Categorias
Brasil Destaque Notícias Política Rio Saúde

Municípios do Rio estão com risco muito alto para covid-19

Da Agência Brasil

A 25ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, elaborado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), mostra que a situação da pandemia se encontra em risco muito alto (roxo) nas regiões serrana e metropolitana I, como a Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, incluindo o município do Rio.

As regiões do Médio Paraíba, Centro-Sul, Norte, Baixada Litorânea saem da bandeira roxa para a vermelha, o que aponta para uma melhora nos parâmetros epidemiológicos. As regiões da Baía da Ilha Grande, Noroeste e Metropolitana II seguem com bandeira vermelha (risco alto). A análise compara a semana epidemiológica 12 (21 a 27 de março) com a 10 (7 a 13 março) de 2021.

Óbitos

O estado apresentou aumento de 44% no número de óbitos e de 7% nos casos de internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) na comparação do período analisado. As taxas de ocupação de leitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no estado, com dados desta sexta-feira (9), estão em 90% para leitos de UTI e em 75% para leitos de enfermaria.

Cada bandeira representa um nível de risco: roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).

Vacinas

A SES realizou ontem (9) a 12ª entrega de vacinas contra covid-19 aos 92 municípios do estado. Foram distribuídas 431.500 doses, sendo 195.400 da coronaVac e 236.500 da Oxford/AstraZeneca.

Kit intubação

A secretaria  também realizou uma nova entrega de medicamentos do chamado “kit intubação” a 74 unidades de saúde de todo o estado que atendem pacientes em tratamento de covid-19. Entre os itens distribuídos, estão: atracúrio, propofol e morfina, medicações fundamentais para o tratamento de pacientes internados em estado grave em UTI. Em reunião com o Ministério Público Federal, Ministério Público do Estado do Rio e Defensoria Pública do Estado e da União a SES informou que está entregando todo o estoque de medicação do “kit intubação” aos municípios e hospitais.

Categorias
Destaque Economia Notícias Política Rio Saúde

Secretaria de Saúde realiza em seis horas a entrega de 431.500 doses de vacina contra Covid-19

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) realizou, nesta sexta-feira (09.04), a 12ª entrega de vacinas contra Covid-19 aos 92 municípios do estado. Em apenas seis horas, foram distribuídas 431.500 doses, sendo  195 mil de CoronaVac e 236.500 de Oxford/Astrazeneca.

As cidades do Rio, Niterói, São Gonçalo e Maricá retiraram as doses em caminhões e vans, na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, em Niterói. Já para os outros 88 municípios, a distribuição foi realizada por cinco helicópteros, sendo dois do Governo do Estado, um da Secretaria de Estado de Polícia Civil, um do Corpo de Bombeiros e um da Secretaria de Estado de Polícia Militar. 

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) esclarece que segue cumprindo as recomendações preconizadas no Programa Nacional de Imunizações (PNI). De acordo com a Nota Técnica 297, divulgada pelo Ministério da Saúde no último dia 31.03, fica recomenda a vacinação dos “segmentos das forças de segurança e salvamento que vêm atuando diretamente nas ações de controle da pandemia”.

A nota orienta ainda que o quantitativo de vacinas destinado às forças de segurança será enviado de forma escalonada e proporcional, destinado exclusivamente para a vacinação destes grupos. As doses enviadas aos municípios não sofrerão impacto com a inclusão destas categorias, uma vez que continuam sendo separadas de forma proporcional para cada grupo a ser vacinado.

A SES reforça a importância do Calendário Único de Vacinação, estabelecido em decreto do Governo do Estado, que tem como objetivo unificar as ações de imunização contra a Covid-19 e evitar o contágio e a propagação do vírus em grupos que atuam em ações de enfrentamento à pandemia.

Vacinas aplicadas – Até as 9h desta sexta-feira (09), o estado registrava 1.523.538 de pessoas vacinadas com a primeira dose e 433.198 com a segunda. O vacinômetro pode ser acessado pelo site: https://vacinacaocovid19.saude.rj.gov.br/

Liberação de vacina – As vacinas contra Covid-19 do laboratório Oxford/Astrazeneca serão liberadas de forma mais rápida ao Estado do Rio de Janeiro. A partir da solicitação do Governo do Estado, a próxima remessa dos imunizantes produzidos na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ficará diretamente na capital para serem distribuídas aos 92 municípios. O pedido foi aceito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante encontro com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Alberto Chaves, nesta quinta-feira (08). Com essa decisão, os lotes destinados ao Rio de Janeiro não precisarão mais passar pelo Centro de Distribuição do Ministério da Saúde, em São Paulo.

Entrega Kit intubação – Nesta sexta-feira (09), a SES realizou uma nova entrega de medicamentos componentes do chamado “kit intubação” a 74 unidades de saúde de todo o estado que atendem pacientes em tratamento de Covid-19. Entre os itens distribuídos, estão: atracúrio, propofol e morfina, medicações fundamentais para o tratamento de pacientes internados em estado grave em UTI. Em reunião com o Ministério Público Federal, Ministério Público do Estado do Rio e Defensoria Pública do Estado e da União, a SES informou que está entregando todo o estoque de medicação do “kit intubação” aos municípios e hospitais. De acordo com o Ministério da Saúde, uma nova remessa chega ao Rio nesta sexta-feira e será imediatamente distribuída pela SES.

Categorias
Cidade Destaque Diário do Rio Notícias

Vistoria anual de táxis é suspensa até 31 de dezembro no Rio

A prefeitura do Rio de Janeiro suspendeu o calendário de vistoria anual para os táxis até o dia 31 de dezembro. A medida foi publicada no Diário Oficial de quinta-feira (08) e se trata de uma resolução conjunta entre as Secretarias Municipal de Fazenda e Planejamento e a de Transportes.

A determinação, diz a prefeitura, é mais uma medida de segurança para o combate da Covid-19.

Mas o  serviço continuará  mantido para aqueles que quiserem providenciar a regularização.

O secretário de Fazenda e Planejamento, Pedro Paulo Carvalho, acredita que essa decisão possa ajudar a categoria, principalmente nesse momento de pandemia, em quem a cidade ainda está paralisada, deixando a arrecadação dos profissionais ainda mais complicada.

“O prefeito Eduardo Paes e eu sabemos que a vida está difícil para vocês. Eu me comprometi a apresentar algum tipo de suspensão para tirar esse custo pesado para o taxista, não apenas a taxa, mas também o custo de emissão de certidões, atualização do seguro individual de passageiro e todos os custos envolvidos na vistoria anual. Acredito que seja decisivo para aliviar a classe nesse momento a criação desse mecanismo pela Prefeitura”, disse Carvalho.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Rio chega a um milhão de pessoas vacinadas com a primeira dose contra a Covid-19

O Rio de Janeiro  chegou a marca de um milhão de pessoas vacinadas com a primeira dose contra a Covid-19, o que representa 14,9% da população carioca, informou a prefeitura. Se for levado em conta apenas quem tem 60 anos ou mais, esse índice sobe para 68,1% dos moradores da capital  nesta faixa etária.

Nesta sexta-feira (09), é a vez das mulheres com 64 anos receberem a primeira dose da vacina, além dos profissionais de saúde de 55 anos.

A Prefeitura informou que espera chegar ao final de abril com todas as pessoas de 60 anos ou mais vacinadas.

Na quinta, a Secretaria Municipal de Saúde inaugurou mais um ponto de vacinação extra, dessa vez na quadra do Cacique de Ramos, na Zona Norte da cidade.  O movimento foi grande na sede do bloco carnavalesco, um dos mais tradicionais da cidade.

A vacinação contra a Covid-19 a cada dia é destinada aos grupos prioritários indicados nos calendários oficiais divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde e que podem ser consultados no site coronavirus.rio.

 

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Quadra do Cacique de Ramos vira ponto de vacinação a partir desta quinta-feira

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) inaugura nesta quinta-feira (08), às 8h, um ponto de vacinação (PV) na quadra do Cacique de Ramos (Rua Uranos, 1.326), na Zona Norte da cidade.

Um dos blocos carnavalescos mais tradicionais da cidade, o Cacique será o sétimo posto extra inaugurado desde a semana passada para facilitar o acesso e melhor atender os novos grupos prioritários incluídos no calendário de vacinação da cidade. Nesta quinta-feira, é a vez dos homens de 65 anos e dos profissionais de saúde de 56 se vacinarem.

A cidade conta com mais de 250 pontos de vacinação, entre unidades de saúde, PVs extras e postos no sistema drive-thru. De segunda a sexta-feira, os postos de vacinação funcionam das 8h às 17h, com atendimento aos profissionais de saúde no período da tarde, a partir das 13h. Já a vacinação em sistema drive-thru funciona no Parque Olímpico (Barra da Tijuca), no Estádio do Engenhão (Engenho de Dentro) e no Sambódromo (Santo Cristo) das 9h às 15h, exclusivamente para o atendimento de idosos.

A vacinação contra a covid-19 a cada dia é destinada aos grupos prioritários indicados nos calendários oficiais divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde e que podem ser consultados no site coronavirus.rio

Categorias
Brasil Política Rio

Deputado quer proibir aulas presenciais na pandemia no Estado do Rio

Proposição, que será votada na Alerj, envolve escolas públicas e particulares
Cidades em bandeira roxa ou vermelha suspenderão atividades escolares
O deputado estadual Waldeck Carneiro, presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da Alerj, protocolou na última segunda (05/04), na Casa Legislativa, um projeto de lei que proíbe atividades educacionais presenciais, em estabelecimentos de educação básica e educação superior, nos municípios do Rio que estiveram em bandeiras vermelha ou roxa em epidemias, endemias ou pandemias, isto é, sob riscos alto ou muito alto no Mapa de Risco elaborado pela autoridade sanitária estadual. O projeto, que será usado em situação de  emergência  sanitária  ou  estado  de  calamidade  pública, envolve escolas públicas e particulares e deverá ser votado brevemente, em regime de urgência, no Parlamento Estadual.
“Estamos fixando  regras  e  critérios  igualmente  aplicáveis  ao  conjunto  de municípios  fluminenses,  no  tocante  à  proteção  à  saúde  e  à  vida.  A sociedade  precisa  ter  clareza  quanto  às  determinações  que  devem  ser cumpridas,  em  relação  às  atividades  educacionais,  de  modo  que  famílias,  profissionais  da  educação, estudantes,  gestores,  instituições  e  movimentos  sociais  possam  se  organizar.  Isso  já  é  necessário em  tempos  comuns  e,  mais  ainda,  quando  se  trata  de  período  excepcional  em  que  a  própria  vida está  em  risco.  Nesses  momentos  graves,  as  autoridades  públicas  devem  ter  o  máximo  de  clareza sobre os alcances e limites de sua competência”, afirmou Waldeck.
Já os  municípios  que  não  estiverem  classificados  como  área  de  risco  alto  ou  de  risco  muito  alto poderão  autorizar  o  funcionamento  de  atividades  educacionais  presenciais  regulares,  assegurada  a imunização  dos  profissionais  da  educação  e  respeitados  os  protocolos  de  sanitização  de  ambientes, de higienização pessoal e de distanciamento social, fixados pela autoridade estadual ou municipal. Sempre  que  houver  divergência  entre  o  conteúdo  de  normas  estaduais  ou  municipais, prevalecerá  o  disposto  no  ato  normativo  que  determinar  regras  mais  restritivas  em  relação  à proteção à saúde e à vida das pessoas.
Categorias
Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Pesquisa no Rio realiza sequenciamento de variantes da Covid-19

Uma pesquisa com o objetivo de monitorar a evolução das variantes da Covid-19 foi iniciada no Rio de Janeiro. O sequenciamento das novas cepas é realizado pela Secretaria de Estado de Saúde, com investimento de R$ 1,2 milhão e irá analisar 4,8 mil amostras nos próximos seis meses.

O estudo busca entender mais sobre as modificações sofridas pelo vírus e, segundo o governo, será um dos maiores na área de sequenciamento da Covid-19 do país. A previsão é que sejam analisadas 400 amostras a cada 15 dias. Atualmente, o estudo está na fase de compras de insumos e separação de amostras. O objetivo é que os primeiros vírus sejam sequenciados na segunda quinzena de abril.

O governo diz que, como resultado, poderá melhorar ações epidemiológicas e possibilitar a ampliação precoce de números de leitos e de medidas restritivas. A pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio (Faperj) e conta ainda com a parceria do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, do Lacen, da Fiocruz e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

“Como acontece com a gripe, a Covid-19 pode se tornar um vírus de circulação sazonal, com mutações genéticas. É fundamental ampliar os estudos para que, cada vez mais, possamos agir de forma antecipada. Se o mundo soubesse mais sobre a variante P1, que tem se mostrado mais contagiosa, poderia ter aberto leitos com mais antecedência e reforçado protocolos como etiqueta respiratória e distanciamento social”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Carlos Alberto Chaves.

A subsecretária de Vigilância em Saúde e idealizadora da pesquisa, Cláudia Mello, ressalta que a ciência é o principal caminho para vencer a pandemia.

“Em pouco menos de um ano, vimos a ciência desenvolver vacinas. Agora, precisamos nos aprofundar em diversas perspectivas sobre esse coronavírus. Tenho certeza de que esse estudo também irá colaborar para um maior entendimento e fazer com que a gente volte a ter uma vida normal”, afirma.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Saúde

Hemorio conclui parte de estudos que usam sangue com anticorpos para tratar covid-19

O Hemorio concluiu parte dos estudos para utilização do plasma convalescente no tratamento de pessoas com covid-19. Dados preliminares apontam que a técnica é eficiente nos pacientes em estágios iniciais de infecção, ao neutralizar o vírus. Até o momento, mais de 300 pessoas fizeram transfusão com plasmas doados no instituto, seja no âmbito de estudos clínicos ou em utilização compassiva (utilização em tratamento humanitário sem ser em um projeto de pesquisa).

O procedimento consiste em infundir o plasma, parte do sangue que contém anticorpos colhido de pacientes curados, em pacientes com Covid-19. O diretor do Hemorio, Luiz Amorim, explica que cada plasma coletado pode fornecer tratamento para até três pessoas. O plasma doado pelos pacientes curados fica na unidade e é distribuído mediante solicitação dos hospitais que tratam casos de covid-19.

“A expectativa é que haja melhora da evolução da doença e redução da mortalidade nos pacientes que recebam a terapia, desde não seja feita em fase avançada da doença, além de os riscos serem praticamente zero. Vamos continuar as pesquisas para tentar identificar os grupos nos quais o plasma estaria mais indicado”, disse Amorim.

Categorias
Bichos & Cia Destaque Diário do Rio Mundo Notícias Notícias do Jornal

Estudo relaciona variante britânica da Covid-19 com doença cardíaca em cães e gatos

Pesquisadores do “The Ralph Veterinary Referral Centre”, no Reino Unido, e das universidades francesas de Montpellier e de Lyon identificaram uma possível relação entre a variante britânica da covid-19 com uma doença cardíaca em cães e gatos. A pesquisa teve versão prévia publicada no site científico bioRxiv.

Os pesquisadores constataram que alguns pets contaminados com a variante, conhecida como B.1.1.7, desenvolveram miocardite, inflamação grave no coração. Essa condição é considerada rara nos animais.

A pesquisa relata 11 casos de animais doentes, em Londres, e aponta que os pets afetados ficaram bastante debilitados, mas não tiveram problemas respiratórios. O estudo aponta ainda que eles tiveram boa recuperação após um tratamento intensivo.

A pesquisa foi realizada após relatos de veterinários sobre um aumento atípico de casos da doença cardíaca e saúde geral debilitada em um hospital veterinário em South-East. Além disso, foi constatado que a maioria dos donos dos animais tinham sido diagnosticados com covid-19 nas semanas anteriores.

No artigo publicado, os pesquisadores afirmam ainda que o coronavírus original, sem a variação, não parecia causar doenças graves em animais de estimação, o que reforça, segundo eles, a relação entre a doença cardíaca e a mutação identificada no vírus. Os cientistas ainda reafirmam que a transmissão de pessoas para os animais ainda permanece muito mais provável do que a transmissão do vírus dos animais para as pessoas.

Cuidados

A OMS informou que monitora pesquisas sobre a relação entre animais de estimação e a Covid-19. A recomendação das autoridades de saúde é que pessoas infectadas limitem o contato com seus cães e gatos. Além disso, cuidados básicos de higiene devem ser seguidos pelos humanos ao manusear animais, como lavar as mãos antes e depois de tocar nos pets, alimentos, fezes ou urina. Além disso, o tutor deve evitar beijar, lamber ou compartilhar alimentos com seus pets e usar máscara facial.

Categorias
Destaque Rio Saúde

Governo do Estado inaugura hospital em Nova Iguaçu para tratamento de pacientes com Covid-19

 

O Hospital Estadual Dr. Ricardo Cruz (HERC), em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense foi inaugurado no sábado (03/04), um ano após o previsto, evento que acabou propiciando aglomeração de pessoas, contrariando o decreto do próprio Estado que restringe a realização de eventos. A unidade conta com 60 leitos de UTI e 90 de enfermaria, e vai ampliar ainda mais o atendimento a pacientes com Covid-19 em todo o Estado.

“Os primeiros pacientes devem chegar entre a noite de hoje e amanhã. Em pouco mais de dez dias, abrimos 547 novos leitos. É fruto de trabalho, parceria e articulação. No início de março, anunciei que a abertura seria dia 15 de abril. No entanto, antecipamos para ampliar o atendimento nesse momento de aumento do número de casos de Covid-19. Outros leitos serão abertos nos próximos dias”, afirmou o governador em exercício Cláudio Castro.

O hospital funcionará, inicialmente, para o tratamento exclusivo de pacientes com Covid-19. Portanto, não terá atendimento de emergência. O acesso acontecerá por meio da Central Estadual de Regulação (CER) de forma gradativa, atendendo a critérios técnicos.
“ Esse hospital é de extrema importância. Agora vai atender Covid, mas, no futuro, tratará outras patologias, desafogando o fluxo de pacientes na Baixada Fluminense. O processo para abertura foi todo feito dentro da lei, cumprindo todos os trâmites legais. Não podíamos abrir um hospital de forma açodada, porque temos compromisso com a transparência e o bem-estar da população”, destacou o secretário de Estado de Saúde, Carlos Alberto Chaves.

Evento provocou aglomeração, contrariando o decreto com medidas restritivas de prevenção

Com capacidade para atendimentos de média e alta complexidades, a unidade hospitalar tem 11.592,44 m2 e estrutura similar aos hospitais de grande porte do estado do Rio. São três módulos ambulatoriais e um administrativo, permitindo abertura de até 300 leitos. A unidade conta ainda com refeitório, laboratório de análises clínicas, centro de imagem, necrotério, estação de tratamento de esgoto, central de gases medicinais e subestação de energia. Há ainda um sistema de filtragem de água para hemodiálise.

Ao todo, serão cerca de 500 profissionais trabalhando na nova unidade da rede estadual, entre médicos, enfermeiros, maqueiros, administrativos e auxiliares, entre outros. “ É um orgulho para a Seinfra ter construído o maior hospital modular da América Latina e saber que esse equipamento público não só irá salvar vidas agora como ficará de legado para a população fluminense. Há muitos anos, o governo do estado não entregava uma unidade de saúde desse porte”, afirma o secretário estadual de Infraestrutura e Obras, Bruno Kazuhiro.

Dr. Ricardo Cruz
A unidade recebeu o nome em homenagem ao médico, que morreu em 2020, vítima da Covid-19, aos 66 anos. Ricardo Cruz foi um dos mais brilhantes cirurgiões do país na especialidade crânio-maxilo-facial e ficou conhecido não somente pela capacidade técnica, mas também pela compaixão que dedicava a todos os seus pacientes na sua prática diária.

“Recebemos a notícia com muita emoção porque é um reconhecimento enorme você dar o seu nome a um hospital, ainda mais uma unidade enorme como essa. O Ricardo foi alguém que viveu para a medicina desde dos seus 17 anos e ficaria muito feliz de saber que uma unidade na Baixada levará o nome dele, principalmente dedicada ao combate da Covid – disse Denise Cruz, viúva do médico, que compareceu à abertura da unidade acompanhada de um de seus filhos, André”.

Foto: Eliane Carvalho/Governo do Estado do RJ