir até a vacina por qualquer motivo, a vacina vem até a escola. Isso simplifica o processo e faz com que as nossas crianças possam ter a oportunidade de se vacinar, sempre com a autorização do responsável. Acreditamos muito nesta parceria família-escola para que a educação funcione muito bem. Vacinar as crianças permite mais abraços e mais segurança para as nossas escolas.”

De acordo com a prefeitura, os pais que quiserem acompanhar a vacinação da criança podem chegar no horário previsto para ter acesso ao local. A previsão é de que todas as escolas recebam as equipes de saúde dentro de 45 dias.

Segundo o secretário de Saúde, Daniel Soranz, os diretores e coordenadores das escolas estão sendo capacitados para informar sobre a segurança e eficácia das vacinas.

“Nossa expectativa é vacinar 200 mil crianças com essa programação. Esperamos que a busca ativa comece a dar resultado nas próximas semanas. Pedimos aos pais para não esperarem a busca ativa, que eles levem seus filhos o mais breve possível para se vacinar. As vacinas para covid-19 são extremamente seguras, eficazes e protegem contra internação e o agravamento da doença. Se conseguirmos vacinar 80% das crianças, a possibilidade de ter uma internação por covid-19, em quem tem de 5 a 11 anos, cai a praticamente zero”.

A outra ação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é cruzar os cadastros da Estratégia Saúde da Família com os dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Dessa forma, a pasta pretende identificar as crianças que não tenham registro da vacina da covid-19, além de outros imunizantes do calendário vacinal que possam estar em atraso.

Com isso, os agentes comunitários de saúde irão às casas dessas crianças e poderão vaciná-las no próprio domicílio, se o responsável estiver no local. Os responsáveis também serão orientados a comparecer na unidade de Atenção Primária para atualizar a caderneta de vacinação.

O prefeito, Eduardo Paes, fez um apelo para que os pais e mães levem as crianças para vacinar.

“É um ato de amor. Essa vacina é segura, não acreditem em besteiras que falam por aí, vamos proteger nossos filhos. O que as secretarias de Saúde e de Educação estão fazendo é facilitar a vida dos pais que trabalham e têm dificuldade de levar as crianças para se vacinar”.

Até o momento, o painel da vacinação contra a covid-19 da prefeitura indica que foram aplicadas quase 290 mil doses na faixa etária de 5 a 11 anos. Ainda falta alcançar cerca de 270 mil crianças nessa idade.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Ocupação de UTIs para covid-19 é de 80% em oito estados

Nove unidades da federação e 15 capitais ultrapassaram o patamar de 80% de leitos de terapia intensiva para covid-19 ocupados no Sistema Único de Saúde (SUS). O mapeamento é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado na última quarta-feira (10) com nota técnica que considera esses locais como situação de alerta crítico para internações.

A análise da Fiocruz classifica como fora da zona de alerta os estados e capitais com menos de 60% dos leitos ocupados. Quando a taxa atinge 60% ou mais e fica abaixo dos 80%, o alerta é considerado intermediário. Acima de 80%, a situação é considerada de alerta crítico.

Os pesquisadores do Observatório Covid-19 da Fiocruz destacam a persistência de taxas de ocupação de leitos de UTI em níveis críticos nos estados e capitais do Nordeste e Centro-Oeste e no Espírito Santo. Já Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo parecem seguir na tendência de queda do indicador, avaliam.

As nove unidades da federação que apresentam pior situação são Tocantins (81%), Piauí (87%), Rio Grande do Norte (89%), Pernambuco (88%), Espírito Santo (87%), Mato Grosso do Sul (92%), Mato Grosso (81%), Goiás (80%) e Distrito Federal (99%).

As 15 capitais são Porto Velho (91%), Rio Branco (80%), Palmas (81%), Teresina (taxa não divulgada, mas estimada superior a 83%), Fortaleza (85%), Natal (percentual estimado de 81%), João Pessoa (81%), Maceió (82%), Belo Horizonte (82%), Vitória (89%), Rio de Janeiro (86%), Campo Grande (99%), Cuiabá (81%), Goiânia (91%) e Brasília (99%).

Apenas cinco capitais e sete estados são considerados fora da zona de alerta, com menos de 60% dos leitos ocupados. As capitais são: Manaus (58%), Boa Vista (56%), São Luís (55%), Florianópolis (68%) e Porto Alegre (56%). Já os estados são: Amazonas (58%), Roraima (56%), Maranhão (51%), Paraíba (52%), Minas Gerais (42%), Rio de Janeiro (59%) e Rio Grande do Sul (57%).

A Fiocruz vê com preocupação a disseminação da variante Ômicron para áreas do país que registram baixas coberturas vacinais e menos recursos assistenciais, o que pode aumentar o número de vítimas da doença. “Como temos sublinhado, a elevadíssima transmissibilidade da variante Ômicron pode incorrer em demanda expressiva de internações em leitos de UTI, mesmo com uma probabilidade mais baixa de ocorrência de casos graves”, afirma o texto.

Diante disso, as recomendações dos pesquisadores são avançar na vacinação, principalmente de crianças de 5 a 11 anos, além de endurecer medidas como a obrigatoriedade do uso de máscara e a exigência de passaporte vacinal.

A fundação tem reafirmado reiteradamente em suas notas técnicas que pessoas vacinadas até a dose de reforço têm risco reduzido de agravamento da doença, apesar de essa possibilidade continuar a existir principalmente entre pessoas de idade avançada ou com comorbidades. Dados de autoridades sanitárias locais têm indicado que os não vacinados são maioria entre os casos de internação e óbitos. Um levantamento divulgado na segunda-feira (7), pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas, mostra que 82% das mortes registradas na unidade nos últimos três meses são de pessoas que não concluíram a vacinação.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Estudo traça perfil de trabalhadores “invisíveis” da saúde

Estudo inédito conduzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) buscou caracterizar a situação de um contingente de mais de 2 milhões de trabalhadores de nível técnico e auxiliar, os quais exercem atividades de apoio na assistência, no cuidado e no enfrentamento à pandemia de covid-19. A pesquisa aponta que essas pessoas, muitas vezes consideradas invisíveis e periféricas do serviço de saúde, enfrentam uma realidade de desigualdades, exploração e preconceito.

Segundo os dados divulgados na última quinta-feira (10), 80% deles vivem situação de desgaste profissional relacionado ao estresse psicológico, à sensação de ansiedade e ao esgotamento mental. Além disso, a falta de apoio institucional foi citada por 70% dos participantes do estudo e 35,5% admitiram sofrer violência ou discriminação durante a pandemia. Entre as agressões, 36,2% ocorram no ambiente de trabalho, 32,4% na vizinhança e 31,5% no trajeto casa-trabalho-casa.

Os resultados apontam ainda que 53% desses trabalhadores não se sentem protegidos contra a covid-19 no trabalho e 23,1% têm medo generalizado de se contaminar. A falta, escassez e inadequação do uso de equipamentos individuais de proteção foram relatados por 22,4% e a ausência de estruturas necessárias para efetuar o trabalho por 12,7%. Além disso, 54,4% consideram que houve negligência em relação à capacitação para lidar com a doença.

Outro dado destacado no estudo diz respeito ao excesso de trabalho, relatado por 50,9% dos entrevistados. As exigências físicas e mentais foram consideradas muito altas por 47,9% deles. Houve menções a pressão temporal, interrupções constantes, repetição de ações e movimentos, pressão pelo atingimento de metas e tempo reduzido para descanso.

Ao todo, foram entrevistados 21.480 trabalhadores de 2.395 municípios distribuídos em todas as regiões do país. Eles foram perguntados sobre as condições de vida, o cotidiano do trabalho e a saúde mental. Os pesquisadores da Fiocruz avaliam que o estudo descortinou uma dura realidade de pessoas cujas vidas são marcadas pela ausência de direitos sociais e trabalhistas. Cumprindo ordens de forma silenciosa e invisibilizados pelas instituições, eles precisam lidar com situações de adoecimento, de desestímulo em relação ao trabalho e de desesperança.

“Apesar de já atuarem há dois anos na linha de frente do combate à pandemia de covid-19, muitos deles, tais como maqueiros, condutores de ambulância, pessoal da manutenção, de apoio operacional, equipe da limpeza, da cozinha, da administração e gestão dos estabelecimentos, sequer possuem cidadania de profissional de saúde. Também integram a lista de participantes do levantamento os técnicos e auxiliares de enfermagem, de saúde bucal, de radiologia, de laboratório e análises clínicas, agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias”, conclui a Fiocruz.

O estudo traçou ainda o perfil desses trabalhadores: 72,5% deles são mulheres e 59% pretos ou pardos. A faixa etária entre 36 e 50 anos representa 50,3% dos trabalhadores, enquanto 32,9% possuem até 35 anos. Apesar de serem jovens em sua maioria, 23,9% relataram ter alguma comorbidade como hipertensão, obsidade, doenças pulmonares, depressão e diabetes.

Pouco mais que a metade (52,6%) trabalha nas capitais e regiões metropolitanas. Em relação ao tipo de estabelecimento de atuação, os hospitais públicos foram mencionados por 29,3%, as unidades de atenção primária em saúde por 27,3% e os hospitais privados por 10,7%.

Os resultados da pesquisa também revelam que 85,5% desses trabalhadores possuem jornada de até 60 horas semanais e 25,6% necessitam de outro emprego para sobreviver. Segundo os pesquisadores, muitos possuem atividades extras como pedreiro, ajudante de pedreiro, segurança ou porteiro de prédio residencial ou comercial, mototáxi, motorista de aplicativo, babá, diarista, manicure e vendedores ambulante.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Casos de covid-19 chegam a 26,9 milhões no Brasil

O número de mortes em decorrência de complicações associadas à covid-19 chegou a 635.074 no Brasil. Em 24 horas, o país registrou mais 1.264 óbitos – na terça-feira (8), o sistema de informações da pandemia marcava 633.810 mortes.

De terça para quarta-feira (9), foram registrados mais 178.814 diagnósticos positivos de covid-19. Na terça-feira, o total de casos estava em 26.776.620 e hoje chegou a 26.955.434.

Desde o início da pandemia, 26.955.434 de pessoas morreram por causa da doença. Ainda há 3.172 mortes em investigação. Nesses casos, são necessários exames e procedimentos posteriores para determinar se a causa da morte foi covid-19.

Estão em acompanhamento 3.017.168 de casos de covid-19. O termo é usado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta, nem evoluíram para morte.

Até hoje, 23.303.192 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 86,5% dos infectados desde o início da pandemia.

As informações estão no balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado no início da noite da última quarta-feira (9). O balanço consolida as informações enviadas por secretarias municipais e estaduais de Saúde sobre casos e mortes por covid-19.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Rio Saúde

RJ: capital vacina menos da metade das crianças esperadas nos postos

A cidade do Rio de Janeiro vacinou, contra a covid-19, menos da metade das crianças de 5 a 11 anos esperadas nos postos.

De acordo com dados disponíveis no Painel Rio Covid-19, da prefeitura da cidade, 44,6% das 560,2 mil crianças nessa faixa etária foram vacinadas.

Atualizados na terça-feira (8), os dados mostram que 249.801 crianças foram vacinadas na cidade e que 310.426 ainda não receberam o imunizante. O cronograma por faixa etária, previsto pela prefeitura, terminou na terça-feira, com a vacinação de meninos de 5 anos. A partir de hoje (9) começa a repescagem para todas as crianças com 5 anos ou mais.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) diz que tem reforçado constantemente a importância de os pais levarem os filhos para serem imunizados contra covid-19. De acordo com a SMS, a partir de hoje (9), toda a população com 5 anos ou mais poderá se vacinar. A repescagem será permanente.

Para incentivar a adesão à vacinação, a secretaria entrega a cada criança vacinada um “certificado de coragem”. Algumas unidades ainda foram decoradas e promoveram atividades lúdicas para atrair o público infantil, criando um ambiente agradável e acolhedor, acrescentou a secretaria.

Além disso, a SMS diz que, em ação conjunta, as secretarias municipais de Saúde e de Educação do Rio de Janeiro farão a busca ativa das crianças que, por algum motivo, ainda não se vacinaram. A vacinação será agendada em cada escola durante todo o mês de fevereiro.

 

 

Agência Brasil

 

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Ministro da Saúde alerta que país não atingiu pico da variante Ômicron

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que o Brasil ainda não chegou ao pico da nova onda da covid-19 causada pela variante Ômicron.

No Brasil há cerca de dois meses, a nova cepa registrou, no fim de janeiro, 300 mil casos diários de infecções do coronavírus. “Analisando a última semana epidemiológica do país, tivemos aumento de casos causado pela covid-19 e ainda não chegamos no pico da onda causada pela Ômicron. O enfrentamento contra a doença continua”, avaliou Queiroga no sábado (5), pelo Twitter.

Ainda segundo o ministro da Saúde, a pasta monitora a pressão sobre o sistema de saúde e a ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI). “Há espaço para abertura de novos leitos e estamos apoiando os Estados sempre que necessário. A atenção primária também tem sido reforçada”, ressaltou.

Na mesma postagem, Marcelo Queiroga enfatizou a importância da vacinação para que os casos tenham sintomas mais leves. “Se você ainda não tomou a segunda dose e a dose de reforço, não esqueça de completar seu esquema vacinal”, alertou.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Brasil recebe mais 1,1 milhão de doses da Pfizer

O Ministério da Saúde recebeu no domingo (6) mais um lote de 1,1 milhão de doses do imunizante contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech voltadas para população acima de 12 anos. O carregamento desembarcou no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

No sábado (5), chegaram ao país 1,7 milhão de doses da vacina da Pfizer, também voltada para o público acima de 12 anos.Entre sábado (5) e terça-feira (8)  serão entregues cerca de 5,5 milhões de doses destinadas a adultos e adolescentes.

Doses pediátricas

A farmacêutica Pfizer informou em nota que na segunda-feira (7) está prevista para as 3h40 a chegada do voo UC1507, vindo de Amsterdam, trazendo o quinto lote com 1,8 milhão de doses pediátricas da ComiRNAty, no Aeroporto de Viracopos, em Campinas.

Para o mês de fevereiro, completou a farmacêutica, estima-se que serão disponibilizadas aproximadamente 5,4 milhões de doses pediátricas. Cada um dos três voos  esperados para esse mês deve trazer cerca de 1,8 milhão de doses. Mais entregas estão previstas para chegar no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, nos dias 17 e 24 de fevereiro.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Covid-19: Brasil registra mais de 26,53 milhões de casos confirmados

O Brasil registrou, desde o início da pandemia, 26.533.010 casos confirmados de covid-19, segundo o boletim epidemiológico divulgado no domingo (6) pelo Ministério da Saúde. O número total de mortes pela doença é de 632.193.

Em 24 horas, foram registrados 59.737 casos e 391 óbitos.

Segundo o boletim, 22.717.907 pessoas se recuperaram da doença e 3.182.910 estão em acompanhamento.

Nesta edição do boletim, não foram atualizados os dados de Mato Grosso, do Distrito Federal e do Tocantins, além do número de casos de Goiás, cujas secretarias de Saúde não enviaram as informações ao ministério.

As unidades com maior número de casos são São Paulo (4,74 milhões), Minas Gerais (2,87 milhões) e Paraná (2,07 milhões). O menor número de casos são registrados no Acre (105.938), Amapá (156.500) e Roraima (145.856).

Em relação às mortes, São Paulo tem o maior número de óbitos (159.589), seguido de Rio de Janeiro (70.232) e Paraná (41.431). O menor número de mortes está no Acre (1.897), Amapá (2.057) e Roraima (2.105).

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Mais da metade dos médicos se diz esgotado após dois anos de pandemia

Mais da metade dos médicos (57%) se queixam de deficiências que dificultam o tratamento dispensado aos pacientes com covid-19, colocando em risco a própria integridade dos entrevistados. O resultado faz parte de uma pesquisa feita pelas associações Médica Brasileira (AMB) e Paulista de Medicina (APM) com médicos de todo o país.

Entre os entrevistados, 45% responderam que faltam profissionais de saúde para atender aos pacientes com covid-19 nas unidades onde trabalham. O resultado é superior aos 32,5% registrados em fevereiro do ano passado. Também houve quem se queixasse da falta de máscaras, luvas, aventais, medicamentos e até de leitos de internação em unidades regulares ou em unidades de terapia intensiva (UTIs).

Mais metade dos médicos (51%) disse que estão esgotados ou apreensivos frente ao aumento do número de casos, decorrentes da disseminação da variante Ômicron – cujas subvariantes são mais infecciosas, segundo os especialistas.

Falando não só de si, mas também de colegas, a maioria dos entrevistados disse haver, em seu ambiente de trabalho, profissionais com claros sintomas de estarem sobrecarregados (64%) e/ou estressados (62%); ansiosos (57%); próximos à exaustão física ou emocional (56%) ou com algum distúrbio relacionado ao sono, como dificuldades para dormir (39%).

O levantamento, cujos resultados foram divulgados hoje (3), ouviu 3517 médicos que trabalham tanto em estabelecimentos particulares como em unidades públicas de saúde, entre os dias 21 e 31 de janeiro.

Entre os profissionais de saúde ouvidos, 96% afirmaram que o número de casos da doença tinha aumentado em comparação ao último trimestre de 2021, mas seis em cada dez (59,5%) deles disseram não observar uma tendência de alta no número de mortes.

Há pelo menos seis semanas que o número de mortes pela doença vem aumentando no país. Ontem (2), o Ministério da Saúde contabilizou 893 óbitos em 24 horas, elevando para 628.960 o número de pessoas que já perderam a vida para a doença. A pasta também confirmou mais 172.903 novos casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

O avanço da nova onda da covid-19 por todo o país pode ser constatado na própria pesquisa das entidades médicas: 87% dos entrevistados relataram que eles mesmos, ou colegas de trabalho próximos, receberam diagnóstico positivo para a doença nos últimos dois meses. Ainda assim, 81% deles dizem que a ocupação das Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) ainda era menor que nos momentos mais críticos de 2021.

A ampla maioria (75%) dos entrevistados destacou como positiva a forma como vem sendo executado o Plano Nacional de Operacionalização de Vacinação contra a covid-19.

Até ontem à noite, ao menos 164 milhões de brasileiros já tinham recebido pelo menos uma dose do imunizante contra a doença. Já os brasileiros que receberam duas doses (ou a dose única, no caso da vacina Janssen) totalizam 151,2 milhões. A dose de reforço já foi aplicada em 37 milhões de brasileiros.

Apesar disso, 72% dos médicos ouvidos disseram reprovar a atuação do Ministério da Saúde: 34,4% deles consideram que a gestão ministerial da crise é péssima; 16,6% a consideram ruim e 21%, regular. Todavia, há 18,9% de profissionais que a julgam boa e 6,3% que a avaliam como ótima.

A avaliação da postura das secretarias estaduais de Saúde é um pouco melhor: no geral, 52,6% dos médicos entrevistados aprovam a gestão dos seus estados.

“Do ponto de vista da estratégia, de informações, o ministério deixa muito a desejar. E, certamente, onde a falha é maior, é nas recomendações”, declarou o presidente da Associação Paulista de Medicina, José Luiz Gomes de Amaral.

Segundo ele, enquanto 65% dos entrevistados disseram buscar referências para o tratamento de pacientes junto às associações e sociedades médicas, apenas 14,6% responderam consultar os documentos produzidos pelo Ministério da Saúde. “Passados dois anos do início da pandemia, o ministério ainda não é capaz de nos oferecer recomendações consistentes. Há um desencontro de informações”.

Para o presidente da Associação Médica Brasileira, César Eduardo Fernandes, o ministério envia sinais conflitantes à população, chegando mesmo a colocar em dúvida a segurança das vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e distribuídas pela pasta.

Assim como Fernandes, 68,7% dos médicos que responderam à pesquisa reprovaram o trabalho de orientação à população sobre a importância da vacinação.

“Parece-me uma dubiedade. Fala uma coisa em um momento, e outra em outro momento. Um exemplo foi a vacinação infantil, postergada através de uma consulta pública desnecessária para, no fim, o próprio ministro comemorar a chegada dos imunizantes”, disse Fernandes.

A Agência Brasil entrou em contato com o Ministério da Saúde para que comentasse os resultados da pesquisa, mas não recebeu nenhuma manifestação até a publicação da reportagem.

Para as entidades médicas, apesar de a polarização política ter contaminado o debate em torno das estratégias de enfrentamento à covid-19, a população vem demonstrando ser amplamente favorável à vacinação.

Entre os médicos entrevistados, 81% disseram que a maioria dos pacientes atendidos nas unidades em que trabalham já tomou ao menos duas doses dos imunizantes. Apenas 0,2% dos 3.072 profissionais que responderam a esta pergunta afirmaram ter contato com pessoas que se negam a ser vacinados.

Além disso, 71% disseram acreditar que a maioria dos pais ou responsáveis levará as crianças sob sua responsabilidade para tomar a vacina. Contra 12% que acreditam que os adultos não farão isso por diversas razões – quase o mesmo percentual (13,7%) de entrevistados que disseram não crer que a divulgação de fake news e/ou de informações sem comprovação científica afete o enfrentamento à pandemia.

A pesquisa mostra ainda que sete em cada dez médicos, ou quase 71% dos entrevistados, confirmaram que tem atendido pacientes com sequelas pós-covid, tais como dor de cabeça incessante, fadiga ou dores no corpo (50%); perda do olfato ou do paladar (39%); problemas cardíacos e trombose (23%), entre outras.

Além disso, metade dos profissionais disse conhecer quem deixou de buscar atendimento para outras doenças devido ao medo de serem infectados pelo novo coronavírus e, com isso, tiveram seus quadros clínicos agravados. Especialmente pacientes com câncer, diabetes, doenças cardíacas e hipertensão.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Rio Saúde

Rio de Janeiro retoma vacinação de crianças na sexta-feira

A cidade do Rio de Janeiro retoma a vacinação de crianças contra a covid-19 nesta sexta-feira (4). Segundo a prefeitura, isso será possível após a confirmação do recebimento de novas doses da vacina. O novo calendário foi divulgado oficialmente na última quarta-feira (2).

Na sexta-feira e no sábado (5), a vacinação será para crianças de 6 anos de idade ou mais. O cronograma segue na segunda-feira (7), com a imunização voltada para meninas de 5 anos de idade e, na terça-feira (8), para meninos de 5 anos.

A partir de quarta-feira (9), a vacinação será para todos aqueles com 5 anos ou mais que ainda não tenham sido imunizados. Crianças de 5 a 11 anos de idade com deficiência e/ou comorbidades podem se vacinar a qualquer momento, independente da idade que consta no calendário.

A vacinação infantil foi suspensa ontem (1) por falta de doses do imunizante. A imunização foi mantida apenas para crianças com deficiência e/ou comorbidades.

Hoje, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou que espera receber 100 mil doses da CoronaVac na quinta-feira (3), que serão destinadas à vacinação de crianças a partir dos 6 anos de idade.

Para atender o público de 5 anos de idade, na próxima semana, será necessário novo carregamento da Pfizer pediátrica, única vacina aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação nessa idade.

Um lote de 1,8 milhão de doses pediátricas da Pfizer chegou nesta segunda-feira (31) ao país e está sendo distribuído aos estados pelo Ministério da Saúde ao longo desta semana.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, a maior preocupação no momento é com a baixa adesão à vacinação infantil, que chegou, até ontem, a apenas 39% das crianças de 8 a 11 anos de idade, que é o público já atendido pela campanha.

A secretaria reforça que a imunização de crianças e adolescentes é comprovadamente segura e protege contra as formas graves da covid-19.

 

 

 

Agência Brasil