Categorias
Cultura Destaque Música

Podcast do Mano Brown, Mano a Mano, recebe Lula e outras personalidades

*Por Giovanna Fraguito

“Mano a Mano” é o nome do podcast do rapper Mano Brown, líder dos Racionais MC ‘s, que estreou no dia 26 de agosto na plataforma Spotify Brasil, na categoria sociedade e cultura. Tendo colaboração histórica por meio da música para a formação da identidade preta, agora Brown ganhou mais um espaço, trazendo temas variados que prometem muita reflexão e cultura.

De acordo com a própria descrição: “Mano Brown vem para ampliar a visão e o debate trazendo diversidade de ideias e pensamentos com profundidade e respeito. Se prepare para ouvir assuntos importantes, interessantes, relatos inéditos e controversos com convidados amados ou odiados – você decide!”.

A convidada de estreia do podcast foi a cantora e rapper Karol Conká, destaque da última edição do programa Big Brother Brasil pelo recorde de rejeição do público. Durante o programa de podcast, Brown abordou a participação polêmica de Karol em uma conversa que durou cerca de uma hora.

Já o segundo episódio contou com a presença do médico Drauzio Varella, em uma conversa de quase duas horas, compartilharam vivências e assuntos que foram desde infância, estudos, trabalho, até saúde e sociedade. Uma curiosidade do papo é que foi a primeira vez que os dois se viram pessoalmente.

O terceiro episódio do podcast “Mano a Mano” recebeu o ex-presidente Lula e chegou a ficar no 3º em alta nos assuntos mais falados do Twitter durante a madrugada. “Memórias, inquietações pessoais e coletivas, dão o tom dessa conversa que olha pro passado para ressignificar o presente e projetar o futuro”, segundo a descrição.

Outros nomes foram confirmados para as próximas conversas, como o pastor Henrique Vieira, o técnico de futebol Vanderlei Luxemburgo e o político Fernando Holiday. Ao todo serão 16 episódios, com lançamentos semanais, sempre às quintas. O podcast é uma produção Original SpotifyBR e é possível ouvi-lo de forma gratuita.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Operação já ajudou a encontrar 250 pessoas desaparecidas no Rio

O programa Segurança Presente, criado pelo Governo do Estado em 2014, já ajudou a encontrar 250 pessoas que estavam desaparecidas no Rio de janeiro, desde a inauguração da primeira base, no bairro da Lapa.

O programa foi criado com o objetivo de aproximar as forças policiais da população e apoiar a Delegacia de Paradeiros, com orientações a  familiares e desaparecidos.

Desde o início do programa também já foram realizados mais de 185.000 atendimentos sociais, quase 30.000 conduções a delegacias e 5.331 mandados de prisão cumpridos.

As unidades do Segurança Presente, quando procuradas, orientam os familiares de desaparecidos a fazerem um registro de ocorrência sobre o caso. A informação permite que os conhecidos sejam contatados imediatamente quando alguém é encontrado. Além dessa orientação, os cartazes de desaparecidos são compartilhados entre os policiais e assistentes sociais do programa, permitindo que ajudem na busca.

“A gente tenta fazer uma busca ativa, sem ultrapassar os limites do programa e sabendo que tem órgãos competentes que também fazem esse trabalho. Quando encontramos uma pessoa desaparecida, damos todo o auxílio necessário e vamos até a família desse desaparecido para promover o reencontro”, contou Marilene Maciel, assistente social do Segurança Presente.

Uma dessas pessoas encontradas pelo Segurança Presente foi Simone Franco, moradora de Osvaldo Cruz, no interior de São Paulo. A jovem estava no terminal das barcas da Praça 15, no Centro do Rio de Janeiro. Simone constava como desaparecida há duas semanas, e sua família acreditava que estava em Presidente Prudente, município vizinho de onde moram.

“Quando a Simone desapareceu começou um tormento. Foi muito difícil, a gente ficou um tempo sem notícias dela, até que a dona Marilene entrou em contato com a nossa família, avisando que a encontraram e a trariam para casa”, contou Janete Franco, irmã da Simone.

Quando Simone foi identificada como em situação vulnerável, a assistente social Marilene Maciel compareceu ao local para ajudar a jovem. Ela foi encaminhada para assistência médica e quando constatado a sua situação como desaparecida, a família foi contatada.

“Na época eu estava um pouco perdida, quando eu comecei a conversar com a Marilene tive medo de falar que estava em situação de rua, mas eventualmente contei. Se não fosse por ela, não sei onde estaria hoje. Ela me ajudou muito, conta Simone.

Alerta Pri

Em março, o Estado do Rio de Janeiro ganhou o primeiro sistema de alerta por telefone do país para solucionar desaparecimentos. O Alerta Pri poderá ser disparado pela Polícia Civil e torna obrigatória a divulgação de fotos e informações das vítimas pelas companhias de telefonia celular.

A mensagem de urgência enviada pelo Alerta Pri vai conter o nome, idade, características físicas, local de desaparecimento e todas as demais informações vistas como necessárias pelas autoridades. O objetivo é agir rapidamente quando esse tipo de crime for registrado no sistema.

Categorias
Ana Cristina Campelo | Seus Direitos Notícias do Jornal

ODS 8: Trabalho descente e crescimento econômico

Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos. Esse é o 8º Objetivo do Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Os Objetivos são um apelo global à ação para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade. Estes são os objetivos para os quais as Nações Unidas estão contribuindo a fim de que possamos atingir a Agenda 2030 no Brasil.

Sustentar o crescimento econômico per capita de acordo com as circunstâncias nacionais e, em particular, um crescimento anual de pelo menos 7% do produto interno bruto [PIB] nos países menos desenvolvidos.

Atingir níveis mais elevados de produtividade das economias por meio da diversificação, modernização tecnológica e inovação, inclusive por meio de um foco em setores de alto valor agregado e dos setores intensivos em mão de obra.

Promover políticas orientadas para o desenvolvimento que apoiem as atividades produtivas, geração de emprego decente, empreendedorismo, criatividade e inovação, e incentivar a formalização e o crescimento das micro, pequenas e médias empresas, inclusive por meio do acesso a serviços financeiros. Proporção de trabalhadores ocupados em atividades não agrícolas informais, por sexo.

Melhorar progressivamente, até 2030, a eficiência dos recursos globais no consumo e na produção, e empenhar-se para dissociar o crescimento econômico da degradação ambiental, de acordo com o Plano Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis, com os países desenvolvidos assumindo a liderança.

Até 2030, alcançar o emprego pleno e produtivo e trabalho decente todas as mulheres e homens, inclusive para os jovens e as pessoas com deficiência, e remuneração igual para trabalho de igual valor. Até 2020, reduzir substancialmente a proporção de jovens sem emprego, educação ou formação;

Percentagem de jovens (15-24) que não estão na força de trabalho (ocupados e não ocupados), não são estudantes e nem estão em treinamento para o trabalho;

Tomar medidas imediatas e eficazes para erradicar o trabalho forçado, acabar com a escravidão moderna e o tráfico de pessoas, e assegurar a proibição e eliminação das piores formas de trabalho infantil, incluindo recrutamento e utilização de crianças-soldado, e até 2025 acabar com o trabalho infantil em todas as suas formas;

Proteger os direitos trabalhistas e promover ambientes de trabalho seguros e protegidos para todos os trabalhadores, incluindo os trabalhadores migrantes, em particular as mulheres migrantes, e pessoas em empregos precários gera empregos e promove a cultura e os produtos locais;

Até 2030, elaborar e implementar políticas para promover o turismo sustentável, que Fortalecer a capacidade das instituições financeiras nacionais para incentivar a expansão do acesso aos serviços bancários, de seguros e financeiros para todos;

Aumentar o apoio da Iniciativa de Ajuda para o Comércio [Aid for Trade] para os países em desenvolvimento, particularmente os países menos desenvolvidos, inclusive por meio do Quadro Integrado Reforçado para a Assistência Técnica Relacionada com o Comércio para os países menos desenvolvidos;

Até 2020, desenvolver e operacionalizar uma estratégia global para o emprego dos jovens e implementar o Pacto Mundial para o Emprego da Organização Internacional do Trabalho [OIT]. Podemos e devemos fazer a nossa parte. É possível!

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista 
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

Categorias
Ana Cristina Campelo | Seus Direitos

Seu direito termina aonde começa o do outro

Cidadania, diz o dicionário, é a condição de pessoa que, como membro de um Estado, se acha no exercício de direitos que lhe permitem participar da vida política e social de seu país. É a prática dos direitos e deveres de uma pessoa em um Estado. Os direitos e deveres de um cidadão devem estar sempre juntos, já que o direito de um cidadão implica necessariamente numa obrigação de outro cidadão.

Cidadão é aquele que se identifica como parte de um território, desfruta dos direitos e cumpre os deveres estabelecidos em lei. Assim, exercer a cidadania é ter consciência de suas obrigações e lutar para que o que é justo e correto seja colocado em prática, sempre e acima de tudo. Para que a pessoa possa ter dignidade, faz-se imprescindível que lhe seja assegurado os seus direitos sociais previstos na Constituição Federal, tais como: educação, saúde, trabalho, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância e assistência aos desamparados, como o mínimo absoluto e necessário para que os direitos sejam realmente exercidos como determinado inclusive nas leis da natureza. Sempre que se aborda as questões que envolvem os direitos, se faz referência a algum tipo de obrigação, que pode ser moral, econômica, social ou política.

O termo deveres se refere às atividades, atos e circunstâncias que envolvem uma determinada obrigação moral e/ou ética. Geralmente, os deveres se relacionam com determinadas atitudes que todos os seres humanos, independentemente de sua origem, etnia, idade ou condições de vida, estão obrigados a cumprir, de modo a assegurar ao resto da humanidade a possibilidade de viver em paz, com dignidade e com certas comodidades. Então, os deveres são um dos pontos mais importantes de todos os sistemas de leis porque tem a ver com conseguir formas comunitárias e sociedades mais equilibradas, por onde todos possam ter acesso a seus direitos.

Os deveres podem estar implícitos ou explícitos em uma sociedade e isto tem a ver com os costumes específicos de cada comunidade, assim também com a noção de sua sobrevivência, pois os deveres muitas vezes estão relacionados com a permanência das melhores condições para o desenvolvimento da comunidade. Em muitos casos, os deveres modernos, tais como o pagamento de impostos, o respeito às leis públicas, a participação política ou o cumprimento com determinados níveis de alfabetização, se somam às leis e deveres tradicionais que existem sempre em todas as sociedades.

O mais importante do que representa os deveres é o momento em que eles estão ligados com a noção de direitos. Normalmente, considera-se que o cumprimento dos deveres de uma pessoa tem a ver com respeitar os direitos do outro. Portanto, ambos se relacionam e são essenciais para que os membros de uma sociedade possam conviver de maneira ordenada e organizada. A contraposição deveres/direitos é inerente a todos e a cada um dos indivíduos que formam uma sociedade.

Assim, vivemos sob diversos conceitos, tais como: de deveres, de direitos, de cidadania, de lei, de responsabilidade social, de laser, de democracia, de mortal e de ética. E somente tendo consciência do que cada um destes conceitos representa, de como são importantes para uma vida civilizada e pacífica, é que poderemos construir um mundo melhor. Fique de olho!