Categorias
alimentação Destaque Notícias obesidade Rio Saúde

Rede Educacional Carioca toma medidas contra a obesidade infantil

De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde em junho deste ano, cerca de 3,1 milhões de crianças no Brasil lidam com a obesidade diariamente. Apenas entre os 5 e 9 anos, 13,2% das crianças sofrem com esta doença. Ajudar a combater essa doença é dever, principalmente, dos pais e/ou responsáveis.

No Rio de Janeiro, o Grupo Sinergia Educação, formado pelos colégios CEL e Franco-Brasileiro, ajuda a combater a obesidade infantil com o programa Cantina Saudável.

Falar de alimentação saudável com crianças nunca foi uma tarefa muito agradável na hora de convencê-las a comer verduras e legumes. Para essa função ficar mais prazerosa é fundamental que a família estabeleça uma parceria com a escola para que juntas possamos desenvolver hábitos para serem levados para a fase adulta, melhorando a qualidade de vida dos nossos alunos – explica a nutricionista Carolina Liberato, responsável pelo serviço de Nutrição do CEL.

O programa foi incluído no cotidiano dos dois colégios há 10 anos e, entre outras ações, retirou totalmente os refrigerantes, balas, embutidos, salgados de farinha refinada, mudando o perfil de alimentos açucarados, ricos em sal e gordura para produtos mais nutritivos.

Foi um desafio financeiro e comportamental por parte da comunidade escolar que inicialmente manifestou insatisfação pela mudança mas que atualmente já está acostumada com as opções oferecidas. Toda mudança é difícil no início, mas mudar é preciso. Várias estratégias têm sido adotadas desde então, com o objetivo de oferecermos produtos mais saudáveis, porém de boa aceitação e agregando valor e rentabilidade à escola – acrescenta Luciana Pereira, nutricionista responsável pelo serviço de Nutrição do Franco.

Outra iniciativa do Sinergia Educação em relação ao combate à obesidade infantil foi a implantação do Dia da Fruta.

No início foi bastante complicado, mas, com o tempo e a dedicação dos profissionais envolvidos no processo, que vai desde o pessoal na cozinha que monta as bandejas de frutas que mais parecem uma pintura, tomando o cuidado para não colocar uma fruta do lado da outra que tenha a mesma cor, até as professoras e auxiliares de turma que fazem um trabalho belíssimo de integração com o serviço de nutrição – acrescenta Carol.

A adequação à nova realidade exigiu algumas mudanças na cantina.

Nossos produtos são livres de gordura trans e optamos por achocolatados com baixo teor de açúcar e gordura. Os refrigerantes foram substituídos pelos sucos de frutas em lata e água de coco. Adoraríamos trabalhar com suco de frutas in natura feito na hora, mas o tempo do recreio não favorece. Não se deve comparar uma cantina escolar com uma lanchonete – finaliza Luciana.