Categorias
Ação Solidária Destaque

Colégio arrecada 2780 unidades para a campanha Meias do Bem

Ao longo dos anos, o CEL Intercultural School tem participado de várias iniciativas solidárias. E uma das mais recentes foi a Meias do Bem. Em parceria com a loja Puket, de roupas e acessórios infantis, o colégio arrecadou, em suas quatro unidades, após pouco mais de um mês, 2780 meias. As doações serão revertidas em cobertores para moradores de rua. A cada 40 pares doados, as pessoas necessitadas recebem um cobertor e um par novo de meias.

Não é só uma campanha, mas um service learning, que é um trabalho da Educação do Caráter. Nele, além de fazer uma boa ação para alguém, há um ganho acadêmico para os alunos e uma reflexão final – explica Vitoria Padilla, coordenadora geral da Educação Infantil e Ensino Fundamental I do CEL.

Nossos alunos trabalharam com Matemática: quantas meias são necessárias para transformá-las em um cobertor. E, também, nas aulas de CEL Maker, construíram um aparelho que contabilizava cada meia que entrava na doação. Ou seja, não era apenas uma campanha, mas um ganho acadêmico, como, normalmente, acontece nas iniciativas das quais participamos – exemplificou Vitoria.

Uma das estratégias empregadas é a política dos 5R’s: repensar, recusar, reduzir, reutilizar e reciclar. O primeiro ponto é repensar, porque precisamos primeiro refletir sobre hábitos de consumo e descarte – continua a coordenadora.

Gerente da unidade da Puket que recebeu as doações, Glaucia ficou feliz com a parceria com o CEL:

É muito importante, porque despertamos esse assunto nos alunos e, ao mesmo tempo, eles conhecem nossa marca, que fica mais consolidada em quem já a conhecia.

Início em 2013:
O projeto Meias do Bem teve início em 2013:

Fazemos meia há mais de 30 anos e, neste processo produtivo, sempre sobram fiapos, pedaços de meias velhas que a gente sempre deu para transformar em cobertores. Aí a gente estava pensando e vendo a campanha do agasalho, que é muito legal: as pessoas dão roupas velhas a quem precisa. Só que, normalmente, as meias velhas a gente joga fora. Foi aí que surgiu a ideia do Meias do Bem. Já tínhamos o processo produtivo, e por que não coletar todas essas meias que, em geral, iam para o lixo, e transformar em cobertores? –  indaga Cláudio Bobrow, sócio-fundador da Puket e idealizador do projeto.

Categorias
Ação Solidária Destaque Notícias Rio

ONG recebe doação de bicicletas na cidade do Rio de Janeiro

A campanha “BIke Parada Não Rola” busca recolher bicicletas paradas em condomínios residenciais a fim de utilizá-las em projetos

O Aromeiazero, Instituto que promove ações através da bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e a Ocyan, empresa do setor de óleo e gás, lançam no Rio de Janeiro a campanha “Bike Parada Não Rola”. O propósito é liberar espaços em condomínios residenciais, recolher bicicletas e utilizá-las nos projetos desenvolvidos pelo Instituto. Além de fazer a coleta de forma gratuita, a ONG oferece apoio e material de divulgação para que toda pessoa conscientize síndicos e administradores sobre a importância das doações e estabeleçam um prazo para que as bicicletas abandonadas sejam identificadas. Essas bicicletas recolhidas serão usadas  no projeto ‘Pedala Macaé’, que tem  objetivo estimular o empreendedorismo através da bicicleta e o uso desse modal nas escolas de ensino infantil.

Os interessados em fazer a campanha ou doar suas bikes devem preencher um cadastro no site do Aromeiazero , nossa parceira nesta iniciativa. Depois, será realizado um agendamento para a retirada de cada uma delas. O foco é o recolhimento nos prédios, com adesão do síndico para estimular a campanha. Depois elas serão encaminhadas para Macaé, onde desenvolvemos o projeto ‘Pedala Macaé’ – explica Jocelina Valle, coordenadora de Responsabilidade Socioambiental da Ocyan.

As bicicletas doadas serão utilizadas em outros dois projetos da parceria, como o ‘Viver de Bike’ que ensina reparos mecânicos e empreendedorismo através da bicicleta para pessoas em situação de vulnerabilidade de Macaé e o ‘Rodinha Zero’, que ensina crianças a pedalarem com autonomia e segurança sem rodinhas de apoio –  Murilo Casagrande, diretor da Aromeiazero.

Segundo Mireille Gondim, síndica do condomínio Atlântico 1, localizado em Macaé, o prédio em que mora estava repleto de bicicletas abandonadas, causando problemas no espaço e na circulação dos moradores. “A situação aqui estava complicada, eram muitas bicicletas paradas e precisávamos utilizar o espaço. Não sabíamos muito bem o que fazer e foi aí que ficamos sabendo da campanha. Conseguimos resolver o nosso problema e ajudar outras pessoas. Quero estimular todos a doarem. Pensem na sustentabilidade e no bom uso”, comentou.

Os interessados em fazer uma doação, poderão acessar a página da campanha através do site.

A gente estava com um situação bem complicada aqui no meu prédio e a gente não sabia

Parceria

A parceria com a ONG Paulista Aromeiazero busca estimular a segurança do ciclista e o uso desse modal de transporte e mobilidade. A ação faz parte da nova Plataforma Socioambiental da Ocyan, que tem suas linhas de atuação voltadas para a promoção de ações de meio ambiente e desenvolvimento humano.

Sobre a Ocyan

A Ocyan é uma empresa com atitude sustentável e conhecimento para prover soluções para a indústria de óleo e gás upstream offshore no Brasil e no exterior. Seus principais valores são a segurança dos integrantes e da operação, a parceria de confiança com os clientes, e o compromisso com a ética e a transparência. A companhia encoraja também a diversidade e inclusão dentro e fora da empresa. Fazem parte da frota da empresa atualmente cinco unidades de perfuração e duas embarcações FPSO (floating, production, storage and offloading). A Ocyan desenvolve também projetos SURF, fabricação e instalação de equipamentos submarinos, e presta serviços de manutenção offshore. Mais informações no site

Sobre Aromeiazero

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Maiores informações no site .

 

Categorias
Destaque Rio

Shoppings promovem campanha de arrecadação de brinquedos

Em comemoração ao Dia das Crianças, visitantes podem doar
brinquedos novos ou em bom estado de conservação, que serão
destinados a instituições no entorno dos empreendimentos.

Com o propósito de contribuir para o desenvolvimento sustentável das

Foto : Divulgação

cidades onde atua, a Aliansce Sonae Shopping Centers promove, até 3 de outubro, campanha de arrecadação de brinquedos, nos seus shoppings do Rio de Janeiro, para distribuição no Dia das Crianças. A campanha vai arrecadar brinquedos novos ou em bom estado, que serão distribuídos às instituições cadastradas pelo Instituto da Criança, em comunidades próximas aos empreendimentos.

A maior administradora de shoppings do país tem uma agenda social,
cultural e educacional muito estruturada ao longo do ano. A rede realiza campanhas de arrecadação também em datas como Natal, períodos de volta às aulas e até durante o inverno, para doação de agasalhos. Para Ana Paula Niemeyer, head de marketing da companhia, a ação reforça o importante papel dos empreendimentos nas comunidades onde estão localizados.

Ações com este viés são parte do nosso calendário. Em parceria como Instituto da Criança, já tivemos a oportunidade de ajudar centenas de pessoas. Criamos um movimento de solidariedade que incentiva a adesão do nosso público. É uma corrente do bem que faz a diferença para as comunidades locais – completa.

Os shoppings que participam da iniciativa estão em diferentes regiões
do município e também na metropolitana do Rio de Janeiro. São eles:
Bangu Shopping (Bangu), Carioca Shopping (Vila da Penha), Caxias
Shopping (Duque de Caxias), Passeio Shopping (Campo Grande), Pátio Alcântara (São Gonçalo), Santa Cruz Shopping (Santa Cruz), Shopping Grande Rio (São João de Meriti), Shopping Leblon (Leblon), São Gonçalo Shopping (São Gonçalo), Via Parque Shopping (Barra da Tijuca)e Recreio Shopping (Recreio).

Os brinquedos serão distribuídos para as seguintes instituições
filantrópicas: Cultura na Cesta (Santa Cruz), Centro Educacional Anne
Sullivan (Bangu), NEAC – Núcleo Especial de Atenção à Criança
(Campo Grande), Creche Mães Trabalhadoras (São Gonçalo), Projeto
Craque do Amanhã (Alcântara), Gasco (Leblon), Ação Social do Recreio(Recreio dos Bandeirantes), ASVI – Associação Semente da Vida da Cidade de Deus (Barra da Tijuca), Centro Cultural Liga do Bem (Vicentede Carvalho), ONG Mão Amiga Lutando Pela Vida e ASPA  – Ação Paulo VI(Caxias).

Categorias
Brasil Destaque

ONG promove mobilidade sustentável nas aldeias indígenas do Brasil

As ações vão desde doações até investimento e mentoria.

Segundo dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais da metade dos indígenas brasileiros vivem em território urbano. Se for parar para pensar nas razões que explicam a mudança para a cidade ou o deslocamento diário até ela, as respostas estão na busca por trabalho, melhores condições de acesso à saúde e educação e perda de terras.

Um exemplo claro é a votação do PL 490, que tramita no Congresso desde 2007 e determina que são terras indígenas aquelas que estavam ocupadas pelos povos tradicionais em 5 de outubro de 1988. Ou seja, seria necessária a comprovação da posse da terra no dia da promulgação da Constituição Federal. Portanto, se aprovado, o PL 490 também colocará em risco comunidades quilombolas e outros povos tradicionais brasileiros. Embora sejam povos originários, os indígenas ainda são invisíveis ao poder público e à própria população. Em meio às ameaças de violência, riscos de perda de direitos em decorrência da pressão dos latifundiários, mineradoras e usinas, os povos indígenas lutam para sobreviver.

O Instituto Aromeiazero, organização que desenvolve projetos através da bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e tornar as cidades mais verdes e resilientes, vem atuando, desde o início da pandemia, para promover o uso da bicicleta entre os indígenas, facilitar a locomoção nas aldeias e fortalecer a geração de renda. “Estimular o uso da bicicleta nas aldeias vai além da proteção ao meio ambiente, também ajuda a garantir acesso a direitos e mais qualidade de vida nas aldeias”, explicou Renata Cirilo, Coordenadora de Projetos do Instituto.

Foi assim que, entre abril e maio deste ano, a organização através da campanha Bike Parada Não Rola doou 40 bicicletas, entre adultas e infantis, a duas aldeias localizadas no Estado de São Paulo: Tenondé Porã, em Barragem e Guyra Pepo, em Tapiraí. A iniciativa se deu a partir do entendimento que bicicletas podem contribuir para a vida dessas comunidades, apoiando a mobilidade de forma sustentável, favorecendo, portanto, maior autonomia dos que lá habitam.

Foto: Reprodução

Outro projeto foi a Jornada Para Multiplicadores do Rodinha Zero, voltada para educadores, pais, funcionários de escola e organizações sociais, que busca sensibilizar e formar multiplicadores para ampliar a cultura ciclista em diferentes territórios e promover ações que impulsionem o uso da bicicleta como ferramenta para o desenvolvimento integral das criança. Os participantes desenvolveram planos mobilizadores que estão presentes no E-book Rodinha Zero e os projetos selecionados receberam mentorias do Aromeiazero para desenvolverem.

Um deles foi o Pedal na Aldeia, projeto que tem o objetivo de mobilizar os alunos da Escola Estadual Indígena Itaawyak, localizada no norte do estado do Mato Grosso, entre os municípios de Apiacás (a 1.010 km de Cuiabá) e Jacareacanga, no estado do Pará. O acesso saindo da Aldeia, só é possível pelas águas do Rio Teles Pires. As crianças enfrentam não apenas dificuldades de acesso geográfico, mas também falta de acesso às novas tecnologias, ferramentas e equipamentos de lazer e recreação, o que limita bastante as condições para um saudável desenvolvimento motora.

No mês de março, o Aro realizou com o patrocínio do Instituto Phi, a Bike-a-thon Cicloturismo, uma maratona de inovação social que ofereceu apoio técnico e financeiro para ideias, negócios e projetos de turismo de bicicleta que querem estruturar seu plano de negócio e sua operação diante dos desafios da pandemia. Um dos quatro projetos selecionados foi a Muriki Cicloturismo, responsável por propor o desenvolvimento de uma rota de cicloturismo na Unidade de Conservação da Floresta Nacional do Tapajós no Pará, articulando três comunidades tradicionais/indígenas, fortalecendo o turismo sustentável e gerando renda para as famílias que vivem nas reservas.

Em 2020, o Instituto apoiou o projeto Renova Bike, idealizado pela Família Terena do Mato Grosso do Sul. O apoio se deu após a seleção de projetos da Bike-a-thon, patrocinada pelo Itaú Unibanco. O objetivo era de levar mobilidade, promover interação social e fazer com que as crianças da aldeia indígena da cidade de Aquidauana pudessem usar bicicleta como ferramenta de lazer e de meio de transporte até as escolas. Ao todo, 21 crianças foram contempladas. Quinze tiveram suas bicicletas consertadas e seis ganharam uma nova.

Para Everton Silvério Ferreira, responsável pelo Renova Bike, o apoio do Aromeiazero foi fundamental para levar lazer, mobilidade e interação para a vida dessas crianças. “A maioria dos pais dos pequenos não tinha condições financeiras para comprar uma bicicleta ou consertar uma antiga, e graças ao Aro isso foi possível”. Alguns meses depois, as bicicletas seguem rodando com as crianças de Aquidauana.

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio do Itaú Unibanco e da Argo Seguros, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Sobre o Territórios do Comum

No atual momento ações realizadas por organizações não governamentais, coletivos e indivíduos engajados são ainda mais necessárias para transformar positivamente territórios e comunidades, bem como as políticas públicas. Assim, diversas iniciativas da sociedade civil têm atuado de forma colaborativa, constituindo espaços de diálogo e de criação de tecnologias com mobilização social, que apontam soluções para questões emergentes em seus territórios. Para ampliar as possibilidades de trocas de conhecimentos de quem transforma seu território e quem deseja saber mais sobre o assunto, o Sesc Paulo dá início ao projeto “Territórios do Comum”, entre 1 a 15 de agosto, como ação em rede voltada ao tema da cidadania em suas múltiplas dimensões e possibilidades de colaboração”.

Redes Sociais do Aromeiazero

Instagram: Aromeiazero
Facebook: Aromeiazero
Youtube: Aromeiazero

Categorias
Notícias do Jornal

LBV, Imperator e Secretaria Estadual de Cultura realizam uma parceria social

Juntos, 2 toneladas de donativos foram entregues para integrantes cadastrados previamente das Rodas de Samba do Rio de Janeiro.

No último dia 28 (quarta-feira), a Legião da Boa Vontade em parceria com a casa de show Imperator, que é vinculada à Secretaria Estadual de Cultura, entregaram 2 toneladas de cestas básicas, a integrantes cadastrados previamente das Rodas de Samba do Rio de Janeiro. O

Foto: Divulgação

evento aconteceu na Biblioteca Parque, no Centro.
O gancho para esta ação surgiu quando diversas instituições do terceiro setor participaram da live “Nós Pelo Samba”, que ocorreu no dia 29 de junho, no Imperator. Esta live teve como objetivo garantir segurança alimentar de 600 famílias, durante 3 meses, com o fornecimento de cestas básicas.
Realizada pela Rede Carioca de Rodas de Samba e apoiada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Detran, Mesa Brasil e RioSolidario entre outros, o evento contou com diversos artistas das Rodas de Samba carioca.

Foto: Divulgação

Dentro desse contexto social, a LBV somou esforços com seus parceiros de Boa Vontade, para ajudar neste momento tão desafiador devido a pandemia. Para o dia 28 de julho, além das presenças da Secretária Estadual de Cultura – Danielle Barros, do diretor da casa de show Imperator – Nélson Leite e do gestor do Prêmio Plumas e Paetês Cultural – José Antônio, alguns integrantes das Rodas de Samba do Rio de Janeiro marcaram presença.

Categorias
Esportes Fica a Dica Social

Quilômetros percorridos em atividades do dia a dia se transformam em apoio financeiro para ONGs

 

 

App promove cultura de doação e impacta positivamente o terceiro setor

Em meio a tantas dificuldades que o Brasil vem passando e o crescimento da fome e da miséria devido a pandemia, ações de solidariedade se multiplicaram em todo o país. Diversas redes foram construídas para captar recursos, combater a crise sanitária e econômica e ajudar famílias em situações de vulnerabilidade.

De acordo com dados do monitor da Associação Brasileira dos Captadores de Recursos (ABCR), o número de doações chegou a R$6 bilhões no início da pandemia. Porém, a média mensal vem diminuindo. Em junho de 2020, a arrecadação ficou 88% abaixo do que foi registrado em maio.

Aromeiazero doou 21 bicicletas através da”Bike Parada Não Rola” para duas aldeias indígenas. Foto: Reprodução

Pensando em contribuir com as Organizações Não Governamentais (ONGs), os empresários André Kok e Saulo Marchi lançaram em fevereiro de 2021, o Km Solidário. Trata-se de um aplicativo gratuito cujo objetivo é desenvolver a cultura de doação, transformando quilômetros percorridos nas atividades do dia a dia em apoio financeiro para mais de 10 ONGs cadastradas.

O  Aromeiazero é uma delas. O Instituto promove mudanças no modo de vida das pessoas, combate a desigualdade social e torna  as cidades mais verdes e resilientes através de projetos relacionados à bicicleta. O apoio financeiro desta e de outras campanhas colaboram com as ações desenvolvidas pelo Aro.

O desafio é grande, mas é muito bonito o que a gente se propôs. Temos que dar 3 voltas ao mundo pedalando, todo mês, para bater nossa meta de arrecadação. Parece impossível, mas com a ajuda de cada um, rola – explica Murilo Casagrande, sócio fundador e diretor do Aromeiazero.

Os interessados em contribuir com o Instituto, precisam fazer download do app no celular, escolher o Aromeiazero e o tipo de atividade que vão realizar e clicar em concluir ao finalizar. A partir daí, as distâncias percorridas em bike, caminhada, natação ou corrida são convertidas em doações financeiras. Vale informar que nada é cobrado do usuário, todo o dinheiro vem por meio dos patrocínios e anúncios existentes dentro do aplicativo. Caso queira ajudar, mas não pode praticar exercícios é possível doar um valor no próprio app. As doações podem ser por cartão de crédito, boleto ou pix.

O aplicativo está disponível em Android e IOS e ocupa menos espaço no celular do que um vídeo de dois minutos. Além disso, pode ser sincronizado com FitBit, Garmin, Polar, Strava ou Apple Saúde. Para quem já tem histórico de resultados e rankings nesses programas, não precisa se preocupar, nenhuma informação será perdida. Para saber mais, confira a página do Km Solidário no site do Aro: http://bit.ly/kmsolidario.

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Assessoria de Imprensa

E-mail: imprensa@aromeiazero.org.br

Whatsapp: (21) 981832288

Redes Sociais

Instagram: Aromeiazero

Facebook: Aromeiazero

Youtube: Aromeiazero

 

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Banco de Sangue Serum inaugura unidade na Barra; saiba como doar

Já está em funcionamento o Banco de Sangue Serum Barra, localizado no Casa Shopping. A população do Rio de Janeiro, especialmente os moradores da região da Barra e Zona Oeste, passam a contar agora com mais uma unidade para atendimento aos doadores e pacientes.

A nova unidade dispõe de 10 cadeiras para doadores, sendo duas direcionadas para doações por aférese – processo que permite a separação de glóbulos, plasma e plaquetas – e que podem ser utilizadas para situações de grande demanda ou ocorrências urgentes.

O Banco de Sangue Serum Barra tem a expectativa de receber, inicialmente, uma média de 80 a 100 doadores por dia, com uma previsão de crescimento, ao longo dos meses, que deverá alcançar 150 doadores por dia, para que os estoques se mantenham em um nível confortável.

De acordo com Rodrigo Moreira, líder de captação do Banco de Sangue Serum Barra, a escolha da localização foi estratégica.

“Tendo em vista a demanda cada vez mais alta de pacientes atendidos nos mais de 80 hospitais em nosso escopo e o déficit no número de doações, pensamos em nos fixar em uma região mais próxima para os residentes da região da Barra e seus arredores”, afirma.

O líder de captação explica ainda que, com a nova unidade do Banco de Sangue Serum Barra, são beneficiados os pacientes dos hospitais atendidos e a população da localidade.

“Os pacientes dos hospitais que atendemos, por mais uma oportunidade de contarem com um número maior de doadores auxiliando na manutenção dos estoques, e os doadores da região que não terão dificuldade com deslocamentos até o Centro”, conclui.

O Banco de Sangue Serum Barra atende mais de 80 hospitais entre públicos e privados na região Central do Rio de Janeiro, Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo. Está localizado no Casa Shopping – Bloco P, lado Península, Av. Ayrton Sena, 2.150, Barra da Tijuca – Rio de Janeiro – telefones (21) 3030-6761 / 6762 e (21) 99695-7470.

Requisitos básicos para doação de sangue

• Apresentar um documento oficial com foto (RG, CNH, etc.) em bom estado de conservação;

• Ter idade entre 16 e 69 anos desde que a primeira doação seja realizada até os 60 anos (menores de idade precisam de autorização e presença dos pais no momento da doação);

• Estar em boas condições de saúde;

• Pesar no mínimo 50 kg;

• Não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas;

• Após o almoço ou ingestão de alimentos gordurosos, aguardar 3 horas. Não é necessário estar em jejum;

• Se fez tatuagem e/ou piercing, aguardar 12 meses. Exceto para região genital e língua (12 meses após a retirada);

• Se passou por endoscopia ou procedimento endoscópico, aguardar 6 meses;

• Não ter tido gripe ou resfriado nos últimos 30 dias;

• Não ter tido Sífilis, Doença de Chagas ou AIDS;

• Não ter diabetes em uso de insulina;

• Aguardar 48h para doar, caso tenha tomado a vacina da gripe, desde que não esteja com nenhum sintoma.

Critérios específicos para a Covid-19

• Candidatos que apresentaram sintomas de gripe e/ou resfriado devem aguardar 30 dias após cessarem os sintomas para realizar doação de sangue;

• Aguardar 48h para doar, caso tenham tomado a vacina Coronavac/Sinovac e 7 dias caso tenham tomado a Astrazeneca;

• Candidatos que viajaram para o exterior devem aguardar 30 dias após a data de retorno para realizar doação de sangue;

• Candidatos à doação de sangue que tiveram contato, nos últimos 30 dias, com pessoas que apresentaram diagnóstico clínico e/ou laboratorial de infecções pelos vírus SARS, MERS e/ou 2019-nCoV, bem como aqueles que tiveram contato com casos suspeitos em avaliação, deverão ser considerados inaptos pelo período de 30 dias após o último contato com essas pessoas;

• Candidatos à doação de sangue que foram infectados pelos SARS, ERS e/ou 2019-nCoV, após diagnóstico clínico e/ou laboratorial, deverão ser considerados inaptos por um período de 30 dias após a completa recuperação (assintomáticos e sem sequelas que contraindique a doação).

Serviço:

Banco de Sangue Serum Barra

Endereço: Casa Shopping – bloco P – lado Península – Av. Ayrton Senna, 2.150 – Barra da Tijuca

Telefones: (21) 3030-6761 / 6762 | WhatsApp: (21) 99695-7470

Atendimento: Diariamente, das 7h às 18h; incluindo finais de semana e feriados

Estacionamento: gratuito, conveniado no local, durante a doação – Usuários de tags de acesso rápido, devem retirar o ticket na cancela do estacionamento para isenção.

Categorias
Educação Rio Social

CEL Solidário arrecada alimentos e produtos de higiene

O dicionário define a palavra solidariedade de várias formas. Uma delas é: disposição para ajudar. Pois, há anos, o CEL Intercultural School abraça as causas sociais e estimula doações. Em tempos de pandemia e ciente dos danos econômicos que a Covid-19 tem causado, o colégio, novamente, estende a mão ao próximo. E o projeto CEL Solidário arrecada alimentos e produtos de higiene.

Uma turma do Pré-I colocou no planejamento o vídeo da Turma da Mônica sobre solidariedade, que termina com os personagens convidando quem está assistindo a fazer doações. Pensando em tudo o que estamos vivendo, com tantas pessoas sofrendo e passando fome, ao ver o vídeo, tive a ideia de usá-lo como disparador do assunto com todas as turmas do Infantil e Fundamental I para fazermos a proposta das doações – explica May Chagas, diretora pedagógica do CEL.

Pais e alunos logo abraçaram o projeto:

Na semana passada, o meu filho chegou da escola muito entusiasmado com a campanha de solidariedade do CEL. Antes que eu tomasse conhecimento do CEL Solidário através da circular, ele já queria comprar os alimentos. Ele me explicou a importância de ajudar aos que estão necessitando deste gesto de amor e queria incentivar os amigos a terem o mesmo empenho. Estipulamos juntos um valor que poderíamos gastar e compramos vários alimentos para esta tão importante campanha. Sua importância vai além da ajuda ao próximo, pois ensina na prática às crianças o que é a solidariedade e que juntos podemos fazer um mundo muito melhor, mesmo em tempos tão difíceis – destacou Juliana de Oliveira Moll, mãe do aluno Rafael Moll Lopes, do 1º ano.

Na casa de Vívian Barcellos Veillard, mãe de Henrique Veillard Rufino, aluno do 1º ano do Ensino Fundamental, o sentimento é o mesmo:

 

 

 

 

Me sinto honrada ao ver que está sendo apresentado ao meu filho de forma tão humana e lúdica o que é ser solidário e sobre a empatia, princípios desenvolvidos em sua formação humana. Mesmo sendo ele uma criança de 6 anos, está tendo a compreensão da realidade, sendo envolvido na contribuição de alimentos que serão doados, no trabalho que foi feito em sala de aula, e ele ter ficado animado em ajudar o próximo, consciente do seu papel solidário. Realmente é motivo de muito orgulho ver o CEL incluir o aluno nesse assunto tão importante, principalmente agora nesta pandemia, em que muitas famílias precisam ainda mais de ajuda.

Definitivamente, a solidariedade está no ar. E no CEL.

Categorias
Cultura Destaque Economia Notícias Política Rio Saúde

Bondinho Pão de Açúcar doa mais três toneladas de alimentos para guias de turismo do Rio

O Bondinho Pão de Açúcar doará 200 cestas básicas para apoiar os profissionais autônomos do setor em situação emergencial, da cidade do Rio de Janeiro, que trabalham com atrações turísticas e foram diretamente atingidos nesta crise gerada pela pandemia da Covid-19. A distribuição será realizada nesta segunda-feira, 12 de abril, no Bondinho Pão de Açúcar e no Museu da República.

Iniciativas como essa também aconteceram em 2020. Em um ano, o Bondinho Pão de Açúcar soma o total de 13 toneladas de alimentos e materiais de higiene doados para guias de turismo da cidade do Rio de Janeiro. Mais uma vez, a ação é realizada com o apoio do site O Guia Legal, da Associação de Guias Motorizados do Rio de Janeiro (GUIAR) e da Liga Independente dos Guias de Turismo (LIGUIA), responsável pela seleção das 200 famílias que serão beneficiadas. Para receber a cesta, os guias turísticos deverão estar inscritos na CADASTUR – Ministério do Turismo. Os profissionais beneficiados receberão um e-mail de confirmação informando a hora e o local exato para retirada da sua cesta com mais de 15 quilos de produtos.

A distribuição das cestas será feita na entrada do parque e no Museu da República, ambos em local aberto. Todos os profissionais estarão com máscaras, utilizarão álcool gel e as cestas serão higienizadas.

“Vivemos um momento difícil e sabemos da importância em apoiar esses profissionais que são fundamentais para o setor do turismo. A doação das cestas básicas foi uma forma que nós, do Bondinho Pão de Açúcar, encontramos para oferecer um auxílio às pessoas que foram impactadas diretamente pela crise gerada por conta da pandemia e que, no momento, não estão podendo exercer suas funções de maneira integral”, comenta Sandro Fernandes, CEO do Bondinho Pão de Açúcar.

O Bondinho Pão de Açúcar incentiva que outras instituições, empresas de turismo e pessoas físicas também façam as suas doações para ajudar a esses profissionais tão importantes para o setor do turismo, a fim de atingir a marca de 1.000 cestas básicas e ajudar um número ainda maior de guias de turismo. Quem quiser doar, pode entrar em contato pelo e-mail liguia@liguia.org.br para obter mais informações sobre como ajudar.

Categorias
Destaque Diário do Rio Fazendo a Diferença Notícias Notícias do Jornal Social

Estudantes se unem em campanha solidária de doação de sangue para hospital

Estudantes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) decidiram se unir para tentar amenizar um problema que se agravou durante a pandemia: a queda no número de doações de sangue. Um grupo de veteranos encampou a missão de convocar calouros e demais alunos da instituição para doar sangue ao Banco de Sangue Herbert de Souza, do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe/Uerj), ato solidário que pode salvar até quatro vidas com uma única iniciativa.

Com aulas remotas e diante das restrições pela pandemia, os alunos decidiram montar um site para organizar a lista de doadores e fazer agendamentos. A ideia é ter, diariamente, até 10 doadores de cada curso. A restrição tem como finalidade evitar aglomeração, porém, não limitará a ação, pois a campanha se estenderá até julho.

Integrantes dos centros acadêmicos, Diretório Central dos Estudantes e atléticas dos cursos de graduação decidiram aderir à campanha, que foi intitulada Juntos pela Vida. A iniciativa, lançada neste mês, pretende estimular a doação de sangue entre os discentes de todos os campi.

A campanha é inspirada no Projeto Sangue, atividade de extensão da Faculdade de Enfermagem que, no início de 2020, antes da pandemia, plantou a idéia de estimular os calouros à doarem sangue. O que seria um trote solidário acabou se expandindo para uma conscientização geral do corpo estudantil.

“Esta campanha tem a importância de salvar vidas e de podermos criar uma cultura de doação de sangue dentro da comunidade da Uerj; uma cultura de salvar vidas”, diz Caio Cler dos Santos, aluno do 8º período de Engenharia Química, presidente do Centro Acadêmico do Instituto de Química e um dos veteranos organizadores da campanha.

Na opinião da assistente social e e também organizadora Regina Rangel, a união gerada por todos já aponta o sucesso que a ação pretende alcançar. “A Campanha Juntos pela Vida é fundamental para unificar a comunidade acadêmica, por meio da organização dos estudantes em prol da importância da doação de sangue, principalmente neste momento de pandemia”.

Ecoar ações que unem a comunidade é um dos maiores ganhos, na opinião da chefe do setor de hemoterapia do Hupe e professora da Faculdade de Ciências Médicas Flávia Miranda Bandeira, responsável técnica pelo Banco de Sangue. “Uma campanha assim traz consciência de coletividade e sociedade, provoca a sensação de pertencimento e cidadania, além de mostrar a união de todos pelo bem maior que temos: a vida”.

Os interessados em doar precisam ter entre 16 e 69 anos, mais de 50 kg, estar em boas condições de saúde, não ser portador de doenças cardíacas ou diabetes, não ter tido hepatite após os 10 anos de idade, não estar grávida e/ou amamentando e não ter ingerido bebida alcoólica 12h antes da doação. Além disso, pessoas que tiveram covid-19 só poderão doar 30 dias após o desaparecimento dos sintomas. As doações são agendadas pelo site: https://doity.com.br/juntos-pela-vida.