Categorias
Notícias do Jornal Sabrina Campos | A vida como ela é

A rainha da flora

 

Por: Sabrina Campos (Advogada e Árbitra)

Estimulada à serventia da casa, dos filhos, do esposo, Graziela Maciel Barroso encontrou nesta condição o que lhe propiciou a se destacar, inclusive na história do Brasil. O esposo lhe serviu de exemplo, o companheiro a inseriu na botânica, encorajou seu interesse na matéria, incentivou a trabalhar no meio. Com seu apoio e cumplicidade, ela, que não havia sequer terminado o ensino médio antes de se casar, voltou a estudar aos trinta anos. O marido alimentou suas ambições e Graziela conseguiu até estágio na área científica. Junto aos filhos, impulsionou-a a conquistar espaço no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ela prosseguiu segura de que sua capacidade era do tamanho da sua paixão.

A família lhe deu a confiança em si mesma a estudar na faculdade, que iniciou aos quarenta e sete anos, em biologia, na atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro, posteriormente doutora em botânica pela UNICAMP. Graziela se tornou a maior catalogadora de plantas do país. Aproximadamente vinte e cinco espécies vegetais têm o seu nome, rendendo-lhe inclusive o título de “Primeira Grande Dama” da botânica no Brasil.

Seus estudos abrangem as cinco regiões do país. Foi a única brasileira agraciada com o prêmio internacional medalha “Millenium Botany Award”. Os filhos lhe garantiram a autoestima sólida que a motivou a prestar concurso público, aprovada em segundo lugar. Trabalhou no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, onde se dedicou à ciência mesmo após a aposentadoria, até cerca dos noventa anos. Naturalista da instituição, o prédio da botânica tem o seu nome.

Graziela perdeu o marido e um filho, mas não perdeu a determinação nem a esperança que eles depositaram nela em vida. Foi professora na UERJ, UFPE, UNICAMP E UNB. Recebeu da Prefeitura do Rio de Janeiro o diploma “Orgulho Carioca”, foi laureada com a “Ordem Nacional do Mérito Científico”.

Faleceu pouco antes de ser empossada na Academia Brasileira de Ciências, e, em homenagem póstuma, a Secretaria do Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul passou a conceder o “Prêmio Marco Verde Doutora Graziela Maciel Barroso” a quem se dedica à proteção e recuperação do meio ambiente. Inspiração para todos nós, que, temos no Decreto nº 9.760/2019, sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, a garantia de que nossas espécies nativas serão melhor cuidadas, guardadas e preservadas. Uma mulher que encontrou sua voz, e, nunca mais se calou diante do que amava. Faça a sua voz ser ouvida!

Categorias
Destaque Fica a Dica

Jardim Botânico reabre com novidade para o público: a instalação In Vitro, do artista Mario Fraga

Luminosidade, transparência, forma e cor interagem com a natureza exuberante do jardim centenário. Obra penetrável conta com 27 metros de extensão

Reaberto recentemente com visitas agendadas, o Jardim Botânico do Rio acaba de receber uma grande obra de arte. Instalada no Arboreto, na alameda que dá acesso à estufa Mestre Valentim, a instalação In Vitro Rio convida o público a percorrer por um corredor de cores, luzes e transparências.

Com 27 metros de extensão por 2,40m de largura, In Vitro tem como principal fundamento a luz, sua decomposição cromática, seus reflexos e superposições no interior dos vidros. Trata-se de uma instalação pictórica do pintor e arquiteto Mario Fraga, na qual os visitantes podem contemplar 36 peças de vidro laminados, pintados a mão (de 3,18m de altura por 1,18m de largura), expostas em dezoito pares, nove de cada lado da alameda.

Por ser em vidro, um suporte invisível, a pintura fica solta no espaço e pode ser vista dos dois lados. O momento mais iluminado se dá na parte da manhã, quando o sol colore toda a estrutura, especialmente entre 9h e 11h. “A verticalidade da sequência das lâminas cria ritmo e movimento. É uma arte pública, que mexe com os sentidos, promovendo uma experiência particular. O ir e vir das pessoas interage diretamente com a obra, transformando tons e formas”, observa Mario.

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro está aberto à visitação com restrições, seguindo as diretrizes dos órgãos competentes no que se refere ao enfrentamento da COVID-19.

O Agendamento de Visitas é obrigatório!

Categorias
Cultura Destaque

 Babi Xavier, Carol Fazu e Helga Nemeczyk no Manouche

SHOW “MÚSICA, LETRA E DANÇA” ABRE A PROGRAMAÇÃO DE MARÇO DO CLUBE MANOUCHE COM BABI XAVIER, CAROL FAZU E HELGA NEMECZYK CANTANDO MARINA LIMA, COM PRODUÇÃO MUSICAL DE LIMINHA

 Estreia do show “Música, letra e dança” com as cantoras atrizes ou atrizes cantoras Babi XavierCarol Fazu e Helga Nemeczyk. Uma ode ao repertório da cantora e compositora Marina Lima.

A produção musical é do consagrado Liminha, que também sobe ao palco junto com as três vozes. O vasto repertório da carioca Marina Lima é a base estrutural do espetáculo que com certeza irá fazer a plateia dançar muito e se emocionar. “Uma noite e meia”“Inverno”“Virgem”“Fullgás” e “À Francesa” são algumas das pérolas que vão sacudir o público.

As três vozes têm vasta experiência e se entregaram de corpo e alma aos cuidados do mestre Liminha, que quer com isso trazer de volta – ainda que por algumas horas – o brilho e romantismo pop dessa cantora e compositora que é a cara da cidade maravilhosa.

 

Babi Xavier estreou como atriz em novelas de TV, mas ficou conhecida apresentando o programa “MTV Erótica”, na MTV Brasil, em que conversava juntamente com o médico Jairo Bouer, sobre sexualidade e comportamento. Babi já lançou livro (“E Aí, Um Papo Aberto Entre A Gente”), CD (“Do Jeito Que Eu Quero”), atuou em longa-metragem (“Korda”, de Marcus Andrade), em curta-metragem (“Corrompendo Paulo”, de Patrícia Freitas e Thiago Morena), participou da Dança dos Famosos, do Domingão do Faustão, da TV Globo, e do reality show A Fazenda na Record. Nesta emissora também atuou em novelas como Vidas Opostas”, “Os Mutantes – Caminhos do Coração” “Os Dez Mandamentos”, e na minissérie “José do Egito”. E, mais recentemente, participou da terceira temporada do programa Popstar”, da TV Globo. Seu mais novo trabalho no teatro foi a comédia romântica “100 Dicas pra Arranjar Namorado”, de Daniele Valente e Cacau Hygino.

 

Carol Fazu (Foto: Divulgação)

Nascida e criada em Brasília, Carol Fazu escolheu o Rio de Janeiro para viver e atuar. Na TV fez as novelas “Insensato Coração”, “Escrito nas Estrelas” e “Viver a Vida”, a minissérie “A Téia”, e os seriados “Cilada”, “A Grande Família”, “Tapas e Beijos”, entre outros, na TV Globo, e “Por isso Sou Vingativa” e “Uma Rua Sem Vergonha”, no Multishow. No teatro atuou em “Mulheres de Caio”, baseado em quatro histórias de Caio Fernando Abreu, e “Anônimas”, com direção de Roberto Naar. No cinema trabalhou com os diretores Lula Buarque de Hollanda (“O Vendedor de Passados”), Breno Silveira (“Gonzaga, de Pai para Filho”) e Flávio Tambellini (“Malu de Bicicleta”). Cantora por vocação e paixão, em 2017 apresentou, no Rio de Janeiro, o espetáculo “Janis”, um monólogo musical sobre a cantora norte-americana Janis Joplin, pelo qual ganhou o prêmio de melhor atriz em musical do Cesgranrio e foi indicada a dois outros: Shell de Teatro (categoria música) e Botequim Cultural (melhor espetáculo, melhor diretor e melhor atriz). Depois, saltou para TV, onde fez a personagem Selma na novela “Segundo Sol”, na TV Globo em 2018.

 

Helga Nemeczyk (Foto: Divulgação)

Formada em canto lírico, a atriz Helga Nemeczyk já participou do “Show dos Famosos” do “Domingão do Faustão” e, mais recentemente, da 3ª temporada do “Popstar” da TV Globo. Conhecida pelos anos em que atuava em quadros do extinto programa “Zorra Total”, Helga também se descobriu como youtuber. Depois de um ano do Superchef Celebridades (quadro dentro do programa Mais Você”), foi convidada a apresentar suas alquimias na cozinha em seu canal virtual, o Cozinhando com Helga”. Só no ano passado participou de três musicais “Company”“Meu Destino é ser Star – Ao som de Lulu Santos” e “Brilha La Luna–Um Novo Musical. E no cinema atuou nos curtas-metragens: Prazer, Camila”, “A Delirante História de um Homem Morto” e “Cinzas e Café”.

A banda é outro show à parte: Fernando Vidal, guitarra, Thiago Gomes, teclados, Cezinha, bateria, e Liminha (baixo).

 

Serviço

FestaBabi Xavier, Carol Fazu e Helga Nemeczyk cantam Marina Lima no show Música, Letra e Dança”

Local: Clube Manouche/Casa Camolese (Rua Jardim Botânico, 983, Jardim Botânico, Tel: 3514-8200)

Datas e horário: 05 e 12 de março, quinta, 21h

Lotação: 60 lugares em pé (formação de pista) e 50 lugares sentados (mesas e cadeiras).
Ingressos: R$ 140,00 (inteira, mesas), R$ 80 (ingresso solidário: com 1 kg de alimento não perecível – Em pé) e R$ 40,00 (meia – em pé). https://manouche.byinti.com

Classificação: 18 anos. Menores a partir de 14 anos podem entrar acompanhados dos pais e/ou responsáveis legais.

Estacionamento no local (tarifado)