Categorias
bicicleta Destaque Notícias

Bicicleta é tema da ‘Maratona de Ideias’ do SESC São Paulo

O Instituto Aromeiazero e unidades do Sesc SP apoiam  ideias, projetos e negócios que utilizam a bicicleta para fortalecer o território central durante e pós pandemia

De acordo com os dados levantados pela Aliança Bike, o número na
venda de bicicletas aumentou 34,17% no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2020. Outra organização que também registrou esse crescimento foi a Tembici, responsável por operar serviços de empréstimo de bicicletas no país. Segundo a empresa,houve um crescimento do número de aluguéis de 9% entre janeiro e julho de 2021 em relação ao ano passado. Em muitas cidades o uso da bicicleta já vinha se tornando tendência e a pandemia colocou isso ainda mais em evidência. Além de ser usada para a prática de
exercícios físicos, meio de transporte e ferramenta de geração de
renda, a bicicleta  também pode ser usada como fortalecimento do
comércio local.

Foi pensando em fomentar o uso da bike que o Instituto Aromeiazero juntoa 6 unidades do Sesc (24 de Maio, Carmo, Consolação, Bom Retiro,Florêncio de Abreu e Parque Dom Pedro II) irá promover no próximo dia 25, às 11h30, a ‘Maratona de Ideias’, uma  live de apresentação das dez propostas selecionadas na Bike-a-thon Centro. Logo após, os responsáveis por elas serão avaliados e receberão feedbacks da Renata Falzoni, arquiteta, jornalista e idealizadora do portal Bikeé Legal;Cristina Fongaro Peres, assistente técnica da Gerência de Educação para a Sustentabilidade e Cidadania onde responde pela área da Valorização Social do Sesc SP; e Cadu Ronca, diretor do Instituto Aromeiazero.

Veja quais foram as propostas selecionadas:

Selim Cultural: formação de bikers entregadoras/es do coletivo
Señoritas Courier, para que estas pessoas elaborem roteiros de
conteúdo cultural pela região central da cidade.

EcoMilhas: programa de milhas em que cada quilômetro pedalado se
transforma em pontos que valem descontos entre os lojistas da região.

Mapeamento Ciclo Amigável com Señoritas Courier: a ideia é
mapear,identificar e criar um mapa online com pontos estratégicos que
ofereçam suporte à ciclistas de forma gratuita, como por exemplo,
espaços de recarga elétrica de aparelhos celulares, espaços para
alimentação, entre outros.

BikeSystem: coletivo que reutiliza, recicla e ressignifica bicicletas
abandonadas pela cidade e transforma em difusores de arte com o objetivo de levar música e doações para pessoas em situação  de rua no
Centro de São Paulo.

“Rolê no Centro”:  buscam a realização de passeios de bike e outras
rodinhas em ações culturais pelo Centro de São Paulo com o Coletivo
CicloCentro_SP. A ideia é juntar coletivos que atuem utilizando a
bicicleta.

Maratona Mulher na Bicicleta: criado pela Vespas Bike Gang, coletivo de mulheres que começou em setembro de 2018 busca realizar atividades para autonomia da mulher no ciclismo. Seu lema é “qualquer mina, qualquer bike”.

BAZE – Minioficina de Suporte axs Ciclo Entregadorxs: idealizado pelo grupo de ciclo entregadores “SP.Mess”, consiste na instalação de um arsenal básico de ferramentas para manutenção e cuidados de
bicicletas, nos seguintes centros culturais: Al Janiah [Bela Vista],
Casa do Povo [Bom Retiro], Galpão Casa 1 [Bela Vista] e Espaço Selva
[Mooca].

Motor Humano: realizado pelo Bicicletário 68, da ocupação Ouvidor 68, busca imaginar novas formas de transporte, invertendo a escala
automóvel-bike, a fim de fortalecer o acesso à cultura e a cidade para
a população das ocupações do Centro de São Paulo.

Pedalar é urbano – street art Sp: a ideia do projeto é evidenciar
através de um “tour” ciclístico artes de mulheres, pessoas pretas
e indígenas

PedalinhA: tem como proposta brincar e ocupar os espaços de pedal para crianças,  traçando rastros por linhas curvas de chão, que circunda me cortam a Praça Olavo Bilac e da Ciclofaixa do entorno..

A Bike-a-Thon, maratona de inovação social, criatividade e mentoria
para apoiar o desenvolvimento de soluções que utilizem a bicicleta
para fortalecer o território durante e pós pandemia, está acontecendo
desde o mês de agosto e contou com lives inspiradoras e mentorias sobre Bicicleta e Impacto Social ; Gestão de Inovação Social e Modelos de Sustentabilidade Financeira. Agora chega em sua fase final com
apresentações de soluções que serão apoiadas e acompanhadas pelo
Instituto até o fim deste ano.

Vale dizer que todas essas propostas são para o fortalecimento da
economia local no centro de São Paulo durante e pós pandemia.

Participe da live e contribua com as ideias, dando sugestões e tirando
dúvidas sobre elas.

Maratona de Ideias – Bike-a-thon Centro

Quando: 25/09/2021
Horário: 11h30
Onde: Youtube do Aromeiazero e do Sesc Bom Retiro

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que
utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir
para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com
patrocínio do Itaú Unibanco e da Argo Seguros, além de leis de
incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades
vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão
integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e
artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para
saber mais informações, entre em contato:

   Sobre o Territórios do Comum

No atual momento ações realizadas por organizações não
governamentais, coletivos e indivíduos engajados são ainda mais
necessárias para transformar positivamente territórios e comunidades,
bem como as políticas públicas. Assim, diversas iniciativas da
sociedade civil têm atuado de forma colaborativa, constituindo espaços
de diálogo e de criação de tecnologias com mobilização social, que
apontam soluções para questões emergentes em seus territórios. Para
ampliar as possibilidades de trocas de conhecimentos de quem transforma seu território e quem deseja saber mais sobre o assunto, o Sesc Paulo dá início ao projeto “Territórios do Comum”, entre  1 a 15 de agosto, como ação em rede voltada ao tema da cidadania em suas
múltiplas dimensões e possibilidades de colaboração”.

Categorias
Destaque Notícias Rio

Carioca celebra vaga em universidade federal

De uma maneira geral, em todo o país, para os estudantes tem sido um enorme desafio encarar a vida acadêmica em meio à pandemia. Mas há os que superam as adversidades. É o caso de Laura Pereira, aprovada em Administração na UFRRJ.

Ter alcançado essa meta em meio ao momento atual do Brasil e do mundo foi ainda mais desafiador para a ex-aluna do Colégio Franco-Brasileiro:

Senti que não tive o mesmo rendimento durante as aulas on-line e fiquei com receio de que essa situação refletisse no vestibular. Afinal, são anos de preparação e você, como aluno, não quer que esse esforço seja interrompido por um ano atípico. Então, foi mais especial pois abriu os meus olhos quanto a mim mesma, mostrou que se eu me esforçar para superar as adversidades e me dedicar, eu sou capaz de alcançar o que eu quiser – comemora a nova universitária.

E como foi a emoção de ter passado no vestibular?

Fiquei muito feliz, foi a melhor recompensa que eu poderia ter recebido após meses de preparação, esforço e dedicação.

Ao todo, Laura estudou durante oito anos no Franco, do qual cultiva enorme gratidão:

Eu comecei no colégio no quinto ano do Ensino Fundamental, foi importante para mim, pois me ensinou a ser uma pessoa melhor, a enxergar e a se preocupar comigo mesma e com o próximo.

Para a ex-aluna, os maiores diferenciais do colégio foram ‘o carinho e atenção que eu recebi dos professores e de todos que integram a equipe do colégio’.

Enquanto aguarda para fazer a matrícula na UFRRJ, Laura agradece por tudo o que viveu no Franco:

Aprendi muito com os professores, recebi um repertório que vou levar para a vida toda.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Brasil supera 580 mil mortes por covid-19, desde o início da pandemia

Da Agência Brasil

O Brasil superou na terça-feira (31) a marca de 580 mil pessoas que morreram por covid-19, desde o início da pandemia. Com 839 óbitos registrados nas últimas 24 horas, o número de mortes alcançou 580.413.

Ainda há 3.585 mortes em investigação. O termo designa casos em que o diagnóstico depende de resultados de exames concluídos apenas após o óbito do paciente.

O país chegou a 20.776.870 pessoas infectadas desde o início da pandemia. Em 24h, secretarias de saúde confirmaram 24.589 novos diagnósticos positivos. Até ontem, o painel de dados do Ministério da Saúde trazia 20.752.281 casos acumulados.

Ainda há 461.010 casos em acompanhamento, que indica o número de casos ativos da doença, que estão sendo atendidas por equipes de saúde ou se recuperando em casa.

O número de pessoas que se recuperaram da doença subiu para 19.735.447. Isso corresponde a 95% das pessoas infectadas no Brasil desde o início da pandemia.

Os dados foram divulgados na atualização diária do Ministério da Saúde, na noite desta terça-feira (31). O balanço consolida os dados sobre casos e mortes levantados pelas secretarias estaduais de saúde.

Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim-de-semana.

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (145.836), Rio de Janeiro (62.457), Minas Gerais (52.986), Paraná (37.500) e Rio Grande do Sul (34.199). Na parte de baixo da lista estão Acre (1.814), Roraima (1.942), Amapá (1.953), Tocantins (3.683) e Sergipe (5.992).

Vacinação

Até o início da noite de hoje (31), o painel de vacinação do Ministério da Saúde não mostrava novas atualizações. Até esta terça-feira, o sistema marcava 191,5 milhões de doses aplicadas, sendo 130 milhões da primeira dose e 61,4 milhões da segunda dose. Nas últimas 24 horas, foram aplicadas dois milhões de doses.

Quando considerados apenas os dados consolidados no sistema do Programa Nacional de Imunizações (PNI), foram aplicadas 182,5 milhões de doses, sendo 124,6 milhões da primeira dose e 57,8 milhões da segunda dose.

Ainda conforme o painel de vacinação, foram distribuídos 233,2 milhões de doses, sendo entregues 222,5 milhões de doses.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Prefeitura do Rio suspende plano de reabertura por avanço da pandemia

Da Agência Brasil

A prefeitura do Rio de Janeiro decidiu suspender o plano de flexibilização das atividades, que começaria a vigorar em 2 de setembro. Os motivos alegados são o avanço da pandemia na cidade, principalmente com a variante Delta, e a irregularidade no fornecimento de vacinas por parte do Ministério da Saúde. O anúncio foi feito em nota divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

“Desde o primeiro anúncio sobre o plano de reabertura da cidade, no início de agosto, foi frisado que essas medidas estavam condicionadas a um cenário epidemiológico favorável, com continuidade da regressão do mapa de risco da cidade para alertas moderado e baixo; e da regularidade de entrega de vacinas pelo Ministério da Saúde. Em não se confirmando essas condições, o planejamento poderia ser revisto”, explicou a SMS.

Com isso, o plano de flexibilização anunciado pelo prefeito Eduardo Paes, em julho, prevendo a reabertura quase total da cidade para eventos com público, ficará adiado. Paes chegou a batizar o dia 2 de setembro como o Dia do Reencontro, quando as restrições cairiam para diversas atividades, o que acabou não ocorrendo.

“Diante do recente aumento do número de casos da doença devido à circulação da variante Delta, retorno de todo mapa de risco para alerta moderado e da recomendação do Comitê Especial de Enfrentamento da Covid-19 (CEEC), o plano de reabertura foi adiado”, disse a secretaria.

Categorias
Brasil Destaque Saúde

País atinge 50 milhões de pessoas com vacinação completa contra covid

Da Agência Brasil

O Ministério da Saúde informou, hoje (17), que mais de 50 milhões de pessoas já tomaram as duas doses ou a vacina de dose única contra a covid-19, o que representa 31,9% da população acima de 18 anos de idade com a imunização completa contra a doença.

O andamento da vacinação pode ser conferido na plataforma LocalizaSUS, atualizada diariamente.

De acordo com os dados da base nacional do Programa Nacional de Imunizações (PNI), 49.062.641 pessoas completaram o ciclo vacinal. Além delas, 2.089.449 também já tomaram as duas doses ou dose única, conforme informado pelas secretarias estaduais de Saúde, mas que ainda aguardam registro na base do PNI. O total, então, chega a 51.152.090 pessoas imunizadas.

O Ministério da Saúde reforça aos brasileiros que ainda não completaram o ciclo vacinal que procurem uma unidade de saúde para a segunda dose. Para que as vacinas atinjam a efetividade esperada, é necessário tomar as duas doses – ou a dose única, no caso da vacina da Janssen.

A orientação é que a segunda dose seja aplicada no período recomendado, de 12 semanas para as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Astrazeneca/Fiocruz e de quatro semanas para a CoronaVac/Butantan. No entanto, mesmo para quem perdeu o prazo, a orientação é procurar um posto de vacinação para completar o ciclo vacinal.

A meta do governo é imunizar toda a população adulta com duas doses até o fim do ano. De acordo com os registro no PNI e nos painéis das secretarias estaduais, o Brasil já aplicou mais de 168 milhões de doses, no total, sendo que mais de 70% da população (117 milhões de pessoas) acima de 18 anos de idade já está com a primeira dose no braço.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, o andamento da vacinação vem refletindo na redução no número de casos, óbitos e internações pela doença. Na última semana, todos os estados e o Distrito Federal registraram taxa de ocupação de leitos covid-19 abaixo de 80%. “É a primeira vez no ano que o Brasil atinge esse índice, reforçando a importância da imunização para acabar com o caráter pandêmico no país”, disse a pasta.

 

 

Categorias
Destaque Diário do Rio Economia

Estudo mostra que pandemia agravou a situação de mulheres negras no mercado de trabalho

Por Prefeitura do Rio de Janeiro.

A pandemia piorou um cenário já desfavorável para mulheres negras que buscam emprego. A taxa de participação delas no mercado de trabalho reduziu nove pontos percentuais (p.p) entre o primeiro trimestre de 2020 (56%) e o mesmo período de 2021 (47%). Apesar de representar 22,5% da população em idade ativa (acima de 14 anos), elas ocupavam apenas 18% dos postos de trabalho com carteira assinada no primeiro trimestre de 2021.

Os dados foram revelados em um estudo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS) do Rio. O objetivo da publicação é investigar as desigualdades por gênero e raça no mercado de trabalho no Município do Rio de Janeiro, fornecendo dados para subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas de qualidade que possam solucionar a questão.

Com o fechamento de escolas, muitas precisaram parar de trabalhar para ficar em casa com os filhos. Além disso, os setores nos quais se concentram, como emprego doméstico, alojamento e alimentação e serviços pessoais, não são possíveis de serem realizados de forma remota. A redução de nove pontos percentuais de participação no mercado de trabalho foi a maior variação entre os grupos. Mulheres brancas tiveram queda de 5,9 p.p, a mesma de homens negros, mas que ocupam um patamar maior (68,9%). Com maior empregabilidade, homens brancos exibiram a menor variação no percentual de pessoas na força de trabalho, 4,3 p.p, chegando a 64,5%.

Já o desemprego das mulheres negras, que era de 17,6% no último trimestre de 2019, chegou a 22% ao longo de 2020. A queda na ocupação ocorreu para todos os grupos socioeconômicos. Porém, foi mais intensa para a população negra, com perda de cerca de 20% do total de ocupados, entre os primeiros trimestres de 2020 e 2021, enquanto os brancos tiveram redução de 8% (mulheres) e 4% (homens).

O estudo mostra ainda que mulheres negras respondem por 68,2% dos trabalhadores em serviços domésticos no Rio, enquanto representam apenas 15,2% nos setores de informação, comunicação e atividades financeiras e 10,8% nas áreas de administração pública, defesa e seguridade social. A desigualdade também chama atenção no quesito escolaridade, quando 44,6% das mulheres brancas possuem superior completo contra 21,3% das mulheres negras.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Rio tem ainda 76 mil pessoas acima dos 40 anos não vacinadas contra a Covid-19

Da Agência Brasil

A cidade do Rio de Janeiro tem ainda 76 mil pessoas acima dos 40 anos que não foram vacinadas contra a covid-19, de acordo com dados do Painel Rio Covid-19, da prefeitura. Na próxima semana, a cidade vacina pessoas com idade entre 27 e 32 anos. Até este sábado (31), 75% da população alvo, com 18 anos ou mais, recebeu pelo menos a primeira dose da vacina e 33,5% completaram o esquema vacinal com duas doses ou dose única. 

Entre os idosos, com 60 anos ou mais, 23,7 mil ainda não tomaram a vacina. Outros 96,6 mil tomaram a primeira dose, mas ainda não tomaram a segunda dose da vacina, completando o esquema de vacinação.

Em nota à Agência Brasil, a Secretaria Municipal de Saúde diz que permanece monitorando o passivo para segunda dose, bem como as coberturas e reforça a importância das pessoas retornarem para completar seu esquema vacinal. Estudos apontam maior proteção contra a covid-19 após o número total de doses recomendadas por cada vacina.

A pasta destaca que embora o calendário já os tenha contemplado, nem todos os idosos se vacinaram no dia da sua idade, o que interfere no calendário da segunda dose, uma vez que as vacinas possuem intervalos diferentes recomendados entre a primeira e a segunda dose.

A secretaria informa ainda que 91,4% dos idosos já estão completamente imunizados. Todas as faixas etárias de idosos alcançaram a meta de no mínimo 90% da população da faixa completamente imunizada, exceto na faixa etária de 60 a 64 anos, que já apresenta 86% e ainda possui um número significativo de idosos dessa faixa dentro do prazo para a segunda dose.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Sobe para 23 o número de casos da variante Delta no Rio

Da Agência Brasil

O secretário municipal de saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz informou hoje em sua conta no Twitter que mais 15 casos da variante Delta foram confirmados na cidade do Rio de Janeiro, elevando o total para 23.

De sexta (16) para sábado (17), o número de casos confirmados da variante Delta saltou de três para 23, conforme avança a investigação sobre sua circulação na cidade.

Ontem, a Secretaria Municipal de Saúde informou que estava acompanhando 23 pessoas que tiveram contato com os primeiros sete casos que haviam sido confirmados na cidade.

A variante Delta foi identificada pela primeira vez na Índia e se tornou a quarta variante de preocupação sinalizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ao lado da Alfa, Beta e Gama. As três anteriores tiveram seus primeiros casos sequenciados no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil.

As variantes de preocupação recebem atenção especial das autoridades de saúde porque têm potencial maior de transmissão. Apesar disso, a Secretaria Municipal de Saúde ressalta que as medidas preventivas são as mesmas.

“A população deve manter o distanciamento, usar máscaras e higienizar as mãos com álcool 70 ou, quando possível, água e sabão”, disse ontem a secretaria.

Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio Saúde

Dois casos da variante Delta são identificados na cidade do Rio

Da Agência Brasil

Dois casos da variante Delta do coronavírus, considerada mais contagiosa, foram identificados no município do Rio de Janeiro, informou em nota a prefeitura.

“A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS) informa que identificou dois casos de síndrome gripal por covid-19 relacionados à variante Delta (B.1 617.2), após sequenciamento genômico, na cidade do Rio. Tratam-se de dois homens, de 27 e 30 anos, residentes dos bairros de Vila Isabel e Paquetá. A investigação epidemiológica está em curso pelas equipes da Vigilância em Saúde da SMS”, informou.

Segundo o comunicado, a SMS segue fazendo o acompanhamento epidemiológico da pandemia na cidade e, em conjunto com a Secretaria de Estado de Saúde e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o monitoramento da entrada de diferentes cepas.

“Independentemente da variante, as medidas preventivas são as mesmas. A população deve manter o distanciamento, usar máscaras e higienizar as mãos com álcool 70 ou, quando possível, água e sabão”, concluiu a nota.

Dois casos da variante Delta já haviam sido detectados, no início do mês, no estado do Rio de Janeiro, em municípios da Baixada Fluminense. Segundo autoridades sanitárias, os pacientes são um homem de 30 anos e uma mulher de 22 anos, moradores de Seropédica e São João de Meriti.

Categorias
Destaque Mundo Notícias Saúde

OMS diz que variante Delta já está em 98 países

Da Agência Brasil

A variante Delta, predominante em Portugal, já está presente em 98 países, anunciou hoje (2) a Organização Mundial da Saúde (OMS), alertando que o mundo está diante de um “período muito perigoso da pandemia” de covid-19.

“A Delta foi detectada pelo menos em 98 países, propagando-se rapidamente em países com baixa e com alta cobertura de vacinas”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, em entrevista coletiva virtual partir de Genebra.

Segundo ele, o mundo enfrenta atualmente um “período muito perigoso da pandemia”, com “cenas terríveis de hospitais superlotados” em países com baixa cobertura de vacinação e com a variante Delta, detectada inicialmente na Índia, a “continuar a mutação”, o que requer uma avaliação constante com ajustes na resposta de saúde pública.

O representante da OMS adiantou que pediu aos líderes mundiais para trabalharem em conjunto, no sentido de garantir que, em julho de 2022, 70% da população mundial estejam vacinados contra o SARS-CoV-2.

“Essa é melhor maneira de controlar a pandemia, de salvar vidas e de levar à recuperação econômica global, evitando que as variantes conseguiam se disseminar”, defendeu Tedros Adhanom, reiterando o objetivo de, em setembro deste ano, ter 10% da população do mundo já vacinada, o que permite proteger os trabalhadores da saúde e os grupos mais vulneráveis.

Para incrementar a vacinação global, o líder da OMS adiantou que estão sendo criadas novas instalações de produção em várias partes do mundo, mas que esse objetivo pode ser acelerado com a partilha de conhecimento e de tecnologia por parte das empresas farmacêuticas.

Nesse sentido, Tedros Adhanom disse que desafiou a BioNTech, a Pfizer e a Moderna a partilharem o conhecimento para “poder acelerar o desenvolvimento de novas produções” de vacinas.

Na mesma entrevista, a epidemiologista Maria Van Kerkhove, responsável técnica da resposta da OMS à covid-19, considerou que a organização “não tem uma bola de cristal para fazer previsões” sobre quanto tempo ainda demorará a pandemia. Lembrou que, neste momento, existem quatro variantes de preocupação – Alpha, Beta, Gama e Delta -, que também estão em circulação em Portugal.

“A trajetória das variantes em cada país depende dos planos que estão sendo implementados”, afirmou a especialista, ao destacar a necessidade de manter a vigilância, a testagem, o isolamento dos casos, a quarentena dos contatos e uma boa taxa de vacinação, assim como as medidas de proteção individual.

“Todos esses fatores são parte da equação sobre quando essa pandemia vai acabar”.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 3.957.862 mortes em todo o mundo, resultantes de mais de 182,5 milhões de casos de infecção, segundo balanço recente da agência AFP.

Em Portugal, morreram 17.108 pessoas e foram confirmados 884.442 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.