Categorias
Destaque Diário do Rio Entrevistas Notícias Notícias do Jornal

Confira a agenda de lives da semana do Jornal DR1

O músico Jairo Carneiro, o especialista em reestruturação corporativa e turnarounds Steve Henri de Araujo Devos e o ator, produtor e diretor cultural Cal Titanero serão os próximos a serem entrevistados nas lives do Jornal DR1.

As lives acontecem sempre as terças, quartas e quintas, às 15h, no Instagram @jornaldr1. Quem perder alguma entrevista pode conferir depois, na íntegra, também no Instagram ou no Youtube do Jornal DR1.

Confira a agenda das nossas próximas lives:

Últimas lives

O engenheiro civil Ronny Menascé, a administradora Rafaella Mello, integrante do projeto Educarte, e a economista Janaína Calvo, que também é coaching finaneiro, foram os entrevistados da última semana nas lives do Jornal DR1.

Ronny Menascé

Ronny (@ronnymenasce) falou sobre sua vida e carreira. Natural de São Paulo, ele fundou a própria empresa, a Menacon Construções (@menaconconstrucoes) ainda na faculdade. Ele falou sobre os desafios enfrentados pelo setor em razão da pandemia e sobre seus dois cães de estimação, que adoram ir com ele para o escritório.

Confira a live completa no Instagram ou Youtube.

Rafaella Mello

A administradora Rafaella Mello (@rafahmello_) falou sobre o Projeto Educarte (@projetoeducarte_), que leva educação através da arte para crianças e adolescentes do bairro de Santa Cruz, no Rio. Ela também falou sobre a exposição virtual das artes feitas pelas crianças, que pode ser conferida no site: www.ecoardasartes.org.

Confira a live completa no Instagram ou Youtube.

Janaína Calvo

Janaína Calvo (@janainacalvo) deu dicas importantes sobre como gerir as finanças, sobretudo em tempos de crise como agora na pandemia. A cada dez brasileiros, oito tiveram as finanças afetadas, segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o SPC Brasil. Ela diz que é preciso planejamento e que, com isso, é possível até fazer um pé de meia.

Confira a live completa no Instagram ou Youtube.

Categorias
Diário do Rio Marynês Meirelles | Direto ao Ponto Notícias Notícias do Jornal

Direto ao ponto: entubado ou intubado?

Ana Paula assistia ao jornal na televisão quando leu a legenda: “Após 15 dias de intubação, Sílvia acaba de retornar para a sua casa.”

Veio a dúvida na mesma hora. Intubar ou entubar? A todo momento escutamos e lemos esta notícia várias vezes ao dia e esta dúvida ficou na sua cabeça. Sempre achou que o correto seria entubar.

Perguntou à seu irmão Tobias, que é um craque nestas questões e ele respondeu:

– As duas formas estão corretas, porém intubar, com i, é mais utilizado na medicina.

– Explicado. Valem as duas formas. Mas, qual é a diferença? Quando usar uma ou outra?

Direto ao ponto

O dicionário registra as duas palavras:

  • Entubar = dar forma de tubo.
  • Intubar = introduzir um tubo; introduzir uma cânula na traqueia. É esse o verbo usado na medicina.

No Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, no sentido usado em medicina, intubar significa introduzir um tubo em uma cavidade. Ex: O médico intubou o paciente. O mesmo dicionário reserva entubar para “dar feição de tubo”.

Marynês Meirelles
Pedagoga e professora de Língua Portuguesa. Pós graduada  em Educação Infantil  e com MBA em Responsabilidade Social (UFF) e Gestão Ambiental (UGF). Mestra na área de saúde e Meio Ambiente (UNIPLI). É sócia proprietária da Essencial Creche Escola na Barra da Tijuca. Trabalha como produtora cultural do programa Sábado é Show na Rádio Bandeirantes onde tem o quadro “Toque Show”, dando dicas da Língua Portuguesa.

Categorias
Destaque Diário do Rio Economia Notícias Notícias do Jornal

Jornal DR1 monta guia para esclarecer dúvidas sobre o Imposto de Renda 2021

Anualmente, os contribuintes precisam enviar a Declaração do Imposto de Renda, que gera muitas dúvidas. Pensando nisso, o Jornal DR1 separou as mais comuns e, com dicas da contadora Luciana Queiroz Pais, que atende pelo GetNinjas, montou nesta edição um guia informativo.

A Receita espera receber este ano 32.619.749 declarações — no ano passado, foram enviadas 31.980.146. O prazo este ano é até 30 de abril, mas um projeto de lei, em votação no congresso, propõe adiá-lo até até 31 de julho. A multa por atraso na entrega é de, no mínimo, R$165,74 e, no máximo, 20% do imposto devido.

O que declarar?

É preciso declarar tudo o que ganhou no ano anterior (salários, aposentadoria, rendimentos de aluguel ou investimentos). Também é possível listar despesas que podem ser abatidas na declaração e, consequentemente, reduzir o valor dos impostos pagos, as chamadas “deduções do IR”, como despesas médicas, com educação, filhos ou pais (dependentes, no valor máximo de R$ 2.275,08 por dependente), contribuição à Previdência Social (sem limites) e à Previdência Privada (que correspondam a até 12% da renda tributável).

Quem é obrigado a declarar?

Os contribuintes que: receberam rendimentos tributáveis (como salários e aluguéis), cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70; receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte (indenizações trabalhistas, caderneta de poupança ou doações) em valor superior a R$ 40 mil; obtiveram, em qualquer mês, ganhos na venda de bens ou direitos sujeitos à incidência de Imposto de Renda, como imóveis vendidos com lucro; realizaram operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas (investimentos); tiveram receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural; tinham, em 31 de dezembro de 2020, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil; passaram à condição de residentes no Brasil em qualquer mês e, nessa condição, encontravam-se em 31 de dezembro de 2020.

Tipos de declarações

Simplificada: é a melhor opção para quem não tem muitas despesas a deduzir, pois esse tipo usa um abatimento padrão de 20% sobre a soma de todos os rendimentos tributáveis recebidos — esse abatimento é limitado a R$ 16.754,34 e pode ser usado por qualquer contribuinte. O imposto recolhido no ano deverá ser informado, pois será descontado do cálculo final do IR a pagar.

Completa: indicado para quem tem muitas despesas a deduzir (gastos com plano de saúde, educação, dependentes etc). É necessário informar todos os gastos e rendimentos de 2020 e guardar os comprovantes por, no mínimo, cinco anos. Se a soma total das deduções exceder o limite de R$ 16.754,34 do modelo simplificado, então o programa apontará o modelo completo como a melhor opção.

Pré-preenchida: disponível apenas para contribuintes com Certificado Digital no centro virtual de atendimento (e-CAC). Para tanto, o contribuinte precisa ter enviado a declaração anterior ao ano-calendário vigente, e as fontes pagadoras devem efetivar a entrega de todas as informações relativas ao contribuinte, por meio de suas próprias declarações

Novidades de 2021

Entre as principais novidades está a obrigatoriedade de declarar o auxílio emergencial para quem recebeu, em 2020, mais de R$ 22.847,76 em outros rendimentos tributáveis. Os contribuintes nessas condições (cerca de cerca de 3 milhões, segundo a Receita) deverão devolver todo o benefício. O auxílio deve ser declarado por ser considerado rendimentos tributáveis de pessoa jurídica. Outra novidade é que o programa preenchedor do IR desse ano está com espaço para os contribuintes declararem criptomoedas e outros ativos eletrônicos. Além disso, os contribuintes podem escolher contas de pagamento para receberem a restituição —  até então, a Receita só depositava os valores em contas correntes ou poupança.

Restituição

Pelas estimativas da Receita, 60% das declarações terão restituição de imposto, 21% não terão imposto a pagar nem a restituir e 19% terão imposto a pagar. Assim como no ano passado, serão cinco lotes de restituição: 31 de maio (primeiro lote), 30 de junho (segundo), 30 de julho (terceiro), 31 de agosto (quarto) e 30 de setembro (quinto).

Categorias
Ana Cristina Campelo | Seus Direitos Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal Social Sociedade

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Três anos depois da liberação de Auschwitz, nascia a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Nasceu da tragédia da 2ª Guerra Mundial, nasceu em decorrência dos regimes totalitários, nasceu da necessidade do homem de resguardar os seus direitos. A declaração delineia os direitos humanos básicos, foi adotada pela ONU em 10 de dezembro de 1948 e escrita principalmente por um canadense, porém contando com a ajuda de várias pessoas de todo mundo.

O objetivo da declaração é propor um ideal comum a ser atingido por todos os povos e nações, com objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta declaração, se esforcem através do ensino e da educação para promover o respeito a esses direitos.

Nos 30 artigos, estão listados os direitos básicos para promoção de uma vida digna para todos, independente de nacionalidade, cor, sexo e orientação sexual, política e religiosa. A declaração é o marco normativo que serve de pressuposto para as condutas estatais e dos cidadãos. Os princípios nela contidos têm a função de inspirar e balizar o comportamento dos indivíduos. E são esses princípios que tanto precisando seguir, adotar, praticar e vivenciar. Vejamos a seguir o que dizem os 10 primeiros artigos da declaração tão fundamental para o direito humano:

Artigo 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Artigo 2: Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição; Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania.

Artigo 3: Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo 4: Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

Artigo 5: Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo 6: Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa perante a lei.

Artigo 7: Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Artigo 8: Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Artigo 9: Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo 10: Todo ser humano tem direito, em plena igualdade, a uma justa e pública audiência por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir seus direitos e deveres ou fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.

Vamos praticar o discurso. Fique de olho!

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista 
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

Categorias
Bichos & Cia Destaque Diário do Rio Mundo Notícias Notícias do Jornal

Estudo relaciona variante britânica da Covid-19 com doença cardíaca em cães e gatos

Pesquisadores do “The Ralph Veterinary Referral Centre”, no Reino Unido, e das universidades francesas de Montpellier e de Lyon identificaram uma possível relação entre a variante britânica da covid-19 com uma doença cardíaca em cães e gatos. A pesquisa teve versão prévia publicada no site científico bioRxiv.

Os pesquisadores constataram que alguns pets contaminados com a variante, conhecida como B.1.1.7, desenvolveram miocardite, inflamação grave no coração. Essa condição é considerada rara nos animais.

A pesquisa relata 11 casos de animais doentes, em Londres, e aponta que os pets afetados ficaram bastante debilitados, mas não tiveram problemas respiratórios. O estudo aponta ainda que eles tiveram boa recuperação após um tratamento intensivo.

A pesquisa foi realizada após relatos de veterinários sobre um aumento atípico de casos da doença cardíaca e saúde geral debilitada em um hospital veterinário em South-East. Além disso, foi constatado que a maioria dos donos dos animais tinham sido diagnosticados com covid-19 nas semanas anteriores.

No artigo publicado, os pesquisadores afirmam ainda que o coronavírus original, sem a variação, não parecia causar doenças graves em animais de estimação, o que reforça, segundo eles, a relação entre a doença cardíaca e a mutação identificada no vírus. Os cientistas ainda reafirmam que a transmissão de pessoas para os animais ainda permanece muito mais provável do que a transmissão do vírus dos animais para as pessoas.

Cuidados

A OMS informou que monitora pesquisas sobre a relação entre animais de estimação e a Covid-19. A recomendação das autoridades de saúde é que pessoas infectadas limitem o contato com seus cães e gatos. Além disso, cuidados básicos de higiene devem ser seguidos pelos humanos ao manusear animais, como lavar as mãos antes e depois de tocar nos pets, alimentos, fezes ou urina. Além disso, o tutor deve evitar beijar, lamber ou compartilhar alimentos com seus pets e usar máscara facial.

Categorias
Destaque Diário do Rio Economia Notícias Notícias do Jornal

Mulheres contrataram mais e demitiram menos em fevereiro

Da Redação com Agência Brasil

Um levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), divulgado nesta semana, aponta que no mês de fevereiro de 2021 as mulheres estiveram mais resilientes do que os homens diante da crise no controle de suas pequenas e microempresas. Segundo a pesquisa, as empreendedoras  demitiram menos e contrataram mais pessoas nesse mês do que os empreendedores. Além disso, o Sebrae aponta que elas recorreram menos a empréstimos no setor financeiro.

De acordo com os dados do levantamento, no mês passado, 9% das empresárias entrevistadas desligaram funcionários de suas empresas; entre os homens, esse percentual foi de 12%. Já com relação ao número de contratações feitas, 16% das empreendedoras aumentaram o quadro de funcionários, enquanto que o percentual de homens que contrataram novas pessoas foi 13%.

Questionados sobre empréstimos tomados em fevereiro, 52% dos homens afirmaram a tentativa de obter empréstimo. Entre as mulheres, esse percentual foi um pouco menor: 46%.

Para o levantamento, o Sebrae ouviu 6.228 empresários e empresárias de todo o país entre os dias 25 de fevereiro de 1º de março.

A maioria das mulheres consultadas acredita que o governo deveria estender linhas de crédito (38%), além do auxílio emergencial (31%). Já 11% delas sugeriram o adiamento dos impostos. Entre os homens, 52% entendem que a extensão de linhas de crédito deveria ser a medida tomada pelo governo neste momento do país.

O levantamento também aponta que as mulheres usam mais a internet na condução dos seus negócios: 74% das empresárias vendem seus produtos ou serviços de forma digital. Entre os homens, esse percentual cai dez pontos.

“Percebemos que os pequenos negócios mantidos por mulheres seguem a tendência de vendas online e marketing por meio de mídias sociais. Esse movimento já vinha sendo notado, mas foi acelerado com a pandemia”, afirmou o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Categorias
Ana Cristina Campelo | Seus Direitos Diário do Rio Notícias do Jornal

O que é feito para garantir os direitos das mulheres? (parte 2)

É certo que todo um ciclo de lutas, numa era de grandes transformações sociais, até as primeiras décadas do século XX, tornaram o Dia Internacional das Mulheres o símbolo da participação ativa das mulheres para transformarem a sua condição e a transformarem a sociedade.

Estamos nós assim, anualmente, como nossas antecessoras, comemorando nossas iniciativas e conquistas, fazendo um balanço de nossas lutas, atualizando nossa agenda de lutas pela igualdade entre homens e mulheres e por um mundo onde todos e todas possam viver com dignidade e plenamente.

A partir de 1922, o Dia Internacional da Mulher é celebrado oficialmente no dia 8 de março. Essa história se perdeu nos grandes registros históricos, seja do movimento socialista, seja dos historiadores do período. Faz parte do passado histórico e político das mulheres e do movimento feminista de origem socialista no começo do século.

Em 1995, a capital da China – Pequim – sediou a Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres, um evento organizado pelas Nações Unidas. Lá, criou-se a “Declaração e Plataforma de Ação de Pequim”, com o objetivo de alcançar a igualdade de gênero por meio da superação dos desafios e obstáculos enfrentados por meninas e mulheres em todo o mundo.

Esse documento tem como foco 12 áreas temáticas, que são: crescente número de mulheres em situação de pobreza; desigualdade no acesso à educação e capacitação; desigualdade no acesso aos serviços de saúde; violência contra a mulher; como conflitos armados afetam as mulheres; desigualdade na participação em estruturas econômicas, nas atividades produtivas e no acesso a recursos; desigualdade na participação no poder político e nos órgãos decisórios; insuficiência de mecanismos institucionais para a promoção do avanço da mulher; deficiências na promoção e proteção dos direitos da mulher; estereotipação dos temas relativos à mulher nos meios de comunicação e a desigualdade de acesso a essas mídias; desigualdade de participação nas decisões sobre a exploração dos recursos naturais e a proteção do meio ambiente; necessidade de proteção e promoção voltadas especificamente para os direitos da menina.

O documento, assinado por 189 países, proíbe toda e qualquer tipo de lei que fosse baseada em gênero. E, ao contrário do que muita gente pensa, não são apenas Estados orientais, muito religiosos e/ou muito pobres que têm leis baseadas em gênero. Mesmo que 192 países determinem em suas Constituições a igualdade e não-discriminação das mulheres, muitas nações do mundo possuem um sistema de leis que oprime jovens e adultas. Essa opressão pode ocorrer de várias maneiras, algumas vezes contando com o apoio de leis – como a violência doméstica na Rússia – e outras de forma ilegal, mas comum por serem consideradas culturais – como a cultura do estupro.

Foram muitas as conquistas de direitos e proteções que antes eram negados às mulheres – como a Lei Maria da Penha vigente no Brasil –, mas também se nota que ainda há muito a ser melhorado. Mesmo com as denúncias e protestos da população, muitos países continuam a negar os direitos das mulheres, inclusive o nosso. Por isso é importante ficar atento às leis que são votadas no país e às discussões sobre gênero que surgem nas mídias, nas escolas, nos encontros de família e em todos os lugares.

Exercer a cidadania é também participar ativamente de debates e não apenas aceitar decisões que dizem respeito a todos os brasileiros e brasileiras. Fique de Olho!

Leia Também: O que é feito para garantir os direitos das mulheres?

Ana Cristina Campelo
Advogada e jornalista
anacristina.campelo@jornaldr1.com.br

Categorias
Diário do Rio Pascal Coppens | Novo Normal da China

O Novo Normal da China: Amor de Robô

Por Pascal Coppens

Em 2016, uma universidade chinesa em Hefei desenvolveu o robô ‘JiaJia’. O que tornou este robô tão especial (ou assustador, alguns dizem) é que ele é o primeiro de seu tipo que se parece muito com um ser humano. Tem aparência tão convincentemente que você pode pensar que seja uma mulher de verdade. ‘She’ é programado para interação homem-máquina e possui ampla gama de microexpressões faciais, coordenação de movimentos boca-corpo e posicionamento e navegação autônomos.

JiaJia até aprendeu etiqueta, humor e tom de voz. A ideia é eventualmente usar o JiaJia no setor de hospitalidade. Lembro-me do filme Her, em que robôs com características humanas são capazes de alterar o equilíbrio das relações entre as pessoas. Na verdade, já em 2015, havia relações documentadas entre humanos e bonecos, e a passagem das bonecas aos robôs é pequena. Neste domínio, como em tantos outros, na China o futuro está chegando mais cedo.

Em meados de 2018, visitei a empresa AI Ling.ai, em Pequim. Ling desenvolveu o LUKA para ajudar crianças a descobrir sua paixão pela leitura. Uma das maneiras de fazer isso é tentando exibir características humanas típicas: é o primeiro robô que já conheci que peida! Pode parecer um detalhe (estranho e divertido), mas para mim foi a escrita na parede: simboliza uma mudança fundamental na mentalidade e na vontade de atribuir características humanas aos robôs. Isso se torna o Novo Normal para as novas gerações de jovens chineses. Na mesma linha, uma empresa em Nanjing desenvolveu o iPal para ser usado como babá. Ele ensinará matemática ao seu filho, contará piadas e se tornará seu melhor amigo.

É certo que os chineses se tornarão cada vez mais apegados aos novos companheiros, amplamente incorporados às escolas e ao currículo educacional. Para a atual geração de crianças, viver com robôs – como ‘amigos’ – será o Novo Normal. A intimidade que o povo chinês tem com a tecnologia está inspirando milhares de empreendedores a inovar no campo da IA.

Trecho do livro: O Novo Normal da China.

Contato e informações sobre as palestras de Pascal Coppens: +55(84) 999833497

Categorias
Cidade Cultura Diário do Rio Notícias Notícias do Jornal

Palácios Guanabara e das Laranjeiras guardam história do Rio e do Brasil

Com espaços que guardam parte da história do Rio e do Brasil, os palácios Guanabara e das Laranjeiras serão abertos para visitação de cariocas e turistas. A abertura aconteceria neste sábado (6), mas foi adiada por causa das novas medidas restritivas adotadas pela prefeitura para conter o avanço da covid-19, que valem até 11 de março.

Quando nova data de abertura for definida, os interessados em ir aos museus vão precisar agendar horários de visitas, que, inicialmente, só poderão acontecer aos sábados, das 9h às 17h.

Chafariz do Deus Netuno no Palácio da Guanabara. (Foto: Philippe Lima)

A visitação aos palácios faz parte do programa “Palácios do Povo”, lançado pelo governo do estado com a Fecomércio RJ, que tem o objetivo fortalecer a cultura e o turismo.

Os passeios pelos palácios serão guiados por alunos e instrutores do curso técnico em Guia de Turismo, do Senac-RJ. A expectativa é que os prédios históricos recebam mais de 310 pessoas por dia. Os visitantes deverão seguir os protocolos sanitários, usar máscara e manter distanciamento de pelo menos um metro de outras pessoas.

No Palácio Guanabara, a visitação poderá ser guiada ou livre, com capacidade máxima para 30 pessoas por hora. Já no Palácio das Laranjeiras, as visitas serão apenas guiadas e cada grupo pode ter até 20 pessoas.

Palácio Guanabara

Fachada do Palácio Guanabara. (Foto: Luis Claudio Alvarenga)

Além do tour, o Palácio Guanabara receberá aos sábados apresentações musicais e uma feira de agricultores familiares.

O visitante pode conhecer um pouco da história do prédio, sede administrativa do Governo do Rio. O passeio inclui visita ao Salão Nobre, onde aconteciam saraus culturais na época da Princesa Isabel, e ao Salão Verde, local de assinaturas de convênios e entrevistas oficiais do governo.

Salão Nobre do Palácio da Guanabara. (Foto: Divulgação)

Tem também a Sala Estácio de Sá, antiga sala de jantar da Princesa Isabel e atual gabinete dos governadores do Estado, e a sala onde foi descoberto, na restauração de 2011, um calçamento tipo pé-de-moleque centenário, decorada com pinturas cedidas pelos museus do Rio. O jardim é outro ponto a ser visitado, tendo como principal elemento o Chafariz do Deus Netuno.

Palácio das Laranjeiras

Palácio das Laranjeiras. (Foto: Carlos Magno Rodrigues de Figueiredo)

Na visita ao Palácio das Laranjeiras, o público poderá viajar pela história do Rio e do país durante 80 minutos. O passeio inclui o hall de entrada, o Salão Luis XIV, a Sala de Música, com o famoso piano inspirado no cravo de Maria Antonieta, o Fumoir e a Sala de Jantar.

O público pode visitar a biblioteca que abriga o Bureau du Roi, cópia fiel do que pertencia ao Rei Luis XV da França e que está no Palácio de Versalhes, o Salão Império e a Galeria Regência.

Banheiro de mármore do Palácio das Laranjeiras. (Foto: Carlos Magno Rodrigues de Figueiredo)

A visita também inclui o Boudoir, primeiro ambiente íntimo da casa, que era associado ao espaço feminino, além do Quarto Luis XV, do “Quarto des Enfants” (Quarto das Crianças), do Banheiro de Mármore e do Elevador, um dos primeiros instalados em residências da América do Sul, decorado em estilo rococó.

Visitação

O público vai poder agendar a visitação pelo site www.palaciosdopovo.rj.gov.br, onde também é possível realizar um tour virtual pelos espaços históricos dos palácios.

Categorias
Destaque Diário do Rio Entrevistas Notícias

Diretora do Jornal DR1 é entrevistada pelo Canal TV Rio e fala sobre carreira de 40 anos como advogada

A diretora do Jornal DR1, a advogada Dr. Ana Cristina Campelo de Lemos Santos, foi entrevistada nesta quarta-feira (3) no programa Você em Foco, do Canal TV Rio. A entrevista ocorreu nos estudos da emissora, localizado em Nova Iguaçu.

À apresentadora Bellinha di Tena, Ana Cristina falou sobre os seus 40 anos como advogada e sobre o surgimento do jornal, um sonho de infância que se concretizou há cinco anos. Ela destacou ainda o novo formato do veículo, que deixou de ser Jornal Diário do Rio e passou a se chamar Jornal DR1.

“Meu avó tinha uma máquina de datilografia, ele escrevia e pendurava as páginas para secar. Depois, costurava as páginas e mandava os meninos saírem na rua pra entregar para as pessoas. Era um jornal, feito nos moldes da época. E um dia eu falei que também teria um jornal”, destacou.

Ana falou sobre a infância e sobre os 40 anos de carreira como advogada. (Foto: Alan Alves)

“Eu passei a ter esse jornal, que tem distribuição gratuita, como segunda atividade minha e estou curtindo muito. Então, de vez em quando, sai de cena a Ana Cristina advogada e entra em cena a Ana Cristina diretora do jornal. E a coisa vai caminhando e está indo muito bem. Passei a ter contato com muitas pessoas, muitos artistas com o jornal. Por conta da pandemia, a gente não está imprimindo e distribuindo nas ruas, mas todo o conteúdo pode ser acessado no nosso site. Fazemos o jornal e colocamos no site. Mas queremos em breve voltar a imprimir e distribuir. Onde meu avó está, sei que ele estará muito feliz. Eu fiz o jornal para ele, como prometi”, completou.

Na entrevista, Ana falou sobre a familia e relembrou as visitas que fazia quando era criança ao avó Joaquim, a quem chamava de “Pai Quinca”, no estado do Piauí. Citou ainda outra paixão de infância, que era pilotar motos. “Hoje não ando mais de moto, mas sempre renovo a carteira de habilitação de moto”, afirmou.

A paixão pela advocacia também surgiu na infância.

“Meus pais diziam que desde os seis anos que eu já falava em ser advogada para ajudar os outros”, disse.

Ana assistiu a depoimentos de amigos, como o ator Deo Garcez. (Foto: Alan Alves)

Ana também falou sobre os projetos sociais que desenvolve atualmente em comunidades do Rio, como Rocinha, Jacaré, Vila Olímpica da Mangueira, Cidade de Deus, Vigário Geral, Quitumbo e Engenho da Rainha.

Ainda na entrevista, ela foi homenageada e ganhou um buquê de flores da apresentadora Bellinha di Tena. Ainda assistiu a vídeos enviados por colegas de trabalho e amigos que elogiaram sua trajetória, como Zaira Caprara, Vera Gonzalez, Rômulo Lício, Sérgio da Luz, a advogada Sabrina Santos, o ator Deo Garcez e o carnavalesco Milton Cunha.

Advogada ainda assistiu a mensagem em vídeo enviada por Milton Cunha. (Foto: Alan Alves)

Ao fim da entrevista, Ana se emocionou ao assistir a uma apresentação do cantor e compositor Tunai, outro grande amigo, que morreu em 2020.

“Tunai era um grande amigo nosso, tínhamos muito apreço por ele, e ainda temos. Uma grande de estrela que caiu em nossas vidas. Deixou a obra, o encanto dele. Aonde ele estiver vai estar nos guiando, nos protegendo”, disse.

Ana se emocionou ao assistir vídeo de apresentação do amigo Tunai. (Foto: Alan Alves)
Ana recebeu homenagens e ganhou buquê de flores. (Foto: Alan Alves)