Categorias
Destaque Notícias Rio

RioSolidario e parceiros promovem jantar beneficente pela Abrapac

Uma noite de solidariedade em prol do Outubro Rosa e da Abrapac (Associação Brasileira de Apoio aos Pacientes de Câncer). Em parceria com o RioSolidario, o restaurante Bahl, em Ipanema, abriu as portas na noite de ontem, dia 25, com um menu exclusivo para uma causa social que pede a atenção de todos.

Jantar Solidário, que reforçou a importância da conscientização do câncer de mama e da união pelo próximo.

O RioSolidario tem como missão impulsionar vidas. Quando a vontade de realizar é grande e as parcerias fortalecidas, tudo é possível. Estamos cada vez mais unidos dialogando e mobilizando a solidariedade com projetos sociais para cuidarmos de quem precisa – declarou a presidente de honra do RioSolidario, Analine Castro.

O valor arrecadado será revertido para a Abrapac – associação sem fins lucrativos que atua desde 1999 apoiando pacientes e ressaltando a importância da prevenção.Para Leda Mazzoni, presidente da Abrapac, é maravilhoso contar com cada ajuda, pois o pouco para alguns é muito para quem precisa.

Foto : Rogerio Santana

Conseguir reunir pessoas que se preocupam conosco é muito bom. Com a pandemia perdemos 30% dos nossos associados e estamos precisando de apoio para seguirmos fortalecendo a autoestima de mulheres em tratamento de câncer – declarou.

O encontro beneficente reuniu convidados solidários como o lutador de MMA Rogerio Minotouro e do cantor D´Black. O empresário João Diniz, dono do restaurante Bahl, reforça a importância do setor gastronômico participar de iniciativas sociais.

Como liderança no segmento me sinto na obrigação de abrir as portas das minhas empresas para projetos beneficentes como o OutubroRosa da Abrapac, que já sou padrinho há dois anos. É uma honra somar com o RioSolidario.

Foto : Rogerio Santana
Sobre o RioSolidario

O RioSolidario é uma instituição sem fins lucrativos que há 26 anos conecta empresas e pessoas que desejam doar a quem precisa de ajuda. Auxilia quem vive em situação de fragilidade social com ações humanitárias e gerencia projetos de inclusão e compromisso social, como os três Espaços de Educação Infantil em comunidades do Rio, o programa Jovem Aprendiz e a Casa Abrigo Lar da Mulher, um lar temporário para vítimas de violência doméstica e seus filhos.

Categorias
Notícias Rio

Shopping promove ações em apoio à campanha Outubro Rosa

Ao longo do mês de outubro, empreendimento ilumina a fachada de rosa e oferece tatuagem gratuita do símbolo mundial da campanha, em parceria com a Skin Tattoo

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. O mês de outubro é uma referência ao movimento que tem como objetivo reforçar o combate à doença, promovendo a conscientização da importância da prevenção e do diagnóstico precoce. Sempre atento às causas sociais, o Bangu Shopping abraça, mais uma vez, o movimento mundial. Durante todo o mês, a fachada vai ficar  iluminada na cor rosa.

Além disso, em parceria com a Skin Tattoo, até 31 de outubro, mulheres que têm ou já tiveram câncer de mama poderão tatuar o laço rosa, símbolo da campanha, gratuitamente no estúdio. Os agendamentos devem ser realizados pelo telefone (21) 99595-3272 . Para os clientes que quiserem prestar uma homenagem com o laço rosa poderão fazer a tatuagem por um preço simbólico de R$ 50,00.

O estúdio realiza essa campanha há 3 anos, pois sobreviventes do câncer de mama demonstram que há esperança de vitória. A Skin Tattoo apoia eternizando essa luta – diz a tatuadora Samy Kropf.

Para o ambiente digital, o  shopping vai publicar em suas redes sociais dicas de prevenção e autoexame em parceria com a clínica Medsoul, além de produtos de beleza e maquiagens que podem ajudar no tratamento e na autoestima de todas as mulheres.

Outras lojas do empreendimento também promovem ações e produtos em apoio à campanha. Em parceria com a São Camilo Oncologia, a Hering ressalta o mês oficial contra o câncer de mama, divulgando, em seu site, informações sobre saúde feminina, autocuidado e autoexame. Entre os produtos, destaque para a tradicional marca “o Câncer de Mama no Alvo da Moda”, disponível na Blusa Feminina Manga Curta Câncer De Mama, por R$ 59,99, e na Regata Feminina Alças Finas Câncer De Mama, por R$ 49,99.

Já a Cacau Show, também em parceria com a São Camilo Oncologia, vai levar conhecimento e desmistificar informações sobre o câncer de mama a partir de uma série de lives no seu perfil do Instagram, com a participação de especialistas da instituição.  Além disso, em campanha de doação, a rede colocou um produto à venda com parte da verba revertida para a instituição: a deliciosa Trufa Iogurte de Morango 30g.

Bangu Shopping – Rua Fonseca, 240 – Bangu – Rio de Janeiro – RJ

Categorias
Destaque Notícias Rio Saúde

Outubro Rosa

Shopping vai oferecer cortes de cabelo gratuitamente para doação nesta terça (19)

Essa e outras ações temáticas vão acontecer no espaço Sou do Bem, Sou Madu, no terceiro piso. Mall também receberá doações de lenços até o dia 25 de outubro

Para marcar o Outubro Rosa, mês de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo do útero, o Madureira Shopping montou uma programação especial e gratuita para os moradores do bairro e do entorno.

Nesta terça, 19, entre 11h e 18h, o Shopping vai oferecer cortes de cabelo gratuitos para quem está disposto a ajudar quem precisa. Para participar, é necessário ter, pelo menos, 25 centímetros de mechas para doação. A ação acontece no 3º piso, em parceria com a Oncoimagem Brasil. Além disso, na mesma data, o Madu vai doar perucas para pacientes oncológicos e com alopecia. Para recebê-las, os interessados precisam apresentar laudo médico.

Já na quarta, 20, às 14h, o shopping vai sediar oficinas de maquiagem e de turbante, com dicas de beleza para as pacientes em tratamento contra o câncer.

Fechando as ações, no dia 25 de outubrosegunda-feira, às 14h, será realizado um bate-papo com a nutricionista Emília Akil e os alunos do curso de nutrição da Universidade Estácio de Sá sobre a relação entre o câncer de mama e a alimentação.

Para participar das atividades, as pessoas interessadas devem resgatar um cupom de acesso no aplicativo no Shopping. As turmas terão limitação de 20 pessoas simultaneamente.

Durante todo o período da ação, o Madureira Shopping vai receber lenços que serão doados a pessoas em tratamento de câncer e alopecia.

SERVIÇO:

Datas: 19, 20 e 25 de outubro

Horários: Terça-feira (19/10), das 11h às 18h | Quarta-feira (20/10), às 14h | Segunda-feira (25/10), às 14h.

Local: Estr. do Portela, 222 – Madureira.

Madureira Shopping – Rio de Janeiro

Entrada Gratuita

Categorias
Dança Destaque Notícias Saúde

Autoestima e dança na luta contra o câncer de mama

Reconstrução de mama e coreografia para falar de autoestima e diagnóstico precoce

A descoberta de um câncer de mama é sempre um momento delicado. Medo, insegurança, desespero, angústia. Um misto de emoções e muitos questionamentos. Se o futuro parece sombrio, muitas mulheres encontram luz no fim através do resgate da autoestima que passa pela reconstrução mamária.

A cirurgiã plástica Valéria Destéfani fala sobre a reconstrução e a volta ao status de feminina.

O câncer de mama é devastador na vida de uma mulher. Pensar na possibilidade de viver sem um órgão tão importante para a feminilidade e autoestima da mulher é impactante do ponto de vista da saúde mental de quem precisa retirar este órgão. Então, se existe a chance de reconstruir essa perda, não há razão para não ver vantagens. Ela coloca novamente a mulher no status de feminina e eleva sua autoestima de forma indiscutível.

O benefício físico de deixar as duas mamas mais parecidas novamente, de poder usar um sutiã sem diferenças, sem prejuízos por conta da assimetria (diferenças) das mamas, de acordo com Valéria não tem preço.

Mesmo com todo esforço e tratamento prolongado e muitas vezes desgastante que é a reconstrução de mama, sem dúvida ao final do tratamento, todas que já tive o prazer de tratar, tornaram-se mais confiantes, mais alegres e mais seguras de si. Mostrando que a relação custo benefício vale muito a pena.

O resgate da autoestima também vem através da dança. A iniciativa foi do dançarino Wallace Rocha, que criou uma coreografia com sete mulheres, todas que viveram ou vivenciam o problema, para trazer luz a esse tema tão necessário.

Meu público nas aulas de dança é 100% feminino. O mês de outubro é usado para lembrar as pessoas sobre o câncer de mama e a importância do diagnóstico precoce, a partir do exame de toque. A minha iniciativa foi de reunir um grupo de mulheres que já passaram ou estão em tratamento do câncer de mama para dançar. Tive a ideia porque uma de minhas alunas recém concluiu o tratamento. O que todas elas têm em comum além de serem pacientes oncológicas? Otimismo total – comemora.

A música “Perigosa”, do grupo “As Frenéticas”, sucesso nos anos 70, foi regravada por Anitta e fala do empoderamento feminino, além de ser um hit atemporal. Quando o convite foi feito, o “Sim” foi unânime. A coreografia fala sobre a necessidade da importância do autoexame e o diagnóstico precoce.

Tenho a participação de sete mulheres dançando no vídeo. Recebi depoimento de 10 mulheres de vários lugares do Brasil. O que todas elas têm em comum: são pacientes oncológicas. Todas se disponibilizaram a contribuir de alguma maneira para o projeto. Elas realmente sabem da importância de ajudar outras mulheres e criar essa rede de apoio. Foi lindo, forte, divertido e emocionante – conclui.

Essa é a segunda ação do projeto que teve início no ano passado. Em 2020 o artista usou a música “Me Gusta” da cantora Anitta. O sucesso foi tão grande que viralizou e a cantora usou sua conta em uma rede social para agradecer e parabenizar Wallace pela iniciativa: “Que homenagem linda do Walace Rocha! Fica aí o recado nesse último dia de Outubro Rosa, e levem a conscientização pro ano inteiro”, disse a cantora.

Categorias
Destaque Notícias Rio Saúde

Funcionária de Companhia Aérea que venceu o câncer de mama conscientiza passageiros

Na próxima quarta (13/10), a Azul realizará uma ação no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para marcar o mês de conscientização contra o câncer de mama

Uma vitoriosa da companhia, que venceu o câncer de mama, entrará em algumas aeronaves da empresa, momentos antes da finalização do embarque, para passar uma mensagem sobre a importância do autoexame e de exames preventivos contra a doença.

Maria de Cassia, 46 anos, soube que tinha câncer de mama em maio de 2014. Ela descobriu a doença através do autoexame, mas a confirmação do diagnóstico aconteceu justamente em um dia que deveria ser de festa: o aniversário dela. Mesmo abalada pela notícia, Maria de Cassia seguiu o tratamento à risca.

Foram seis meses de quimioterapia, antes de passar pela cirurgia para tirar todo o tecido da mama. Junto com a retirada, ela colocou uma prótese-expansora, mas teve complicações no pós-cirúrgico e teve que retirar a prótese. Depois da cirurgia, fez mais 28 sessões de radioterapia. Seis meses depois, fez a reconstrução da mama – e deu certo. Cinco cirurgias depois, hoje ela está bem.

Quando recebi o diagnóstico, fiquei sem chão, comecei a achar que estava tudo perdido. Mas daí entendi que só tinha uma opção, que era lutar. Eu lutei, fui em frente, tive muito apoio da minha família, entrei logo com o processo de quimioterapia e todo o tratamento, e hoje me considero curada, estou bem, feliz e vejo a vida de uma maneira totalmente diferente. É preciso seguir em frente – ensina.

O testemunho da mulher que venceu a doença é uma das formas mais relevantes de falar sobre este tipo de câncer, que, segundo dados do Ministério da Saúde, é responsável por cerca de 60 mil novos diagnósticos por ano no país. Um número alarmante.

SERVIÇO:

Quando: quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Horário: entre 9h e 17h (o horário de chegada da imprensa é opcional e não é preciso permanecer no aeroporto durante toda a ação)

Local: Aeroporto Santos Dumont

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Atividade física e aleitamento previnem o câncer de mama, diz Inca

Da Agência Brasil

Cerca de 13% dos casos de câncer de mama em mulheres com mais de 30 anos poderiam ser prevenidos por meio de atividade física, aleitamento materno, pela não exposição ao consumo de álcool e pelo não excesso de peso, revelou pesquisa divulgada, na internet, pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), durante cerimônia de lançamento da campanha Outubro Rosa, pelo Ministério da Saúde. . A campanha objetiva alertar as mulheres e a sociedade em geral sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença.

“Os resultados mostraram que pelo menos R$ 102 milhões gastos no Sistema Único de Saúde (SUS) poderiam ter sido evitados pela não exposição aos fatores de risco. Os resultados em conjunto destacam o impacto desses fatores, não só sobre o número de casos, mas sobre os gastos federais do SUS com o tratamento do câncer de mama, disse a nutricionista Maria Eduarda Melo, chefe da Área Técnica de Alimentação, Nutrição, Atividade Física e Câncer do Inca.

No ano passado, mais de 2,3 milhões de mulheres em todo o mundo tiveram câncer de mama, o tipo que mais acomete a população feminina e mais mata. Ele representa cerca de 24,5% de todos os tipos de neoplasias diagnosticadas, segundo o Inca. No Brasil, em 2020, cerca de oito mil casos tiveram relação direta com os fatores comportamentais citados.

Em 2018, o estudo mostrou que o gasto com tratamento da doença no SUS ultrapassou R$ 813 milhões, dos quais os quatro principais fatores de risco representaram 12,6% de todo o custo, ou o equivalente a R$102,5 milhões. A inatividade física correspondeu à maior fração do valor total (4,6%), seguida pelo não aleitamento materno (4,4%), excesso de peso (2,5%) e consumo de bebida alcoólica (1,8%).

A prevenção do câncer de mama, de acordo com o instituto, passa pela alimentação, que deve ser à base de alimentos in natura. “Estamos falando de frutas, legumes e verduras, arroz, feijão, sementes. Isso deve compor a base da nossa alimentação e devemos evitar alimentos ultraprocessados, ou seja, aqueles alimentos prontos para aquecer e prontos para consumir, além de evitar o consumo de álcool.

Seguindo as recomendações, fica mais fácil manter um peso saudável”. As mulheres devem também manter-se fisicamente ativas, como parte da rotina diária, considerando a atividade física como lazer e qualidade de vida. A nutricionista ressaltou, no entanto, a importância de ações e políticas que fortaleçam a adoção e o acesso a práticas mais saudáveis.

Mortalidade

Em 2019,o Brasil registrou 18.068 mortes por câncer de mama. O Inca estima que até 2030 haverá estabilidade das taxas de mortalidade para mulheres na faixa etária entre 30 e 69 anos, mas a projeção ainda está bem distante da meta de 30% de redução estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável preveem, até 2030, reduzir em um terço as mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis, entre elas, o câncer.

O mastologista Marcelo Bello, diretor do Hospital de Câncer III, do Inca, especializado no tratamento do câncer de mama, assegurou que “câncer de mama não é uma sentença de morte. Não se deve ter medo de fazer um diagnóstico”. Segundo o mastologista, câncer de mama é uma doença que tem excelentes tratamentos, com excelentes resultados e chance de cura. Basta fazer o diagnóstico na hora certa. “Se você tem alguma coisa na sua mama, não tenha medo em procurar saber o que é.”

Bello destacou que o Outubro Rosa é o mês dedicado ao câncer de mama. “Mas a gente gosta de dizer que todos os meses deveriam ser cor de rosa, porque o câncer de mama não acontece só em outubro. Ele acontece o tempo todo. A gente tem uma estimativa de 66 mil ou 67 mil novos casos no Brasil até este ano”. Destacou que essa é uma doença que independente da pandemia do novo coronavírus.

“Não vai deixar de existir. Então, é muito importante saber que é o câncer mais comum na mulher, não só no Brasil, mas no mundo inteiro mas, felizmente, ele tem um ótimo tratamento.”

Sintomas

Segundo o mastologista,  as mulheres que percebem alguma alteração na mama devem ser motivadas a procurar auxílio médico e a fazer mamografia, ultrassom, biópsia, tudo que for necessário para fazer um diagnóstico. “Com o diagnóstico, iniciar o tratamento o mais rápido possível. Esse é um direito legal de todas as mulheres que têm câncer de mama: iniciar o tratamento o mais breve possível e ter acesso ao diagnóstico. O Outubro Rosa serve para isso; para essa conscientização.”

O sintoma mais comum do câncer de mama é o caroço, o nódulo na mama. Mas existem, outros sintomas e sinais aos quais se deve ficar atento. Um deles é o espessamento da pele da mama; outro é a saída espontânea de secreção por um dos mamilos, que pode ser um líquido claro ou acompanhado de sangue. “Isso deve ser investigado.”

Há ainda retração da pele ou do mamilo, inguas nas axilas que não doem mas incomodam, abaulamento em alguma região dos seios ou aumento de volume da mama. Marcelo Bello lembrou que a partir dos 50 anos, a incidência de câncer de mama aumenta bastante. “Qualquer um desses sintomas, nessa faixa etária, tem que ser realmente investigado, com certa celeridade. Percebeu alguma coisa errada, tem que procurar um serviço de saúde, para avaliar isso.”

Mesmo em período ainda de pandemia, as mulheres devem procurar um serviço médico para fazer uma mamografia diagnóstica. “É totalmente seguro, graças ao conhecimento que a doença já proporcionou e à vacina contra a covid-19, que diminui muito a contaminação. Hoje, não se deve mais evitar fazer esses exames, porque todos os estabelecimentos de saúde já sabem como lidar em relação à segurança quanto à covid-19”.

Saúde da mulher

Também a Fundação do Câncer iniciou hoje (1º), junto com o Outubro Rosa, a campanha pela saúde da mulher, devido à pandemia da covid-19. Além da mamografia, a fundação recomenda exames preventivos do colo de útero ou de colonoscopia para diagnóstico de câncer colorretal, como exemplos fundamentais para o controle da saúde da mulher.

“É crucial lembrar a necessidade da realização anual de mamografias para mulheres com idades entre 50 e 69 anos, como recomendado pelas diretrizes do Ministério da Saúde. Também é importante a realização do exame preventivo de colo de útero e de diversos outros exames oncológicos, além das consultas preventivas e regulares que foram adiados nesta pandemia”. O alerta foi dado pelo diretor-executivo da Fundação do Câncer, cirurgião oncológico Luiz Augusto Maltoni.

De acordo com o Mapa Assistencial da Saúde Suplementar 2020, divulgado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em julho deste ano, ocorreu queda de 17,2% no uso dos planos de saúde. Isso significa 1,3 bilhão a menos de consultas, exames e cirurgias realizados em relação ao ano anterior. Maltoni avaliou que isso interfere diretamente no diagnóstico de diversas enfermidades, inclusive o câncer, o que pode representar um avanço da doença e implicar em maiores gastos com tratamento e redução da chance de cura.

“Agora, com o avanço da campanha de vacinação contra a covid-19 e a manutenção das medidas de segurança, como uso de máscaras e álcool 70, é preciso que as mulheres voltem a buscar atendimento médico, prevenir ou retomar seus tratamentos”, disse.

Categorias
Destaque Notícias do Jornal

“Quanto antes melhor”: outubro rosa, mês de conscientização sobre o câncer de mama.

A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

Neste Outubro Rosa 2020, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lança o movimento de conscientização “Quanto antes melhor”. A ideia é chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, no Brasil e no mundo, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. Esse percentual é de 29% entre as brasileiras.

É causado pela multiplicação desordenada das células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente.

Esses comportamentos distintos se devem às características próprias de cada tumor.

Exame clínico das mamas:

É o exame realizado por médico ou enfermeiro treinado para essa atividade. Neste exame poderão ser identificadas alterações e, se necessário, será indicado um exame mais específico, como a mamografia, um raio X que permite descobrir o câncer quando o tumor ainda é bem pequeno.

O câncer de mama pode apresentar diversos sintomas, mas pode também ser assintomático para muitas mulheres. É importante, portanto, que a mulher conheça bem o seu corpo e possa analisar com frequência qualquer alteração nas mamas e procurar o médico ao notar alguma anormalidade.

 

Foto: Ministério da Saúde – Divulgação

Possíveis sinais e sintomas:

– Alterações no tamanho ou forma da mama;

– Nódulo único e endurecido;

– Vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama, mesmo sem a presença de nódulo;

– Nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de tamanho;

– Sensação de massa ou nódulo em uma das mamas;

– Sensação de nódulo aumentado na axila;

– Espessamento ou retração da pele ou do mamilo;

– Secreção sanguinolenta ou aquosa nos mamilos;

– Assimetria entre as duas mamas;

– Presença de um sulco na mama, como se fosse um afundamento de uma parte da mama;

– Endurecimento da pele da mama, semelhante a casca de laranja;

– Coceira frequente na mama ou no mamilo;

– Formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo;

– Inversão do mamilo;

– Inchaço do braço;

– Dor na mama ou no mamilo.

O aparecimento dessas anormalidades pode ocorrer de forma isolada ou simultânea. É importante lembrar que esses sinais nem sempre indicam a presença de um câncer, sendo necessário consultar um médico para ter o correto diagnóstico.

Categorias
Destaque Rio

Cristo Redentor recebe a iluminação cor de rosa – cor universal da luta contra o câncer de mama

Estamos vivendo um ano atípico, mas a causa do câncer de mama não pode ser esquecida. Para lembrar aos brasileiros que essa é uma doença que não faz quarentena e não espera, a Fundação Laço Rosa iluminou, na noite desta quinta-feira, o dia 1º de outubro, o Cristo Redentor, abrindo a programação do Outubro Rosa 2020. A instituição é reconhecida nacionalmente pelo seu empenho contínuo para diminuir as desigualdades de acesso e tratamento do câncer. Como nesta edição não será possível reunir presencialmente no monumento as pacientes em tratamento, o evento contará com uma ação online pelas plataformas da Laço, cujo tema este ano é #DoarSalva! Além de uma cerimônia que teve por objetivo celebrar a vida e renovar a fé, a apresentadora Ana Furtado, que recentemente venceu a doença e passou pelo tratamento, esteve presente no monumento e foi a madrinha da campanha pela Fundação Laço Rosa neste ano.

Adriane Galisteu Foto: Mariama Prieto

Uma live musical pós-iluminação aconteceu logo em seguida diretamente do terraço do hotel Fasano, em Ipanema – de lá é possível avistar o Cristo -, com um show da cantora Maria Rita e apresentação de Adriane Galisteu. Foi uma noite calorosa. Maria Rita cantou músicas do repertório de sua mãe, Elis Regina. A cantora também contou que uma de suas melhores amigas teve câncer de mama e dividiu ali momentos que emocionaram a todos. Foi a primeira vez na história do hotel Fasano, que a icônica piscina de borda infinita deles ficou totalmente rosa, e permanecerá durante todo o mês de outubro. A live contou ainda com a participação em depoimento de famosas como Adriana Esteves, Cláudia Raia, Fernanda Motta, Ingrid Guimarães, Flávia Alessandra, Maria Fernanda Cândido, Sheron Menezzes e Heloísa Périssé. Vinícius Belo foi o relações públicas responsável pelo evento.

Daniela Oscar (Vice Presidente Laço Rosa), Ana Furtado (Madrinha), Marcelle Medeiros (Presidente Laço Rosa). Credito Daniel Enbending

“A pandemia escancarou a fratura exposta que vivemos diariamente na saúde brasileira e acordou a sociedade para a importância do terceiro setor no dia a dia do país. Nunca antes na história do Brasil tivemos tantas doações financeiras ajudando as pontas mais vulneráveis e esse é um movimento que não tem mais volta. Doar precisa estar na cultura da população porque vimos que #doarsalva. Por isso lançamos esse movimento e convidamos todos que puderem para doar e arrastar outras pessoas pelo exemplo. Também lançamos o “selo rosa” para as empresas comprometidas com a Laço Rosa. O câncer não vai esperar a COVID passar e os números que já eram feios, agora são mais alarmantes. Mais do que nunca, é necessário e urgente que todos ajudem a salvar vidas!”, alerta Marcelle Medeiros, presidente da Fundação Laço Rosa.

Maria Rita. Credito Mariama Prieto