Categorias
Fica a Dica Música Rio

Franco-Brasileiro promove tradicional Festival da Música neste sábado

Foto: Divulgação

Os 24 idosos que vivem na casa de repouso Bela Flor, no Andaraí, vão ter um presente neste sábado, a partir das 15h. A entidade vai exibir o projeto Festa da Música (Fête de La Musique), promovido pelo Franco-Brasileiro e transmitido pelo Youtube do colégio.

A apresentação ficará por conta da professora Heloisa Helena Azevedo, coordenadora de Francês da escola, e da aluna Sophia Dahmouche, da 2ª Série do Ensino Médio. Por conta da pandemia, o evento promovido pelo Franco será virtual.

Esta é uma tradição francesa que trouxemos para o colégio há mais

Foto: Divulgação

de 20 anos. Inicialmente eram apenas músicas francesas. Mas o conceito foi mudando, há algum tempo temos alguns gêneros, mas sempre priorizando o francês. Sempre tentamos trazer músicas francesas atuais, porque sabemos que agrada mais ao nosso público jovem. Ao mesmo tempo, a gente nunca esquece das canções clássicas, que agradam aos responsáveis – explica Heloisa.

A Festa da Música é uma verdadeira celebração à cultura francesa.

Além dos alunos, recebemos nossos professores que são músicos e cantores. Teremos professores e seus filhos cantando, temos uma banda com esses meninos. Quanto aos instrumentos, o violão, piano e a guitarra são, normalmente, os preferidos dos alunos – conta a coordenadora de Francês e organizadora do evento.

O link para acompanhar a Festa da Música é este: https://www.youtube.com/channel/UCquX2i8JG0dK3pFgSz5pF1w

Categorias
Cultura Fica a Dica

Quarta edição do Alafiá Mundo contará com o dançarino Carlinho de Jesus

 

 

O dançarino Carlinhos de Jesus é o convidado da quarta edição do “Alafiá Mundo”, evento internacional que promove o resgate histórico da arte negra e da cultura afro-brasileira. O encontro, será conduzido pela Dra. Helena Theodoro com tradução simultânea em português e inglês, dia 09 de junho, às 19h30, na plataforma Zoom.

Foto: Reprodução

Referência mundial da dança de salão, o coreógrafo nascido em Marechal Hermes e criado em Cavalcanti, bairro do subúrbio do Rio de Janeiro, vai falar dos mais de 30 anos de carreira, paixão e dedicação ao ritmo que ganhou o mundo através da sua representação. O artista foi o pioneiro na campanha pela valorização, respeito e profissionalização do gênero no país.
Para uma das idealizadoras do projeto, Helena Theodoro, Doutora em filosofia (UFG), Mestre em Educação (UFRJ), Pós-Graduação em Tecnologia Educacional – Fundação Konrad Adenauer (Alemanha); Especialista em Cultura Negra e Carnaval a participação do coreógrafo  no “Alafiá Mundo” enriquece a história e a cultura do povo brasileiro: “Vamos falar sobre a sua experiência nas Comissões de Frentes de diversas conceituadas Escolas de samba como: GRES Portela, Porto da Pedra e Mangueira ( por onde ficou onze anos consecutivos).
Dra. Helena Theodoro também vai revelar a história da Comissão de Frente jamais contada nas escolas de ensino tradicional. Já parou para pensar que a ESCOLA de samba oferece uma grande aula para mais 30.000 pessoas ao mesmo tempo?
Ambos tem muito para compartilhar. Carlinhos complementa que o significado da palavra alafiá,  que quer dizer confirmação de algo positivo, reflete o que ele transmite através da dança: “Em cada passo, percorremos diversos caminhos. Em cada giro, viajamos o mundo”.
Juntos Carlinhos, Helena e os participantes do projeto convidam a todos para “Alafiá Mundo!”

Serviço:
Alafiá Mundo
Quando: 09 de junho
Hora: 19h30
Onde adquirir o ingresso: https://linktree.com.br/new/alafiamundo
Instagram: https://www.instagram.com/alafiamundo/

Alafiá Mundo
Surgiu em 2020 no encontro de Jana Guinond (RJ/Brasil), Zakiya Carr Johnson (Atlanta-EUA), e a conteudista Dra. Helena Theodoro ( RJ / Brasil) que acreditam na importância do diálogo entre gerações e transnacionais, com a fé num mundo fraterno, pleno de alianças que ajudam na superação de momentos difíceis como os que estamos vivendo.
A iniciativa promove o resgate das memórias e a valorização do Patrimônio Cultural do Brasil: O Alafiá Mundo no ano de 2020 reuniu através de um encontro online, representatividades como: Martinho da Vila, Selminha Sorriso (Porta-bandeira da GRES Beija Flor), Tia Glorinha do Salgueiro (Presidente da ala das baianas do GRES Salgueiro), Mãe Meninazinha de Oxum, Bira Presidente do GR Cacique de Ramos e Vovô do Ilê Aiyê, Salvador – Bahia.
No ano de 2021, o Alafiá Mundo é composto por Dra Helena Theodoro, Jana Guinond, Kiratiana Freelon e Tainá Almeida que reúne diversas pessoas que compartilham conosco a sua trajetória e conhecimento. E contamos com as presenças de: Dra. Sheila Walker (EUA), Juan Angola Maconde (Bolívia), Lucia Molina (Argentina), Mara Salgado (Chile), Raul Platicon (Colômbia), Fernanda Felisberto, Rubem Confete, Carlinhos de Jesus, Danielle Almeida, Milton Cunha, Dudu Nobre, Lucinha Nobre, Marcos Moura do Amazonas, João Jorge do Olodum, Salvador – Bahia e Awurê (Brasil).
Carlinhos de Jesus

Carlinhos de Jesus
De acordo com o site do artista: www.carlinhosdejesus.com.br são mais de 30 anos dedicados à arte da dança de salão. Foi pioneiro na campanha pela valorização, respeito e profissionalização do gênero no país. A história de Carlinhos de Jesus já virou biografia “Vem dançar comigo”. Morador de Copacabana, sua rotina de trabalho segue o compasso do dois pra lá, dois pra cá em ritmo acelerado. Já foi inúmeras vezes convidado a representar o país no exterior. E o amor pela dança também vem de longe: começou aos 4 anos de idade. Formado em Pedagogia, preferiu a arte para vencer na vida e com toda a certeza não se arrependeu. Ele recebe de braços abertos novos e atuais alunos na sua Casa de Dança Carlinhos de Jesus no Rio de Janeiro e São Paulo.

Foto: Reprodução

Helena Theodoro
Bacharel em Direito e Pedagoga, Mestre em Educação, Doutora em Filosofia, Pós-Doutora em História Comparada. Pesquisadora da história e da cultura afro-brasileira, escolas de samba, religiões e espiritualidade de matriz africana, educação, processos culturais, sexualidade. Foi jurada do Estandarte de Ouro (Jornal O Globo) por vinte e sete anos. Foi Professora Auxiliar da Universidade Estácio de Sá, Coordenadora da Pós-Graduação de Figurino e Carnaval da Universidade Veiga de Almeida, Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB) da FAETEC/RJ e Professora no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFRJ/UFRJ). Tem vários artigos e livros publicados – “Mito e Espiritualidade: Mulheres Negras”, “Os Ibéjis e o Carnaval”, “Caderno de Cultura Afro-Brasileira”, “Iansã, Rainha dos Ventos e Tempestades” e, o mais recente, “Martinho da Vila: Reflexos no Espelho”, em 2019. Atualmente é Presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Elas e Coordenadora do grupo de pesquisa de carnaval LUPA do IFCS/UFRJ.

Para conhecer um pouco mais da obra de Helena na internet, sugerimos seus blog, site e Instagram. Como também seu artigo “Mulheres Negras Sempre Guerreiras” para a Revista da ABPN em que trata das estratégias de resistências desde o combate à escravidão, passando pela violência cotidiana e a força da religiosidade. O texto completo está no link: www.bit.ly/artigohelena

Outros links:
Site – www.historiasdatheodoro.com.br
Blog – www.blogdatheodoro.blogspot.com
Instagram – @helenatheodoro_

Categorias
Educação

Instituto Aromeiazero promove bate-papo sobre Educação ao Ar Livre e Bicicleta

 

 

Live de lançamento do E-book do Rodinha Zero marca o encerramento da Jornada para Multiplicadores 

Ensinar crianças a pedalar, abordando a importância da bicicleta em suas dimensões esportiva, cultural, de transporte, lazer e saúde, contribui para o desenvolvimento integral dos pequenos, colaborando ainda com o acesso à educação e a cidade como um todo.

Para contribuir com esse debate, o Instituto Aromeiazero realizará no dia 25 de maio, às 19h, nas redes sociais, o lançamento do E-book do Rodinha Zero que marca o encerramento da Jornada para Multiplicadores que começou no dia 15 de março e contou com a participação de pessoas de várias partes do Brasil e de Portugal.

A live contará com um bate-papo sobre “Educação ao Ar Livre e Bicicleta” e terá a participação de Carol Padilha, pedagoga e sócio fundadora do Carona a Pé e de JP Amaral, coordenador do programa Criança e Natureza do Instituto Alana. Além disso, serão divulgados os 3 projetos selecionados para receber mentoria do Aro para desenvolvimento dos projetos.

Durante as aulas foram abordadas 5 temáticas: Território Educador; Saúde e Meio Ambiente; Pedalar na Cidade; Rodinha Zero e Cultura da Bike; e Mobilização no Território. Como resultado da jornada, os participantes foram convidados a desenvolver planos de mobilização para colocar em prática os conhecimentos que adquiriram e estes estarão presentes no E-book.

Trata-se de um material com ideias de como realizar ações com bicicletas em diferentes territórios de forma simples e adaptável para inspirar mais pessoas a utilizarem a bike em seus projetos e organizações.

A formação online e gratuita voltada para educadores, gestores, pais e funcionários de escola, organizações sociais e outros integrantes da comunidade escolar tem patrocínio do Itaú Unibanco, da EDP e apoio do Instituto EDP e fez parte do projeto do Aro, Rodinha Zero que busca incentivar a bicicleta como ferramenta de desenvolvimento integral para crianças de 4 a 11 anos.

Desde 2016, a iniciativa já ajudou mais de 4.200 crianças a pedalar sem rodinhas, em projetos realizados em escolas municipais públicas e também espaços como praças e ruas, encorajando uma nova e consciente geração de ciclistas. O Ebook estará disponível para download de forma gratuita, logo após o evento, na página do Instituto: https://www.aromeiazero.org.br/rodinhazero .

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis.

Para saber mais informações, entre em contato:

Assessoria de Imprensa

E-mail: imprensa@aromeiazero.org.br

Redes Sociais

Instagram: Aromeiazero

Facebook: Aromeiazero

Youtube: Aromeiazero

Categorias
Social Sociedade

Fórum Social Mundial: Justiça e Democracia

Nesta quinta-feira (29) ocorrerá a Live do Fórum Social Mundial: Justiça e Democracia. Confira as informações da Live e onde ela poderá ser assistida:

(Foto: Divulgação)
Categorias
Cultura Fica a Dica Rio

Sarau em Casa Com Vida recebe Muato e Reinaldo Amâncio

Projeto da Casa com a Música promove lives semanais com artistas de diferentes gerações, países e estilos        

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a Secretaria Municipal de Cultura, através da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, apresentam o Sarau em Casa Com Vida, projeto de shows online que promove nesta terça, 9 de março, às 21h, o encontro dos cantores, músicos e compositores Muato e Reinaldo Amâncio. Realizada pela Casa com a Música em parceria com o Sindicato Nacional dos Compositores Musicais, a iniciativa tem o propósito de abrir espaço para a diversidade e a riqueza das manifestações artísticas e é uma extensão virtual do evento Sarau ComVida, paralisado por causa da pandemia de Covid-19. A apresentação é de Robertinha Villas e Ricardo Moreno. 

Muato – Foto: Reprodução

Cantor, ator, diretor e produtor musical, Muato é de Vila Isabel, bairro do subúrbio carioca famoso por revelar ícones da nossa cultura, como Noel Rosa e Martinho da Vila, e iniciou sua trajetória no estudo da música de concerto e tem se destacado pela sua atuação em diversas funções artísticas. Diretor musical de espetáculos teatrais, recebeu o prêmio APTR pela canção de “OBORÓ, Masculinidades Negras”, ao lado de César Lira. A sua linguagem é marcada pela utilização de recursos expressivos, como percussão vocal e corporal e arranjos vocais com sonoridades não convencionais. Fundou a Orquestra de Pretxs Novxs, que estreou em 2019 com o espetáculo “Reza”, realizando as composições, arranjos e direção musical da peça, dirigida por Carmen Luz, além de estar em cena como ator. Atuou em produções aclamadas por público e crítica, como “Andança – Beth Carvalho”, “Cartola – O Mundo é um Moinho”, “Rio Mais Brasil – O Nosso Musical”, “Dona Ivone Lara – Um Sorriso Negro” e “Quando a Gente Ama”. Como produtor musical, foi premiado na Europa pelo Awards Deutscher Rock & Pop Preis 2019, ganhando em sete categorias, entre elas, “Melhor Disco de World Music”, “Melhor Disco de Pop Latino” e “Melhor Arranjo”.  

O seu mais recente trabalho é a série de videoclipes Afrolove Songs ou A Canção Urbana de Amor Política”, exibida no seu canal no Youtube, que expressa o amor dentro do contexto social vivido pela população preta. O single “Nossa História” é o terceiro da sequência e encerra a primeira parte do projeto. Em abril, ele entra numa nova fase: uma série de cinco músicas apresentadas em performances audiovisuais ao vivo com convidados. live session, gravada no Teatro Firjan – SESI, no Centro do Rio de Janeiro, será disponibilizada nas principais mídias digitais de forma gratuita e amplifica a perspectiva, trazendo outros artistas negros para interagirem com as questões abordadas e utilizarem suas expressividades artisticamente. O projeto foi selecionado pelo “Bossa Nova”, programa de fomento à cultura idealizado pela plataforma Benfeitoria e viabilizado pela Lei Municipal de Incentivo do ISS-RJ, com patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Cultura, Globo, Kappamakki, PSR e Rede D’or.

Reinaldo Amâncio – Foto: Reprodução

Natural de Japeri, município da Baixada Fluminense, Reinaldo Amâncio tem a música no DNA. Com pai violonista e mãe cantora, absorveu influências de diversos estilos, como o choro, o samba, o soul, o rock e o baião. Ainda criança, começou a frequentar com o pai os saraus musicais e, aos 15 anos, formou, com amigos, sua primeira banda para participar de festivais, chamada “Flor da Pele”. Na sequência, integrou o grupo “Desaguada”, que mais tarde trocou o nome para “KMD5”. Com o “KMD5”, fez sua primeira gravação, no antigo estúdio Havaí. Participou de muitos projetos e shows no Sesc de São João de Meriti, município onde passou a atuar na animação cultural depois de romper com o KMD5. Passou por diversos conjuntos de samba da Baixada até ser convidado pela nova geração de músicos de Belford Roxo para compor uma banda que carregava o nome “Sou do Beco”, mudando posteriormente para “Cabeça de Nego”.

Essa formação foi mais longe, participando do Rock in Rio e do Free Jazz Festival. Como compositor, coleciona parcerias com nomes como Serginho Meriti, Renato Biguli, Ronnie Marruda e Nilo Romero. Após o aprendizado adquirido em duas viagens à Europa, Amâncio tornou-se um ativista ambiental, tendo lançado dois clipes sobre a causa, “Eu quero plantar” e “Nosso planeta é a nossa casa”, e desenvolvido, em parceria com a escritora e poetisa Ana Carolina, uma iniciativa sustentável para conscientizar as pessoas sobre a importância de cuidar do planeta. Atualmente, está envolvido em um projeto da prefeitura que proporciona atividades artísticas a idosos, transformando a vida de diversas pessoas.

    

Sarau em Casa         

O Sarau em Casa Com Vida realiza lives semanais, sempre às terças-feiras, com o propósito de abrir espaço para a diversidade e riqueza das manifestações artísticas, além abordar temas relevantes para a cultura. É a versão online do Sarau Com Vida, evento por onde já passaram mais de 150 artistas, de nomes de peso da música brasileira, como Jane Duboc, Carlos Dafé, Azymuth, Gerson King Combo, Kiko Continentino, Renato Piau, Mauro Senise e Reppolho, à nova geração, como Abufela, Beraderos, Soul Guanabara, Luciane Dom, ChelleMuato, Nana Kozak e Lílian Bonard.         

Ao longo da transmissão, o público poderá participar com perguntas e comentários. Para assistir, acesse www.facebook.com/casacomamusica

Categorias
Música Notícias do Jornal

Todos os tons e sons de Sandra de Sá

 

São quatro décadas de carreira, muita história e muita música pra cantar É nessa pegada que acontece o “Sandra de Sá – Acústico”. Serão quatro apresentações em formato on-line (live), nos dias 19 e 26 de fevereiro,  05 e 12 de março, com transmissão no canal Verastar. O espetáculo do dia 26 de fevereiro trará ainda uma atração extra: um bate-papo e Sandra de Sá com o público. Uma afetuosa contrapartida cultural porque a cantora, apesar do berço humilde, realizou o sonho de  tornar-se uma artista conhecida  e sua trajetória pode ser incentivo àqueles que almejam realizar desejos que poderiam parecer inatingíveis.

Sandra  é um desses casos raros  que não encontram similares na música brasileira por conta de sua personalidade, potência vocal invejável, e timbre ímpar e inconfundível.  “Acústico”, o novo espetáculo,  foi concebido como um presente para o público que a acompanha desde a consagração conquistada no FESTIVAL MPB-80, da Rede Globo. Recheado de hits,  é uma viagem no tempo . No roteiro musical, canções como “Dançando com a vida”, “Sozinha”, “Vale Tudo”, “Olhos Coloridos”, “Bye, bye Tristeza”,  “Soul de Verão”.

“Sandra de Sá – Acústico” integra a chamada emergencial de Premiação nº 01/2020  “Retomada Cultural RJ” – Lei Aldir Blanc, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (SECEC/RJ). E poderá ser visto pelo link: http://bit.Iy/VerastarProducoes.

Uma trajetória de sucesso

Cantora, compositora e instrumentista, Sandra não ultrapassou quatro décadas de sucesso por mero acaso. Vinda de uma família de músicos,  a artista ouvia de tudo na infância, adolescência, e frequentou alguns dos mais famosos bailes da periferia carioca. Esse mix de sons, ritmos e influências resultaram em uma obra única e apreciada por fãs de todas as idades, credos e cores. Do Brasil e exterior.

Aliás, De Sá,  que conquistou todas as principais premiações nacionais,sendo também indicada a um Grammy Latino. Ano passado, disputando com outros compositores célebres,  teve a honra de ver seu samba-enredo  campeão e de atravessar a Marquês de Sapucai  com a  Mocidade Independente de Padre Miguel, escola que homenageou Elza Soares.

Foto Raissa Forte

Categorias
Cultura Fica a Dica Rio

Batalha do Bem: Rapers, Mcs, Bboys e grafiteiros se reúnem em grande encontro virtual

 

Organizado pelo rapper e produtor cultural Tonny Boss, “Roda Cultural Consciente” pretende unir admiradores da cultura hip hop

No domingo, 14 de fevereiro, às 14h, a internet ficará agitada. É que será apresentada mais uma edição da Roda Cultural Consciente – RO.C.C, que pretende reunir Mcs, Bboys, grafiteiros e djs, em um grande encontro virtual. A proposta é aproximar apaixonados pela cultura hip hop, que poderão batalhar uns com os outros, num duelo do bem, ou mesmo assistir ao embate. A Transmissão ao vivo acontece no youtube: https://www.youtube.com/channel/UCYDGCQ0-3XYd3S2x_RlHCLQ

Apresentada pelo rapper e produtor cultural Tonny Boss, profissional que  além de trabalhar há mais de 10 anos com atrações da cultura Hip Hop, tem longa bagagem com projetos sociais de aulas de basquete na Zona Oeste carioca, o formato da batalha, reunirá em um local físico, apenas os participantes da batalha, respeitando as normas de segurança do Ministério de Saúde. A plateia, assistirá de forma virtual, podendo votar em seu preferido, através de emojis no Youtube do organizador. A contagem dos votos será feita ao final das disputas, anunciando os vencedores. E, quem deseja batalhar, ainda há tempo, basta se inscrever pelo youtube do organizador Tonny Boss.

Como atrações convidadas, o público contará com renomado rapper Ramonzin, com grandes sucessos como “A Se Ela Soubesse”, e a djs Dinna Groove embalando a pista e as batalhas de bboys. Haverá sorteios de prêmios aos participantes que responderem as perguntas que serão lançadas ao longo do evento. Já o ganhador das batalhas receberá uma premiação em dinheiro e uma tatuagem.

Tonny, idealizador do projeto, conta que sente saudades das grandes rodas culturais, mas, não desanima. Para ele o formato virtual também é valido, pois proporciona ainda mais possibilidades de alcançar novos públicos, que poderiam ter dificuldades, se o evento fosse físico. Com esta edição virtual, ele pretende mostrar a importância da cultura e da internet, como ferramenta de inclusão social se usadas da maneira correta.

A pandemia baqueou muita gente, e mesmo ainda num cenário de incertezas, precisamos de válvulas de escape pra fugirmos um pouco da angústia, depressão e preocupações causadas pela COVID-19. Nossa preocupação é promover entretenimento, com conscientização da importância de nos cuidarmos, além de reunir os amantes da cultura hip hop.

Tonny revela sempre ter aquele típico friozinho na barriga, antes e durante qualquer produção. E, sentirá falta do calor e energia do público. Mas, acredita que os amantes da cultura hip hop curtiram o formato digital e será de grande valia para a inclusão social, já que o rap, é uma cultura oriunda das periferias, criando conexões entre o artista e o público.

Meu desejo é que a versão digital possa alcançar não só o público da Zona Oeste do Rio, como de outros estados. Será maravilhoso interagir com outros apaixonados pela cultura hip hop. As rodas culturais sempre trazem um pouco de conhecimento, cultura e sabedoria, e muitas ainda são alimentadas por rimas ferozes e cheias de malandragem, brinca, onde o próprio adversário alimenta a criatividade do MC. Espero que o público da cultura urbana se reúna com a gente. Estou ansioso para este evento.

Serviço:

Inscrições para participação e local para  assistir a transmissão ao vivo: https://www.youtube.com/channel/UCYDGCQ0-3XYd3S2x_RlHCLQ

Categorias
Cultura Fica a Dica Rio

Festival Coro na Quarentena começa nesta sexta-feira 29/01

 

Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura, Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc e Corbelino Cultural, apresentam:

FESTIVAL CORO NA QUARENTENA


Projeto criado no início da pandemia como rede solidária de acolhimento e motor para gerar renda para quarentenas mais vulneráveis reúne artistas e profissionais da área de saúde, com nomes como Mel Lisboa, Maria Rezende, Natasha Corbelino, Ramon Nunes Mello, entre outros.

Em 42 lives, com apresentações de teatro, dança, performance, entrevistas e conversas, a ideia é compartilhar criações e arrecadar doações para trabalhadorxs mais afetados economicamente.

As ações do Festival têm como pilares a cultura e a saúde coletiva. Entre cenas, performances, espetáculos, shows, coreografias, filmes e leituras, entrevistas e conversas com profissionais de diferentes áreas serão 42 lives. Haverá, ainda, duas conversas com movimentos sociais parceiros do CORO na quarentena: a “Frente de Mobilização da Maré” e o “Pela Vida de Nossas Mães”, que reúne filhos que se mobilizaram para arrecadar dinheiro para que suas mães empregadas domésticas possam se manter em isolamento seguro. Outra atividade é uma oficina de instrumentalização nos recursos técnicos das plataformas do Instagram e do Zoom como possíveis campos de trabalho na área da cultura. Para finalizar, o projeto inclui a publicação dos “Cadernos de Coro”, com textos críticos sobre as apresentações da programação e registro das memórias do coletivo. “Por meio de parcerias, articulamos uma rede criativa ampla, onde a solidariedade é o motor. Buscamos arrecadação financeira emergencial e através do compartilhamento de conhecimentos para a saúde coletiva em tempos de pandemia. Somos coro para não ser corona”, finaliza Natasha.

Viabilizado com recursos da Lei Aldir Blanc, o primeiro Festival CORO na Quarentena acontecerá num viradão cultural
de 29 a 31 de janeiro com mais de dez lives diárias pelo
Instagram: @coro.naquarentena 

Cada espectador escolhe com quanto quer contribuir, com valores entre R$ 10 e R$ 200. As contribuições são feitas pelo site do Sympla: https://www.sympla.com.br/corona-quarentena-janeiro__1095945

Ficha Técnica

Idealização e articulação: Natasha Corbelino

Elenco: Adriana Schneider Alcure, Allegra Ceccarelli, Ana Fialho, Andréa Cals, Bárbara Abi-Rihan, Camila Rocha, Carmem Gadelha, Claudia Olsieski da Cruz, Diogo Oliveira, Flavia Milioni, Gláucio Gomes, Gricel Osorio Hor-Meyll , Gustavo Acioli, Helena Borschiver de Medeiros, Inez Viegas, Larissa Siqueira, Luci Vilanova, Ludmila Rosa, Maria Rezende, Marina Monteiro, Mel Lisboa, Monique Vaillé, Natasha Corbelino, Patricia de Castro Moreira Dias, Patricia Pinho, Paulo Hamilton Santos Silva, Poliana Paiva, Ramon Nunes Mello, Renato Carrera, Rodrigo Acioli Moura, Silvia Vieira, Suzana Nascimento, Tatjana Vereza, Vini Couto

Direção de Produção: Natasha Corbelino

Produção Executiva: Monique Vaillé

Produção de Base : Waleska Arêas

Assistente de Produção Programação – Apresentações artísticas e Mídias Sociais: Tatjana Vereza

Tradução para Libras: JDL Traduções

Assessoria de Imprensa: Júnia Azevedo – Escrita Comunicação

Programador Visual: Lucas Moratelli

Administração Financeira: Carla Torrez Azevedo

Supervisão da Prestação de Contas: Natália Simonete

Realização: Corbelino Cultural

Serviço

FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
Dias: 29 a 31 de janeiro de 2021

Horários: das 9h às 23h
Duração: cada live terá uma hora de duração

Local: Instagram @coro.naquarentena

Classificação etária: 16 anos
Ingresso: gratuito

Categorias
Cultura

ELIANA PITTMAN Lança Álbum em Show no Teatro Rival Refit com Trasnsmissão ao Vivo pelo YOUTUBE

A convite do Teatro Rival Refit, a cantora e atriz ELIANA PITTMAN faz, no dia 24 de outubro, sábado, transmissão especial do show de lançamento do seu novo álbum, “ONTEM, HOJE E SEMPRE”, que reúne regravações de canções de Vinicius de Moraes, Martinho da Vila, Fito Paez, Chico Cesar, Candeia, Cazuza e Gilberto Gil, entre outros.

Como bônus, há mais oito faixas ao vivo de um show gravado em 1970, em Paris, com repertório de clássicos da música brasileira e Bossa Nova.

“Com este trabalho, festejo com orgulho e gratidão o meu ontem e o meu hoje, que vem a ser o meu sempre”, afirma a cantora.

Trata-se de uma das mais versáteis cantoras da música brasileira, tendo sido a única brasileira a figurar a capa da revista norte-americana Ebony (principal revista daquele país destinada ao público negro).

No imaginário musical de quem viveu os anos 1970, a cantora carioca é a vivaz intérprete de sambas e carimbós que lhe deram fama nacional naquela década áurea, porém a verve internacional herdada por seu pai, o extraordinário saxofonista americano Booker Pittman, fez dela uma das nossas principais cantoras de jazz. Eliana, que gravou dezenas de discos e se apresentou em mais de 30 países, continua sua carreira em plena forma se apresentando em shows solos e de formatos diversificados em projetos especiais paralelos como “Divas do Sambalanço” (ao lado de Claudette Soares e Dóris Monteiro) e “100 anos de Dalva de Oliveira” (ao lado de Agnaldo Timoteo, Marcio Gomes e Ellen de Lima).

Foto: Divulgação

Eliana é filha (adotiva) de Booker Pittman, importante saxofonista e clarinetista de jazz nascido em Dallas (EUA), que migrou para o Brasil a partir dos anos 1930, sendo carinhosamente apelidado de Buca por ninguém menos do que Pixinguinha (1897–1973), que também tocava saxofone, entre outros múltiplos atributos artísticos.

E agora a cantora lança Eliana Pittman Hoje, Ontem e Sempre, disco produzido por Thiago Marques Luiz, que traz como bônus um álbum ao vivo com registros de um espetáculo em Paris, que foi viabilizado quando Marques Luiz soube por Eliana que a cantora tinha no seu acervo particular de fitas de rolo gravações de shows feitos dentro e fora do Brasil nos anos 1960 e 1970. Uma dessas fitas reproduzia o áudio do show feito por Eliana na Cidade Luz. “Este disco é uma dívida que Eliana tem com seu público que não vê um disco inédito desde 1991 e é também uma dívida de seu público para com ela”, relata o produtor Thiago Marques Luiz. “Que eu possa realizar coisas bonitas na minha vida, ajudar as pessoas através do meu canto, trazendo esperança, paz e amor para cada um que escuta o som da minha voz”, finaliza.

Faixa a Faixa:

1 – O Morro Não Tem Vez (Carlos Lyra / Vinicius de Moraes / Tom Jobim); 2 – Gamei (Délcio Luiz / André Renato); 3 – Ex-Amor (Martinho da Vila); 4 – Drão (Gilberto Gil); 5 – Onde Estará O Meu Amor (Chico César); 6 – Até A Lua (Tião Carvalho); 7 – Preciso Dizer Que Te Amo (Dê / Cazuza / Bebel Gilberto); 8 – Preciso Me Encontrar (Candeia); 9 – Yo Vengo A Ofrecer Mi Corazón (Fito Paez); 10 – Tributo à Vaidade (Café / Iran Silva / Carlinhos Madureira).

Bônus – Show Paris 1970 Boate Don Camillo

11 – Aquele Abraço (Gilberto Gil); 12 – Garoto De Ipanema (Tom Jobim / Vinicius de Moraes); 13 – O Pato (Jaime Silva / Neuza Teixeira); 14 – Desafinado (Tom Jobim / Newton Mendonça); 15 – Big Spender (Cy Coleman / Dorothy Fields); 16 – Manhã de Carnaval (Luiz Bonfá / Antônio Maria); 17 – Ponteio (Edu Lobo / Capinan); 18 – Felicidade (Tom Jobim / Vinicius de Moraes).

Além do repertório do álbum, Eliana cantará, no show, sucessos que marcaram sua carreira, como “Das 200 para Lá” e “Mistura do Carimbó”, e prestar uma homenagem a seu pai, o saxofonista Booker Pittman, falecido há cinco décadas.

O show será transmitido do palco do Teatro Rival Refit para o canal da casa no YouTube.

O acesso é gratuito, mas você pode fazer sua doação espontânea.

Link do youtube Teatro Rival Refit

https://www.youtube.com/channel/UCJhwBwkonCUAsd4MYNrbwQQ

 

 

 

Categorias
Cultura Destaque

Carlos Dafé comemora aniversário com live solidária

Um dos pioneiros do movimento da Soul Music brasileira, também chamado de Black Rio, e criador do gênero Samba Soul, o cantor e compositor Carlos Dafé tem usado a sua arte para ajudar de forma mais efetiva quem mais está sofrendo na pandemia. Em julho, o “Príncipe do Soul” (título dado por Nelson Motta na década de 1970) promoveu uma live solidária para arrecadar alimentos para pessoas em situação de rua e artistas em dificuldade com a paralisação da cultura.

Surgiu daí uma grande rede de “Soulidariedade”, como o próprio batizou, com nomes consagrados, como Tony Tornado, Mano Brown, Serjão Loroza, Gerson King Combo (falecido recentemente), Hyldon, Zeca do Trombone e Gabriel Moura, e da nova geração, como Théo Bial. E o movimento tem dado resultado. Entre doações de empresas e do público em geral, foram arrecadados mantimentos, além de roupas e itens de higiene, que garantiram a distribuição de mais de 120 quentinhas e cestas básicas semanais durante três meses.

No dia do seu aniversário de 73 anos, 25 de outubro, Dafé realiza mais uma live solidária, às 14h. Acompanhado da banda Malandro Dengoso, ele fará uma viagem pelo seu repertório e por outros clássicos da soul music brasileira. A noite também será recheada de histórias da sua convivência com grandes ícones, como Tim Maia, Roberto e Erasmo Carlos.

Foto: Carlos Dafé

Em paralelo, segue em curso uma campanha de financiamento coletivo para manter o projeto pelos próximos meses, levando um fim de ano um pouco melhor a quem mais necessita. Para contribuir acesse: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/forca-na-caminhada-carlos-dafe 

“A pandemia afetou toda a cadeia produtiva da música e tem sido devastadora para diversos artistas, que ficaram privados de conseguir seu sustento com a quarentena. Sem shows, arrecadações de direitos autorais e bilheterias, a imensa maioria não está conseguindo virar esse jogo com outros meios, como as lives, por exemplo. Já as pessoas em situação de rua vivem um desalento ainda maior do que o enfrentado antes disso tudo. Estão encarcerados na solidão das ruas, passando fome e expostos a todo tipo de perigo. O nosso propósito é fazer a diferença nesse momento crítico e ainda de incertezas”, explica o artista.

Com mais de cinco décadas de carreira, Dafé é um dos artistas mais emblemáticos da música brasileira. Quebrou barreiras e preconceitos sendo precursor, com Tim Maia, Cassiano, Hyldon, entre outros, do movimento da soul music no Brasil, nos anos de 1970. Sucessos como “Pra que vou recordar o que chorei”, “A cruz”, “Tudo era lindo” e “De alegria raiou o dia” eternizaram o seu nome na história da MPB. Em 2019, entre as diversas apresentações que fez, subiu ao palco do Rock in Rio para um encontro antológico com Mano Brown, Boogie Naipe, Bootsy Collins e Hyldon.

A live será transmitida pelo canal “Carlos Dafé Oficial”: www.youtube.com/c/CarlosDaféOficial/