Categorias
Brasil Fica a Dica

Mauricio Benvenutti lança o livro Desobedeça

 

 

Além da versão impressa, a obra será  um marco na inclusão literária porque é a primeira a ser traduzida no mundo e o Brasil é o país que levará esse produto inovador às pessoas com dislexia, déficit de atenção, cegas e surdas.

Questionar o modelo tradicional de se construir carreiras é o ponto chave do livro Desobedeça, do escritor Mauricio Benvenutti, que será lançado no dia 10 junho de 2021 pela editora Gente. A pré-venda teve início no dia 10 de maio nos sites das principais livrarias do país. A obra também será disponibilizada na versão SL Book: Sign Language Book (Livro em Língua de Sinais),  sendo um marco na inclusão literária. Criado pela startup Wise Hands, é o primeiro livro traduzido no mundo e o Brasil será o país que levará esse produto inovador às pessoas com dislexia, déficit de atenção, cegas e surdas. O SL Book é a evolução do livro físico, mas sem perder a elegância das páginas. “Desobedeça” terá seu conteúdo disponibilizado em áudio e vídeo sendo que a tradução é feita por intérpretes humanos. Ele será comercializado e acessado diretamente pelo site www.slbook.shop , que é uma  plataforma segura e funcional.

           

Construção de carreira mudou

O mundo atual impulsionou a redefinição da palavra “carreira” para profissionais e empresas. As estratégias que irão construir as próximas trajetórias de sucesso serão bem diferentes das usadas até aqui. A leitura promove uma reflexão sobre o caminho clássico para se conquistar um lugar de destaque no mercado. Antes, era precisavo frequentar as melhores escolas e, posteriormente, cursar universidades de ponta para conquistar bons empregos e alavancar uma carreira. Hoje, essa continua sendo uma alternativa. Mas existem várias outras maneiras eficazes para se desenvolver uma trajetória profissional bem-sucedida.

O escritor reforça que algumas pessoas constroem o seu valor profissional atrelado à placa da empresa onde trabalham. “Hoje sabemos que isso é um problema. Afinal, empregos vem e vão e profissionais que usam essa estratégia terão o seu valor de mercado reduzido quando precisarem se recolocar, pois não terão mais a marca da antiga empresa em seu sobrenome”. No livro, explico como mudei minha postura para deixar de ser o “Mauricio da XP” e passar a ser o “Mauricio Benvenutti”. Também mostro como as empresas devem apostar numa política de valorização da reputação pessoal dos seus colaboradores e não focar apenas nas experiências profissionais. Tal conduta pode aumentar o reconhecimento, a influência e, até mesmo, as vendas de uma companhia”, explica Benvenutti.

           

Título faz referência a projeto social

O título do livro faz uma referência a um projeto social no qual o autor participou em Indiaroba, em Sergipe. Benvenutti dedicou um capítulo para contar a história de jovens que, a partir das suas habilidades e dedicação, criaram cinco projetos e um deles foi pré-selecionado para o programa de TV Shark Tank Brasil. Esses jovens geraram empregos, tornaram-se empreendedores e movimentaram a economia do município.

 

Guia Prático

A obra traz ainda um guia prático chamado 10 Ps, ou seja, etapas que contemplam três pilares importantes sobre carreiras: satisfação, competências e remuneração. Essa ferramenta faz o leitor refletir se está contente com o seu trabalho, se dispõe de motivação para a execução das atividades diárias e se as realiza com competência. “Esses elementos devem estar em perfeita harmonia para que o profissional ganhe autoridade naquilo que faz”, diz o autor.

 

OBRA:

Desobedeça – Editora Gente

R$ 39,90

 

PERFIL DO AUTOR:

Maurício Benvenutti – é formado em Sistemas de Informação pela PUCRS, possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas e pós graduação em Marketing por UC Berkeley. Foi sócio e diretor B2B da XP Investimentos por mais de 8 anos. Desde 2015, é sócio e membro do conselho da StartSe – empresa de educação executiva com sedes no Vale do Silício, China e Brasil. É palestrante do TEDx  e autor dos livros Incansáveis (9ª edição) e Audaz (5ª edição), lançadas pela editora Gente, que entraram na lista dos mais vendidos do Brasil na categoria “negócios”.

Categorias
Cultura Rio

Projeto Plus No Samba RJ: Inclusão social e representatividade no desenvolvimento e autoestima das mulheres plus sizes

 

 

O Carnaval não aconteceu da forma tradicional costumeira, mas, isso não desanimou um grupo de mulheres empoderadas, liderado por Nilma Duarte. A moradora do Lins de Vasconcelos, uma mulher “Grandona”, como gosta de chamar as mulheres plus size, percebeu uma crescente demanda de mulheres gordas, ávidas por atividades pensadas para elas, e desde o ano de 2017, criou o ‘Projeto Plus No Samba RJ’, grupo que reúne mulheres que buscam romper os padrões pré-estabelecidos por estereótipos da ‘sambista padrão’, promovendo diversas atividades.

Tudo começou no samba, mas o projeto desenvolve um importante trabalho de cunho social, levantando a autoestima das mulheres plus sizes, com um trabalho de  empoderamento, para elevar a autoestima e incentivar a qualidade de vida, assim como o bem-estar, com ações que possam enaltecer a valorização da mulher plus size.

Atualmente, Nilma tem representado o movimento das passistas Plus Size, que conta com participantes de todas as classes sociais, mas principalmente, mulheres que se amam e se valorizam. Periodicamente, elas se reúnem pelo samba, por ideais, pela vida. O projeto deu tão certo que no ano do lançamento, a ideia rendeu a Nilma o título de honra ao mérito cultural, concedido pela Confederação Brasileira de Letras e Artes – CONBLA em prol do Projeto Plus No Samba-RJ.

Com diversas atividades como: palestras, workshops, dicas de passarelas e comportamentos, além do queridinho de todas: um ensaio fotográfico, a proposta é sempre transformar e empoderar as mulheres que ainda não conseguem se enxergar de forma positiva. Só podem participar mulheres a partir do manequim 46. E através do samba e atividades que enalteçam a beleza e bem-estar da mulher plus size, a comunidade só tende a crescer.

Foto: Reprodução

E foi na pandemia que uma grande recompensa chegou para Nilma. Neste ano, o projeto foi contemplado com o apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa RJ, através da lei Aldir Blanc, o que possibilitará que ela gere novas oportunidades para continuar tocando seu trabalho de inclusão social.

Eu amo incentivar as mulheres a serem felizes como estão, mas, reforço que é sem apologia à obesidade. Ser grandona não significa que a pessoa não é saudável.  É preciso ter desenvoltura e buscar qualidade de vida, pois vida saudável é primordial. E, buscar qualidade de vida faz parte do nosso projeto.

Malhamos, dançamos, sambamos e buscamos nos alimentar corretamente.  O samba pede passagem é um ditado antigo, então não brinco ‘eu digo’. Eu sempre cheguei nos locais empoderada, sempre sambei e me joguei. A mulher ‘grande’ pode frequentar roda de samba, assistir shows e ser o que ela quiser, ressalta Nilma Duarte.

Nilma ainda comenta que uma mulher positiva é capaz de transformar a realidade ao seu redor. “Eu pretendo com esse projeto mostrar que a mulher acima do peso ou demais medidas impostas pela sociedade pode ser feliz ‘grandona’ como está, e saudável também. Quero conquistar mais mulheres grandes para minha tribo, e ajudá-las a se descobrirem através do autoamor e empoderamento”, comenta.

Para quem deseja conhecer melhor e participar do projeto ‘Plus No Samba RJ’ da modelo e plus size, Nilma Duarte basta acessar o Instagram: https://www.instagram.com/plusnosambarj/

Categorias
Colunas Sabrina Campos | A vida como ela é

#somostodosamalia

Por Sabrina Campos
Advogada e Árbitra

A pessoa com deficiência no Brasil ganhou mais um obstáculo a impedir sua cidadania plena. Desta vez a discriminação a limitar direitos destes cidadãos ataca os monoculares, a excluí-los ainda mais da sociedade.

Inicialmente, esclarece-se que a pessoa com deficiência monocular possui impedimento que pode obstruir a sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas – Lei 13.146/2015.

A visão monocular afeta o indivíduo em diversas maneiras, como ocupações que requerem o trabalho a uma curta distância do olho, operação de veículos e o trabalho que exige vigilância visual prolongada. Afeta inclusive as atividades da vida diária, como mobilidade em geral, andar, correr, dançar, subir e descer escadas, tarefas domésticas como cozinhar, limpar a casa, lavar e passar roupa, ainda, hábitos como leitura, trabalho em computador, higiene própria, etc. Seja em consequência da percepção de profundidade, que afeta o equilíbrio, ou da diminuição do campo de visão periférico, que causa o aumento do risco de colidir em objetos, isto é, quando a tarefa requer níveis de habilidade do olho para coordenação e estereopsia.

O PL 1615/2019 busca a alteração do citado Estatuto da Pessoa Com Deficiência, a fim de conceder ao monocular os mesmos direitos e benefícios que qualquer deficiente visual, bastando a comprovação da deficiência sensorial monocular por meio de laudo médico especializado em oftalmologia, que atestará a cegueira ou a cegueira funcional.

Inspirado em Amália Barros, ilustre jornalista que dá nome à alteração ao citado estatuto, neste momento segue em tramitação, porém, com a ressalva de um substitutivo, na forma do parecer do Relator, Deputado Federal Luiz Lima (PSL-RJ), da Comissão de Seguridade Social e Família, que, exclui o referido laudo médico especializado e impõe avaliação biopsicossocial por equipe multiprofissional e interdisciplinar, a burocratizar o processo na concessão dos benefícios pretendidos.

A luta desta mulher de fibra e garra para que todos os monoculares, como ela, tenham a chance de obter próteses pelo SUS, por exemplo, enfrenta agora mais esta dificuldade: a presunção de descredibilidade aos médicos do Brasil quanto à sua capacidade na emissão de laudos técnicos especializados, bem como, a desconfiança ao caráter das pessoas com deficiência que buscam exercer seus direitos. Ou seja, uma afronta à cidadania e à igualdade. Faça a sua voz ser ouvida!

Categorias
Destaque Notícias

Renda do curso será revertida para produção de e-books gratuitos para crianças com deficiência’

A MultiDom Educação Inclusiva promove de 19 a 23 de outubro curso intensivo on-line para o aprendizado básico da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Serão dez horas de carga horária, divididas em duas horas por dia. As aulas vão iniciar sempre, às 19h. A oportunidade tem como público-alvo profissionais de educação, mas está aberto para pessoas de todas as áreas. Os interessados podem fazer a inscrição até o dia 16 no e-mail contatomultidom@gmail.com. A taxa simbólica de participação é de R$ 40,00.

Rosiane de Mello, que viabiliza o ensino de LIBRAS para crianças que estão nos primeiros anos de vida escolar, comenta que o curso foi pensado para oferecer aos profissionais de educação ou qualquer pessoa interessada, um primeiro contato com a Língua Brasileira de Sinais, proporcionando um conhecimento básico para construção de uma comunicação em LIBRAS.

Segundo a fundadora da MultiDom, a empreendedora social Rosiane de Mello, o curso tem foco na prática. “Ao final do curso o participante deverá produzir um vídeo de até 45 segundos se apresentando e formando um texto com os sinais ensinados ao longo do curso. O certificado somente será entrega ao participante que concluir todas as aulas e enviar o vídeo para avaliação”, explica.

“A renda obtida com o curso intensivo on-line de LIBRAS vai ser revertida para a produção dos e-books para alfabetização e letramento das crianças com deficiência que serão disponibilizados de forma gratuita em nosso site www.soumultidom.wordpress.com”, finaliza Rosiane de Mello.

Categorias
Destaque Notícias

GOL é a primeira companhia aérea brasileira a oferecer tradução em Libras nas aeronaves

Pensando no bem-estar do público que possui alguma deficiência auditiva, a GOL Linhas Aéreas aproveita o Dia Mundial da Língua de Sinais, 10 de setembro, e disponibiliza em suas aeronaves a iniciativa Libras a Bordo. Por meio de uma aplicação disponível no tablet dos comissários, é possível traduzir conteúdos digitais (texto, áudio ou vídeo) para a Língua Brasileira de Sinais.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), há cerca de 9 milhões de brasileiros surdos ou com alguma dificuldade auditiva. Em razão da obrigatoriedade do uso de máscaras nas aeronaves, a comunicação dessas pessoas ficou ainda mais desafiadora, impedindo a leitura labial.

“A Companhia, que tem como propósito “Ser a Primeira para Todos”, quer promover a melhor experiência a bordo para seus Clientes, ainda mais na atual situação da pandemia. Esta iniciativa vai ajudar as pessoas a se comunicarem dentro do avião e terem acesso às informações tão importantes para a saúde, segurança e bem estar e isso vai proporcionar uma viagem mais tranquila”, diz Priscila Hernandez, Gerente Estratégica de Tripulação de Cabine da GOL Linhas Aéreas.

O aplicativo utilizado pela GOL será o VLibras, um software público de código aberto. Por meio de um avatar digital (feminino ou masculino) de um personagem em 3D, traduz os conteúdos que podem ser digitados ou ditados, utilizando a ferramenta de reconhecimento de voz para Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, facilitando a comunicação a bordo. Além disso, existe a possibilidade de ajuste da velocidade de interpretação de acordo com a necessidade do usuário.