Categorias
Diário do Rio Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

Estudantes criam projeto de ecodraga com potencial para limpar lixo da Baía de Guanabara

Três estudantes do ensino técnico da Escola Firjan Senai Sesi São Gonçalo, no Rio, desenvolveram um projeto de ecodraga com potencial para minimizar uma situação crônica vivida pelos cariocas em decorrência do processo de degradação que se intensificou, principalmente nas décadas de 50 e 60, com o elevado crescimento urbano: a poluição da Baía de Guanabara, uma das maiores do litoral brasileiro e que englobando praticamente toda a Região Metropolitana. O projeto foi desenvolvido para limpar o lixo que flutua sobre a água.

Com o auxílio de um engenheiro, os alunos Carlos Eduardo Veras Keller, Daniel Caruso Melo Roquette Couto e Rafaela Pessanha de Freitas desenvolveram o projeto de embarcação usada para recolher o lixo do mar. Diferentemente de embarcações coletoras semelhantes, a ecodraga evitar o vazamento de gasolina na água, já que é movida à energia solar.

A embarcação, com 14 x 7 metros de tamanho, pode navegar por até sete horas em cada operação. Nela ficariam um
reservatório para o lixo e uma esteira na parte frontal, capaz de recolher e armazenar mais de 300 garrafas pets grandes por operação. “Com várias ecodragas em funcionamento, seria possível minimizar o impacto ambiental do descarte de lixo na baía”, diz Keller. Os estudantes já fizeram o protótipo da embarcação e, agora, estão atrás de empresas e de autoridades do governo para tentar tirá-lo do papel.

O projeto está concorrendo a um prêmio: é um dos finalistas da 19ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE 2021). Promovida anualmente pela Escola Poliécnica da USP e realizada pelo Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico- LSI-TEC, a FEBRACE é considerada a maior feira brasileira pré-universitária de Ciências e
Engenharia em abrangência e visibilidade.

Nesse ano, a premiação reúne, ao todo, 345 projetos finalistas, desenvolvidos por 716 estudantes de 295 escolas do ensino fundamental, médio e técnico de todo o País. Conta ainda com a participação de 482 professores. Os projetos serão julgados e premiados pela criatividade e rigor científico. A cerimônia de premiação está marcada para 27 de março, com transmissão pelo canal oficial da Febrace no Youtube.

Categorias
No Barquinho da Paciência Notícias do Jornal

Faltam lixeiras e sobra lixo nas ruas

 

Muitas pessoas voltaram a trabalhar de forma presencial, empresas e estabelecimentos abriram seus negócios e muitos voltaram a fazer suas atividades. Com isso, um problema bem recorrente volta à tona, que é a falta de lixeiras espalhadas pelas ruas. Andando pelo RJ, percebe-se muito lixo no chão, pouca fiscalização em relação a esse aspecto e muitas lixeiras quebradas.

Para encontrar uma lixeira em determinados pontos é uma dificuldade. E acaba que muitos mal-educados jogam o lixo no chão, alegando a falta de lixeiras pela cidade. A prefeitura precisa agir para amenizar ao máximo esse problema que enfrentamos. Espalhar mais lixeiras por cada canto do Rio de Janeiro, fazer a coleta de lixo constantemente, organizar campanhas para conscientizar a população a não jogar seus lixos na rua, são alguns caminhos para um local mais limpo.

A parte da população é zelar pelo seu próprio patrimônio. Jogando lixo nas ruas, só contribui ainda mais para a poluição e enchentes no Rio de Janeiro. Parece slogan, mas é uma obrigação: “Jogue o lixo no lixo”.