Categorias
Destaque Notícias Rio

Pastor Felippe Valadão ataca religiões afro em festa na cidade de Itaboraí

O pastor Felippe Valadão, da Igreja Lagoinha, atacou religiões de matriz africana em um evento oficial de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio, na noite da última quinta-feira (19).

O Município que no próximo domingo (22), comemora 189 anos de emancipação, teve inicio na noite de ontem uma série de shows, começando pela noite onde se apresentaram artistas gospel. Num intervalo, Valadão subiu ao palco e começou a discursar.

“De ontem para hoje tinha quatro despachos aqui na frente do palco. Avisa aí para esses endemoniados de Itaboraí: o tempo da bagunça espiritual acabou, meu filho. A igreja está na rua!!! A igreja está de pé!!!”, gritou. “E ainda digo mais: prepara para ver muito centro de umbanda sendo fechado na cidade!”, emendou.

Felippe Valadão também declarou vir “um tempo aí”.

“Deus vai começar a salvar esses pais de santo que tem na cidade. Você vai ver coisa que você nunca viu na vida. Chegou o tempo, Itaboraí! Aquele espírito maligno de roubalheira na política acabou”, afirmou.

Entidades protestam

A Comissão de Povos Tradicionais de Terreiros de Itaboraí divulgou uma nota de repúdio nesta sexta-feira (20).

“Em sua fala, o pastor agride de maneira vil, desrespeitosa e ameaçadora à comunidade religiosa do candomblé e da umbanda nesta cidade”, diz.

A entidade também questiona “o motivo de uma manifestação festiva, popular e laica ter em sua programação discursos de cunho religioso”. “O Deus que conhecemos não compactua com sua megalomania, loucura e arrogância”, destaca.

O que diz a prefeitura

A Prefeitura de Itaboraí informou que declarações dos convidados e artistas para as apresentações “são de inteira responsabilidade deles”.

“A prefeitura destaca ainda que o governo é para todos, que repudia qualquer manifestação de intolerância religiosa e ressalta que o Estado é laico.”

Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Rio

Estado do Rio registra mais de 1,3 mil casos de preconceito em 2021

No ano passado, o estado do Rio de Janeiro registrou 1.365 ocorrências de injúria por preconceito. A maior parte das vítimas, 1.036, é negra. Os dados, divulgados hoje (18), são do Painel Discriminação do Instituto de Segurança Pública (ISP).

As ocorrências são relacionadas à discriminação contra indivíduos ou grupos em razão de sua etnia, raça, cor, classe social e sexualidade ou por intolerância religiosa. De acordo com os dados, 56% das vítimas por injúria de preconceito são mulheres negras.

O levantamento mostra ainda que, em 2021, 166 pessoas sofreram preconceito de raça, cor, religião, etnia, procedência nacional e LGBTIfobia (preconceito contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais). Em 2020, foram 144 casos.

Foram registrados, também em 2021, 33 casos por ultraje a culto, que é a ridicularização pública, o impedimento ou a perturbação de cerimônia religiosa.

Denúncias

O ISP esclarece que, judicialmente, a diferença é que a injúria por preconceito é o ato de discriminar um indivíduo em razão da raça, cor, etnia, religião ou origem. Já o preconceito de raça, cor, religião, etnia e procedência nacional tem por objetivo a inferiorização de todo um grupo étnico-racial e atinge a dignidade humana.

Tais crimes podem ser denunciados em qualquer delegacia. O estado do Rio de Janeiro conta ainda com a Delegacia de Combate a Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), especializada no atendimento de vítimas de racismo, homofobia e intolerância religiosa. A unidade funciona na Rua do Lavradio, 155, centro da cidade.

Os registros também podem ser feitos pela Delegacia Online da Secretaria de Estado de Polícia Civil.

Categorias
Destaque Notícias Rio Segurança

Rio adia início de uso de câmeras em uniformes de policiais

Dá Agência Brasil

O governo fluminense decidiu adiar o início do uso de câmeras portáteis no uniforme dos policiais militares. O equipamento começaria a ser usado na próxima segunda-feira (16), em dez batalhões da cidade do Rio de Janeiro.

Segundo o governo do Rio, no entanto, a empresa responsável pelo fornecimento do equipamento solicitou um adiamento de 20 dias, devido a questões operacionais. O estado informou que já iniciou o processo de aplicação da penalidade.

Em nota divulgada à imprensa, o governo defendeu o uso do equipamento por sua força policial. “Para o governo do estado, é fundamental que esse programa funcione em sua totalidade para que seja garantida a transparência nas ações policiais”, informou.

O projeto deve começar com 2.190 policiais militares de três batalhões da zona sul (Botafogo, Copacabana e Leblon), seis da zona norte (Méier, São Cristóvão, Tijuca, Olaria, Ilha do Governador e Maré) e um do centro (Praça da Harmonia).

O cronograma inicial previa ampliar o uso das câmeras, até o fim de maio, para os batalhões de Três Rios (no Vale do Paraíba) e Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis (os três na região serrana); e até o fim de junho, para os demais batalhões. O novo cronograma não foi divulgado pelo governo do estado.

Categorias
Cultura Destaque Notícias Rio

Quinta da Boa Vista é reformada para bicentenário da Independência

Dá Agência Brasil

O parque da Quinta da Boa Vista, tradicional área de lazer da zona norte da cidade do Rio de Janeiro, está passando por reformas para comemorar os 200 anos da independência do país. O local serviu de residência do imperador Dom Pedro I, governante brasileiro que rompeu com Portugal e tornou o Brasil independente em 7 de setembro de 1822.

A Quinta, como é conhecida, inclui o antigo palácio real (atual sede do Museu Nacional) e todo o terreno em volta do edifício. Também viveu ali o pai de Dom Pedro I, Dom João VI, monarca que, de 1808 a 1821, governou o império português sediado no Rio de Janeiro.

Dom João recebeu a Quinta como presente do negociante Elias Antônio Lopes, em 1809. E o local serviu como residência oficial para a família até 1889, quando Dom Pedro II, que nascera ali em 1825, teve que sair do país depois da proclamação da República.

Reformas

O parque recebeu tratamento paisagístico de Augusto François Marie Glaziou e do major Gomes Archer, de 1869 a 1875, e conserva até hoje a marca deste período.

A revitalização da área, que teve seu início oficial hoje (13), incluirá reformas nos monumentos, portões, calçadas, pontes, quadras esportivas, sistema de drenagem e banheiros, além da limpeza dos canais.

“Aqui é um dos lugares mais emblemáticos da nossa história, então estamos tendo um cuidado especial com essa obra. E essa é uma grande obra, porque além do parque, em si, teremos também [reformas] do entorno, avenida Dom Pedro II, Largo da Cancela, avenida São Cristóvão, que vão receber o Asfalto Liso [projeto de recapeamento de vias], para ficar tudo pronto para o dia 7 de setembro”.

As reformas custarão R$ 14,6 milhões apenas no interior do parque e têm previsão de conclusão até o dia 6 de setembro.

Museu Nacional

A residência propriamente dita, que hoje abriga o Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também está passando por obras, depois do grande incêndio que destruiu o edifício em setembro de 2018.

Segundo o diretor do Museu, Alexander Kellner, a previsão é que a reconstrução termine em 2027. Mas parte da reforma deve ser concluída a tempo das comemorações do bicentenário. “Pretendemos entregar parte [da obra] ainda para 7 de setembro”, afirmou Kellner.

Categorias
Destaque Notícias Notícias do Jornal Rio

Delegada presa em operação do MPRJ é transferida para presídio

Dá Agência Brasil

A delegada afastada da Polícia Civil do Rio de Janeiro Adriana Belém está presa no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro. Antes da prisão, ela foi levada ao Instituto Médico Legal (IML) para cumprir as normas de entrada no Sistema Prisional do estado. Ontem (10), depois de concedida a prisão no âmbito da Operação Calígula, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), Adriana Belém foi levada para a Corregedoria da Polícia Civil onde passou a noite.

Hoje (11), foi publicada no Diário Oficial do município do Rio de Janeiro, a portaria de exoneração da delegada do cargo em comissão de assessor II da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro. De acordo com o portal da transparência do município, a delegada foi admitida em 13 de abril de 2021 depois de ser cedida pela Polícia Civil.

A decisão de exonerar a delegada do cargo ocorreu após a deflagração ontem, pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), da Operação Calígula, para reprimir as ações da organização criminosa que tem à frente o bicheiro Rogério de Andrade e seu filho Gustavo de Andrade, e é integrada por dezenas de outros criminosos, incluindo o policial militar reformado Ronnie Lessa, denunciado como executor do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 março de 2018.

No endereço de Adriana Belém, onde foram apreendidos R$ 1.765.300, estava entre os locais dos 119 mandados de busca e apreensão cumpridos por agentes da Força Tarefa do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para o caso Marielle e Anderson (Gaeco/FTMA ) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

De acordo com o MPRJ, o dinheiro foi localizado pelos investigadores em um cofre na suíte da casa em malas em um armário no quarto do filho da delegada. No início da tarde de ontem, por meio da Gaeco/FTMA, o MPRJ conseguiu a decretação da prisão preventiva de Adriana Belém. O pedido de prisão foi deferido pela 1ª Vara Especializada. No entendimento de promotores de Justiça, o valor encontrado “é um forte indício de lavagem de dinheiro”.

A Operação Calígula incluía ainda 24 mandados de prisão deferidos. Desses, 14 foram cumpridos ontem pelos agentes do MPRJ. Um deles para o delegado de polícia Marcos Cipriano, que foi levado para a Corregedoria da Polícia Civil e depois transferido para Bangu 8, no Complexo Prisional de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo os promotores, no material apreendido na terça-feira na casa de Cipriano havia a cópia da decisão da Justiça definida na noite de segunda-feira (9) determinando a prisão. Para o MPRJ, isso aponta para vazamento da ação deflagrada ontem. O fato será investigado pela Força Tarefa.

Conforme os promotores de Justiça, a relação entre Ronnie Lessa e Rogério começou em 2009, quando o PM reformado atuava como segurança do contraventor. Um mês após a morte de Marielle Franco e de Anderson Gomes, segundo os promotores, foi identificada uma reaproximação entre os dois, ao negociarem uma parceria envolvendo casas de apostas. O promotor de Justiça Diogo Erthal, no entanto, disse que não poderia afirmar que há uma relação entre os casos, mas há proximidade entre os episódios.

Resposta

O advogado Ary Bergher, que defende Rogério de Andrade, disse que a operação afronta decisão do STF. “Essa operação além de não deixar demonstrado à necessidade de prisão cautelar do Rogério, reluz claramente uma afronta ao STF que acaba de conceder o trancamento de uma ação penal contra ele. Isso vem ocorrendo desde juízes como De Sanctis, Marcelo Bretas e Sergio Moro, que tentam burlar as decisões do Supremo. Nesse caso, claramente há um material probatório requentado para impedir o trabalho técnico da defesa”, disse em nota.

A defesa do delegado Marcos Cipriano considerou a prisão desnecessária. “A prisão do delegado de Polícia Marcos Cipriano é absolutamente desnecessária e causa estranheza por ser relacionada a fatos ocorridos em 2018, quando a legislação autoriza a prisão apenas por fatos contemporâneos. Sua inocência será provada na Justiça”, disse em nota assinada pelos advogados Ricardo Braga e Nilsomaro Rodrigues.

A advogada Luciana Lopes, que defende a delegada Adriana Belém, disse, em resposta à Agência Brasil, que o pedido de prisão foi feito antes da contagem dos valores encontrados na casa da cliente, “O pedido de prisão foi feito antes mesmo da contagem dos valores, sendo prematura e desnecessária. A defesa vai tentar que o juiz reconsidere a prisão que, ao sentir da defesa, é temerária”, disse.

Afastados

Ontem também a Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol) informou, em nota, que os dois delegados alvos da operação não exerciam cargos atualmente na Polícia Civil. “Eles estão afastados e lotados em outros órgãos”. A secretaria acrescentou que a Corregedoria-Geral da instituição solicitaria acesso às investigações para dar andamento aos processos

Categorias
Destaque Economia Notícias

Operação Energia Legal da Enel identifica 407 furtos de energia em Niterói

A operação Energia Legal, realizada pela Enel Distribuição Rio em conjunto com a Polícia Civil na semana passada, em Niterói, identificou 407 irregularidades na medição de energia de estabelecimentos comerciais e residenciais, além da abertura de cinco registros de ocorrência e três prisões nestes segmentos. Durante a operação, inclusive, a polícia interditou uma lanchonete no Fonseca que estava ligada direto em três fases, sem passar pelo medidor de energia. Os moradores do município também puderam solicitar vários serviços, como segunda via de conta, troca de titularidade e parcelamentos de dívidas, por meio de uma unidade móvel de atendimento da Enel Rio. Essa unidade móvel tem por objetivo facilitar o acesso dos clientes aos serviços, além de garantir que o atendimento seja realizado respeitando as medidas de higiene e de distanciamento, diante do cenário de pandemia da Covid-19. Ao todo, foram realizados 43 atendimentos comerciais.
Com objetivo de combater irregularidades e furtos, a operação realizou sua 24ª edição e, até o momento, já identificou furto de energia em 11.149 clientes, sendo 10.288 residências e 861 comércios nas 18 cidades por onde passou desde o fim de 2019.

“O trabalho integrado entre as diversas áreas da empresa, em conjunto com a Polícia Civil, gera resultados muito relevantes no combate ao furto de energia. Minimizar este tipo de ocorrência em nossa área de concessão, assim como os bons resultados operacionais, geram benefícios tanto para a companhia quanto para os clientes”, afirmou Ricardo Lima, responsável por Operações de Perdas da Enel Rio.

Consumo consciente de energia

Ao longo da ação, a Enel Distribuição Rio também disponibilizou dicas de segurança e de consumo consciente de energia a 122 pessoas por meio de palestras educativas e realizou troca de 40 lâmpadas por modelos LED, mais eficientes. Além disso, a distribuidora ofereceu informações e atendimento para o cadastro na Tarifa Social de Energia Elétrica (Baixa Renda), programa do Governo Federal que oferece descontos na conta de energia de até 65% em relação à tarifa residencial convencional.

Outra ação realizada durante o Energia Legal foi o projeto Colorindo com Energia, que consiste no grafite em muros de subestações da companhia ou de comunidades onde os operativos estão sendo realizados. A iniciativa reforça de forma mais lúdica a mensagem dos riscos e malefícios do furto de energia. Nesta primeira edição, a arte foi assinada pela Visionartz, mesma agência do projeto de urbanismo tático Rua Walls, na região do Porto Maravilha. Eles deixaram seus traços no muro da Subestação Zona Sul da Enel Rio, no Largo da Batalha.
“Utilizamos como personagem central o Juca Energia, pensado para transmitir orientações a respeito do uso seguro da energia à população, além de trazer a mensagem de como é perigoso realizar uma ligação clandestina e de que forma isso pode prejudicar toda a comunidade”, explica Leonardo Soares, responsável por Sustentabilidade na Enel Rio

 Combate ao furto de energia

Os clientes que quiserem denunciar o furto de energia podem fazê-lo pela internet: , pelo aplicativo Enel Rio ou pelo 0800 280 0120. Não é necessário se identificar.  

Categorias
Destaque Notícias Rio

Bombeiros que salvaram mulher em rio de Campos vão receber Medalha Tiradentes

Os dois bombeiros militares responsáveis pelo salvamento de uma mulher que se afogava no Rio Paraíba do Sul, em Campos dos Goytacazes, vão receber a Medalha Tiradentes. A maior honraria da Assembleia Legislativa (Alerj) é destinada a pessoas que prestaram relevantes serviços à causa pública do Estado do Rio de Janeiro.

A homenagem foi proposta pelo deputado estadual Fillipe Poubel (PL), para parabenizar a atuação dos subtenentes Ricardo dos Santos Soares e Rodrigo Cordeiro Cardoso, lotados no 5º GBM.

“Esses bombeiros arriscaram suas vidas para salvar uma mulher. Tamanho ato de heroísmo merece o reconhecimento de toda a população e a devida homenagem na Alerj”, destaca o deputado Filippe Poubel. A ocorrência foi registrada no dia 14 de fevereiro.

Categorias
Cultura Destaque Notícias Rio

Casimiro de Abreu recebe o título de ‘Capital Estadual do Cavalo’

O município de Casimiro de Abreu, região dos lagos fluminense, agora é, oficialmente, a ‘Capital Estadual do Cavalo’. É o que dispõe a Lei 9638/22, de autoria do deputado estadual Jair Bittencourt (PL), sancionada pelo governador Cláudio Castro e publicada no Diário Oficial da última sexta-feira (8).

Durante a pandemia, Casimiro de Abreu foi o segundo município do país e o primeiro do Estado do Rio de Janeiro que mais realizou eventos equestres oficiais, reunindo criadores de diversas regiões do país, fomentando o turismo e gerando emprego e renda que dinamizaram a economia local.

“Ao ser reconhecida como a Capital Estadual do Cavalo, Casimiro de Abreu ganha a chancela para continuar organizando novos eventos equestres, atraindo cada vez mais turistas e fomentando toda a cadeia de serviços necessária para que a cidade possa recebê-los da melhor maneira possível, o que é essencial nesse momento de retomada econômica”, ressaltou o vice-presidente da Alerj, deputado Jair Bittencourt.

Entre os eventos equestres realizados na cidade, durante a pandemia, cinco foram da raça quarto de milha, três da raça mangalarga marchador e dois da raça campolina, sendo que, entre eles, alguns tiveram alcance nacional, como os da raça campolina. A estimativa é que o município tenha recebido 4 mil equinos, mais de 1500 expositores e 5 mil profissionais afins envolvidos com esses animais direta e indiretamente.

Categorias
Destaque Notícias Política Rio

Comissão da Alerj cobra revitalização do Piscinão de São Gonçalo

A Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Alerj (CDMA) vai enviar ofícios ao Inea e ao Ministério Público Estadual cobrando providências em relação à revitalização do Piscinão de São Gonçalo, cuja administração é de responsabilidade do Governo do Estado. Na quinta-feira, o presidente da CDMA, deputado Gustavo Schmidt, esteve no local acompanhado de uma equipe técnica, constatando o mesmo estado de abandono que já havia sido verificado há cerca de um ano.

A CDMA está revisitando locais vistoriados no ano passado para verificar se foram adotadas providências solicitadas diante dos problemas constatados. No caso do Piscinão de São Gonçalo, em fevereiro de 2021, a Comissão de Defesa do Meio Ambiente enviou ofícios ao então superintendente de Desportos do Estado Rodrigo Vizeu, e ao presidente do Inea, Philipe Campello, solicitando informações sobre o projeto de revitalização do local.

“O Piscinão custou R$ 13 milhões para ser construído, em 2004, e mais R$ 4 milhões para ser revitalizado, em 2010. Ou seja: foram gastos R$ 17 milhões em obras, para tudo ser abandonado em 2014. E o abandono é total, com equipamentos completamente degradados, a área da piscina aterrada, muito lixo e mato por todos os lados. Isso é uma vergonha para para o Estado do Rio e um desrespeito com a população”, disse Gustavo Schmidt.

O deputado disse, ainda, que espera do Inea uma posição concreta a respeito do projeto de revitalização do Piscinão, incluindo o prazo para o início e término das obras, além de um planejamento de manutenção do local, e que considera positiva a discussão sobre a possibilidade de municipalização do espaço.

Categorias
Destaque Economia Notícias Política Rio

CasaNem abre vagas para pessoas trans em seu centro cultural e café na Lapa

A ONG LGBTQIA+ CasaNem, mantém diversos projetos sociais, entre eles, o Palco Lapa, onde dá oportunidade para artistas da comunidade se apresentarem, e tem como madrinha Linn da Quebrada e está para lançar agora em abril, o CoffeeNem, um café vegano que venderá de pães artesanais a lanches veganos no coração do centro da cidade do Rio.

E para esses projetos continuarem a andar é preciso de gente disposta a trabalhar neles, com experiência e força de vontade. Por isso, a CasaNem abriu vagas tanto para o Palco Lapa quanto para o CoffeeNem. As inscrições são por e-mail. As vagas são de serviços gerais, e lancheiro, para fazer lanches na chapa e atender ao público.

O CoffeeNem vai abrir a partir de abril das 06h às 11h. Além de pães e lanches, terá cafés diversos, kombucha, queijos veganos e muito mais.

Os interessados em trabalhar nos projetos, basta enviar currículo para o e-mail: casanem2016@gmail.com. Quatro, das vagas, são destinadas para pessoas transexuais.

Salário mínimo+ benefícios