Categorias
Brasil Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Em semana com pico de mortes, primeiras vacinas produzidas no Brasil são entregues pela Fiocruz

Essa foi mais uma semana de recordes de casos e mortes por causa da covid-19 no Brasil. No pior momento da pandemia, o país registrou média móvel de 2.096 óbitos, a maior desde a chegada da doença, há um ano. O pior dia da pandemia até agora foi na última terça-feira (16), quando atingimos um pico numa antes observado de 2.798 mortes em 24h. A boa notícia é que Fiocruz entregou ao governo os primeiros lotes produzidos em território nacional da vacina Oxford/AstraZeneca.

As vacinas foram fabricadas em Bio-Manguinhos, no Rio. O lote foi produzido a partir do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) importado. A Fiocruz entregou 1,080 milhão de doses produzidas no Brasil.Em março, serão entregues outras 3,8 milhões de doses da vacina. A expectativa da Fiocruz é chegar até o fim do mês com uma produção de cerca de um milhão de doses por dia.

Segundo a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, a partir de abril, serão produzidas mais de 20 milhões de doses mensalmente. Já o diretor de Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma, afirmou que estão previstas entregas semanais em torno de 6 milhões de doses a partir de abril. “A gente deve seguir nesse ritmo até concluir os 100,4 milhões de doses previstas no contrato de encomenda tecnológica com a AstraZeneca. A expectativa é que as últimas doses deste contrato sejam entregues até julho deste ano”.

Outra boa notícia é que o governo federal assinou contratos com as farmacêuticas Janssen (do grupo Johnson & Johnson) e Pfizer que preveem, ao todo, a entrega de 138 milhões de doses de imunizantes contra a Covid – 100 milhões da Pfizer e 38 milhões da Janssen. Com os acordos com as empresas, o Ministério da Saúde ainda afirmou que já tem contratadas para 2021 a compra de 562 milhões de doses de vacinas.

Além disso, o Instituto Butantan entregou na sexta-feira (19) mais 2 milhões de doses CoronaVac ao Ministério da Saúde. O governo brasileiro também está cobrando da União Química documentação para autorização emergencial da vacina russa Sputnik V.