Categorias
Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Política Saúde

Marcelo Queiroga é o 4º a assumir Ministério da Saúde em meio a pandemia

O nome do médico cardiologista Marcelo Queiroga foi anunciado nesta semana como o quarto ministro a assumir o Ministério da Saúde durante a pandemia da covid-19. E a missão não será das mais fáceis: caberá a ele conduzir a pasta em meio ao pior momento da doença no país. Ele foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 15 de março e assume a vaga deixada pelo general Eduardo Pazuello — desde o começo da pandemia, há um ano, também passaram pela pasta os médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. A nova troca no comando do ministério acontece por pressão de aliados e pela queda na aprovação do presidente, motivadas pelas críticas sobre a má gestão da pandemia.

Em seus discursos, Queiroga já recomendou uso de máscara e higienização das mãos como forma de prevenir a covid-19 e disse que o país vai conseguir reduzir as mortes com políticas de distanciamento social. Ele afirmou que sua gestão vai trabalhar para conseguir homogeneizar a conduta assistencial no tratamento da covid-19 no país.

Só que ao mesmo tempo em que trouxe um discurso apontando novas estratégias para combate a pandemia, também afirmou que dará continuidade ao trabalho de Pazuello, que obedeceu Bolsonaro durante toda a passagem pelo Ministério e cuja conduta virou alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) — a investigação foi aberta no fim de janeiro, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), para apurar a conduta dele em relação ao colapso do sistema de saúde de Manaus, onde dezenas de pacientes morreram por falta de oxigênio hospitalar.

“O governo está trabalhando. As políticas públicas estão sendo colocadas em prática. O ministro Pazuello anunciou todo o cronograma da vacinação. A política é do governo Bolsonaro. A política não é do ministro da Saúde. O ministro da Saúde executa a política do governo. O ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias do Brasil e eu fui convocado pelo presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho”, disse.

Natural de João Pessoa (PB), Marcelo Queiroga se formou em medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Ele fez especialização em cardiologia no Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro. Sua área de atuação é em hemodinâmica e cardiologia intervencionista e, atualmente, atua como presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Queiroga foi a segunda opção de Bolsonaro. A primeira seria a médica Ludhmila Hajjar, mas ela recusou o convite por discordar da forma como o governo conduz a política de saúde na pandemia — ela é defensora de um amplo e eficaz sistema de vacinação e, ao contrário de Bolsonaro, não é favorável ao tratamento com cloroquina.

Com o anúncio de Queiroga, o processo de transição no Ministério da Saúde deve durar entre uma e duas semanas, prevê o governo. “Ele é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Já o conhecia há alguns anos então não é uma pessoa que tomei conhecimento há poucos dias, e tem, no meu entender, tudo para fazer um bom trabalho dando prosseguimento em tudo que Pazuello fez”, disse Bolsonaro.

 

Categorias
Brasil Destaque

Contrato para 10 milhões de doses da Sputnik, vacina russa contra a Covid-19 é assinado pelo Ministério da Saúde

 

O Ministério da Saúde assinou nesta sexta-feira (12) um contrato para a compra de 10 milhões de doses da Sputnik V, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo instituto russo de pesquisa Gamaleya. Ela ainda não tem autorização para uso no Brasil. Os desenvolvedores firmaram parceria com a farmacêutica brasileira União Química. De acordo com o ministério, a União Química afirmou que pretende fabricar o imunizante em São Paulo e no Distrito Federal.

De acordo com resultados preliminares publicados na revista científica “The Lancet”, a vacina Sputnik V teve eficácia de 91,6% contra a doença. A eficácia dela contra casos moderados e graves da doença foi de 100%. A vacina é a quarta a ter resultados publicados em uma revista, depois de Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca e Moderna. Quando isso ocorre, significa que os dados foram revisados e validados por outros cientistas.

 

Cronograma previsto pelo ministério:

*400 mil doses até o final de abril

*2 milhões no fim de maio

*7,6 milhões em junho

Categorias
Destaque Educação Notícias do Jornal

Contagem regressiva para o Enem

 

Faltam poucos dias para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas os estudantes ainda têm um tempinho para tirar aquelas dúvidas pendentes e reforçar os estudos. E eles podem recorrer a diversos conteúdos online disponibilizados gratuitamente para isso. Nessas plataformas é possível realizar cursos de reforço, assistir videoaulas, fazer simulados, aprender por meio de jogos educativos e também acessar as provas anteriores do exame.

Em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19), as provas do Enem 2020 foram adiadas serão realizadas nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021 (versão impressa) e em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021 (versão digital).

Ao todo, 5.783.357 inscrições foram confirmadas. Além da redação, o exame tem 45 questões em cada prova das quatro áreas de conhecimento: linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e matemática e suas tecnologias.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo Enem, disponibilizou, a partir de cinco de janeiro, o Cartão de Confirmação de Inscrição para o exame, contendo número de inscrição, data, hora e local do exame. O documento poderá ser acessado na Página do Participante.

O cartão também registra se o participante deve contar com atendimento especializado, e se deve ser tratado pelo nome social, caso essas solicitações tenham sido feitas e aprovadas. Apesar de não ser obrigatório, o Inep recomenda que o participante leve o cartão nos dias de aplicação das provas.

 

Uso de máscara e máscara extra

Os estudantes que vão participar do Enem também devem prestar atenção às medidas de prevenção para garantir a segurança sanitária e evitar a contaminação pelo novo coronavírus.

Será obrigatório o uso de máscara durante toda a aplicação do exame. A recomendação é que os candidatos levem outra máscara para trocá-la durante o exame, seguindo as orientações do Ministério da Saúde. Os participantes devem também manter distância uns dos outros.

Além disso, os que forem diagnosticados com covid-19 ou com outra doença infectocontagiosa, como sarampo, rubéola, varíola e influenza humana A e B, terão outra chance de fazer as provas, na reaplicação. O atestado médico poderá ser enviado ao Inep pela página do participante até um dia antes da aplicação. Caso a doença seja confirmada no dia do exame, o estudante deverá entrar em contato pelo telefone 0800 616161.

 

Plataformas gratuitas

Confira abaixo algumas sugestões de plataformas online gratuitas para auxiliar os estudantes a se preparar para a prova.

 

Aplicativo do Enem

É uma ferramenta que transforma qualquer smartphone em uma opção para obter mais informações sobre o exame. O aplicativo tem o simulado oficial do exame.

Lá também é possível visualizar o cronograma da prova, acompanhar a inscrição, acompanhar pedido de isenção de taxa de inscrição, ter acesso aos avisos e às notícias, verificar as perguntas frequentes e as orientações e visualizar a nota e redação de provas anteriores do Enem. O aplicativo está disponível para usuários dos sistemas Android e IOS.

 

Banco de provas do Inep

O Inep disponibiliza todas as provas e os gabaritos do Enem para você estudar pelas questões de edições anteriores, além de um simulado oficial no aplicativo do exame.

Também disponibiliza a Cartilha do Participante – Redação no Enem que traz para o participantes dicas de como estruturar seu texto e explicações sobre a correção e os critérios usados na distribuição dos pontos.

O Inep também possui plataformas para estudantes que utilizam a Língua Brasileira de Sinais (Libras), onde é possível acessar todas as questões das provas passadas em Língua Brasileira de Sinais. O canal do Youtube do Inep também possui outros conteúdos em Libras..

A Cartilha do Participante, com orientações sobre a redação, também possui uma versão direcionada à comunidade surda que tem Libras como primeira língua.

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) também disponibiliza uma página com diversas questões do exame.

 

Blog do Enem

O site traz conteúdos dedicados ao Enem, com simulados, apostilas, dicas para redações, aulas gratuitas, entre outros conteúdos.

 

Cursos Aperfeiçoamento da Capes

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) disponibiliza cursos de aperfeiçoamento, em ambiente virtual, nas áreas de Matemática, Português, Tecnologia e Comunicação.O objetivo é complementar ou aperfeiçoar a formação do participante. Quem se inscrever e cumprir as 60 horas de carga horária, receberá um certificado de conclusão do curso de aperfeiçoamento.

Além destas plataformas, outros sites também disponibilizam conteúdos de maneira gratuita. Como o site Super Vestibular, Fundação Getúlio Vargas, Sistema Positivo de Ensino (YouTube) e plataforma Resolve Sim, elaborada pela Estácio e a Eleva Educação).

 

Sabedoria e calma na preparação final

Leonardo Chucrute

Professor de matemática e diretor-geral do Colégio e Curso Progressão

Estamos a poucos dias da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e nesse momento, o candidato deve estar atento aos sentimentos como insegurança, medo e ansiedade. É natural se sentir assim, até porque a pandemia trouxe novos desafios.

Alguns estudantes estão desanimados por conta de alguma dificuldade encontrada nos estudos ou pela falta de ritmo dos anos anteriores. Porém, lamentar-se não irá ajudar. É fundamental que possa focar no que conseguiu aprender, apesar das adversidades. Busque ainda ser positivo e tenha certeza de que dará o seu melhor na prova.

Professor Leonardo Chucrute Foto: Arquivo Pessoal

Pais, seus filhos necessitam de compreensão. Então, cobranças exageradas só pioram a situação. Devemos cobrar de nossos filhos, mas isso deve ser feito com sabedoria. Sempre aconselho que devemos repreender e ao mesmo tempo dar carinho. Sejam parceiros e estejam prontos para ouvir.

Observem se seus filhos estão dormindo bem. Os médicos orientam ter oito horas de sono por dia. É essencial ter qualidade de sono. Atentem-se também à alimentação, pois ela influencia no bom rendimento. Incentivem que comam alimentos saudáveis e que não sejam pesados, até para não correr o risco de passar mal no dia da prova.

Candidato, nessa reta final treine a redação, interpretação de textos e faça uma revisão rápida, tendo em mente os conceitos básicos de cada matéria. Lembre-se: o Enem é diferente de outros exames  e 80% da prova é leitura e interpretação. Também indico que tenham calma e tranquilidade para fazer o exame.

Na hora da prova, tente esquecer as dificuldades e foque nesse momento. Mentalize-se aprovado e sinta essa sensação. Acredite em você e perceba que o exame é uma oportunidade para mudar o seu futuro. O pensamento positivo tem poder. Acredite e você vai chegar lá.

Por: Claudia Mastrange

Categorias
Destaque Mundo

Reino Unido já começou a vacinar sua população contra a Covid-19

Enquanto o Brasil ainda espera um avanço em relação às vacinas contra a Covid-19, o Reino Unido já começou nesta terça-feira (8) a vacinar sua população com a vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer e da empresa alemã de biotecnologia BioNTech. Margaret Keenan, de 90 anos, foi a primeira a receber a dose e foi bastante festejada na saída do hospital de Coventry, na região central da Inglaterra.

A vacina Pfizer/BioNTech apresentou eficácia de 95% na prevenção à Covid -19, segundo estudos da fase 3 dos testes do imunizante. Os resultados foram apresentados em novembro. Não houve efeitos colaterais graves nos voluntários. Ela é uma das quatro vacinas que estão sendo testadas no Brasil, que ainda não tem acordo para adquirir o imunizante.

Na última segunda-feira (7), o Ministério da Saúde divulgou uma nota na qual informou que deve assinar nesta semana o memorando de intenção de compra de 70 milhões de doses da vacina produzida pelas empresas norte-americana e alemã. Segundo a nota do governo brasileiro, as negociações “avançam” e a vacina deve ser fornecida em 2021.

Categorias
Brasil Destaque

Enem disponibilizará salas especiais para grupo de risco

 

O Enem de 2020 será em um contexto diferente por conta do momento que o mundo vive. Para evitar aglomeração nos locais de prova, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) anunciou uma série de medidas preventivas contra a Covid-19. Os estudantes do grupo de risco ficarão em uma sala específica, havendo ampliação dos pontos de aplicação do exame.

A ocupação das salas deve ser de, aproximadamente, 50% da capacidade original de onde os participantes realizarão a prova, de acordo com o Inep. A previsão para este ano é de 205 mil salas em 14 mil pontos de aplicação, um aumento se comparado com a edição anterior. Em 2019, o Enem foi aplicado em 145 mil salas, em cerca de 10 mil locais de prova

As provas do Enem 2020 estão marcadas para os dias 17 e 24 de janeiro de 2021 (versão impressa) e 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021 (versão digital). Além do número reduzido de pessoas por ambiente de aplicação, uma sala especial, com o limite de até 12 pessoas, será destinada aos participantes que, segundo o Ministério da Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são mais vulneráveis à Covid. O Inep informa que esses perfis já foram identificados na base de inscritos e, assim, alocados nas salas especiais.

Algumas medidas de segurança foram implementadas para o Enem 2020, como a disponibilização de álcool em gel aos participantes e a obrigatoriedade do uso de máscara durante a prova. Todos poderão levar mais de uma máscara para troca ao longo do dia, elas serão verificadas pelos fiscais para evitar possíveis infrações, respeitando a distância recomendada.

Os Profissionais que vão trabalhar nos dias de prova, entre aplicadores, fiscais e demais colaboradores, também estão sendo capacitados por meio de cursos à distância, para se adequarem às medidas de segurança sanitária.

Categorias
Brasil Destaque

O papel das tecnologias no combate à segunda onda da Covid-19

Após a comprovação do aumento de casos na Europa nos últimos meses e volta do lockdown em diversos países do continente, é a vez do Brasil encarar a crescente de infectados e uma provável segunda onda da pandemia da Covid-19. Diferentemente da primeira – que nunca cessou de fato, dessa vez estamos um pouco mais preparados e adaptados ao isolamento social e às tecnologias que fizeram com que não precisássemos nos expor em idas ao mercado e, inclusive, ao médico.

Cadu Lopes, CEO da Doctoralia (https://doctoralia.com.br), maior plataforma de agendamento médico do mundo, explica como funcionam as tecnologias que facilitaram a vida de profissionais e pacientes durante o primeiro ápice da pandemia e como elas seguem sendo importantes para a segunda onda e, inclusive, no pós-pandemia.

Telemedicina

A ferramenta é destaque desde março de 2020, quando seu exercício foi autorizado e regulamentado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde como medida emergencial. Com ela é possível realizar consultas sem sair de casa, com diversos profissionais de saúde, e obter diagnósticos precisos sem necessidade de exposição em uma clínica ou hospital, os ambientes mais temidos pela população em 2020.

Por ter sido aprovada às pressas, muitas pessoas ficaram receosas e estranharam esse formato de consulta. Porém, oito meses depois, a aderência comprova a eficácia dessa ferramenta que já era estudada e esperada pelo sistema e profissionais de saúde brasileiros há alguns anos.

Na Doctoralia já são mais de 500 mil teleconsultas realizadas desde a liberação e 15 mil profissionais de saúde atendendo via plataforma nessa modalidade.

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP)

Longe de ser novidade, o PEP é uma ferramenta bem disseminada em clínicas e hospitais ao redor do país, mas que ainda necessita de melhorias e aprimoramento para abrigar de maneira prática e integrada as informações de saúde dos milhões de brasileiros. Seu objetivo é que toda e qualquer informação útil sobre o histórico médico do paciente, independente do hospital e localidade do Brasil em que ele vá utilizar o serviço de saúde, esteja disponível. Aprimorando diagnósticos e evitando repetição desnecessária de exames, por exemplo.

Prescrição eletrônica

Recomendada pelos mais importantes órgãos de saúde do Brasil, Anvisa, Ministério da Saúde, Conselho Federal de Medicina e Conselho Federal de Farmácia, está diretamente ligada às tecnologias anteriormente citadas. É um diferencial no prontuário eletrônico e a conclusão da telemedicina.

Um benefício principalmente ao paciente, não só por nos poupar da temida “letra de médico”, mas por evitar a necessidade de exposição quando há prescrição de medicamentos controlados, principalmente para os idosos. Hoje, as grandes redes de farmácia aceitam prescrição eletrônica para o delivery de remédios. É outra realidade que esperamos manter no pós-pandemia.

Categorias
Saúde

Saiba mais sobre o polêmico uso da cloroquina em pacientes com covid-19

Da Redação

Em meio à polêmica sobre o uso da hidroxicloroquina para tratar pacientes com o novo coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu suspender os estudos com a droga. Segundo a organização, o objetivo é reavaliar sua segurança antes de retomar as pesquisas.

A decisão ocorreu depois de a revista científica Lancet ter publicado pesquisa com 96 mil pessoas internadas com coronavírus em 671 hospitais de seis continentes, mostrando que o uso de hidroxicloroquina e cloroquina estava ligado a um risco maior de arritmia e de morte. Cientistas de universidades como Harvard (EUA) e Heart Center (Suíça), responsáveis pelo estudo, também constataram que não houve benefício no uso das drogas após o diagnóstico de covid-19.

Nos últimos dois meses, a OMS vem coordenando o estudo internacional Solidarity em 18 países para avaliar a segurança e a eficácia de diferentes drogas para combater o coronavírus. Além de hidroxicloroquina, medicamentos como cloroquina, remdesivir, lopinavir com ritonavir e essas duas drogas combinadas com interferon beta-1a estão sendo testados.

De acordo com a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, a suspensão dos estudos sobre a hidroxicloroquina foi feito por precaução, devido ao fato de o estudo da Lancet ter sido feito com um número expressivo de pacientes e após questionamentos feitos por agências de saúde de vários países.

Segundo ela, será feita uma revisão e o conselho do Solidarity, formado por dez dos países participantes ─ o Brasil não faz parte da lista ─ vai decidir, nas primeiras semanas de junho, se retoma ou não os estudos com a droga. Seja qual for o resultado, a OMS diz que, por enquanto, cloroquina e hidroxicloroquina só devem ser usadas em experimentos, em hospitais e sob supervisão médica.

O estudo publicado na Lancet é um dos maiores já publicados. As descobertas são semelhantes a de outras pesquisas divulgadas nas revistas médicas BMJ, Jama e New England Journal of Medicine. Todas não apontaram benefício e mostraram possíveis danos no uso desse medicamento.

E no Brasil?

Mayra Pinheiro

Apesar da decisão da OMS, o Ministério da Saúde brasileiro decidiu que vai manter as orientações que ampliam o uso da cloroquina. Em maio, o órgão, após determinação do presidente Jair Bolsonaro, alterou o protocolo vigente para permitir que o medicamento seja usado também por pacientes com sintomas leves do novo coronavírus. Até então, seu uso era restrito a pacientes graves e críticos e com monitoramento em hospitais.

A médica Mayra Pinheiro, secretária de gestão em trabalho na saúde e coordenadora da elaboração do protocolo, informou, em 25 de maio, que o governo seguirá as diretrizes do documento. “Ela [recomendação do Ministério da Saúde] segue uma orientação feita pelo Conselho Federal de Medicina que dá autonomia para que os médicos possam prescrever essa medicação para os pacientes que assim desejarem. Isso é o que vamos repetir diariamente. Estamos muito tranquilos a despeito de qualquer entidade internacional cancelar seus estudos com a medicação”, disse.

Pinheiro também falou que o estudo da Lancet, na qual a OMS se baseou para tomar sua decisão, “não se trata de ensaio clínico, é apenas um banco de dados coletado de vários países. Isso não entra como critério para servir como referência a nenhum país do mundo”, disse.

“Nesses estudos, a forma de seleção dos pacientes, onde não havia uma dose padrão, uma duração padrão e medicação padrão para que possa ser considerado como ensaio clínico, nos faz refutar qualquer possibilidade de usar como referência para o Brasil recuar na sua orientação”, acrescentou.

Pinheiro destacou ainda que a decisão do Ministério da Saúde segue princípios de autonomia para pacientes. Mas ressalvou que o órgão pode rever sua posição se houver novos resultados de estudos. “Estamos conduzindo pesquisas, e o próprio ministério ajudará na condução de ensaios clínicos. E se constatarmos que não há uma comprovação, podemos recuar da nossa decisão”, disse.

Além de Bolsonaro, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também é um ferrenho defensor da hidroxicloroquina e chegou a dizer que tomava uma dose diária do medicamento como forma de prevenção. No entanto, declarou depois que deixaria de fazer uso da droga. (com informações da BBC Brasil)

Categorias
Saúde

Ministério da Saúde faz levantamento sobre saúde mental do brasileiro

O Ministério da Saúde começou um levantamento para avaliar a saúde mental da população durante o pandemia do novo coronavírus. O questionário está disponível na internet para que as pessoas respondam como se sentem diante de todo o processo que envolve o enfrentamento da pandemia. O objetivo é rastrear a existência de depressão, ansiedade e estresse na população brasileira e, posteriormente, subsidiar políticas públicas nas unidades de atenção psicossocial.

O questionário pode ser respondido até 15 de maio. A primeira parte consiste em um levantamento sociodemográfico, seguido de instrumentos de avaliação da saúde mental. O preenchimento leva em torno de 15 minutos. “Essa investigação trata-se de um rastreio dos principais transtornos mentais, que podem surgir em indivíduos, diante do cenário da pandemia mundial e, neste momento, em que muitos se encontram em distanciamento social. Estamos utilizando um questionário estruturado, com instrumentos validados no Brasil para detecção de ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático”, explica a coordenadora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, Maria Dilma Teodoro.

As perguntas podem ser respondidas por qualquer pessoa, mas também é objetivo da pesquisa avaliar a incidência de transtorno de estresse pós-traumático entre os profissionais de saúde durante a pandemia. As próximas etapas incluem a verificação das alterações nos hábitos da população que possam afetar a saúde mental e avaliar a evolução destes transtornos.

Toda informação será recolhida e tratada de forma codificada e confidencial. Não haverá qualquer divulgação ou comunicação de resultados individuais. Os dados recolhidos serão exclusivamente utilizados para este estudo, não sendo repassados nem divulgados para outras instituições. Apenas os investigadores envolvidos no projeto terão acesso aos seus dados e estão obrigados e sigilo profissional.

Com informações do Ministério da Saúde / Foto: Agência Brasil

Categorias
Destaque Saúde

Dez milhões ainda não se vacinaram contra gripe na segunda fase

Iniciada no dia 16 de abril e com previsão de terminar nesta sexta-feira (8), a segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe atingiu apenas 36% do público-alvo. Segundo o Ministério da Saúde, a meta era de 90%.

Faltam ainda cerca de 10 milhões de pessoas do grupo prioritário pretendido pela campanha para esta fase, focada em povos indígenas, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivos, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Primeira fase

Na primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação, dirigida a idosos com 60 anos ou mais e a trabalhadores da saúde, mais de 18,9 milhões de idosos foram vacinados, o que corresponde a 90,66% deste público – índice, portanto, acima da meta pretendida pelo governo. No caso dos trabalhadores da saúde, esse segmento registrou 3,8 milhões de profissionais imunizados, o que corresponde a apenas 75,5% da meta.

Profissionais de transporte coletivo (motoristas e cobradores), caminhoneiros e portuários são os que registraram a menor procura na segunda fase da campanha. Até o momento, apenas 467 mil doses foram aplicadas, quando a estimativa era a de vacinar 2,6 milhões de profissionais.

O Ministério da Saúde informou, também, que “motoristas e cobradores, caminhoneiros e portuários devem buscar a vacinação, independente do seu estado ou município de residência, em qualquer serviço público de vacinação, fixo ou móvel, pois transitam em todo o país”.

Terceira fase

A terceira fase da campanha será iniciada na próxima segunda-feira (11). Ela será dividida em duas etapas. Entre 11 e 17 de maio terá, como público-alvo, pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes; e mães no pós-parto até 45 dias.

Na segunda etapa, entre 18 de maio a 5 de junho, serão incluídos professores das escolas públicas e privadas e os adultos de 55 a 59 anos de idade.

Segundo o governo, a exemplo das demais fases, a meta é vacinar pelo menos 90% de cada um desses grupos até o dia 5 de junho, quando a Campanha Nacional de Vacinação se encerra.

Influenza

Até o dia 18 de abril deste ano, foram registrados 1.696 casos de pessoas hospitalizadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave por causa da influenza (gripe) em todo o país. O Ministério da Saúde já contabiliza 163 mortes pela doença.

Do total de ocorrências cuja subtipagem foi identificada, 468 foram casos de influenza A (H1N1), com 66 óbitos; 45 casos e 10 óbitos por influenza A (H3N2), 263 de influenza A não subtipado, com 43 mortes; e 399 casos e 44 óbitos por influenza B.

Com informações da Agência Brasil / Fotos: Reproduções

Categorias
Rio

AGU recorre contra troca da direção de hospital federal no Rio

Termina hoje (5) o prazo dado pela Justiça Federal no Rio de Janeiro, em decisão proferida na quinta-feira (30), determinando que o Ministério da Saúde tome providências quanto ao atendimento de hospitais federais no Rio de Janeiro em meio à pandemia da covid-19. A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu ontem (4) da decisão.

A juíza Carmen Silvia Lima de Arruda, da 15ª Vara Federal no Rio de Janeiro, acusou a direção do Hospital Federal de Bonsucesso de omissão e intimou o Ministério da Saúde a tomar medidas administrativas para substituir o corpo diretivo.

Ela também pediu esclarecimentos sobre compra de material e emprego de pessoal no combate à covid-19 por hospitais federais e das Forças Armadas no estado.

A AGU argumenta que a decisão de exonerar a diretoria do hospital é uma “arbitrariedade judicial”. “O Poder Judiciário invadiu a esfera administrativa e impôs uma obrigação em desacordo com o texto constitucional”, informou a AGU, em nota.

Plano de Contingência

No texto da decisão, a juíza descreve que o hospital de Bonsucesso não apresentou o Plano de Contingência para enfrentamento da covid-19; não esclareceu sobre o deslocamento dos médicos recém formados, em especialização ou em residência médica para auxiliar na atual contenção; e não comprou teste para detecção do novo coronavírus para o corpo funcional, nem adotou qualquer providência para fazer a testagem; e não há previsão de compra de equipamentos de proteção individuais (EPI).

A juíza relata também a existência de 240 leitos de enfermaria e 30 de UTI ociosos por falta de pessoal e um total de 654 profissionais afastados e sem previsão de retorno.

A Ação Civil Pública foi movida pela Defensoria Pública da União (DPU). A assessoria de imprensa do Hospital Federal de Bonsucesso informou que não iria se pronunciar sobre a questão, que está sendo tratada pelo Ministério da Saúde. O ministério foi procurado pela reportagem, mas não se pronunciou.

Com informações e foto da Agência Brasil