Categorias
Destaque Diário do Rio Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

Biólogos acham planta do Rio não vista há 39 anos e outra também ameaçada de extinção

Por Alan Alves

Biólogos do Rio de Janeiro fizeram importantes descobertas botânicas em 2021 relacionadas a duas plantas exclusivas do estado que estão criticamente ameaçadas de extinção. Um delas, a Chionanthus fluminensis, ou Azeitona da Mata Atlântica, foi localizada esta semana no Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset), em Niterói. Outra espécie, a Pleroma hirsutissimum, pertencente à família das quaresmeiras e que não era vista na natureza desde 1982, foi achada em fevereiro no Parque Estadual da Costa do Sol, Região dos Lagos.

As descobertas são fruto de um projeto que busca proteger espécies ameaçadas e que não contam com instrumentos de conservação.

A Azeitona da Mata Atlântica foi vista no Costão de Itacoatiara por equipes do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica (PAN) e da unidade de conservação, administrado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Caracteriza-se como uma árvore ou arbusto de cerca de três metros de altura, com folhas de cabo curto. Suas flores são claras (creme) e o fruto azulado, quase negro. A planta só é vista na cidade do Rio e em Niterói.

Azeitona da Mata Atlântica foi encontrada em parque de Niterói. (Foto: Divulgação/Governo do Rio)

“A espécie pertence à família da azeitona que comemos e só ocorre na Mata Atlântica, o que explica a razão de a batizarmos popularmente de Azeitona da Mata Atlântica. Ainda serão feitos estudos para descobrirmos se o seu fruto é comestível, pois pode ser que tenha alguma propriedade de relevância científica”, explica a consultora coordenadora do PAN para a WWF-Brasil e Seas, Inara Batista.

Para buscar a espécie, as equipes fizeram levantamento em herbários, coleções de plantas identificadas, para identificação das localidades de ocorrência. Descobriu-se que a única unidade de conservação do estado que tem registro da planta é o Parque Estadual da Serra da Tiririca.  Em outubro de 2020, foi realizada uma expedição de campo ao parque administrado pelo Inea, onde um exemplar da planta foi encontrado no final da missão. Depois, novos exemplares foram identificados, desta vez com frutos. As unidades encontradas foram encaminhadas para o Horto Florestal de Guaratiba, do Inea, onde foram iniciados estudos para a produção mudas.

Descoberta após 39 anos

Já espécie Pleroma hirsutissimum, que não era vista há 39 anos, foi achada na unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) na Região dos Lagos. A identidade da espécie, que só ocorre em Cabo Frio, foi confirmada pelo pesquisador do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio Paulo Guimarães.

A planta pode atingir um metro de comprimento, tem muitos pelos e, quando desabrocha, exibe belas e exuberantes flores roxas. “Este achado é de extrema relevância para a flora do estado do Rio, uma vez que, quando redescobrimos uma planta, podemos promover ações diretas em prol da conservação da espécie”, destaca Inara.