Categorias
Destaque Notícias Rio Saúde

Rio pode liberar máscaras em locais abertos na próxima semana

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou que a cidade pode atingir o percentual de 65% de população com vacinação completa contra a Covid-19 na próxima segunda-feira. Com essa cobertura vacinal, a prefeitura pretende desobrigar o uso de máscara em locais abertos e sem aglomeração.

“Imagino que na semana que vem a gente chegue na segunda-feira ou terça aos 65%. Supostamente, se não houver nenhuma decisão em contrário, a gente permite a liberação de máscara em lugares abertos”, disse o prefeito, que acrescentou que a medida segue as determinações do comitê científico da cidade.

Paes discursou para empresários na Associação Comercial do Rio de Janeiro e previu ainda que será possível atingir uma cobertura de 75% da população da capital fluminense com a vacinação completa em 15 de novembro, o que permitirá a desobrigação do uso de máscaras também em lugares fechados.

“Acho que vamos ter um belo de um Réveillon, um belo de um carnaval e vamos celebrar a vida. Isso é importante, o Rio precisa do setor de eventos e precisa do entretenimento”, disse.

Segundo o painel de dados da cidade do Rio de Janeiro, o município vacinou até o início da tarde de hoje cerca de 62% da população com duas doses ou a dose única da vacina.

Categorias
Destaque Notícias Política Rio

Debate no Senado evidencia discordâncias sobre edital de concessão do Aeroporto Santos Dumont

Da Agência Senado

A rodada de concessões aeroportuárias planejada pelo governo federal que inclui o aeroporto de Santos Dumont, no Rio de Janeiro, foi motivo de divergência entre os participantes da sessão de debates temáticos sobre o assunto promovida pelo Senado nesta sexta-feira (22).

Enquanto representantes do governo e das companhias aéreas defenderam o edital, parlamentares e gestores da cidade e do estado do Rio de Janeiro pediram ajustes nas regras da concessão. O senador Carlos Portinho (PL-RJ) está entre os que defendem a revisão do edital. Ele argumenta que, da forma como está, com a previsão de ampliação da oferta de voos no Santos Dumont, isso poderá acarretar a competição desse aeroporto com o Aeroporto Internacional Tom Jobim, mais conhecido como Galeão.

Portinho foi um dos senadores que solicitaram esse debate. Ele declarou que é favorável à concessão, mas fez um apelo para que o governo federal revise o edital. Para o senador, a proposta abre brechas, numa espécie de “burla”, em relação a impactos estruturais, ambientais e de segurança para ampliar a movimentação do terminal Santos Dumont — o que pode ocorrer, segundo ele, em detrimento do Aeroporto do Galeão.

Concorrência predatória

“Considerando que há uma vocação distinta entre os aeroportos do Galeão e o de Santos Dumont, por que o edital não traz a mesma limitação que houve no caso do Aeroporto de Pampulha, em Minas Gerais? Isso poderia ser feito justamente para que não haja uma concorrência predatória entre aeroportos na mesma cidade, na medida em que, no Aeroporto de Santos Dumont, inclusive, está prevista a possibilidade de voos até mesmo internacionais, além dos voos domésticos que vêm sendo transferidos, com maior volume, com maior frequência, já desde o ano de 2020”, argumentou o senador.

Carlos Portinho apresentou como sugestão aos representantes do governo que, para evitar prejuízos logísticos ao aeroporto do Galeão, o edital traga uma limitação: que somente permita voos internacionais no Santos Dumont quando os dois terminais alcançarem de 30 milhões de passageiros por ano

Subsídio cruzado

A expectativa é que o valor total do investimento no bloco de concessões — que também inclui Jacarepaguá (RJ), Uberlândia (MG), Uberaba (MG) e Montes Claros (MG) — alcance cerca de R$ 2,5 bilhões ao longo de um contrato de 30 anos. Para Carlos, o fato de o edital trazer outros terminais faz com que isso seja uma operação de risco, que não será atrativa para o potencial concessionário.

O secretário Nacional de Aviação Civil no Ministério da Infraestrutura, Ronei Saggioro Glanzmann, afirmou que a política de subsídio cruzado (quando outros aeroportos de maior movimento subsidiam terminais de menor porte) tem funcionado bem no país, o que viabilizaria a atratividade para a concorrência.

Arrecadação

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, reforçou as críticas ao edital. Ele avaliou que, caso as regras do edital sejam mantidas, a concessão trará “enormes malefícios” à capital fluminense.

“Eu não tenho dúvida nenhuma de que o que se busca neste momento é fazer caixa para superar as dificuldades da má gestão econômica do governo federal, para ver se resolve o problema do próximo ano. E isso está sendo feito à custa de um elemento fundamental para a infraestrutura da cidade e do estado do Rio de Janeiro: um aeroporto da importância do Galeão. O que eu venho dizer aqui é que haverá uma mobilização política muito forte, e que a cidade do Rio de Janeiro e o estado do Rio de Janeiro exigem respeito na forma como o governo federal vem tratando essa questão”.

Exemplo

O senador Antonio Anastasia (PSD-MG), que solicitou o debate junto com Carlos Portinho, apresentou durante a reunião detalhes do processo de concessão do Aeroporto da Pampulha, como exemplo do que poderá ser feito no caso do Santos Dumont. Ele disse o Aeroporto de Pampulha estava fechado na época, mas, como havia uma demanda interna, a concessão foi realizada com sucesso porque, segundo Anastasia, o bloco de concessão trazia apenas aquele terminal. Ele acrescentou que atualmente a Pampulha atua para voos executivos, enquanto o Aeroporto de Confins mantém sua função como “hub”. Para Anastasia, esse é um exemplo que poderia ser seguido pelo edital em discussão.

Transporte de cargas

Na avaliação do secretário estadual do Turismo do Rio de Janeiro, Gustavo Tutuca, a proposta de concorrência foi imposta sem uma construção conjunta com as esferas estaduais e municipais do Rio de Janeiro. Além do impacto nos voos internacionais e nas conexões domésticas, ele acredita que haverá reflexo no transporte de cargas.

“O transporte de cargas feito no aeroporto do Galeão hoje é um transporte feito, na sua grande maioria, em torno de 90%, na barriga dos aviões, e não por voos exclusivamente cargueiros que vão para o aeroporto do Galeão. Então, também com o esvaziamento dos voos internacionais, nós teremos uma grande diminuição do transporte de cargas para o aeroporto do estado do Rio de Janeiro, o que vai ser um grande gargalo para o nosso desenvolvimento econômico”.

Nichos diferentes

Por sua vez, o subsecretário de Planejamento da Infraestrutura Nacional no Ministério da Economia, Fabiano Mezadre, defendeu o edital. Ele afirmou que isso não deveria ser motivo de preocupação. Segundo Mezadre, o Santos Dumont e o Galeão são dois aeroportos com um volume grande de passageiros e com vocações diferenciadas.

“Os dois terminais têm operações muito distintas, um na ponte aérea (o Santos Dumont), muito ligado ao aeroporto de Congonhas, que também está deslocado de um outro aeroporto semelhante ao Galeão, o Aeroporto de Guarulhos. Então eles têm vocações bem distintas. Não vemos muito problema quanto a eles poderem concorrer entre si; eles têm nichos diferentes”.

O diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Tiago Sousa Pereira, argumentou que o edital prioriza investimentos em infraestrutura, como ampliação de pista e faixas, entre outros, para garantir mais segurança a empresas e passageiros.

Também defenderam o edital os representantes das empresas aéreas. Segundo eles, o aporte resultante da concessão vai possibilitar a ampliação de investimentos e a oferta de mais voos domésticos, sem comprometer o que já é oferecido no Galeão.

“A gente defende que a operação internacional deve ficar limitada a Galeão e Guarulhos, que a gente não deveria ter uma operação internacional nos aeroportos Santos Dumont e Congonhas. No entanto, quando a gente fala de operação doméstica, a gente entende que já existe uma limitação natural pelo próprio comprimento de pista, pelas aeronaves, pelo alcance das aeronaves que a gente consegue colocar nesses aeroportos. Então, naturalmente, eu não consigo operar todo um leque de rotas que a gente consegue operar no Galeão no aeroporto de Santos Dumont”, disse a coordenadora de Negócios Aeroportuários da Companhia Aérea LATAM Brasil, Priscilla Yugue.

 

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Faetec oferece curso de Cibersegurança em parceria com a Cisco

A Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), órgão vinculado à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, está com inscrições abertas para “Maratona CiberEducação”, em parceria com a Cisco Brasil, empresa líder mundial em tecnologia da informação. O curso, com foco em Cibersegurança, teve início no último dia 11 e segue aberto até o dia 31 de outubro. Os interessados, tanto alunos do Ensino Médio da Rede quanto o público externo, podem se inscrever neste link: https://bityli.com/sFdhjL.

Num intervalo de cinco anos, o mundo acompanhou dois megas vazamentos de dados: o Panamá Papers em 2016; e o mais recente, o Pandora Papers, que disponibilizou dados de milhares de clientes e empresas em paraísos fiscais. O assunto é tão importante e atual que motivou a criação do curso.

Para o idealizador, analista de sistema e professor há mais de 20 anos na Rede Faetec, Alexandre Louzada, o assunto, além de atual, vai demandar especialistas num mundo cada vez mais conectado e informatizado.

“Hoje o tema segurança é o centro de muitos debates. É só acompanhar os vazamentos de dados que de tempos em tempos acontecem. Expondo dados de pessoas e empresas. Esse é o nosso compromisso com a escola técnica e a universidade. Será uma grande oportunidade para alunos do Ensino Médio”, afirmou o professor Louzada.

Aberto ao público em geral, a primeira etapa conta com autoaprendizado onde você pode seguir no seu ritmo em uma maratona de três semanas para realizar o curso Fundamentos em Cibersegurança (30h). Ao final desta etapa, os melhores alunos selecionados estarão aptos para avançar no Programa de capacitação profissionalizante, assim como conhecimentos complementares oferecidos em conjunto com nossos parceiros educacionais.

Requisitos

Estar cursando ensino médio-técnico ou ensino superior, que possua interesse em trabalhar no segmento de segurança cibernética. Ter acesso a um computador e conexão à Internet com capacidade mínima para desenvolver as atividades práticas virtuais (Computador: processador i3, Windows 10, 4Gb de RAM e 27GB de disco rígido. Internet: 5Mb).

Para seguir na próxima etapa da Maratona, é necessário ao aluno ter o certificado de conclusão do curso da Maratona – “Fundamentos em Cibersegurança” e ficar entre os melhores na prova de seleção voltada a conhecimentos gerais de TI, Redes e Cibersegurança, bem como habilidades interpessoais.

A inscrição deve ser feita em apenas uma única Academia. Participantes que se inscreverem em mais de uma não serão classificados. Somente os alunos que concluírem o curso até 31/10/2021 serão elegíveis para concorrer a bolsas de estudos na fase de capacitação profissional do Programa CiberEducação Cisco Brasil. Inscrição: https://bityli.com/sFdhjL

Estrutura da Maratona CiberEducação Cisco Brasil:

• Duração do Curso 30 horas a serem cumpridas em, no máximo, 3 semanas

• Custo gratuito

• Nível Iniciante ou Intermediário

• Tipo de Aprendizagem: On-line, Autodidata

Categorias
Destaque Notícias Rio

Com tempo instável, Rio de Janeiro transfere missa de 90 anos do Cristo Redentor

Da Agência Brasil

Devido ao tempo fechado no Rio, com chuva prevista para todo o dia e o céu encoberto, cobrindo a imagem do Cristo, a missa dos 90 anos do Cristo Redentor marcada para as 8h da manhã aconteceu na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, na Avenida Chile, região central da cidade.

O cardeal arcebispo do Rio, D. Orani Tempesta celebrou a missa na Catedral Metropolitana. A missa durou quase duas horas e durante a homilia, D. Orani ao lembrar das nuvens que encobriram o Cristo hoje, disse que “nessa época de pandemia, já olhando com otimismo, com confiança na imunização [da população], os tempos que virão, espero que se confirmem que nós queríamos também enxergar isso: das nuvens tenebrosas que nós tivemos no ano passado e que de certa  já vão diminuindo nesse ano, nós queremos ver também a presença do Senhor em nossas vidas de esperança e confiança no amanhã”.

Em outro trecho, o cardeal arcebispo disse que em tempos de polarizações, de ódios, de rancores, de situações diversas, celebrar 90 anos da inauguração do Cristo Redentor, “nós queremos também nos comprometer hoje a ajudar o Brasil a ser cada vez mais um país que acolhe e constrói pontes, para convivermos com os diferentes, uns com os outros, e aquilo que suscita a imagem do Redentor de braços abertos, além da fé, em Cristo Jesus, falam que os braços abertos possam ajudar o país, o mundo, a ver que é possível olhar com fraternidade, uns com os outros, e seria um sonho que nós somos chamados a acalentar”.

Ao término da missa, as autoridades presentes foram chamadas a falar. Entre elas, o ministro do Meio Ambiente, Jorge Álvaro Pereira Leite. O ministro disse que o presidente Jair Bolsonaro pediu a ele, num encontro na semana passada, para trazer uma solução definitiva para a área onde se encontra o Santuário do Cristo Redentor.

No dia 11 de setembro último, o padre Omar Raposo e comitiva foram impedidos de acessar o Santuário Cristo Redentor. Eles se dirigiam ao local para um batizado, a ser realizado nos pés do Cristo, e foram barrados por seguranças do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que faz a gestão do Parque Nacional da Tijuca.O padre Omar disse que tinha comunicado ao ICMBio que seria realizada à cerimônia, mas isso só foi resolvido cerca de 2h30 depois.

O ministro disse que o presidente Bolsonaro pediu uma atenção especial e com apoio de todos e da Mitra Diocesana “vamos achar essa solução definitiva para trazer harmonia ao local do Santuário do Cristo Redentor”. O ministro foi muito aplaudido e disse que o Cristo é um símbolo dessa cidade, do Brasil e de um país de braços abertos e não é por coincidência que esse símbolo “em uma escultura de concreto está na sala da minha casa”.

Procissão

Após a missa, as autoridades foram chamadas a sair em procissão até o pátio da Catedral Metropolitana, onde está sendo realizada uma grande festa sustentável para a população em situação de vulnerabilidade social, nas áreas de saúde, alimentação, cidadania e serviço social, e apresentações culturais, oficinas e assistência religiosa, além de atividades para as crianças por também ser celebrado o Dia das Crianças, no estacionamento da catedral, com dezenas de barracas para atender à população.

Entre os serviços sociais que estão disponíveis na Catedral há atendimento médico, com exames, atendimento para casas de acolhida, serviços de higiene pessoal e de beleza, oferecimento de cursos para diversas áreas, orientação vocacional, banco de talentos, com encaminhamento ao mercado de trabalho, entre outros.

A coordenadora do Projeto Cristo Sustentável, Silva Gonzaga disse que “todas essas pessoas que virão aqui hoje celebrar a festa do Cristo Redentor são pessoas muito necessitadas. Você pode vir aqui tirar seus documentos, ter consulta com médicos, doação de sangue, que é a grande novidade, com o Hemorio. Quem quiser fazer o bem, venha doar sangue, doar vida”.

As ações abrangem os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU). O objetivo da festa é deixar um legado socioambiental e educativo como referência para o povo do Rio de Janeiro, do Brasil e do mundo.

O reitor do Santuário Cristo Redentor, padre Omar disse que “queremos ser extensão dos braços do Cristo Redentor que acolhe a todos sem distinção. Ao longo dos seus 90 anos, o Cristo Redentor sempre se destacou no cenário nacional e internacional como porta de entrada do turismo brasileiro, maior monumento em art déco do mundo e Santuário católico, um local sagrado que recebe peregrinos do mundo inteiro. Desde a construção, é o símbolo nacional de fé e esperança. Chegou a hora de celebrarmos tudo o que ele representa para o povo brasileiro e o mundo inteiro. Por isso vamos fazer uma grande festa, com atividades religiosas, sustentáveis e culturais”, destacou.

As ações na Catedral Metropolitana foram até as 17h.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

JUVRio abre inscrições para mais de mil vagas em curso voltado ao mercado de trabalho

A Secretaria da Juventude Carioca (JUVRio) está com inscrições abertas até sexta-feira (15) para o curso de Direitos Humanos e Mundo do Trabalho. A iniciativa faz parte do programa Pega a Visão. São mais de mil oportunidades para jovens de 14 a 24 anos que desejam se qualificar pela internet para os mais diversos temas relacionados à empregabilidade.

Os alunos terão aulas em três módulos, com total de 57 horas: Direitos Humanos, Política, Racismo Estrutural. A ação é uma parceria da JUVRio com o UNICEF, a iniciativa 1MiO e o Instituto de Pensamentos e Ações para a Defesa da Democracia (IPAD Seja Democracia), que visa fortalecer o Emprega JUV, programa de empregabilidade da secretaria. Ao término do curso será entregue certificado, e quem concluir as aulas poderá incluir o currículo no banco de talentos da 1MiO, vinculado a mais de 100 empresas parceiras.

As inscrições podem ser realizadas pelo link: https://respondi.app/Apb1t7RW.

O Pega a Visão forma jovens e adolescentes com foco no mercado de trabalho, formação política e projeto de vida. As aulas são totalmente gratuitas e virtuais, com cargas de 10h a 12h por aula, entre os dias 18 de outubro e 25 de novembro. Os inscritos estudarão na modalidade assíncrona e também em aulas ao vivo pela internet, às quintas-feiras, no período da noite.

Ao final, os alunos realizarão um trabalho de conclusão de curso com carga horária variável de 6 a 8 horas. Os trabalhos envolvem a criatividade, debates, pesquisas e o desenvolvimento daquilo que foi aprendido ao longo do módulo.

O secretário especial da Juventude Carioca, Salvino Oliveira, destaca que a parceria foi pensada para atender quem busca vagas de emprego e deseja se preparar para a inserção no mercado de trabalho e no mundo dos negócios.

“A trilha formativa do “Pega a Visão” vai oferecer aos jovens mais uma oportunidade de qualificação, debatendo junto a eles a garantia de direitos no mundo do trabalho, o direito à aprendizagem, a permanência na escola e as questões do racismo estrutural e do patrimonialismo institucional. A intenção é construir uma massa crítica de jovens junto ao mundo do trabalho. Juntar os anseios da juventude e a agenda produtiva dos negócios”, destaca.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Biblioteca homenageando a cantora Sandra de Sá é inaugurada na Vila Olímpica Clara Nunes

Foi inaugurada na Vila Olímpica Clara Nunes, em Acari, a Biblioteca Sandra de Sá. A iniciativa é uma parceria do equipamento da Secretaria Municipal de Esportes (SMEL) com o Favelivro, movimento que busca difundir arte, literatura e educação em favelas e periferias do Rio de Janeiro.

O evento de inauguração, na última semana, contou com a presença da artista, que cantou alguns sucessos e agradeceu a iniciativa.

“Queria agradecer ao secretário Guilherme Schleder pelo apoio. Na verdade, eu e a Favelivro agradecemos. Quando fazemos as coisas com naturalidade e verdade tudo conspira a favor. É bacana representar o conhecimento, e o legal é que estudei aqui do lado da vila. É uma honra ser homenageada assim. Vamos parar de correr atrás e chegar junto. Assim nos fortalecemos para acontecer coisas como essa aqui”, disse Sandra de Sá.

O Favelivro existe desde 2012 e já inaugurou seis bibliotecas. A última foi em Rocha Miranda e levou o nome da cantora Fernanda Abreu. A ideia de personalizar os espaços tem o objetivo de manter viva a memória de quem valoriza o conhecimento. Já foram referenciados os escritores José Mauro de Vasconcelos e Luciana Savaget, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, o jornalista Luiz Erlanger e o humorista Hélio de la Peña.

– Queremos reforçar a memória do brasileiro. O diplomata Sérgio Vieira de Melo, por exemplo, é pouco conhecido. Foi um homem que buscou a paz e morreu vítima de um atentado em Bagdá. A Sandra de Sá dispensa comentários. Poder fazer esse trabalho numa vila é maravilhoso, pois une esporte e cultura – elogia a professora Verônica Marcílio, uma das idealizadoras do movimento ao lado do livreiro Demézio Batista.

Todo projeto é mantido por doações, cujo foco principal é facilitar o acesso e democratizar os livros. Cada biblioteca tem um volume inicial de mil exemplares, entre romances, poesias e literatura infantil. O sucesso tem sido tanto que o Favelivro já tem convite para abrir um espaço até em Minas Gerais. Antes, porém, vão inaugurar a Biblioteca Paulo Betti, no dia 16 deste mês, na Barreira do Vasco.

Categorias
Rio Tecnologia

Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia e Cisco oferecem curso gratuito de Cibersegurança

Inscrições já estão abertas, e iniciativa acontece no Mês Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovações

A Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia (SMCT) e a Cisco abriram as inscrições para o curso gratuito online de Fundamentos em Cibersegurança. Com aulas autodidatas a partir de 11 de outubro, a iniciativa faz parte da terceira edição do programa CiberEducação Cisco Brasil e das ações promovidas pela SMCT para o Mês Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovações. Outubro também é o Mês de Conscientização em Segurança Cibernética, que inclui ações que visam conscientizar os usuários sobre a importância da proteção de dados.

A Segurança Cibernética é um fator de preocupação frequente de governos e organizações no mundo todo. Além disso, com a pandemia de Covid-19, o método de trabalho home office tornou-se uma febre mundial, gerando um número maior de acesso a dados, muitas vezes, sem a proteção apropriada. O curso é uma oportunidade para que os alunos possam se proteger e defender nosso mundo digital contra ataques on-line.

A transformação digital não é mais uma tendência promissora. Ela é uma realidade presente em todos os setores, seja no campo profissional ou na vida pessoal. Não basta utilizar as ferramentas tecnológicas sem garantir a proteção desse ambiente virtual – afirma Willian Coelho, secretário municipal de Ciência e Tecnologia.

O programa CiberEducação da Cisco é dividido em duas fases. A primeira é a Maratona de CiberEducação, que contempla o curso “Fundamentos de Cibersegurança”, realizado em três semanas. Esta etapa servirá como pré-requisito para selecionar os melhores alunos para a segunda fase, que incluirá 1.500 bolsas para cursos profissionalizantes, oferecidas pela Cisco.

O programa CiberEducação tem como objetivo criar um ecossistema consistente para o desenvolvimento de talentos em segurança da informação para atender a crescente demanda de profissionais nesta área. Queremos continuar transformando a vida de muitos brasileiros, abrindo portas para o mercado de trabalho em cibersegurança – comenta Gabriel Bello Barros, líder do programa Cisco Networking Academy no Brasil.

Desde o início do ano, a SMCT, através de parcerias, já ofereceu 12 cursos gratuitos de tecnologia com cerca de 17 mil inscritos, com o objetivo de proporcionar gratuitamente conhecimento e informação para as pessoas.

O curso de Fundamentos em Cibersegurança está com inscrições abertas. Os alunos podem participar de 11 a 31 de outubro através do link:

https://www.netacad.com/portal/web/self-enroll/m/course-854643

Categorias
Destaque Notícias Polícia Rio

Julgamento do caso Henry Borel continuará em dezembro no Rio de Janeiro

Da Agência Brasil

Terminou perto da meia-noite de quarta-feira (6) a primeira audiência de instrução e julgamento do processo que apura a morte do menino Henry Borel. A juíza Elizabeth Machado Louro, do 2º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro, ouviu testemunhas de acusação por mais de 14 horas e designou a continuação da audiência para os dias 14 e 15 de dezembro.

Filho da professora Monique Medeiros, Henry, de 4 anos, morreu no dia 8 de março deste ano. De acordo com a denúncia, ele foi vítima de torturas feitas pelo padrasto, o ex-vereador Jairo Souza dos Santos Júnior, o Dr. Jairinho, no apartamento do casal, na Barra da Tijuca, no Rio.

Em seu depoimento, Thayná de Oliveira Ferreira, que trabalhou como babá do menino, não confirmou ter conhecimento de que o médico batia no enteado. A babá pediu para Monique sair do plenário durante sua fala e alegou que foi usada por ela para falar “coisas ruins” sobre o ex-vereador. Thayná afirmou não ter falado em nenhum momento sobre agressão por não ter presenciado nada neste sentido.

Com isso, o promotor de Justiça Fábio Vieira dos Santos pediu a extração de peças para a apuração do crime de falso testemunho, que poderia estar sendo cometido pela babá.

Mais cedo, prestou depoimento o delegado Edson Henrique Damasceno, responsável pela investigação. Ele confirmou que o caso chegou à delegacia como acidente doméstico, mas o laudo do Instituto Médico Legal mostrou que Henry apresentava diversos sinais de agressão e a perícia constatou que o apartamento passou por uma limpeza logo após o menino ser levado para o hospital.

Outros policiais ouvidos afirmaram que Monique teria ciência da rotina de violência que Henry sofria e não o afastou desta situação, mentindo no inquérito policial, e que as câmeras de segurança não mostraram nenhum tipo de acidente com o garoto no período em que esteve com o pai em um shopping, antes de ser entregue a Monique.

Pai fica emocionado

A quarta pessoa a ser ouvida foi o pai de Henry, Leniel Borel de Almeida Júnior. Muito emocionado, ele disse que mantinha um bom relacionamento com a ex-mulher até ela conhecer Jairinho e relatou mudança de comportamento no filho, associada por ele à separação dos pais.

Leniel contou que o filho teria contado, mais de uma vez, que  Jairinho o teria machucado, e que Henry sempre demonstrava resistência em retornar à casa da mãe. Leniel disse também que Henry ficou muito nervoso e vomitou na hora de voltar para casa no dia anterior à sua morte e que teria dito, na frente de Monique, que “mamãe não é mamãe boa”.

O pai do menino relatou, ainda, que foi procurado por ex-companheiras de Jairinho que teriam dito que seus filhos sofreram agressões do ex-vereador.

Também foram ouvidos em juízo ontem a ex-mulher de Jairinho, Ana Carolina Ferreira Netto, que disse não ter conhecimento das agressões atribuídas a ele contra crianças; o executivo do Instituto D’Or, Pablo dos Santos Menezes, que disse ter recebido uma mensagem de Jairinho no dia da morte de Henry, pedindo um favor no Barra D’Or; e as médicas do Hospital Barra D’Or, Maria Cristina de Souza Azevedo, Viviane dos Santos Rosa e Fabiana Barreto Goulart Deleage.

As três testemunhas afirmaram que o menino chegou com parada cardiorrespiratória ao hospital, sem sinais vitais, e que foram feitas por mais de duas horas, sem êxito, manobras de ressuscitação.

Categorias
Destaque Notícias Rio

Polícia Federal apreende cinco toneladas de cocaína no porto do Rio de Janeiro

Da Agência Brasil

Agentes da Policia Federal apreenderam cinco toneladas de cocaína, na noite de terça-feira (5), no porto do Rio de Janeiro. A droga estava em caixas de sabão em pó, em dois contêineres, e o destino seria Moçambique, na África. Segundo a PF, esta é a maior carga da droga apreendida no estado.

A operação começou na manhã da terça-feira e contou com o apoio de agentes da Receita Federal.

Com a ajuda de cães farejadores, os agentes encontraram um carregamento de 4,3 toneladas da droga em um contêiner. Enquanto descarregavam a droga, uma outra equipe localizou mais 700 quilos de cocaína em um outro container. Nas duas situações, a droga estava escondida em caixas de sabão em pó.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Política Rio

TSE derruba decisão que tornou Crivella inelegível e ex-prefeito recupera direitos políticos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu confirmar o afastamento da inelegibilidade do ex-prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella. Na mesma decisão, por unanimidade, os ministros aplicaram multa de R$ 15 mil ao ex-prefeito. Com isso, o ex-prefeito recupera os seus direitos políticos.

Crivella foi considerado inelegível por oito anos, em setembro do ano passado, em um julgamento do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Ele foi condenado por abuso de poder político, pela participação de funcionários da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) em um encontro de apoio a seu filho, Marcelo Hodges Crivella, que concorria a deputado federal, em 2018, mas não se elegeu.

A inelegibilidade estava afastada desde outubro de 2020, quando o ministro Mauro Campbell Marques, por meio de uma liminar, concedeu pedido feito pela defesa. Crivella disputou as eleições do ano passado, mas foi derrotado pelo atual prefeito, Eduardo Paes (DEM).