Categorias
Brasil Notícias Notícias do Jornal Política Sociedade

Alesp vota nessa quinta-feira projeto que proíbe propagandas com temáticas LGBT+

*Por Fabiana Santoro

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) vota nesta quinta-feira (22), um projeto de autoria da deputada Marta Costa (PSD), que proíbe a veiculação de publicidade com pessoas LGBTQIA+ ou famílias homoafetivas no estado de São Paulo. 

O projeto, disponível no site da Alesp, tem como o objetivo proibir a publicidade “através de qualquer veículo de comunicação e mídia de material que contenha alusão a preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual relacionados a crianças no Estado”. A deputada Marta Costa (PSD) afirma que essas propagandas trariam “desconforto emocional a inúmeras famílias” e que mostram “práticas danosas” às crianças. Para ela, a proibição vai “evitar a inadequada influência na formação de jovens e crianças.”

Se o projeto for aprovado, ficará proibida no estado de São Paulo propagandas como a da Natura no dia dos pais em 2020, que trouxe o vereador de São Paulo Thammy Miranda com seu filho e a do Boticário de 2019, com um casais da comunidade lGBTQIA+.

Propaganda da Boticário de 2019. (Foto: Reprodução Boticário)

A deputada Erika Malunguinho (PSOL), é uma mulher trans e lidera a oposição ao projeto dentro da Alesp. Segundo a parlamentar, a iniciativa reafirma a desumanização que a população LGBTI+ enfrenta no país.

“A maior Casa legislativa do país opta por não enxergar o que, de fato, vulnerabiliza crianças e adolescentes: trabalho infantil, abuso físico e sexual, ‘balas perdidas’ em contextos periféricos, entre outras violências”, afirma a deputada.

“Como apontado por pesquisadoras/es, a estratégia utilizada por setores conservadores tem como objetivo criar um pânico moral em torno das questões de gênero e sexualidade. Isso foi materializado por esse projeto de lei, mas não é inédito, visto que segue a lógica da ‘ideologia de gênero’ e suas distorções discursivas. A retórica utilizada por esses parlamentares reafirma a desumanização  que a população LGBTI+ já é historicamente submetida neste País, induzindo como responsáveis por causar danos éticos e morais às crianças”, explica Erika Malunguinho.

O PL 504/20 cita ainda as punições para quem desrespeitar a lei, caso seja aprovada. “As infrações ao disposto no artigo primeiro desta Lei serão, a princípio, multa e o fechamento do estabelecimento que atuar na divulgação até a devida adequação ao que dispõe esta lei”.

Categorias
Brasil Cultura

O Fórum Cultura + Diversidade acontecerá entre os dias 22 e 28 de abril

 

 

 

O Fórum Cultura + Diversidade SP acontecerá entre 22 e 28 de abril de forma online, trazendo debates importantes e colocando em pauta, a contribuição e os desafios e oportunidades de mulheres, LGBTQIA+, negros, pessoas com deficiência, migrantes e refugiados, jovens, profissionais com mais de 50 anos de idade e dos membros de povos indígenas no mercado de trabalho. Entre os debatedores já confirmados estão Kátia Teixeira, empresária responsável pela rede de empreendedoras femininas “Agora é que são Elas”, Márcia Rocha, empresária fundadora do projeto Transempregos, advogada integrante da Comissão da Diversidade Sexual da OAB/SP e Chirley Pankará, indígena, CoDeputada Estadual (PSOL/SP), educadora e ativista do movimento.

Categorias
Cultura Rio

Websérie lgbtqi+ “Filhos do Arco-íris” inicia suas gravações em Março

 

Filhos do arco iris é uma websérie com 10 episódios que após finalizadas suas gravações, ficará com exibição disponível na plataforma do YouTube, no canal próprio e de mesmo nome.

A proposta da websérie é a conscientização da população, abrangendo diversos temas pontuais e de grande discussão na sociedade, dentre eles: Racismo, Violência contra a mulher, Aids, Pedofilia e intolerância contra homossexuais.

“Conheceremos uma mulher entre tantas no mundo vivendo um relacionamento abusivo,buscando forças pra se libertar dessa relação; conheceremos outra mulher batalhadora, que criou o filho adolescente sozinha, fruto de um relacionamento no passado, e que vive sendo portadora do vírus que carrega tanta polêmica em seu nome. Teremos um marido violento, que espanca sua companheira e alimenta uma fixação pela filha adolescente de sua esposa e muito mais. Um dos temas principais é a intolerância e preconceito velado contra homossexuais. Ainda em 2021 temos pessoas que  não aceitam que o amor é universal, independente de gênero e sexo. Nossos personagens não buscam serem aceitos, e sim buscam respeito vivendo nesse mundo de preconceito e homofobia, onde milhares de gays e travestis são mortos diariamente, contrastando com a nossa própria realidade.” – comenta Jayro Said, roteirista da Websérie.

Ficha Técnica:

Direção: Tales Figueiredo
Assistente de direção: Lucas Carvalho
Produção: Miguel Freitaz
Produção de arte: Marcos Alpha

No elenco : Jayro Said, Rodrigo Bahiano, Matheus Jardim, Virgínia Vitoriosa, Tiago Souza, Pierre Dulaine, Danilo Araújo, Rogério Rolim, Dora Freitas, Wallace White, Josilaine Sant’ana, Luiz Phelipe Sant’Ana, Wanderson Nascimento, Paulo Mattoso, Malu Alves, Geralda Prado, Kléber Gonçalves, Fabio Medeiros, Berto Medeiros, Ane Rodrigues, Gleyce Torres, Marina Scarpari, Cirlan Oliveira, Alexandre Vollu, Josiane Pires, Yuri Malccon, Wallace Quitete, Julie Alves, Caio Chaves, Mar Moraes, Matheus Muniz, Eduardo Barboza e Vitor Andrade.