Categorias
Desfile Destaque Notícias

Estilista Negra Gonçalense assina desfile de moda

No último sábado dia 11 a estilista Anastácia Felizardo realizou no clube tamoio um desfile intitulado “ Black White Jiva “ .

O desfile todo em preto e branco foi inspirado na série da netflix Jiva, uma coleção inspiradora e com peças únicas que causou alvoroço
entre os expositores locais, além da sua coleção Anastácia optou por modelos do coletivo Filhos de Dandara,um coletivo apenas com modelos da própria região.

Uma peça que chamou muita atenção foi uma bata desejada por muitos

Foto : Divulgação

que ali estavam. Ao final do desfile a estilista posou para uma seção de fotos no próprio clube mostrando toda sua coleção .

A estilista também deixou bem claro todo apoio que obteve da presidente dos filhos de Dandara Daniele Gonçalves e do empresário Luiz Dias que marcaram presença no desfile.

Categorias
Beleza Brasil Destaque

Gonçalense de 13 anos conquista o Miss Universo Infantojuvenil

O evento aconteceu na noite do último sábado (28).

Esther Fontoura, adolescente de São Gonçalo conquistou o título Pré Juvenil de Miss Universo no concurso Infantojuvenil. O concurso foi totalmente on line, respeitando as normas da Pandemia.

Sob direção de Susana Cardoso, diretora do Miss Beleza internacional que organiza e realiza concursos a mais de 20 anos sob a coordenação municipal de Marcos Nunes que reuniu uma equipe de ponta com o estilista Luiz Holif.

O Concurso também contou com a presença do Mister SG beleza internacional David Angel.

Grandes nomes como Grazi Massafera, Raiane Moraes e Sandra Passos também já passaram por essa coordenação conquistando títulos de Miss Beleza internacional Brasil.

Desejamos a Miss Universo Infantojuvenil um reinado de muita excelência e Sucesso.

Categorias
Destaque Rio Social

Grupo desenvolve projeto de criação do Museu da Umbanda em São Gonçalo

 

A previsão é que seja inaugurado em 2023.

O Rio de Janeiro é um estado que abriga uma vasta diversidade étnica, cultural e religiosa. Mesmo sendo de pouco conhecimento coletivo, a cidade de São Gonçalo foi berço de uma das religiões mais seguidas no Brasil: a Umbanda. Para contextualizar a história do seu nascimento no país e combater a intolerância, religiosos e especialistas planejam fundar o Museu da Umbanda ou MuseUmbanda em solo gonçalense.

Deu-se início em 1908 no bairro de Neves-SG. Idealizada por Zélio Fernandino de Moraes, a Umbanda baseia-se em três 3 conceitos fundamentais: Luz, caridade e Amor.

Nas décadas de 1930 e 1940 as casas de Umbanda se disseminaram pelo tecido urbano mais moderno do país, o das cidades grandes, onde registram-se centenas de casas que praticam-na desde então.

Nasce assim em 2019 o Projeto do Museu da Umbanda, ou como já ficou conhecido o MuseUmbanda, uma instituição que trará a possibilidade de territorializar a Umbanda em seu município, salvaguardar sua memória, servir de anteparo aos inúmeros casos de intolerância religiosa no Estado do Rio de Janeiro e mais, desenvolver exposições temáticas e produzir conhecimento cultural nos campos da arte, música, literatura, dança, etc. O MuseUmbanda muito mais que uma estrutura física, será um novo espaço para o resgate da Umbanda e das Matrizes Africanas dentro do Estado.

Hoje, o projeto está em fase de discussão legislativa e breve deverá chegar a produção museológica. Mais do que um Museu, a proposta do MuseUmbanda é de Resgate e Resistência. Em 2021 a umbanda completa 113 anos de muita luta e um completo apagamento histórico. Mais do que necessário, o MuseUmbanda é um clamor social.

Para entrar em contato com os idealizadores:

museumbanda@gmail.com

Categorias
Cultura Rio

Secretária de Cultura do Estado conhece o Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo

O dia 10 de março de 2021 foi um marco para a história da cultura e patrimônio de São Gonçalo. Na última quarta, recebemos em nosso município a secretária de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, a Danielle Barros juntamente com seu subsecretário Victor Corrêa.

Eles vieram para São Gonçalo com objetivo de conhecer o trabalho realizado pelo Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo contemplado pela Lei Aldir Blanc. A equipe do projeto é composta pelos professores de história: Aretha, Daiana, Juliana, Naila, Rhaiane, Victor, o assistente social Marcelo e pela idealizadora, professora de história e assistente social Daniele. Para a recepção das autoridades foi realizado um café da manhã no espaço da APRAFEN, e contou com a presença de moradores da localidade de Monjolos.

 

Fonte: Reprodução

Após esse primeiro momento, todos foram encaminhados para uma visita guiada realizada pela historiadora Rhaiane Leal no espaço das ruínas da Fazenda Engenho Novo. Nas escadas da Casa Grande-Senzala foi apresentada uma atuação de época das crianças do Projeto filhos de Dandara e do ator Anderson Sabino.

A visita às ruínas do patrimônio gonçalense contou com a presença do presidente da OAB – São Gonçalo, Eliano Enzo. Também participaram os secretários municipais de Cultura e Turismo, Lucas Muniz, e de Agricultura e Pesca, Roberto Salles. O responsável pela ITERJ, Leonardo Lopes, também compareceu ao evento. Contamos também com a presença de entidades do Movimento Negro, como a presidente estadual da UNEGRO-RJ, Claudia Vitalino.

Segue abaixo o relato de uma das participantes da visita guiada na manhã de ontem:

O dia 10 de março foi muito especial para todos nós, enquanto organizadores de projeto e articuladores de pessoas. O evento foi uma oportunidade para conectar a história do tempo presente com os fatos ocorridos no passado, principalmente no que tange a guerra e ao enfrentamento do povo negro. Consideramos que somos frutos da luta dos nossos antepassados, estes que sofreram e reivindicaram um mundo com mais igualdade racial. Mesmo após mais de um século de abolição, as marcas da escravidão ainda nos assombram, pois ainda existem as ações racistas vindo de pessoas que pensam ser superiores as outras somente pela cor de pele. Através do projeto Filhos de Dandaras e Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo, nós temos a oportunidade de ter voz para reescrever a história. Contamos com o apoio da sociedade gonçalense para o fortalecimento e crescimento desses projetos socioculturais e identitários em nossa cidade. Muito obrigada a todos que compareceram a mais um dia de luta pela nossa igualdade.

No momento, as visitas estão suspensas devido à crise pandêmica da Covid-19. Para mais informações, disponibilizamos os seguintes contatos:

instagram @fazenda_engenhonovo,

e-mail: gfazendaengenhonovo@gmail.com

telefone (21) 98488-0774.

Categorias
Cultura Destaque

Conheça mais um pouco sobre o projeto “Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo”

 

O “Movimento Ocupa Fazenda do Engenho Novo” é uma ação popular voltada para o resgate histórico, humanitário e cultural deste que é, inegavelmente, um dos maiores monumentos material e imaterial da história de São Gonçalo. A Fazenda do Engenho Novo está localizada no bairro de Monjolos, cidade de São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro, cujo acesso se dá a partir da Rodovia Amaral Peixoto (RJ-104), seguindo pela Estrada José de Souza Porto, Largo da Ideia e Estrada Rio Frio.

Também nomeada como Fazenda Engenho Novo Retiro e Fazenda do Serrado ao longo do tempo, esse espaço, contendo as ruínas em estilo de casa rural dos séculos XVII e XVIII, foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural (INEPAC) em 1998. O local é conhecido como lote 32, e em 1993 teve suas terras desapropriadas pelo Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro (ITERJ), órgão do Governo do Estado, dando origem ao Assentamento Rural Fazenda Engenho Novo.

O “Movimento Ocupa” tem como objetivo construir uma nova identidade para a cidade de São Gonçalo, transformando ruínas em relíquias, histórias esquecidas em memórias vivas, lembranças da cultura passada em atividades culturais de grande diversidade e interesse, enfim, realizar resgates em vários segmentos, tanto materiais quanto imateriais, essenciais para a preservação da memória. Desde setembro de 2019 as atividades educativas e sociais estão acontecendo no espaço da Fazenda Engenho Novo. A idealizadora do projeto, Daniele Gonçalves, comenta um pouco sobre a sensação de participar do Movimento.

“A sensação é da certeza de estar no caminho certo em relação a nossa historia/ancestralidade na construção da historia de São Gonçalo”

Com a crise sanitária as tarefas de pesquisa estão funcionando de maneira remota. Nesse momento, nosso objetivo central é desenvolver parcerias com as agências de fomento para transformar o espaço em local de conhecimento, tornando-o útil para a comunidade gonçalense. Dessa forma, a Fazenda Engenho Novo proporcionará cursos de capacitação nas modalidades Ead e presencial para a comunidade em diversos níveis. Em termos econômicos, a reconstrução e criação do museu atrairão muitos turistas para São Gonçalo, e aumentará a demanda de serviços e vendas de produtos na região de Monjolos e arredores. O funcionamento do espaço revitalizado possibilitará a oferta de emprego e crescimento para os comerciantes residentes. Daniele falou um pouco também sobre os projetos para este ano.

“A ideia para este ano é nos instrumentalizar em relação a Fazenda, oferecendo cursos online sobre a história da Fazenda e após a vacina atuar de maneira presencial no espaço,  oferecendo visitas guiadas e futuramente cursos para a comunidade local”

Atualmente, a Fazenda Engenho Novo, apesar de catalogada e tombada como patrimônio cultural brasileiro está abandonada e necessita urgentemente de uma intervenção em sua estrutura material. O projeto “Museu Histórico e Cultural da Fazenda Engenho Novo” tem o propósito de preservar a cultura histórica material e imaterial na cidade de São Gonçalo. A ação do “Movimento Ocupa” consiste na revitalização do espaço com a oferta de práticas educacionais para os moradores da comunidade, estudantes, e turistas. Com a revitalização da Fazenda Engenho Novo a população gonçalense terá os seguintes benefícios:

  • Aproximação dos alunos, professores e a comunidade em geral da história da fazenda e dos pesquisadores, auxiliando-os na construção da história oral e da memória local.
  • Visitas guiadas gratuitas as ruínas da Fazenda, destinada aos estudantes das redes públicas estaduais e municipais da cidade de São Gonçalo e região.
  • Promover de fato o turismo em São Gonçalo com visitas mediadas ao público em geral, trazendo a construção sociohistórica da cidade de São Gonçalo e as conexões com a diáspora africana.
  • Recuperar a história do local para além da história do Barão Belarmino Ricardo de Siqueira, visando colocar em destaque os sujeitos da história que foram esquecidos das narrativas oficiais e ressaltar a importância de se recuperar, uma vez que todos têm direito de usufruir de um meio ambiente cultural.
  • Resgatar a história e formação da população gonçalense no sentido de realizar a educação das relações étnico-raciais.
  • Investigar e resgatar junto aos sitiantes e antigos donos da fazenda, possíveis objetos históricos que fizeram parte do local para um futuro acervo do museu.
O Movimento Ocupa Fazenda Engenho Novo conta com um Podcast no Spotify Foto: Reprodução

O “Movimento Ocupa” tem o incentivo da UNEGRO e de coletivos organizados dentro do município de São Gonçalo, assim como o apoio dos residentes locais de Monjolos. As atividades serão realizadas por um grupo de moradores de São Gonçalo. Os integrantes do “Movimento Ocupa Fazenda Novo” possuem vasta experiência em educação museal, pesquisa e ações sócio assistenciais, além disso, todos são residentes do município de São Gonçalo, unânimes na consciência da importância da construção do museu para o acesso e desenvolvimento da cultura histórica da cidade.

Categorias
Cultura Notícias do Jornal

Emicida é homenageado com Espaço de Cultura Urbana em São Gonçalo

 

Por Claudia Mastrange

Em funcionamento desde 24 de julho, por iniciativa da Secretaria Municipal de Educação de São Gonçalo – SEMED, em parceria com a ONG AfroTribo, a Sala de Leitura Ruth de Souza, localizada no bairro Venda da Cruz, em São Gonçalo, inaugura em 28 de dezembro o “Espaço Emicida de Cultura Urbana”. Haverá transmissão ao vivo, em formato ‘live’, às 16 h, feita pelo rapper Emicida,  que titula o local. O Espaço Emicida de Cultura Urbana contará com cineclube e aulas de breakdance, graffiti, MC e DJ, além de dispor de sala multiuso para palestras e reuniões.

Nascido e criado no Jardim Fontális, zona norte de São Paulo, Leandro Roque de Oliveira, mais conhecido pelo nome artístico Emicida, é um MC-rapper, considerado uma das maiores revelações do hip hop nacional desse século. O nome “Emicida” vem da fusão das palavras “MC” e “Homicida”, apelido herdado por ele através dos amigos das rodas de rima que frequentava, por lhe considerarem um “assassino” de seus concorrentes, durante as batalhas. Outro significado para seu nome artístico vem da sigla: E.M.I.C.I.D.A (Enquanto Minha Imaginação Compor Insanidades Domino a Arte). Formado em desenho pela Escola Arte São Paulo, Emicida também atua como desenhista e roteirista de histórias em quadrinhos.

O primeiro passo para o sucesso acontece em 2009, quando o clipe de “Triunfo” alcança mais de 8 milhões de visualizações no YouTube, seguido de uma mixtape de vinte e cinco faixas intitulada, a Pra quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe. Em 2015, Emicida lançou o álbum Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa… que lhe rendeu uma indicação ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Música Urbana.

Além de rapper, Emicida atuou como repórter nos programas Manos e Minas, da TV Cultura e no Sangue B da MTV e atualmente é um dos apresentadores do programa Papo de Segunda, no canal GNT.

E sendo São Gonçalo o celeiro de 40 rodas culturais de rima, além de ser  ser considerada a ‘Meca do graffiti fluminense’, caiu como uma luva o nome de Emicida na inauguração de um espaço que fosse de grande representação para a Cultura Urbana local.  Tão logo seja a pandemia permita, o músico promete visitar o espaço e promover uma roda de rima cultural com artistas locais, aos moldes das rodas que lhe consagraram como um ícone dessa geração.

Foto: Reprodução