Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Política Rio

Light reforça equipe para evitar falta de energia na virada do ano

A distribuidora de energia Light montou esquema especial para o réveillon 2022 a fim de assegurar o fornecimento de energia para os cariocas, apesar das restrições impostas pela pandemia da covid-19. Na noite do dia 31, a companhia contará com cerca de 400 profissionais, sendo 30 deles atuando nos locais onde acontecerão as queimas de fogos. Equipes de emergência estarão na Praia de Copacabana, Barra da Tijuca, Recreio, Flamengo, Ilha do Governador, Piscinão de Ramos, Bangu, Praia de Sepetiba, Parque Madureira e a Igreja da Penha.

A empresa informou que realizou mais de mil inspeções nas linhas de distribuição no ano de 2021, além do monitoramento preventivo em todas as subestações. As redes elétricas que abastecem os principais locais de festividade pela cidade também foram inspecionadas. Geradores em stand by serão instalados em pontos estratégicos para atender a eventuais ocorrências.

Para garantir as festas com segurança é preciso estar atento a alguns cuidados. Nesta época do ano, é comum a prática de soltar balões. As 463 ocorrências de objetos sobre a rede, incluindo os balões, já causaram interrupções no fornecimento de energia para mais de 350 mil clientes e poderiam ter afetado quase 2 milhões de consumidores, se não fosse a atuação da empresa durante o ano.

Além dos balões, a empresa também faz um alerta para os riscos de acidentes e interrupções ao soltar fogos de artifício próximo à rede elétrica. Caso sejam usados para anunciar a chegada de 2022 os fogos devem ser utilizados com uma série de cuidados.

O gerente de Manutenção da Light, Bruno Almeida, deixa um recado importante para a população que costuma usar os artefatos em suas festas de fim de ano. “Os riscos relacionados ao uso dos fogos de artifício próximos à rede podem ocasionar acidentes e falta de luz. Para não deixar de celebrar as festas com segurança todo cuidado é fundamental”.

O Corpo de Bombeiros inicia, na tarde desta sexta-feira (31), a Operação Réveillon, com cerca de 300 militares atuando nas principais áreas de concentração de público em todo o território fluminense. Na capital, o reforço se concentra nos locais definidos pela prefeitura com queima de fogos. O objetivo é diminuir o tempo para o atendimento aos incidentes que porventura ocorram nas imediações da orla da Praia de Copacabana ou nos nove outros pontos da cidade onde haverá queima de fogos.

Os bombeiros estarão organizados em grupos de intervenção rápida para atendimento à população. Quem for assistir ao espetáculo de fogos conta, ainda, com os profissionais de plantão nas unidades operacionais. As áreas que fazem parte do planejamento são: Copacabana, Flamengo, Ilha do Governador, Piscinão de Ramos, Igreja da Penha, Parque Madureira, Bangu, Barra da Tijuca e Sepetiba, na capital, além de Macaé, no norte fluminense  e Cabo Frio, na Região dos Lagos.

De acordo com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Leandro Monteiro, “embora não estejam agendados shows na praia de Copacabana, por exemplo, estão previstas 25 torres de som ao longo da orla. Nossas unidades estão preparadas para esse reforço na segurança em virtude do impacto que os festejos pela data causam às vias públicas, redes hoteleiras e pontos turísticos”.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Economia Notícias

Senado aprova marco legal da geração de energia de fontes renováveis

Da Agência Brasil

O Senado aprovou o projeto que institui um marco legal para a microgeração e a minigeração distribuída de energia. O projeto de lei (PL) trata da modalidade que permite aos consumidores produzirem a própria energia a partir de fontes renováveis, como solar fotovoltaica, eólica, de centrais hidrelétricas e de biomassa. O texto, de origem na Câmara, retorna à apreciação dos deputados.

O texto aprovado no Senado assegura às unidades consumidoras existentes a continuação, por mais 25 anos, dos benefícios atualmente concedidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Essa resolução criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica. Esse sistema determina que a energia ativa injetada por unidade consumidora com microgeração ou minigeração distribuída seja cedida, por meio de empréstimo gratuito, à distribuidora local e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica ativa. O projeto determina as regras que prevalecerão após 2045 e detalha quais serão as normas aplicáveis durante o período de transição.

O texto aprovado no Senado estipula uma transição para a cobrança de encargos e tarifas de uso dos sistemas de distribuição por parte dos micro e minigeradores de energia elétrica. Segundo o texto, até 2045 os micro e minigeradores já existentes pagarão os componentes da tarifa somente sobre a diferença, se positiva, entre o consumido e o gerado e injetado na rede de distribuição, como ocorre hoje.

Segundo o relator do projeto, Marcos Rogério (DEM-RO), nesse sistema a unidade consumidora com micro ou minigeração distribuída pode injetar na rede de distribuição a energia elétrica gerada, mas não consumida, e ficar com um crédito de energia para ser utilizado quando seu consumo for superior à sua geração. Ele afirmou que esse tipo de geração de energia está presente em mais de 5.300 municípios. O número de unidades consumidoras que participam do sistema de compensação  ultrapassa 783 mil e a potência instalada alcançou mais de 7.136 kilowatts (Kw).

O texto volta à Câmara, Casa de origem do projeto, por ter sofrido alterações no Senado. Segundo Marcos Rogério, as emendas acatadas “tornam a proposição mais equilibrada, no sentido de garantir que a microgeração e a minigeração distribuída continue se expandindo, atingindo cada vez mais uma camada maior da nossa população, ao mesmo tempo em que torna a repartição de custos mais justa”.

Categorias
Brasil Destaque

Aneel suspende por 90 dias cortes no fornecimento de energia elétrica

A partir desta quarta-feira (25), começa a valer a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de suspender durante 90 dias o corte no fornecimento de energia elétrica dos consumidores residenciais urbanos e rurais e também de atividades essenciais no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (covid-19). O prazo poderá ser prorrogado, casos haja necessidade.

A decisão foi tomada ontem pela diretoria da agência em reunião extraordinária, realizada por meio virtual, e se aplica às distribuidoras de energia elétrica. Além da proibição da suspensão do fornecimento de energia elétrica, a Aneel também autorizou as distribuidoras a suspender o atendimento presencial e determinou que elas tomem medidas para priorizar os atendimentos telefônicos das solicitações de urgência e emergência e intensifiquem o uso de meios automáticos de atendimento ao consumidor.

Ao adotar a suspensão da entrega da fatura impressa, as distribuidoras deverão enviar fatura eletrônica ou o código de barras aos consumidores, por meio de canais eletrônicos ou disponibilizá-las em seu site ou aplicativo.

Já na hipótese de suspensão da leitura do consumo, o faturamento será feito com base na média aritmética do consumo nos últimos 12 meses.