Categorias
Destaque Diário do Rio Notícias Rio

Explosão em fábrica deixa cinco feridos no Rio

Da Agência Brasil

Uma explosão ocorrida em uma fábrica das pastilhas Valda, na Gardênia Azul, zona oeste do Rio de Janeiro, deixou cinco pessoas feridas no fim da tarde de ontem (7). O Corpo de Bombeiros informou que o quartel da Barra da Tijuca foi acionado às 16h25 para a ocorrência na Avenida Canal do Anil, 1263.

Os bombeiros atenderam cinco vítimas com ferimentos leves, sem necessidade de levá-las para um hospital, e terminaram o trabalho de rescaldo às 18h52. Imagens veiculadas pela imprensa mostram que o impacto da explosão derrubou o muro de um condomínio vizinho à fábrica e a onda de choque quebrou janelas de alguns apartamentos.

A Defesa Civil municipal fez a vistoria no condomínio e constatou danos em cerca de 20 apartamentos, mas sem a necessidade de retirada de nenhuma família.

“O deslocamento de ar causou alguns danos (como janelas, grades e eletrodomésticos quebrados) em 20 apartamentos do bloco 2 do Condomínio Cores da Mata, ao lado da fábrica, mas sem causar comprometimento estrutural, de acordo com os técnicos. Não foram feitas interdições no condomínio e os apartamentos já foram liberados para os moradores. O setor de caldeira da fábrica foi interditado”, informou a Secretaria de Ordem Pública (Seop).

A reportagem tentou contato com a empresa, mas não obteve retorno.

A Polícia Civil informou que a 32ª Delegacia de Polícia de Taquara instaurou inquérito para apurar o caso. “A perícia foi realizada no local e os agentes aguardam o resultado do laudo para esclarecer as causas da explosão. Testemunhas e responsáveis pela empresa também serão ouvidos”, diz a nota.

Categorias
Destaque Social

Hospital Popular de Medicina Veterinária expande rede em 2020

 

É sempre importante ter os cuidados necessários com os pets. E neste mês, o Hospital Popular de Medicina Veterinária (HPMV) vai expandir sua rede, que já conta com seis unidades no Rio de Janeiro. No dia 3/12, às 11h, será inaugurado um posto de saúde avançado em Senador Camará, Zona Oeste do Rio. Já no dia 7/12, às 16h, serão inauguradas duas unidades: uma na Praça Seca, Zona Oeste e outra na Ilha do Governador, Zona Norte. O objetivo é realizar 1,2 mil atendimentos no primeiro mês de funcionamento, em cada uma dessas novas unidades, com excelência, dinamismo e modernidade, comportando o controle dos casos mais brandos até os mais delicados.

O posto avançado de Senador Camará, que funcionará todos os dias, das 8h às 20h, ficará localizado na Avenida Santa Cruz, nº 6851, loja A. Já a unidade da Praça Seca, que funcionará 24 horas, estará na Rua Cândido Benício, nº 1727. E o hospital da Ilha, que também funcionará 24 horas, se localizará na Estrada do Galeão, nº 1848. Entre os serviços oferecidos no posto avançado estão consultas clínicas por R$45, exames de sangue a partir de R$18 e castrações para gatos a partir de R$77 e cão a partir de R$97. O valor da anestesia depende da análise do médico.

Já nas outras unidades estarão disponíveis serviços mais complexos como internações separadas para cães, gatos e animais com doenças infectocontagiosas, equipamentos de Raio-x, ultrassonografia, eletrocardiograma e ecocardiograma, centro cirúrgico e etc. Todas as unidades terão serviço de vacinação a partir de R$40 com vacinas importadas.

De acordo com o CEO do HPMV, Brunno Galvão, a rede já realizou mais de 100 mil atendimentos veterinários e conta com mais de cem médicos. Nasceu com objetivo de democratizar o acesso a medicina veterinária de qualidade, anteriormente acessível apenas para uma menor parte da população. “Hoje, já somos a maior rede de Hospitais Veterinários do Brasil. Neste ano ainda vamos inaugurar unidade em São Conrado, de frente para Rocinha”, enfatiza. Para 2021, os planos são de inaugurar mais 20 hospitais e 10 clínicas em todo o estado do Rio de Janeiro e expandir para outros estados.

Categorias
Destaque Política

Benedita “abraça” Casa de Parto na Zona Oeste e defende prioridade máxima à saúde da mulher

A candidata da coligação “É a Vez do Povo” à prefeitura do Rio de Janeiro, Benedita da Silva, promoveu nesta quarta-feira (21/10) um abraço simbólico na Casa de Parto David Capistrano, a única em atividade na cidade, em Realengo, na Zona Oeste. Ao lado de sua candidata a vice, a Enfermeira Rejane, ela falou de seus programas para atendimento e acolhimento da maior parcela da população da cidade. As gestantes terão atenção especial no governo Benedita, que planeja abrir mais casas de parto humanizado e criar um programa de educação perinatal para as grávidas.

No governo Crivella, o número de mulheres atendidas pelo programa “Cegonha Carioca” caiu em quase 20 mil, passando de 110.242 atendimentos, em 2016, para 91.044 em 2019. “É por isso que a gente precisa dar prioridade
à reconstrução da rede de apoio à saúde da mulher. No nosso governo, cuidar integralmente da saúde das mulheres será prioridade máxima, especialmente das mais pobres e negras”, disse Benedita.

Foto: Wagner Silva

A candidata garantiu que as unidades de saúde terão médicos ginecologistas e oncologistas à disposição das mulheres. Ela defendeu a compra de mamógrafos em massa para que nenhuma carioca tenha diagnóstico tardio
de câncer de mama. “Muitas famílias são destruídas quando a mulher descobre tarde demais que tem câncer de mama. Poderíamos poupar muitas vidas se a doença fosse diagnosticada mais cedo”, afirmou Rejane, que acompanhou Benedita pela Zona Oeste, assim como vários candidatos e candidatas à Câmara de Vereadores.

No abraço à Casa de Parto, Benedita conheceu Florence Daflon, de 5 anos, que nasceu na David Capistrano. Ela estava acompanhada da mãe, Cristiane, enfermeira que mora em Campo Grande, também na Zona Oeste. “Não há nada melhor para uma mãe que um parto humanizado como foi o meu aqui. Fui muito bem atendida antes, durante e depois do nascimento da Florence”, disse Cristiane. Alegre e saudável, a garotinha é o símbolo da saúde que Benedita quer ver no Rio a partir de primeiro de janeiro de 2021.

Categorias
Alessandro Monteiro | Circuito Carioca Destaque

Festival carioca “Ilumina Zona Oeste” realiza sua 4º edição de 06 a 08 de novembro e pela primeira vez de forma virtual

O Rio de Janeiro não é somente o terceiro estado mais populoso do país, mas também uma das cidades que mais apresenta diversidade cultural. Dentre seus bairros, a Zona Oeste, é a região mais populosa do Rio, e recebe do dia 06 a 08 de novembro de 2020 a quarta edição do ’Festival Ilumina Zona Oeste’, evento que promove a visibilidade das iniciativas culturais e sociais com a realização de oficinas, debates e apresentações artísticas. A pandemia da COVID-19 fez com que o Instituto Rio, realizador do festival desde 2017, transformasse a quarta edição do evento – que já faz parte do calendário do Rio – em formato virtual, ampliando o acesso para quem nunca pode estar lá pessoalmente e que agora terá a oportunidade de fazer parte desse universo multicultural.

O Ilumina Zona Oeste é uma realização do Instituto Rio em parceria Instituto Phi, e conta ainda com o apoio de diversos artistas e parceiros independentes. Este ano, o Festival foi selecionado no edital da empresa Via Rio, que patrocina o projeto com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura (ISS) por meio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Serão ao todo 03 dias dedicados a uma programação intensa de atividades que possuem os objetivos de: fortalecer a rede criativa e dar visibilidade às iniciativas socioculturais da Zona Oeste do Rio.

 

Foto: Ilumina Zona Oeste – Feira de economia criativa(Divulgação)

Conhecer todos esses projetos da Zona Oeste do Rio de Janeiro nos fez ter a certeza de que essas riquezas precisavam ser compartilhadas e reconhecidas por todo mundo, e assim nasceu o Festival, que a cada ano ganha novos parceiros e formatos e esse ano poderá chegar a mais e mais pessoas. “. Explica Luiza Serpa, fundadora do Instituto Phi, criadora e cogestora da iniciativa.

Neste formato virtual, o evento trará cerca de 20 apresentações artísticas das seguintes áreas: música, dança, artes visuais, teatro e literatura, além de oficinas e bate-papos para incentivar a criatividade, as trocas de experiências e a reflexão de todos os participantes.

O Festival esse ano priorizou artistas e projetos “iluminados” e que, em alguma medida, “iluminam” o seu entorno, ou seja, impactam positivamente em seus territórios de origem, utilizando a cultura como ferramenta para colaborar com um Rio socialmente justo e sustentável. O Ilumina é uma oportunidade de integrar a cena sociocultural da maior região da cidade. Um monte de artistas que não se conheciam passam a atuar em rede a partir deste encontro. A Zona Oeste é o pulmão da cultura carioca. O Festival é um canhão de luz e vida, um respiro meio ao caos da pandemia”. Afirma Pablo Ramoz, curador do Festival.

Temas relevantes para o território e seus habitantes, tais como:  sustentabilidade (Os ativos naturais da Zona Oeste do Rio: da Floresta do Camboatá ao Parque da Pedra Branca, do Parque do Mendanha à Baía de Sepetiba), economia criativa, comunicação popular, protagonismo negro, escrita criativa, entre outros farão parte do evento.

As transmissões acontecerão pelas redes sociais do Festival (Facebook, Instagram e Youtube), que este ano ganhou também um site exclusivo, reunindo diversas informações sobre a Zona Oeste e seus principais atores no campo sociocultural. A visão de longo prazo é que se torne uma plataforma para difundir conteúdo e facilitar a criação de redes colaborativas na região.

SERVIÇO: Ilumina Zona Oeste

 Realização: Instituto Rio

Curadoria: Pablo Ramoz

Produção: Motriz Sociocultural

Data: 06 a 08 de novembro

Classificação etária livre

Acesse a programação no site: www.iluminazonaoeste.org.br

Categorias
Notícias do Jornal Social

Cada pessoa importa

Em tempos de pandemia, a dificuldade cresce entre os menos favorecidos e todos aqueles que dependiam do trabalho informal para sobreviver no dia a dia. Visto que, o decreto de quarentena impede a circulação de pessoas e o comércio de ambulantes na cidade.

No entanto, muitas correntes solidárias foram criadas para atender a demanda das famílias e apoiar intuições e projetos sociais, para que a fome não batesse a porta tão rapidamente.

Como parte desse grupo de voluntários anônimos do bem, que descobrimos a advogada Luciana Pereira. Num bate papo, foi possível entender a sua preocupação com o outro e o desejo de realizar um mundo melhor através de várias frentes sociais que promove com ajuda dos amigos.

Esta semana, Luciana esteve no bairro de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, ajudando a Dona Maria. Uma senhora conhecida pela generosidade de cuidar das crianças da comunidade que mora – Além da grande necessidade de alimentos, eles também precisam de material de limpeza e amor, disse Luciana.

Ações como essas, ganharam maior visibilidade durante a pandemia do novo coronavírus e reforçam que é preciso união e solidariedade, independente de classe social, renda ou escolaridade. Pois os voluntários, não doam somente o seu tempo. Eles respondem a um impulso da vontade de colaborar.

Na Zona Oeste, moradores que não tinham condições de doar alimentos, ajudaram na organização e coleta de gêneros alimentícios para confecção de pequenas cestas básicas. É isso, um mutirão em prol de todos!

Para que essa corrente do bem permaneça, é importante qualquer tipo de doação, pois nesse momento, cada pessoa importa e lembre que sempre é possível arrumar um tempinho para ajudar o próximo.

Ajude você também, através do telefone (21) 98092-7957

 

Categorias
Rio

Prefeitura faz lockdown parcial em Campo Grande

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciou ontem (6) que, a partir desta quinta-feira, (7), iniciará um lockdown parcial em Campo Grande, bairro onde há os maiores registros de aglomeração, principalmente no calçadão onde há um comércio muito forte no município.

Lockdown é o bloqueio de todas as atividades que não são consideradas essenciais. No caso da ação em Campo Grande, a medida será apenas no calçadão do bairro.

Crivella vinha insistindo nos apelos à conscientização das pessoas, mas como não surtiu o efeito desejado, determinou à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) gradear os cinco acessos do calçadão de Campo Grande, onde fica o centro comercial local.

A Guarda Municipal colocará efetivos para ocupar esse espaço durante 24 horas. A medida vai vigorar por sete dias seguidos, prazo este que pode se estender, caso haja necessidade. O lockdown parcial significa que as pessoas não poderão circular dentro desse corredor.

O prefeito disse que a medida entrará em vigor a partir das 5 horas da madrugada de amanhã. “Isso depois de recebermos diversas ligações no Disk Denúncia Aglomeração e tentarmos de todas as formas evitarmos as aglomerações. Então, a partir de amanhã e por sete dias o calçadão de Campo Grande ficará interditado. E eu peço a colaboração de todas as pessoas”, reforçou Crivella.

Somente funcionários de atividades essenciais como farmácias, agências bancárias e supermercados terão a entrada autorizada, mediante apresentação de documento.

Com informações e foto da Agência Brasil