Categorias
Cultura Destaque Diário do Rio Rio

Casa Villarino reabre ao público com novidades

Fechado desde novembro do ano passado, tradicional ponto de encontro da boemia no centro do Rio se transforma, a partir de amanhã, 11.08, no Clube Senac Villarino Bar. Além do atendimento presencial, o bar irá oferecer delivery no happy hour e se tornar palco de lives e cursos de Gastronomia. Iniciativa faz parte de um conjunto de ações do Sistema Fecomércio RJ voltado para a revitalização do Centro do Rio.

Patrimônio cultural do Rio de Janeiro, a Casa Villarino reabre ao público trazendo diversas novidades. A partir de amanhã, o Senac RJ devolve esse tradicional espaço aos cariocas transformado em um importante projeto pedagógico na área de Gastronomia. Batizado de Clube Senac Villarino Bar, o estabelecimento no Centro do Rio voltará a atender o público e, a partir da próxima terça, 17.08, também oferecerá delivery no happy hour. Além disso, sediará lives com harmonização e cursos de gastronomia de curta duração. Também está prevista programação musical com curadoria do Sesc RJ. Um dos berços da Bossa Nova que, neste ano, completa seu 68º aniversário, o Villarino se tornará ainda um ambiente para vivência prática de alunos dos cursos regulares do Senac RJ. A iniciativa é uma das ações do Sistema Fecomércio RJ para a revitalização da região central da cidade.

“Nos sentimos muito honrados de poder contribuir para a reabertura de um espaço tão tradicional como o Villarino. Garantir a preservação desse patrimônio cultural e gastronômico e a longevidade de um estabelecimento que conta parte da nossa história é mais uma das iniciativas do Sistema Fecomércio RJ para o Centro do Rio. Estamos convictos de que, para a revitalizar essa região, é necessário evitar o esvaziamento e o abandono que contribuem para a degradação e a falta de segurança. Por isso, é fundamental contarmos com espaços que atraiam o público também em seus momentos de lazer, ampliando o tempo de permanência das pessoas e diversificando as atividades oferecidas na região. Devolver o Villarino para os cariocas é uma forma de preservar a cultura vibrante que sempre caracterizou o centro do Rio”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior.

A Casa Villarino passa a operar de segunda a sexta, das 17h às 20h, com capacidade reduzida para 20 pessoas, seguindo todos os protocolos de higiene e distanciamento social. No cardápio, figuram clássicos do bar como o Picadinho Carioca, o Contra-filé a Oswaldo Aranha, a Picanha a Avenida e o Arroz de Lula, sanduíches como o Carne Louca Espanhola e o Presunto Serrano, além de bolinhos e petiscos variados. Nesta primeira semana, o bar funciona em esquema de soft opening. Já a partir da próxima terça-feira, 17.08, o menu também estará disponível para delivery nas regiões do Centro, Zona Sul e Tijuca pelos aplicativos iFood e Rappi.

Outra iniciativa do Clube Senac Villarino Bar serão as Lives de Boteco, encontros virtuais nos quais profissionais de Gastronomia e Bebidas ensinam a preparar receitas e a fazer harmonizações. O ingresso se dá mediante a compra de um kit do delivery e o público poderá assistir a live ao mesmo tempo em que degusta o prato em casa. A primeira edição, no dia 16 de setembro, terá como tema “A história do Villarino e do Rio nos copos de Tom e Vinicius”. Já em 26 de outubro, o tema será “Cardápio da História”.

O projeto também contempla a realização de cursos de curta duração com temas alusivos ao Villarino. Com lançamento previsto para o mês de setembro, os programas serão híbridos, com aulas online e encontro presencial. Será possível realizar uma assinatura que dará direito a seis aulas, um avental, e um kit de insumos para acompanhar as aulas de casa. Já os cursos regulares de Gastronomia do Senac RJ irão promover vivências aos alunos no ambiente real do bar.​

Fechada desde novembro do ano passado, a Casa Villarino é um tradicional misto de bar e delicatessen fundada em 1953 no centro do Rio de Janeiro.  O estabelecimento, famoso por seus tradicionais petiscos de boteco, é referência da boemia carioca e guarda a gênese do termo Bossa Nova, além de ter sido o local onde Tom Jobim e Vinicius de Moraes se conheceram.

Revitalização da área central

A reabertura do Villarino é parte de um conjunto de ações do Sistema Fecomércio RJ voltado para a valorização do Centro do Rio de Janeiro. A iniciativa também contempla a reforma do edifício onde está localizado o Teatro Sesc Ginástico, na avenida Graça Aranha, que irá se tornar um centro de referência em serviços nas áreas de cultura, educação, saúde, lazer e assistência na região.  A ação integra a campanha Rio de Mãos Dadas, do Sistema Fecomércio RJ (Sesc RJ e Senac RJ), que visa contribuir para a retomada da confiança da população fluminense no contexto da pandemia. Também vai ao encontro do projeto Reviver Centro, da Prefeitura do Rio, que prevê revitalizar a área central.

 

 

Categorias
Cidade Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Rio

Reviver Centro permite opinião da população sobre proposta de revitalização para atrair moradores

A população do Rio poder dar a sua opinião sobre o Plano Urbano Reviver Centro, que visa a recuperação urbanística, social e econômica do Centro do Rio e bairros do entorno e para atrair mais moradores à região. A terceira pesquisa sobre a moradia na área central foi lançada e traz essa possibilidade de participação popular sobre o Projeto de Lei Complementar que institui o plano e que será analisado na Câmara de Vereadores.

A Secretaria Municipal de Planejamento Urbano diz que o objetivo é tornar o debate mais participativo. Para opinar e deixar contribuições, basta acessar o site: www.prefeitura.rio/revivercentro.

O centro tem abundante comércio e serviços, facilidade de acesso a transportes e possui rica diversidade cultural, além de patrimônio histórico cultural relevante, que inclui museus, teatros e centros culturais. Ainda assim, possui baixa densidade residencial, o que faz com que muitas áreas fiquem desertas fora dos dias e horários comerciais. Com a pandemia, a situação se agravou, contribuindo para o enfraquecimento das atividades econômicas.

O Reviver Centro tem na construção de novas moradias e no retrofit (conversão de imóveis comerciais em residenciais ou de uso misto) o carro-chefe da iniciativa de atrair moradores, aproveitando o potencial já construído e terrenos vazios, sem uso há décadas. O Centro já possui núcleos de moradias no Castelo, Cruz Vermelha, Bairro de Fátima e Lapa, e o objetivo é avançar, trazendo novos habitantes de várias faixas de renda e movimentação social e econômica.

O projeto propõe, por exemplo, isenção de dívida ativa, IPTU, ITBI e ISS, além de liberação de taxas de licenciamento, para projetos de residenciais ou uso misto. A exploração do andar térreo dos prédios com lojas, com objetivo de trazer vitalidade e movimento às ruas da região também foi incluído. Ele propõe ainda o aproveitamento das coberturas dos prédios com áreas de uso coletivo, mirantes, restaurantes ou áreas de lazer.

A concessão de benefícios a quem aderir ao programa de Locação Social que a Prefeitura pretende criar, com público-alvo de estudantes universitários, estudantes cotistas e servidores públicos, também foi incluída no projeto.

A revitalização do espaço público é outra meta, com melhorias nas ruas, passeios e áreas públicas para estimular a caminhada ou a mobilidade limpa, com o uso de veículos não motorizados ou motorizados com tecnologia limpa, integração entre os modais de transporte e a preservação da paisagem cultural.

Há previsão de criação de ciclorrotas, de manter e ampliar estações de compartilhamento de bicicletas, ampliar espaços de circulação de pedestres, estimular a criação de áreas com vegetação, que contribuam para o sombreamento, redução da temperatura, redução de emissões de gases de efeito estufa e melhoria da qualidade do ar, e a criação de jardins de chuva em áreas coletivas, áreas de recuo, galerias de pedestres, largos e praças, de modo a reduzir a área impermeabilizada da região e contribuir com a microdrenagem urbana.