Categorias
Cultura Rio Saúde

Prefeitura inaugura posto de vacinação na quadra da portela

 

 

 

Novo ponto funcionará de segunda a sexta-feira. A meta é imunizar 25 mil pessoas da região

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro inaugurou, nesta terça-feira (20), mais um ponto de vacinação (PV) na campanha contra a covid-19 na Zona Norte da cidade: na quadra da Portela, em Madureira. O novo posto irá funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, atendendo aos públicos definidos no calendário de vacinação do município.

Edu Kapps/Ascom-SMS

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, destacou a importância de um PV na região de grande movimento e circulação de pessoas, para ampliar e facilitar o acesso à vacinação dos grupos prioritários.

Nossa expectativa é vacinar 25 mil pessoas do entorno de Madureira e ampliar a capacidade de vacinação da região. A parceria entre a SMS e a Portela permitiu a abertura de mais esse PV, justamente na semana mais importante para a vacinação contra a covid-19 na cidade, quando vamos finalizar a imunização das pessoas a partir de 60 anos, disse Soranz.

O primeiro vacinado do PV da Portela foi Carlos Ribeiro, diretor de destaques da escola de samba de Madureira, que se emocionou ao receber a primeira dose da vacina: “Espero que o enredo deste ano seja comemorando a vacinação para todos”.

Edu Kapps/Ascom-SMS

Calendário de vacinação

Mais de 1,2 milhão pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra covid-19 no Município do Rio, representando cerca de 19% da população carioca e 87,3% dos idosos da cidade. Até o próximo sábado, todas as faixas de idades a partir dos 60 anos terão sido alcançadas pelo calendário de vacinação.

A Prefeitura do Rio tem aplicado as vacinas com o menor tempo possível, com todas as unidades de saúde vacinando intensamente. Estamos perto do índice de 90% dos idosos da cidade vacinados. Esse é o momento de se proteger, porque a covid-19 pode ser muito grave, principalmente para esse público dos idosos. Então, quem conhecer alguém mais de 60 anos que ainda não se vacinou, recomende procurar uma unidade básica de saúde, frisou o secretário de Saúde, Daniel Soranz.

A partir desta terça-feira até o fim da campanha, também poderão receber a vacinação gestantes com comorbidades preexistentes, de qualquer idade, e que tenham recomendação médica para a imunização. Já na próxima segunda-feira, 26 de abril, inicia o atendimento a outros grupos prioritários, incluindo algumas categoriais profissionais, como trabalhadores da educação (pública e privada) e de forças de segurança, sempre com escalonamento por idade, conforme calendário anunciado.

Para quem já tomou a primeira dose, é importante não faltar à data marcada para o recebimento da segunda dose da vacina, sempre na mesma unidade de saúde. O dia do retorno é informado após a pessoa tomar a primeira dose e é anotado a lápis no comprovante de vacinação.

Os calendários oficiais e locais de vacinação contra a covid-19 no município do Rio estão disponíveis no link: https://coronavirus.rio/vacina

Categorias
Rio

Witzel nomeia secretário exonerado da Saúde para novo cargo

Em edição extra do Diário Oficial do Estado, o governador Wilson Witzel (PSC) nomeou ontem (18) o ex-secretário de saúde Edmar Santos para o cargo de Secretário Extraordinário de Acompanhamento das Ações Governamentais Integradas da covid-19. Edmar havia sido exonerado um dia antes, no domingo (17), da Secretaria da Saúde “por falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha para atender as vítimas da covid-19”, segundo o próprio governador.

Edmar Santos era titular da Secretaria quando ela foi alvo, na semana passada, de investigação da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF). A “Operação Favorito” investiga o empresário Mário Peixoto, fornecedor de mão de obra terceirizada nas gestões do ex-governador Sérgio Cabral (MDB), atualmente preso em Bangu 8, e de Witzel, que renovou contratos com o empresário apesar de recomendações técnicas contrárias.

A queda de Edmar veio dias depois da prisão do ex-subsecretário estadual de Saúde Gabriell Neves e de outros integrantes da secretaria, no último dia 7, por suspeita de fraude na compra de respiradores para o combate à covid-19, com pagamento de propinas. Neves estava à frente dos contratos e a investigação aponta que os desvios podem ter retirado aproximadamente R$ 700 milhões dos cofres públicos para o grupo de Mário Peixoto. Em entrevista à Veja, o ex-subsecretário disse que Edmar autorizou todos os acordos emergenciais da secretaria.

As ações de Gabriell Neves dentro da Secretaria de Saúde incluíram também a assinatura de um contrato de quase R$ 900 milhões do governo estadual com a organização social de saúde (OSS) Labas para a implementação de 1.400 leitos em sete hospitais de campanha, segundo levantamento feito pelo blog do jornalista Ruben Berta. O processo foi feito sem seleção pública e sem divulgação no Diário Oficial. Alguns desses hospitais com leitos emergenciais para tratamento da covid-19 ainda não foram entregues, desrespeitando o prazo dos contratos, como é o caso da unidade de São Gonçalo, na região metropolitana, que teve a inauguração adiada no domingo (17).

O avanço das investigações mostra que outros secretários de Witzel podem deixar o governo. Como a influência de Mário Peixoto ia além da área da Saúde, a força-tarefa também encontrou irregularidades na Fundação de Apoio á Escola Técnica (Faetec) e na Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância (Cecierj). Há suspeitas de acordos obscuros também no Departamento de Trânsito (Detran-RJ). Estão na mira das investigações os secretários Lucas Tristão (Desenvolvimento Econômico), Leonardo Rodrigues (Ciência e Tecnologia) e Pedro Fernandes (Educação). Tristão, em particular, é apontado como amigo muito próximo do empresário.