Categorias
Destaque Notícias Rio

SMCT oferece curso gratuito de Programação em Python

Aulas online começam dia 24, e linguagem de programação é adotada
atualmente por muitas empresas inovadoras.

A Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia (SMCT), em parceria com a Cisco Networking Academy, abre na próxima quinta-feira (16/09),as inscrições para o curso gratuito online de tecnologia:

Foto : SMCT

Conceitos Essenciais de Programação em Python. As aulas começam dia (24/09) e não é necessário conhecimento prévio de programação para participar.

Python é uma linguagem de programação versátil que roda em
diferentes plataformas e que foi projetada para ser legível e de fácil
manutenção. Atualmente é uma das tecnologias de alto nível mais
populares do mundo, principalmente entre cientistas e analistas de
dados.

É fundamental desenvolvermos ações que possam capacitar
gratuitamente as pessoas em uma linguagem cada vez mais presente em organizações que despontam na área digital e em startups de sucesso – ressalta, o secretário municipal de Ciência e Tecnologia, Willian Coelho.

O curso é autoinstrucional e voltado para aqueles que pretendem
desenvolver habilidades de programação fundamentais, projetar,
escrever, analisar e executar programas codificados na linguagem Python. O curso inicia com módulo básico e direciona o aluno pelas etapas até que ele possa desenvolver habilidades para solucionar problemas complexos.

Desde o início deste ano e através de parcerias, a SMCT já promoveu
11 cursos online de tecnologia como forma de proporcionar gratuitamente conhecimento e informação para as pessoas.

A carga horária é de 75 horas. Ao final do curso os alunos recebem seu
certificado de conclusão. Os interessados podem se inscrever até
(23/09) por meio do link

Categorias
Destaque Rio Tecnologia

Conectividade Como Maior Aliada

 

 

Willian Coelho, secretário municipal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro fala sobre a importância da conectividade no quadro atual.

Desde janeiro deste ano, quando assumi a Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia da Prefeitura do Rio, temos como foco identificar, apoiar, promover, fomentar e executar políticas públicas de integração e acesso de crianças e jovens no mercado digital, tecnológico e científico, tendo como objetivo a constituição de uma cidade referência na área da informação, da inovação e do conhecimento. Esses são instrumentos essenciais para o desenvolvimento humano e o crescimento econômico da Cidade.
Com o surgimento da pandemia mundial de Covid-19, a conectividade então se transformou em uma questão urgente. Na verdade, o isolamento social causado por ela só evidenciou esse contexto. Logo, levar novos métodos e ferramentas tecnológicas para comunidades carentes passou a ser um grande desafio e uma missão, pois jovens que vivem em regiões menos favorecidas sem acesso à Internet foram substancialmente atingidos pelos impactos sociais causados pelo isolamento social.

Diante do atual cenário mundial, gerar iniciativas para promover aprendizado por meio da conectividade é inquestionável. Vejo a adaptação as ferramentas tecnológicas e a sua utilização diária como fato irreversível para vida humana. A conectividade atualmente é nossa melhor aliada. Com a interação em todas as áreas ocorrendo hoje de maneira remota, também surgiram novas adversidades que não existiam, como problemas de conexão e ameaças virtuais. O conhecimento tecnológico se torna então elementar.

A Secretaria Municipal e Ciência e Tecnologia está trabalhando na reabertura e reestruturação das nove Naves do Conhecimento, espaços que visam a democratização do acesso à informação e ao conhecimento oferecendo acesso gratuito à internet. Quando reabertas, elas também funcionarão como pontos de apoio para a inserção de jovens no campo tecnológico por meio de treinamento e cursos de capacitação, o que já estamos fazendo desde o início desta gestão.

Hoje, de modo geral, a necessidade de profissionais especializados na área de Tecnologia da Informação e Comunicação é uma realidade e tem crescido quase o dobro se compararmos com outros segmentos de formação técnica no nosso país. Mesmo nos últimos anos, quando dados de desemprego no país está decrescente ou estável, o segmento de TI tem se expandido.

Por conta disso, desde janeiro, a SMCT através de parcerias, já promoveu oito cursos gratuitos online de tecnologia com o objetivo treinar e facilitar a utilização destas ferramentas através de módulos com conteúdo em Cibersegurança, Internet das Coisas, Linux, Empreendedorismo, entre outros. Já estamos com outros cursos programados ainda para este semestre. Esse é apenas o início do trabalho que temos pela frente. Tecnologia e conectividade passaram a ser um direito de todos.

Categorias
Aisha Raquel Ali | Tecnologia Diário do Rio Notícias do Jornal Tecnologia

Yahoo Respostas extinto

O Yahoo Respostas — plataforma social de perguntas e respostas — chega ao fim após 16 anos de atividade. Desde o dia 20 de abril, os usuários não podiam mais postar perguntas ou respostas no site. Quem tentou acessar a partir do dia 05 deste mês não conseguiu, o site ficou fora do ar e quem acessá-lo vai ser direcionado para a página principal do Yahoo.

O mesmo ocorre com o acesso do serviço nos Estados Unidos.

Quando o Yahoo anunciou a mudança no início do mês passado, a empresa afirmou que “não haverá alterações em outras propriedades ou serviços ou em sua conta do Yahoo”.

Após o coincidente anúncio do fim da era do site, na segunda (2), a operadora americana Verizon anunciou a venda do Yahoo e AOL por US$ 5 bilhões.

O Yahoo Respostas foi criado em 2005 e reuniu milhões de perguntas de internautas buscando resolver problemas de informática, de relacionamentos, dúvidas escolares e até mesmo questões filosóficas, mas outros questionamentos não faziam sentido algum e acabavam virando meme na internet. A variedade de perguntas era tão ampla que, não raramente, o conteúdo do Yahoo Respostas aparecia com destaque na primeira página de resultados do Google.

O serviço perdeu relevância nos últimos tempos. A conclusão vem de um e-mail de despedida enviado à funcionários da empresa que afirma que o site “tem ficado menos popular ao longo dos anos”.

A quantidade de informações falsas e teorias conspiratórias que aparecem no site contribuem para a falta de credibilidade da plataforma. O Yahoo afirma que quer investir em “conteúdo confiável de alta qualidade”.

Lembramos que os usuários terão até o dia 30 de junho para baixar os seus dados – o que inclui as perguntas realizadas, respostas, imagens e listas. Não será possível baixar conteúdos de outras pessoas. Após essa data não estará disponível backup dos dados.

Ficam para nós internautas as saudosas lembranças de um site que contribuiu para nosso conhecimento por tanto tempo e foi o causador de muitos memes que serão eternos.

Aisha Raquel Ali
Webdesigner, assessoria em social media e marketing
aisha.raquel@jornaldr1.com.br

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias

Procon-RJ lança manual atualizado contra fraudes virtuais

O Procon Estadual do Rio de Janeiro preparou um manual de prevenção e combate às fraudes virtuais, para evitar que consumidores sejam vítimas de golpes ao realizar compras pela internet. O material contém orientações para comprar de forma segura e dicas para não cair em fraudes virtuais, além de alertar sobre os novos golpes praticados, como o que utiliza o Pix, o sequestro do WhatsApp e os praticados em plataformas de vendas.

O manual pode ser acessado pelo link: http://bit.ly/manual-contra-fraude-virtual-proconrj.

A autarquia, vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, também listou sites recomendados a serem evitados.

“Acreditamos que a melhor forma de combater esse tipo de crime é a informação. As chances de o consumidor bem informado ser vítima desse tipo de fraude é muito menor. O manual será uma ferramenta que o internauta poderá sempre consultar antes de efetuar alguma compra pela internet ou outro tipo de operação virtual”, diz o presidente do Procon-RJ, Cássio Coelho.

Além do manual contra fraudes virtuais, a autarquia preparou uma lista com 230 sites não recomendados, que será constantemente atualizada. Para um site ser incluído na lista, os servidores do Procon-RJ analisam diversos fatores. Por exemplo: se a empresa entrega os produtos e serviços comprados e se responde as reclamações do consumidor e as notificações enviadas pela autarquia; se o estabelecimento possui cadastro ativo na Receita Federal e está apto a emitir nota fiscal; se o site disponibiliza informações de contato e dados da empresa e como se relaciona com os clientes que efetuam reclamações. A lista completa pode ser acessada pelo link: https://bit.ly/proconrj-sites-nao-recomendados.

Cuidados ao efetuar compras de forma on-line

Verificar sempre se o site é seguro, desconfiar de ofertas muito vantajosas e muita atenção ao realizar compras por aplicativos de mensagens ou redes sociais. Confira sempre se o endereço no navegador é o oficial da empresa e se no site existem informações de contato do fornecedor. Se for comprar em uma loja virtual desconhecida, verifique antes o que os consumidores estão comentando sobre ela, por exemplo nas redes sociais.

Atenção para não cair em golpes

Ao passar informações pessoais pela internet ou telefone, só informe para quem você realmente conhece. Se alguma empresa ou instituição financeira entrar em contato pedindo seus dados, desconfie e entre em contato com o SAC para confirmar se a ligação realmente era da empresa.

Ao efetuar cadastro do Pix ou auxílio emergencial por exemplo, só utilize os sites ou aplicativos oficiais. Muitas fraudes são cometidas por meio de e-mail e links enviados, por isso muito cuidado. Atenção ao passar códigos recebidos por SMS, pois é assim que golpistas clonam o WhatsApp.

Categorias
Brasil Rio Tecnologia

Chega ao Rio o primeiro pré-pago com Uber Driver ilimitado

Chega nesta semana ao Estado do Rio de Janeiro o primeiro plano de celular pré-pago do mundo em que o motorista ou entregador parceiro da Uber não gasta os dados do próprio plano de internet móvel para usar o app Uber Driver.

Criado em parceria com a Surf Telecom, o Uber Chip é o primeiro plano pré-pago a oferecer navegação ilimitada no app Uber Driver, além do Waze, o que significa que o parceiro da Uber pode receber e atender a pedidos de usuários sem gastar o seu plano de dados.

Por enquanto, os parceiros da Uber estão sendo convidados aos poucos a experimentar o Uber Chip. Terminada a implementação, os parceiros vão poder pedir o seu Uber Chip diretamente na seção Uber Pro do app Uber Driver. A expectativa é a de que o Uber Chip chegue a todo o país ainda em 2021.

Segundo Yon Moreira, CEO da Surf, Surf e Uber compartilham a vocação de inovar e gerar oportunidades. “Estamos entusiasmados com a chegada do Uber Chip ao Rio de Janeiro. A receptividade que temos encontrado nos leva a crer em um sucesso muito grande, em um Estado que acredita na inovação com qualidade.”

“O Uber Chip é o mais recente resultado do esforço contínuo da Uber em ajudar os motoristas e os entregadores parceiros a gastar menos, de modo que eles possam ter mais lucro ao mesmo tempo em que a Uber mantém os preços baixos para os usuários”, diz Claudia Woods, diretora-geral da Uber no Brasil.

Os assinantes do Uber Chip vão contar também com Whatsapp ilimitado e com 9GB de internet 4G por mês.

O Uber Chip oferece:
. Uber Driver ilimitado
. Whatsapp ilimitado
. Waze ilimitado
. 9GB de internet na maior rede 4G do país
. Ligações ilimitadas para fixo e celular de qualquer operadora, local e interurbano, usando código 41
. 100 SMS por mês

O parceiro da Uber vai ter um desconto extra na contratação do plano, que vai variar de acordo com a categoria dele no programa de vantagens Uber Pro.

Fonte: Reprodução

O contrato do Uber Chip é trimestral, e o assinante pode escolher pagar em até três parcelas mensais, usando cartão de crédito, débito, pré-pago ou boleto bancário. Feita a contratação, o assinante pode baixar o app do Uber Chip e gerenciar toda a conta a partir dele.

Categorias
Destaque Notícias

Prefeitura denuncia site falso por tentativa de golpes na população

A Prefeitura do Rio de Janeiro informou que identificou, em mecanismos de busca, uma página falsa que tenta aplicar golpes na população.

Conforme o executivo municipal, a página patrocinada fraudulenta imita o site do Carioca Digital, tentando se passar por um endereço oficial  do município.

A prefeitura informa que a página oficial do Carioca Digital, disponibilizado pelo município para prestação de serviços como emissão dos carnês de IPTU, consultas de contracheques, consultas prévias de alvarás, licenciamento sanitários, parcelamentos de dívida ativa, entre outros, é  www.carioca.rio.

Categorias
Brasil Tecnologia

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) e o precioso valor dos dados

No artigo abaixo, Alexandre Resende, CIO da Sercom e CEO da Contact One, discute sobre segurança de dados, que se transformaram em elementos valiosos para empresas de todos os portes e segmentos. E como a LGPD, se bem praticada, pode trazer benefícios para os dois lados – empresa e consumidor.

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) tem sido assunto frequente no mundo corporativo e na imprensa. Sancionada em 2018, ela entrou em vigor em setembro de 2020 com o objetivo de regulamentar o tratamento de dados pessoais de clientes e usuários por parte de empresas, sejam elas públicas ou privadas. O objetivo é assegurar que as informações disponibilizadas não sejam usadas de formas que não tenham sido autorizadas. Uma proteção aos consumidores e uma grande responsabilidade para as companhias que hoje enxergam dados como ouro.

Para se ter ideia do valor de uma informação pessoal, é importante saber que grandes empresas já fazem a medição de seu “valuation” (termo em inglês que significa “Valoração de Empresas”) pelos ativos de dados que têm. A Coca-Cola, por exemplo, uma das marcas mais valiosas do globo, tem informações de consumo do mundo inteiro que estão começando a fazer parte de seu valor global. No entanto, esses dados não são da companhia, mas sim do João, da Maria e de tantos outros consumidores do popular refrigerante e de outros famosos produtos.

E por que a atribuição de tamanho valor a algo que pertence a terceiros? Porque dados pessoais são usados para gerar inteligência de negócio, além de poder proporcionar maiores fluxos de caixa futuros às companhias. Marcas que sabem com quem estão falando saem na frente. Entender o público profundamente nunca foi tão precioso.

E uma vez que nós, pessoas físicas, cedemos nossas informações às empresas precisamos ter consciência do que será feito com elas – como serão usadas, armazenadas e quem terá acesso a elas. Termos de concordância se tornaram mandatórios e, a partir do momento em que aceitamos compartilhar nossas informações, as empresas são obrigadas a cuidar delas, evitando ao máximo seu vazamento.

Da teoria para a prática

Lanço aqui um questionamento: A LGPD vai fazer com que as empresas não troquem dados entre si? É provável que não. Inclusive, o consumidor já vem sendo avisado sobre essa possibilidade. Recentemente, o WhatsApp enviou aos usuários uma atualização de sua política de privacidade, e informou que passará a compartilhar os dados do seu público com as empresas do Facebook. Imaginam quantas empresas o Facebook tem?

É importante que esses termos passem a ser lidos pelos consumidores com atenção, antes de serem assinados, evitando assim, que se espantem caso temas centrais de suas conversas com colegas no aplicativo de mensagens começarem a surgir em forma de anúncio no seu feed.

Voltando ao início da reflexão e considerando que o valor dos negócios hoje se baseia em dados, seria inocência pensar que eles não serão usados como moeda. Mas o que pode ocorrer em alguns casos é a troca de dados sem a identificação da pessoa. A quem aquele dado pertence não seria o que mais importa. O que vale é contar com os atributos como fonte de aprendizado de máquina. Dessa forma, se creditaria mais ética ao processo.

O Brasil já conta com a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) e uma de suas atribuições é punir empresas que estiverem desrespeitando a lei. O órgão, porém, ainda está em maturação e não existe uma equipe 100% definida para dar conta do desafio. Hoje, a fiscalização na prática ocorre em contratos, sob pena de multa, nos quais se exige que fornecedores estejam aderentes à lei. Como não era de se estranhar, o cumprimento das regras se deu antes pelo fórceps econômico do que pela consciência em si.

Aqui, o compartilhamento de dados ainda costuma ser mais visto como algo que fere a nossa privacidade de forma negativa. Um exemplo é o caso emblemático de uma conhecida empresa que foi multada porque estava usando a geolocalização de usuários e trabalhando esses dados sem o consentimento deles. Quando o consumidor toma um grande susto ao, por exemplo, passar em frente a uma loja e imediatamente receber uma mensagem com sugestão de compra naquele local, ele pode se sentir invadido e exigir seus direitos de privacidade.

Sob outra perspectiva

Mas se pararmos para pensar, a personalização – tão importante nas relações comerciais atuais, e valorizada pelos cidadãos – só é possível graças ao uso de dados. Importante lembrar que a utilização correta das informações pessoais pode trazer benefícios para os dois lados – empresa e consumidor.

Imagina se na hora de passar no caixa de uma farmácia, por exemplo, você soubesse como o seu CPF pode ser usado depois daquela compra? Se o atendente deixasse claro que a drogaria usa alguns dados para entender o padrão de consumo e avaliar se pode oferecer condições melhores para produtos diversos, inclusive para seus medicamentos de uso contínuo? Se a farmácia deixasse bem claro que, se puder compartilhar sua informação com o laboratório fabricante do medicamento, para ele analisar a possibilidade de te vender sempre com desconto um remédio que vai usar para o resto da vida, você não iria achar legal?

Claro que tudo isso precisa ser feito com o aceite dos consumidores. Assim, eles saberiam tudo o que estão fazendo, qual a intenção de uso e, também, teriam o total direito de falar no caixa da farmácia, “por favor apaga meu CPF”. E o atendente na mesma hora responder: “Sim senhor(a), veja aqui, não tem mais nada registrado”.

As preferências sugeridas pela Netflix são outro exemplo claro. Quanto maior a personalização, melhor tende a ser a experiência do usuário. O grande problema é que muitos business, na ânsia de coletar o máximo possível de informações, se esqueceram, ou não se preocuparam tanto em tomar conta delas. Se isso acabou acontecendo nos últimos anos, foi motivo para acender um alerta vermelho perante as autoridades de defesa do consumidor, o que incentivou a criação da LGPD.

Espero que, em um futuro próximo, possamos reconhecer os benefícios que a lei nos trouxe e ainda nos trará, e que a conduta responsável de empresas seja, de fato, colocada em prática. Dados são tesouro, para consumidores e companhias. Que cada um faça a sua parte a fim de usufruí-los com a máxima sabedoria.

*Alexandre Resende é CIO da Sercom e CEO da ContactOne
Colaboraram Rodrigo Branco, CDO (Chief data officer), e Ricardo Simonato, gerente de Segurança da Informação, ambos da Sercom.

Categorias
Aisha Raquel Ali | Tecnologia Notícias do Jornal Tendências

BLOCKCHAIN: Protocolo da confiança

 

De forma resumida, blockchain é um sistema que permite rastrear o envio e recebimento de alguns tipos de informação pela internet. São pedaços de código gerados online que carregam informações conectadas – como blocos de dados que formam uma corrente – daí o nome.

Sua principal característica é o registro distribuído, que visa a descentralização como medida de segurança. São bases de dados compartilhados, que têm a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem em um determinado mercado.

Funciona como um livro-razão, só que de forma pública, compartilhada e universal, que cria consenso e confiança na comunicação direta entre duas partes, ou seja, sem o intermédio de terceiros. Está constantemente crescendo à medida que novos blocos completos são adicionados a ela por um novo conjunto de registros.

Os blocos são adicionados ao sistema de modo linear e cronológico. Cada nó – qualquer computador que conectado a essa rede tem a tarefa de validar e repassar transações – obtém uma cópia após o ingresso na rede. O blockchain possui as informações completas sobre endereços e saldos diretamente do bloco inicial até o bloco mais recentemente concluído.

Esse sistema é visto como a principal inovação tecnológica do bitcoin, visto que é a prova de todas as transações na rede. Seu projeto original tem servido de inspiração para o surgimento de novas criptomoedas e de bancos de dados distribuídos.

Impedir a fraude na Internet é um grande desafio, principalmente para as empresas do setor financeiro. Esta é uma tecnologia que promete bastante novidades para o próximo ano. Até 2021, as instituições estão desenvolvendo o blockchain para impedir a fraude na Internet e o vazamento de informações em uma escala muito alta. O blockchain tem seu próprio lugar nas últimas tendências tecnológicas.

Por: Aisha Raquel 

Categorias
Brasil Educação Rio

Colégio do interior do Rio de Janeiro se torna primeira escola do Brasil com ensino 100% digital

Centro de Ensino Vila Isabel aproveitou a pandemia para aderir ao seu modelo pedagógico o conceito smart escola como pioneirismo no ensino 100% digital

Fundado a trinta e dois anos, o Centro de Ensino Vila Isabel fica localizado em um prédio com cerca de 1250m², na cidade de Três Rios, interior do Rio de Janeiro e assim como outros colégios, precisou se adaptar ao modelo de ensino online imposto pela pandemia do novo coronavírus, mas, diferente das outras instituições, o CEVI, como é conhecida a escola, enxergou que todas essas mudanças poderiam trazer efeitos positivos para os seus alunos.

Depois de muitas reuniões de planejamento estratégico, surgiu a ideia de transformar o CEVI em um colégio 100% digital, “Nossas crianças são nativas da era digital e por algum motivo, ainda utilizam um método de ensino centenário. Tudo à nossa volta evoluiu tecnologicamente, mas os colégios ficaram estagnados. Precisamos começar essa transformação o quanto antes” – afirmam as professoras Hélida Siqueira e Josibeli Coutinho, que fundaram a escola.

A ideia do projeto é trazer ao ambiente escolar um mundo totalmente digital e não excluí-lo, como é o caso de escolas tradicionais, onde o uso do celular é proibido em sala de aula, “Caneta, lápis, papel e borracha, ensinam os nativos digitais, da mesma forma que ensinaram seus pais, avós e bisavós. Para o aluno de hoje, aprender com esta metodologia, seria o mesmo que apostar uma corrida de charrete contra um carro superesportivo nos dias atuais, devemos estimular nossos alunos a utilizar essas ferramentas a seu favor.” – afirmam as educadoras. Com a tecnologia, as listas de presença, por exemplo, serão realizadas por meio de QR Code. Os pais receberão uma mensagem em tempo real avisando se o filho está ou não presente na aula e todas as provas serão realizadas pelos smartphones, tudo isso, através de uma plataforma desenvolvida exclusivamente para essa finalidade.

Dessa maneira, toda a aprendizagem do aluno será disponibilizada em um App com acesso aos conteúdos dos mais diversos formatos, como por exemplo, a gamificação. Conhecida como PediGames, essa será uma área de acesso do aluno, onde o mesmo aprenderá seu conteúdo jogando virtualmente. Assim como este, ainda haverá o PediPlay, uma navegação de conteúdo, semelhante a usabilidade do NetFlix e o PediCast, sendo um conteúdo feito por Podcast, semelhante ao Spotify.

Cerca de 300 mil reais serão investidos para ampliar a infraestrutura do colégio, onde 100 mil já foram gastos para o ano de 2021, esse aporte só foi possível graças à parceria realizada entre a Startup Pedi Brasil e o CEVI, possibilitando com que as salas de aula se tornem multimídia e todo o material 100% digital, inclusive apostilas, biblioteca e atividades. A parceria visa ainda investir na compra de televisores, computadores, datashow, kits de ensino para cada professor, entre outros, com objetivo de diminuir a utilização de papel em até dois anos e incentivar o apelo sustentável aos alunos.

Vale salientar que, todas essas adaptações são completamente regulares, autorizadas pelo MEC e já entram em vigor no começo de 2021. Para os alunos que não possuem smartphone, o Centro de Ensino já está providenciando parcerias com lojas especializadas, podendo assim, disponibilizar descontos exclusivos para os estudantes.

Durante a pandemia

Enquanto durar os dias de pandemia, o colégio terá o modelo de ensino online e presencial, porém agora, os alunos que optarem por ficar em casa, poderão interagir em tempo real com os professores, pois a aula será a mesma para ambos os formatos.
Categorias
Economia Notícias

FEBRABAN dá dicas de como fazer as compras de natal sem cair em golpes virtuais

Quadrilhas aproveitam a correria das compras de final de ano para roubar dados pessoais e aplicar golpes. Tomar cuidado com as informações compartilhadas e mensagens suspeitas é a chave para evitar ser vítima de fraude

Conforme o mês de dezembro avança, aumenta a pressão para a realização das compras de natal. Quadrilhas especializadas em aplicar golpes online sabem disso e se aproveitam da distração e pressa dos consumidores em finalizar a lista de presentes para roubar dados pessoais dos clientes.

Eles usam engenharia social, que são estratégias para convencer as pessoas a fornecerem informações pessoais aos golpistas, como CPF, senhas e números dos cartões. Outra prática comum é levar as vítimas a fazerem transações em favor das quadrilhas, como transferências de dinheiro ou pagamentos via Pix para contas dos bandidos.

As quadrilhas têm se especializado nesse tipo de ação baseada na captura de dados pessoais, após conquistar a confiança de clientes desavisados. “Hoje, 70% dos golpes feitos no mundo digital estão relacionados a engenharia social”, alerta Adriano Volpini, diretor da comissão de Prevenção a Fraudes, da FEBRABAN, Federação Brasileira dos Bancos.

Sites e e-mails falsos, ligações e mensagens são algumas das artimanhas usadas pelos golpistas para enganar as pessoas e ter acesso a informações das vítimas. “As quadrilhas buscam obter informações pessoais dos clientes para poder realizar operações fraudulentas. Por isso é importante proteger esses dados e não os compartilhar de forma indevida”, explica Volpini.

“É preciso estar sempre atento, mas em épocas como o natal, em que o volume de compras é muito maior, o cuidado tem que ser redobrado”, diz o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

Para reduzir os riscos de ser vítima dos golpistas, a FEBRABAN destaca as seguintes orientações.

Ao fazer compras pelas internet:

• Tenha cuidado para não cair em um site falso;

• Nunca compre em lojas que não gerem confiança;

• Sempre pesquise a reputação da loja antes de comprar; e

• Verifique se as informações da aba “sobre” ou “contato”, como telefone, endereço do escritório, e-mail, canal de atendimento e CNPJ são verdadeiras.

Ao pagar:

• Nunca clique em links de ofertas muito boas para serem verdade;

• Para ver a oferta sempre digite o endereço da loja da barra do seu navegador;

• Antes de incluir o número do cartão, veja, na barra do navegador, se está na página certa e oficial da loja;

• Sempre use o cartão virtual; e

• Crie senhas com letras e números e lembre-se de ter uma senha diferente para cada conta.

Cartão físico

• Golpistas podem se aproveitar de distrações para trocar o seu cartão. Por isso, mantenha seu cartão fora do alcance de outras pessoas;

• Nunca perca seu cartão de vista;

• Sempre confira seu nome no cartão depois de usá-lo; e

• Para evitar que seus dados sejam usados em compras online sem você notar, nunca forneça senha, número e código de segurança do cartão em SMS, e-mail e WhatsApp.