Categorias
Brasil Destaque Libras Notícias Youtube

Festival Acessibilidança estreia montagens premiadas do Centro-Oeste

Projetos do Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Goiás serão exibidos em vídeos com audiodescrição e Libras, no canal da Funarte no YouTube.

A Fundação Nacional de Artes lança a quarta fase do Festival Funarte
Acessibilidança, com a Região Centro-Oeste, representada por
espetáculos premiados do Mato Grosso do Sul, do Distrito Federal e de Goiás.

A montagem  Capão Dançante, da Cia. Theastai de Artes
Cênicas (MS), abre a temporada no dia 15 de setembro, quarta-feira, às
20h. A programação segue com a performance Depois do Silêncio, da Arteviva Produções Artísticas e Universo Criativo (DF), no dia 22 de setembro. A agenda continua no dia 29, com Rodas em Dança: Livre e Lives, da Cia. de Dança Street Cadeirante (DF). No dia 6 de outubro, TransBordar, do Grupo Dança Inclusiva (GO), encerra a presença da  Região no festival.

As sessões em vídeos com audiodescrição e Libras ficam disponíveis
para acesso gratuito no canal da Funarte no YouTube  logo após o
lançamento. O Festival Funarte Acessibilidança teve início em junho,
com premiados da Região Norte. No mês de julho, foi a vez da Região
Sul e, entre o fim de julho e início de setembro, as montagens da
Região Nordeste foram exibidas na plataforma. Os projetos contemplados no Sudeste serão apresentados a partir de outubro.

No dia 15 de setembro, às 20h, o festival disponibiliza Capão
Dançante, da Cia. Theastai de Artes Cênicas, do Mato Grosso do Sul. O trabalho faz uma releitura de elementos culturais recorrentes do Estado, como festas nas fazendas e de padroeiros, bailes e tradições
sertanejas. Ao mesmo tempo, levanta questões como violência,
monocultura, monopólio político, machismo e coronelismo. O vídeo foi gravado no Teatro de Bolso do Sucata Cultural, em Dourados (MS), e dura 40 minutos.

Em cena, um DJ conduz o espetáculo, alterando e influenciando a
história. A companhia optou pelo personagem do DJ no lugar de um
sanfoneiro ou violeiro, referências musicais locais, para conferir uma
abordagem “mais moderna”.

Os intérpretes-criadores se utilizam
do bom humor e esperam seus convidados preparando um churrasco, com nuances de danças folclóricas, de forma estilizada, propondo técnicas da dança moderna, clássica e contemporânea, além das músicas tradicionais com o remix do DJ”, ressalta o grupo.

Na próxima quarta-feira, dia 22 de setembro, Depois do Silêncio, da
Arteviva Produções Artísticas e Universo Criativo, do Distrito
Federal, será exibido na plataforma. A encenação dialoga com os
elementos da dança e do teatro, com foco em coreografias que buscam
traduzir a dor, a revolta, a capacidade de comunicação e o afeto.
Alguns dos textos que compuseram a dramaturgia são inspirados na
história da educadora Anne Sullivan (1866-1936), conhecida por ter sido a professora de Helen Keller, uma menina surda e cega, por meio da Língua de Sinais pelo tato, nos anos 1920. A montagem traz depoimentos da realidade atual dos cegos e surdos.

Além de apontar os conflitos e as dificuldades, Depois do Silêncio
também aborda as conquistas das pessoas com deficiência.
“Pretende-se, assim, democratizar o acesso à cultura e contribuir com
a inclusão social, focando na capacidade produtiva das pessoas com
deficiência, numa encenação que sintoniza os sentidos e dialoga com a
dança, além de explorar os recursos cênicos da sonoplastia,
iluminação e projeções”, destaca a companhia.

Já no dia 29 de setembro, Rodas em Dança: Livre e Lives, da Cia. de
Dança Street Cadeirante, do Distrito Federal, será apresentado ao
público. Com a premissa “adaptar-se para superar obstáculos”, a
obra em vídeo tem tomadas cênicas dos trabalhos coreográficos, além
de depoimentos sobre a experiência vivida a partir de março de 2020.
As gravações foram realizadas entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021 e, muitas vezes, foram registradas pelos próprios bailarinos com seus celulares. Dois videoclipes gravados externamente também foram
incorporados.

O nome em inglês lives se trata de um jogo de palavras com a
respectiva tradução para o português, que são ‘vidas’. A
pandemia nos prejudicou, mas também nos trouxe benefícios.
Amadurecemos, nos adaptamos e nos superamos. Mais uma vez, mais uma dificuldade. E eu gosto de falar: a vida continua em movimento, sempre, como na dança – pondera a fundadora da companhia, Carla Maia.

O grupo mantém aulas gratuitas on-line, ao vivo, uma vez por semana. As atividades virtuais de dança são direcionadas a cadeirantes inscritos nas redes sociais da companhia.

Para encerrar a programação da Região Centro-Oeste, o Grupo Dança
Inclusiva, de Goiás, exibe TransBordar, dia 6 de outubro. Para criar
a obra e pesquisar os movimentos, a companhia se pautou em alguns
verbos: fazer, afetar e transbordar.

Transpor as bordas, desviar-se dos limites, invadir e/ou alargar as margens e os sentidos. Um espetáculo que transborda os limites geográficos do Brasil e deságua em outros territórios que compartilham corpos, dores, amores e afeto. Nos resta, então, perguntar: O que você deseja transbordar? –  questiona o grupo.

A dramaturgia do trabalho foi criada considerando o contexto pandêmico de isolamento social, bem como a necessidade de se conseguir filmar com segurança e de dançar com máscaras. O coletivo realizou encontros virtuais e outras atividades à distância, para que os integrantes da companhia (muitos deles do grupo de risco) continuassem suas atividades, produzindo arte apesar de todas as dificuldades. As reuniões com as equipes do Brasil e de Portugal também foram realizadas virtualmente, durante todo o processo de montagem, filmagem e edição.

O Festival Funarte Acessibilidança

O Festival Funarte Acessibilidança, em estreia na instituição, foi
criado a partir das ações do Prêmio Festival Funarte Acessibilidança
Virtual 2020. No concurso público, foram premiados 25 projetos de
vídeos de espetáculos, que promovem o acesso de todas as pessoas à
arte.

Com a iniciativa, a Funarte busca realizar novas ações a partir do uso
das mais recentes tecnologias, estendendo, desse modo, um novo modelo para todo o Brasil. Assim, a Fundação reforça seu compromisso de promover e incentivar a produção, a prática, o desenvolvimento e a difusão das artes no país; e de atuar para que a população possa cada vez mais usufruir das manifestações artísticas. Criada em 1975, a Funarte segue, portanto, empenhada em acompanhar as transformações no cenário artístico e social.

O coordenador de Dança da entidade, Fabiano Carneiro, destaca a
importância de se levar essa linguagem artística à população,
durante o período de distanciamento social. “Estamos estreando o
Festival Funarte Acessibilidança, um projeto inédito com foco na
acessibilidade e na inclusão. Ao longo dos próximos meses, serão
apresentados espetáculos de dança das cinco regiões do Brasil,
plenamente acessíveis ao público, contemplando uma enorme diversidade na sua programação”, explica o coordenador.

O festival foi lançado no dia 16 de junho, com Lua de Mel, da Cia.
Lamira Artes Cênicas (Tocantins). Na semana seguinte, foi exibido
Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (Rondônia). Solatium encerrou a agenda das companhias da  Região Norte. A segunda fase teve montagens premiadas da Região Sul.

Flamenco Imaginário, da Cia. Del Puerto (Rio Grande do Sul), deu
início à programação. Em seguida, Convite ao Olhar, da Cia. de
Dança Lápis de Seda (Santa Catarina), foi disponibilizado. _Do
Avesso, do Grupo Nó Movimento em Rede (Paraná), fechou a temporada da
região.

A terceira fase divulgou os trabalhos da Região Nordeste. A estreia foi
com Estado de Apneia, do Grupo Movidos Dança Contemporânea (Rio Grande do Norte). Depois, foi a vez da montagem Ensaio sobre o Silêncio, da coreógrafa Taciana Gomes (Pernambuco); de Maré –
Versão virtual e acessível, do Coletivo CIDA (Rio Grande do Norte);
de Rio sem Margem, do bailarino Elísio Pitta (Bahia); de Plenitude,
da Cia. Dança Eficiente (Piauí); e de Ah, se eu fosse Marilyn!, do
coreógrafo Edu O., (Bahia). _Proibido Elefantes_, da Cia. Gira Dança
(Rio Grande do Norte), encerrou a etapa Nordeste do evento. A fase atual apresenta as montagens da Região Centro-Oeste. Os contemplados no Sudeste serão exibidos a partir de outubro.

Os projetos ficam disponíveis no canal da Funarte no YouTube

No decorrer do festival, o coordenador de Dança da Fundação, Fabiano Carneiro, participará de uma “live” com diretores e artistas de
dança, além de convidados.

Festival Funarte Acessibilidança

Com audiodescrição e Libras

Agenda dos contemplados da Região Centro-Oeste

Dia 15 de setembro, quarta-feira, às 20h

Estreia com exibição do espetáculo Capão Dançante, da Cia.
Theastai de Artes Cênicas (Mato Grosso do Sul)

Dia 22 de setembro, quarta-feira, às 20h

Montagem de dança Depois do Silêncio, da Arteviva Produções
Artísticas e Universo Criativo (Distrito Federal)

Dia 29 de setembro, quarta-feira, às 20h

Espetáculo _Rodas em Dança: Livre e Lives, da Cia. de Dança Street
Cadeirante (Distrito Federal)

Dia 6 de outubro, quarta-feira, às 20h

Montagem TransBordar, do Grupo Dança Inclusiva (Goiás)

Agenda dos contemplados das demais regiões

Região Sudeste – Dia 13 de outubro

Região Norte (espetáculos já disponíveis): Lua de Mel, da Cia.
Lamira Artes Cênicas (TO); Maculelê: Reconstruindo o Quilombo, do
Grupo de Dança Reconstruindo o Quilombo (RO); e _Solatium_, do Corpo de Dança do Amazonas (AM)

Região Sul (espetáculos já disponíveis): Flamenco Imaginário, da
Cia. Del Puerto (RS); Convite ao Olhar, da Cia. de Dança Lápis de
Seda (SC); e Do Avesso, do Grupo Nó Movimento em Rede (PR)

Região Nordeste (espetáculos já disponíveis): Estado de Apneia, do
Grupo Movidos Dança Contemporânea (RN); Ensaio sobre o Silêncio, da coreógrafa Taciana Gomes (PE); Maré – Versão virtual e acessível,
do Coletivo CIDA (RN); Rio sem Margem, do bailarino Elísio Pitta
(BA); de Plenitude, da Cia. de Dança Eficiente (PI); Ah, se eu fosse
Marilyn!, do coreógrafo Edu O. (BA), e Proibido Elefantes, da Cia.
Gira Dança (RN)

Categorias
Destaque Educação Notícias do Jornal

Contagem regressiva para o Enem

 

Faltam poucos dias para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas os estudantes ainda têm um tempinho para tirar aquelas dúvidas pendentes e reforçar os estudos. E eles podem recorrer a diversos conteúdos online disponibilizados gratuitamente para isso. Nessas plataformas é possível realizar cursos de reforço, assistir videoaulas, fazer simulados, aprender por meio de jogos educativos e também acessar as provas anteriores do exame.

Em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19), as provas do Enem 2020 foram adiadas serão realizadas nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021 (versão impressa) e em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021 (versão digital).

Ao todo, 5.783.357 inscrições foram confirmadas. Além da redação, o exame tem 45 questões em cada prova das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo Enem, disponibilizou, a partir de cinco de janeiro, o Cartão de Confirmação de Inscrição para o exame, contendo número de inscrição, data, hora e local do exame. O documento poderá ser acessado na Página do Participante.

O cartão também registra se o participante deve contar com atendimento especializado, e se deve ser tratado pelo nome social, caso essas solicitações tenham sido feitas e aprovadas. Apesar de não ser obrigatório, o Inep recomenda que o participante leve o cartão nos dias de aplicação das provas.

 

Uso de máscara e máscara extra

Os estudantes que vão participar do Enem também devem prestar atenção às medidas de prevenção para garantir a segurança sanitária e evitar a contaminação pelo novo coronavírus.

Será obrigatório o uso de máscara durante toda a aplicação do exame. A recomendação é que os candidatos levem outra máscara para trocá-la durante o exame, seguindo as orientações do Ministério da Saúde. Os participantes devem também manter distância uns dos outros.

Além disso, os que forem diagnosticados com covid-19 ou com outra doença infectocontagiosa, como sarampo, rubéola, varíola e influenza humana A e B, terão outra chance de fazer as provas, na reaplicação. O atestado médico poderá ser enviado ao Inep pela página do participante até um dia antes da aplicação. Caso a doença seja confirmada no dia do exame, o estudante deverá entrar em contato pelo telefone 0800 616161.

 

Plataformas gratuitas

Confira abaixo algumas sugestões de plataformas online gratuitas para auxiliar os estudantes a se preparar para a prova.

 

Aplicativo do Enem

É uma ferramenta que transforma qualquer smartphone em uma opção para obter mais informações sobre o exame. O aplicativo tem o simulado oficial do exame.

Lá também é possível visualizar o cronograma da prova, acompanhar a inscrição, acompanhar pedido de isenção de taxa de inscrição, ter acesso aos avisos e às notícias, verificar as perguntas frequentes e as orientações e visualizar a nota e redação de provas anteriores do Enem. O aplicativo está disponível para usuários dos sistemas Android e IOS.

 

Banco de provas do Inep

O Inep disponibiliza todas as provas e os gabaritos do Enem para você estudar pelas questões de edições anteriores, além de um simulado oficial no aplicativo do exame.

Também disponibiliza a Cartilha do Participante – Redação no Enem que traz para o participantes dicas de como estruturar seu texto e explicações sobre a correção e os critérios usados na distribuição dos pontos.

O Inep também possui plataformas para estudantes que utilizam a Língua Brasileira de Sinais (Libras), onde é possível acessar todas as questões das provas passadas em Língua Brasileira de Sinais. O canal do Youtube do Inep também possui outros conteúdos em Libras..

A Cartilha do Participante, com orientações sobre a redação, também possui uma versão direcionada à comunidade surda que tem Libras como primeira língua.

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) também disponibiliza uma página com diversas questões do exame.

 

Blog do Enem

O site traz conteúdos dedicados ao Enem, com simulados, apostilas, dicas para redações, aulas gratuitas, entre outros conteúdos.

 

Cursos Aperfeiçoamento da Capes

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) disponibiliza cursos de aperfeiçoamento, em ambiente virtual, nas áreas de Matemática, Português, Tecnologia e Comunicação.O objetivo é complementar ou aperfeiçoar a formação do participante. Quem se inscrever e cumprir as 60 horas de carga horária, receberá um certificado de conclusão do curso de aperfeiçoamento.

Além destas plataformas, outros sites também disponibilizam conteúdos de maneira gratuita. Como o site Super Vestibular, Fundação Getúlio Vargas, Sistema Positivo de Ensino (YouTube) e plataforma Resolve Sim, elaborada pela Estácio e a Eleva Educação).

 

Sabedoria e calma na preparação final

Leonardo Chucrute

Professor de matemática e diretor-geral do Colégio e Curso Progressão

Estamos a poucos dias da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e nesse momento, o candidato deve estar atento aos sentimentos como insegurança, medo e ansiedade. É natural se sentir assim, até porque a pandemia trouxe novos desafios.

Alguns estudantes estão desanimados por conta de alguma dificuldade encontrada nos estudos ou pela falta de ritmo dos anos anteriores. Porém, lamentar-se não irá ajudar. É fundamental que possa focar no que conseguiu aprender, apesar das adversidades. Busque ainda ser positivo e tenha certeza de que dará o seu melhor na prova.

Professor Leonardo Chucrute Foto: Arquivo Pessoal

Pais, seus filhos necessitam de compreensão. Então, cobranças exageradas só pioram a situação. Devemos cobrar de nossos filhos, mas isso deve ser feito com sabedoria. Sempre aconselho que devemos repreender e ao mesmo tempo dar carinho. Sejam parceiros e estejam prontos para ouvir.

Observem se seus filhos estão dormindo bem. Os médicos orientam ter oito horas de sono por dia. É essencial ter qualidade de sono. Atentem-se também à alimentação, pois ela influencia no bom rendimento. Incentivem que comam alimentos saudáveis e que não sejam pesados, até para não correr o risco de passar mal no dia da prova.

Candidato, nessa reta final treine a redação, interpretação de textos e faça uma revisão rápida, tendo em mente os conceitos básicos de cada matéria. Lembre-se: o Enem é diferente de outros exames  e 80% da prova é leitura e interpretação. Também indico que tenham calma e tranquilidade para fazer o exame.

Na hora da prova, tente esquecer as dificuldades e foque nesse momento. Mentalize-se aprovado e sinta essa sensação. Acredite em você e perceba que o exame é uma oportunidade para mudar o seu futuro. O pensamento positivo tem poder. Acredite e você vai chegar lá.

Por: Claudia Mastrange

Categorias
Destaque Notícias

Renda do curso será revertida para produção de e-books gratuitos para crianças com deficiência’

A MultiDom Educação Inclusiva promove de 19 a 23 de outubro curso intensivo on-line para o aprendizado básico da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Serão dez horas de carga horária, divididas em duas horas por dia. As aulas vão iniciar sempre, às 19h. A oportunidade tem como público-alvo profissionais de educação, mas está aberto para pessoas de todas as áreas. Os interessados podem fazer a inscrição até o dia 16 no e-mail contatomultidom@gmail.com. A taxa simbólica de participação é de R$ 40,00.

Rosiane de Mello, que viabiliza o ensino de LIBRAS para crianças que estão nos primeiros anos de vida escolar, comenta que o curso foi pensado para oferecer aos profissionais de educação ou qualquer pessoa interessada, um primeiro contato com a Língua Brasileira de Sinais, proporcionando um conhecimento básico para construção de uma comunicação em LIBRAS.

Segundo a fundadora da MultiDom, a empreendedora social Rosiane de Mello, o curso tem foco na prática. “Ao final do curso o participante deverá produzir um vídeo de até 45 segundos se apresentando e formando um texto com os sinais ensinados ao longo do curso. O certificado somente será entrega ao participante que concluir todas as aulas e enviar o vídeo para avaliação”, explica.

“A renda obtida com o curso intensivo on-line de LIBRAS vai ser revertida para a produção dos e-books para alfabetização e letramento das crianças com deficiência que serão disponibilizados de forma gratuita em nosso site www.soumultidom.wordpress.com”, finaliza Rosiane de Mello.

Categorias
Destaque Notícias

GOL é a primeira companhia aérea brasileira a oferecer tradução em Libras nas aeronaves

Pensando no bem-estar do público que possui alguma deficiência auditiva, a GOL Linhas Aéreas aproveita o Dia Mundial da Língua de Sinais, 10 de setembro, e disponibiliza em suas aeronaves a iniciativa Libras a Bordo. Por meio de uma aplicação disponível no tablet dos comissários, é possível traduzir conteúdos digitais (texto, áudio ou vídeo) para a Língua Brasileira de Sinais.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), há cerca de 9 milhões de brasileiros surdos ou com alguma dificuldade auditiva. Em razão da obrigatoriedade do uso de máscaras nas aeronaves, a comunicação dessas pessoas ficou ainda mais desafiadora, impedindo a leitura labial.

“A Companhia, que tem como propósito “Ser a Primeira para Todos”, quer promover a melhor experiência a bordo para seus Clientes, ainda mais na atual situação da pandemia. Esta iniciativa vai ajudar as pessoas a se comunicarem dentro do avião e terem acesso às informações tão importantes para a saúde, segurança e bem estar e isso vai proporcionar uma viagem mais tranquila”, diz Priscila Hernandez, Gerente Estratégica de Tripulação de Cabine da GOL Linhas Aéreas.

O aplicativo utilizado pela GOL será o VLibras, um software público de código aberto. Por meio de um avatar digital (feminino ou masculino) de um personagem em 3D, traduz os conteúdos que podem ser digitados ou ditados, utilizando a ferramenta de reconhecimento de voz para Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, facilitando a comunicação a bordo. Além disso, existe a possibilidade de ajuste da velocidade de interpretação de acordo com a necessidade do usuário.