Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Píer Mauá deve deixar de receber 25 mil turistas

O Píer Mauá, na zona portuária da capital fluminense, estima que, até o próximo dia 21, a cidade deixará de receber aproximadamente 25 mil turistas e uma injeção de US$ 7,5 milhões na economia devido à suspensão temporária de navios de cruzeiros nos portos brasileiros por causa do número de infectados por covid-19 entre passageiros e tripulantes registrado em cinco embarcações.

Na segunda-feira (3), a Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros anunciou a suspensão voluntária das operações nos portos do Brasil até 21 de janeiro. A medida foi tomada após recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) contraindicando embarques em cruzeiros neste momento, depois do surgimento de surtos da covid-19 a bordo das embarcações que operam na costa brasileira.

Em nota, a administração do Píer Mauá disse que todos os usuários precisam apresentar o comprovante de vacinação para entrar no terminal, assim como uso de máscara e a utilização de álcool gel. “Para o caso de passageiros e tripulantes, os protocolos são ainda mais exigentes: todos precisam apresentar testes negativos no prazo de 72 horas. Já os funcionários do Píer Mauá, começaram a ser testados 100% em dias de operações”, diz o comunicado.

Segundo o terminal, os protocolos da Anvisa para os cruzeiros são muito mais rigorosos que para a maioria dos outros equipamentos turísticos. “A disseminação da nova variante [Ômicron], infelizmente, já é realidade em todo país. Entretanto, acredito que na atividade de cruzeiros, até mesmo pela capacidade de testagem e demais controles, antes e durante a viagem, os riscos são controlados e mitigados”, disse o diretor de operações do Píer Mauá, Américo Relvas.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Saúde

Prefeitura de Olinda cancela tradicional carnaval em 2022

A prefeitura de Olinda, em Pernambuco, anunciou nesta quarta-feira (5) o cancelamento do tradicional carnaval municipal em 2022. A administração municipal justificou a decisão pela situação da pandemia de covid-19 e pelo aumento dos casos no país e na cidade.

“Nós tomamos essa decisão, em coletividade, que estamos cancelando o maior carnaval do mundo. A gente não seria irresponsável de expor a vida de ninguém. Isso é o mais importante”, afirmou o prefeito, Professor Lupércio.

O carnaval de Olinda é um dos maiores do país, juntamente com o de Salvador (BA) e do Rio de Janeiro. A folia é tradicional e mobilizava mais de três milhões de pessoas até o início da pandemia em centenas de blocos que apresentam de ritmos tradicionais como o frevo e maracatu ao samba e músicas populares.

A prefeitura também anunciou programas de apoio a trabalhadores e empreendedores que fazem parte da cadeia produtiva do carnaval. Será fornecido um auxílio-carnaval, de valor ainda não divulgado, para artistas, representantes da cultura popular e ambulantes.

Uma outra iniciativa divulgada foi o Circuito Cultural: Fomento à Cultura, voltada ao apoio de projetos culturais como festivais municipais e festivais multiculturais. Para ter acesso aos investimentos, os agentes deverão ser da cidade.

Ainda conforme a administração municipal, haverá editais para apoio de projetos culturais de grupos e coletivos. A prefeitura ainda não informou quanto será destinado para esses programas de fomento.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Aumentam casos de covid-19 nos navios de cruzeiros na costa brasileira

Mesmo com a suspensão temporária da operação de navios de cruzeiros nos portos brasileiros, anunciado pelas operadoras na segunda-feira (3), após a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Ansiva) para suspender a temporada, os cinco navios que estão em águas territoriais reportaram 222 casos positivos para covid-19 a bordo das embarcações.

Os dados são da última atualização do monitoramento feito pela Anvisa, divulgado na noite de ontem (4). A retomada das operações dos navios de cruzeiro foi autorizada pela Portaria Interministerial 658, de 5 de outubro de 2021, da Casa Civil, e dos Ministérios da Justiça e Segurança Pública, Saúde e Infraestrutura. A norma dispõe sobre restrições e medidas temporárias para a entrada no país, em decorrência da pandemia.

MSC Preziosa

Pelos protocolos vigentes, o navio tem capacidade para 3.016 passageiros e está no nível 3 do cenário epidemiológico. O MSC Preziosa atracou na manhã de hoje (5) no porto do Rio de Janeiro, com o registro de 25 casos de covid-19 entre os tripulantes e oito entre os passageiros.

A operadora MSC Cruzeiros não respondeu à reportagem para informar se todos os passageiros foram desembarcados ou apenas os que testaram positivo. Houve embarque de passageiros no domingo (2), mesmo dia em que 28 pessoas com covid-19 haviam desembarcados do navio no Rio de Janeiro.

Os moradores da cidade e de localidades próximas foram direcionados para ficarem isolados em suas casas ou de parentes ou amigos. As nove pessoas que não moram no estado foram hospedadas em um hotel na cidade, onde ficarão em isolamento por um prazo de 10 dias a contar do início dos sintomas.

MSC Splendida

O navio interrompeu as atividades no dia 31 de dezembro, após a notificação de 51 tripulantes e 27 passageiros com a doença.

A embarcação está em área de fundeio no Porto de Santos (SP), sem passageiros a bordo, mas há 62 casos positivos de covid-19 entre os tripulantes.

O navio tem capacidade para 3.051 passageiros e encontra-se no cenário epidemiológico nível 4 no domingo (2), ou seja, está em quarentena.

Costa Diadema

Também teve as atividades interrompidas no dia 31 de dezembro, em Salvador (BA), com o registro de 68 casos de covid-19, sendo 56 tripulantes e 12 passageiros.

O navio está em área de fundeio no Porto de Santos (SP), sem passageiros, e no momento há 30 tripulantes que testaram positivos para covid-19.

O navio tem capacidade para 2.368 passageiros e está em quarentena, com cenário epidemiológico no nível 4.

Costa Fascinosa

Segundo a operadora Costa Cruzeiros, o navio deixou o Porto de Santos na segunda-feira (3), onde não houve embarques, e irá aportar amanhã (6) no Rio de Janeiro, para desembarque completo dos passageiros, que subiram a bordo no dia 30.

A Anvisa informou que foram reportados dois casos de covid-19 entre os tripulantes e cinco entre os passageiros. A capacidade é de 1.083 passageiros e a embarcação está no nível 3 do cenário epidemiológico.

MSC Seaside

O navio está no nível 3 do cenário epidemiológico e deve aportar no Porto de Santos amanhã. A capacidade é para 3.622 passageiros e há 65 casos de covid-19 entre os tripulantes e 25 entre os passageiros.

 

Agência Brasil

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Rio: mortalidade por covid-19 é três vezes maior entre não vacinados

A taxa de mortalidade por covid-19 no mês de dezembro no estado do Rio de Janeiro foi três vezes maior entre pessoas não vacinadas, quando esse grupo é comparado ao das pessoas que tomaram ao menos uma dose das vacinas disponíveis. Os dados foram divulgados hoje (4) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), que reforça que a vacinação é fundamental para evitar os casos graves e internações e reduzir o risco de morte por covid-19.

Entre os vacinados com ao menos uma dose, a taxa de mortalidade foi de 0,14 óbitos para cada 100 mil habitantes no mês de dezembro. Entre os não vacinados, a proporção sobe para 0,52 por 100 mil.

Em dezembro, o estado do Rio de Janeiro registrou 32 óbitos por covid-19, sendo 20 em pessoas que tomaram ao menos uma dose da vacina. Essas mortes ocorreram em um universo de mais de 12 milhões de habitantes que tomaram ao menos uma dose das vacinas no estado. Já entre os não vacinados, houve 12 mortes em um universo de cerca de 4 milhões de pessoas.

Apesar de a comparação feita no levantamento ser entre pessoas com ao menos uma dose e pessoas não vacinadas, a recomendação das autoridades de saúde para que a proteção contra a covid-19 atinja seu potencial máximo é a aplicação do esquema vacinal completo, o que inclui duas doses mais uma dose de reforço no caso das vacinas Pfizer, AstraZeneca e CoronaVac, e uma dose mais uma dose de reforço no caso da Janssen.

A Secretaria de Estado de Saúde informa ainda que a taxa de incidência de internação na população não vacinada é oito vezes maior que entre os imunizados com ao menos uma dose.

Foram contabilizadas 4,3 internações a cada 100 mil pessoas não vacinadas, enquanto entre os imunizados o número cai para 0,56 por 100 mil.

Apesar de a população vacinada ser quase três vezes maior que a não vacinada, o número de internações de não imunizados foi 21% maior que o de imunizados.

O mês de dezembro teve 179 internações por covid-19 no estado do Rio de Janeiro, sendo 98 de pessoas não imunizadas e 81 de pessoas imunizadas com ao menos uma dose das vacinas.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Cultura Destaque Diário do Rio Notícias Política Rio

Rio: queima de fogos de 16 minutos marca virada em Copacabana

A queima de fogos de artifícios voltou a iluminar o céu de Copacabana na virada do ano. Por 16 minutos, o espetáculo que foi suspenso na entrada de 2021 foi recebido com alegria e esperança de um ano melhor em 2022. As medidas da Prefeitura do Rio de Janeiro para evitar aglomerações deram resultado e o público foi menor do que nos anos sem pandemia, quando o réveillon famoso mundialmente reunia até 3 milhões de pessoas.

Medidas como a barreira na entrada de veículos em vários acessos ao bairro após às 19h, a suspensão do funcionamento do Metrô às 20h, proibição de estacionamento na orla e a falta de ônibus extras para Copacabana, além do desvio de linhas regulares, contribuíram para a diminuição do público, mas não foi só isso. A chuva fraca que caiu durante o dia e à noite e a instalação de mais 10 pontos de queima de fogos em outras partes da cidade também ajudaram. A intenção da prefeitura em instalar esses outros pontos de show pirotécnico nos outros bairros foi evitar o deslocamento do público para Copacabana.

 

No mar, as quase 24 mil bombas de fogos instaladas nas dez balsas ao longo da orla levaram emoção ao público, que pôde acompanhar também em imagens das televisões e da prefeitura. O início do espetáculo de queima de fogos foi com um manifesto à vida gravado com a cantora Teresa Cristina.

Ainda para evitar aglomerações, a prefeitura decidiu que neste réveillon não haveria os shows em palcos espalhados na orla de Copacabana. O público, no entanto, não ficou sem música. Foram instaladas 25 torres de som em vários pontos da Praia, com a transmissão da programação do DJ MAM a partir das 20h, que podia ser vista também por redes sociais da prefeitura.

O fato negativo da festa ficou por conta de um arrastão na areia de Copacabana na hora da virada. Em ocorrências distintas, o 19º Batalhão da Polícia Militar (Copacabana) registrou na madrugada de ontem (31) para hoje a prisão de sete homens; a apreensão de dois adolescentes após furtarem o telefone celular de uma vítima e a autuação de dois homens, que foram liberados. Além disso, os policiais apreenderam uma arma de fogo e 8,87 gramas de maconha. Pelos números da Polícia Militar, foram realizadas abordagens e revistas a 72 pessoas.

Durante a festa, policiais do batalhão verificaram furtos em série de celulares enquanto as vítimas tiravam fotos da festa. Algumas pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para o posto médico onde receberam atendimento.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS-Rio), onze pacientes com quadros mais graves precisaram ser transferidos para hospitais ou Unidades de Pronto Atendimento. “Entre eles dois homens jovens com ferimentos por arma branca. Eles foram removidos para os hospitais municipais Souza Aguiar e Miguel Couto, receberam os cuidados indicados e tiveram alta.

Os três postos médicos montados em Copacabana pela SMS-Rio atenderam 111 pessoas entre às 17h30 de ontem e às 3h30 de hoje. Segundo a secretaria, a maioria com pequenos traumas como pancadas e cortes, ou pessoas que passaram mal por excessiva ingestão de bebidas alcoólicas.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Política Saúde

Ministro do STF decide que universidades podem exigir vacinação

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu hoje (31) suspender a decisão do Ministério da Educação (MEC) que proibiu instituições de ensino federais de cobrar vacinação contra covid-19 como condição para o retorno às aulas presenciais. 

A decisão foi motivada por uma ação movida por partidos de oposição. Para o ministro, as universidades possuem autonomia e podem cobrar certificado de vacinação dos alunos.

“Defiro a tutela de urgência para determinar a imediata suspensão do despacho de 29 de dezembro de 2021 do Ministério da Educação, que aprovou o Parecer 01169/2021/CONJUR- MEC/CGU/AGU, proibindo a exigência de vacinação contra a Covid-19 como condicionante ao retorno das atividades acadêmicas presenciais”, decidiu Lewandowski.

A medida do MEC estava amparada no parecer da consultoria jurídica junto ao Ministério da Educação, que conta com integrantes da Controladoria-Geral da União (CGU) e da Advocacia-Geral da União (AGU). Para o ministério, a exigência somente poderia ocorrer por meio de lei.

“A exigência de comprovante de vacinação para ingresso nas instituições de ensino seria um meio indireto à indução da vacinação compulsória, que somente poderia ser estabelecida por meio de lei”, justificou o MEC.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Política Saúde

Anvisa monitora dois navios após aumento de casos de covid-19 a bordo

Os navios de cruzeiro MSC Splendida e Costa Diadema estão sob supervisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após o aumento dos casos de covid-19 a bordo. No momento, quase 4 mil pessoas estão embarcadas em cada um dos navios. Por meio de nota, a agência informou que monitora as embarcações e adotará as medidas previstas nas normas, as quais podem incluir quarentena ou mesmo suspensão das atividades.

O MSC Splendida atracou no Porto de Santos nessa quarta-feira (29) após relatar novos testes positivos de covid-19. Foram identificados 51 tripulantes e 27 passageiros com a doença. Foram identificados ainda 54 contactantes, ou seja, pessoas que tiveram contato com quem testou positivo para a doença.

O caso começou a ser analisado pela Anvisa no dia 28 em fiscalização conjunta com a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, após ser observado o aumento de casos entre tripulantes. O relatório investigativo de surto da agência indica que a empresa foi notificada para fazer a testagem em 100% da tripulação.

Segundo a Anvisa, todas as 132 pessoas infectadas e contactantes estão sendo desembarcadas, conforme prevê resolução da agência e também o plano de operacionalização elaborado pelo município de Santos e pelo estado de São Paulo. Eles serão transportados em veículos específicos. Após o desembarque, os viajantes serão monitorados por um Centro de Informações Estratégicas em Saúde (Ciev).

No momento, não estão autorizados novos desembarques e embarques. Os navios devem permanecer atracados em Santos até que seja finalizada a análise dos dados epidemiológicos pelas autoridades de saúde.

O Costa Diadema, da empresa Costa Cruzeiros, está atracado em Salvador. Nas últimas 24 horas foram confirmados 68 casos de covid-19, sendo 56 entre tripulantes e 12 entre passageiros. Segundo a Anvisa, a operação da embarcação na capital baiana não foi autorizada pela agência, “estando proibido o embarque e o desembarque de viajantes até que seja finalizada a investigação em andamento”.

Estão embarcados, no momento, 3.836 viajantes, sendo 1.320 tripulantes. O navio iniciou a viagem no Porto de Santos e teria como próximo destino o Porto de Ilhéus, na Bahia.

A Agência Brasil procurou a MSC e Costa Cruzeiros, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

Categorias
Brasil Destaque Notícias Saúde

Ômicron está em 2,5% das amostras de covid-19 sequenciadas em SP

A presença da variante Ômicron em São Paulo aumentou 12 vezes em uma semana, aponta boletim epidemiológico da Rede de Alertas das Variantes do SARS-CoV-2, produzido pelo Instituto Butantan. A participação da cepa no total de amostras do vírus da covid-19 sequenciadas no estado, entre os dias 4 e 11 de dezembro, passou de 0,2% para 2,5%. O boletim analisa o aumento, a estabilização ou a diminuição da incidência dos casos positivos por semana epidemiológica.

No período analisado foram sequenciadas 367 amostras provenientes dos 17 Departamentos Regionais de Saúde (DRS) paulistas. Foram identificados mais oito casos de Ômicron na Rede de Alertas. Na semana anterior, a variante havia aparecido pela primeira vez no monitoramento. Até o dia 11, que corresponde à 49º semana epidemiológica, a variante Delta continua predominante em São Paulo. Ela representa 97% das amostras, seguida pela Ômicron e pela Gama, a qual aparece em 0,5% das amostras.

De acordo com o Butantan, Ômicron, Delta e Gama são exemplos de variantes de preocupação, tendo em vista que são “consideradas mais transmissíveis e com maior risco de causar agravamentos e mortes do que a cepa original do vírus SARS-CoV-2”.

Na Grande São Paulo, a Delta continua predominante, tendo aparecido em 93,1% das 130 amostras. A Ômicron representa 5,4%. Em Ribeirão Preto e região, a Delta está em 97,9% das amostras e a Ômicron em 2,1%. Foram sequenciadas 49 amostras. Em São José do Rio Preto e região, a Ômicron foi identificada na única amostra sequenciada.

O boletim mostra ainda que foram identificadas 40 variantes do SARS-CoV-2 circulantes no estado de São Paulo e a incidência da Delta é predominante desde a 33ª semana epidemiológica. Na 49ª semana epidemiológica, a incidência do vírus estava em diminuição em 11 dos 17 DRS do estado de São Paulo.

 

Agência Brasil

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

EUA estimam que Ômicron represente 58,6% dos casos de covid-19 no país

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos estimou que a variante Ômicron respondeu por 58,6% das variantes do novo coronavírus em circulação no país na semana encerrada em 25 de dezembro.

A variante de rápida disseminação foi detectada pela primeira vez no sul da África e em Hong Kong no mês de novembro, com o primeiro caso conhecido nos Estados Unidos identificado em 1º de dezembro em uma pessoa totalmente vacinada que havia viajado para a África do Sul.

A agência também revisou para baixo a proporção da Ômicron para a semana encerrada em 18 de dezembro, de 73% para 22%, dizendo que há um amplo intervalo de previsão publicado no gráfico da semana passada, em parte por causa da velocidade com que a Ômicron está se espalhando.

A variante Delta respondeu por 41,1% de todos os casos de covid-19 nos EUA até 25 de dezembro, de acordo com dados da agência de saúde pública divulgados nesta terça-feira (28).

O ex-comissário da Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) Scott Gottlieb disse no Twitter que, se a nova estimativa do CDC sobre a prevalência da Ômicron for precisa, a leitura sugere que uma boa parte das atuais hospitalizações ainda pode estar sendo causada pelas infecções com a Delta.

A agência disse que os dados incluem projeções modeladas que podem divergir de estimativas ponderadas geradas em datas posteriores.

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Notícias Notícias do Jornal Saúde

Coreia do Sul permite uso emergencial de pílula contra covid da Pfizer

A Coreia do Sul autorizou o uso emergencial do comprimido antiviral contra covid-19 da Pfizer, o primeiro do tipo a ser adotado no país, informou o Ministério da Segurança Alimentar e Farmacológica nesta segunda-feira (27).

Na semana passada, a Coreia do Sul reativou restrições de distanciamento rígidas que havia amenizado em novembro, porque uma série de novas infecções diárias recordes e casos graves sobrecarregaram os serviços médicos, apesar de um índice de vacinação de mais de 92% entre as pessoas de 18 anos ou mais.

O tratamento oral antiviral da Pfizer, batizado de Paxlovid, “deve ajudar a evitar uma deterioração grave de pacientes internados em centros de tratamento residenciais ou sendo tratados em casa” ao diversificar os tratamentos contra coronavírus para além das injeções usadas atualmente, disse o ministro da Segurança Alimentar e Farmacológica, Kim Gang-lip, em um briefing à imprensa.

O remédio será usado em adultos e crianças de 12 anos ou mais de mais de 40 quilos com sintomas entre suaves e moderados e com risco alto de desenvolver um caso grave de coronavírus devido a fatores como doenças preexistentes.

Outro tratamento oral contra o coronavírus chamado molnupiravir, desenvolvido pela MSD, solicitou uma autorização de uso emergencial no início deste mês, mas o ministério ainda está analisando o pedido por necessitar de informações adicionais sobre a eficácia do medicamento, disse Kim.

 

Agência Brasil