Categorias
Ação Solidária Destaque Notícias Rio

ONG recebe doação de bicicletas na cidade do Rio de Janeiro

A campanha “BIke Parada Não Rola” busca recolher bicicletas paradas em condomínios residenciais a fim de utilizá-las em projetos

O Aromeiazero, Instituto que promove ações através da bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e a Ocyan, empresa do setor de óleo e gás, lançam no Rio de Janeiro a campanha “Bike Parada Não Rola”. O propósito é liberar espaços em condomínios residenciais, recolher bicicletas e utilizá-las nos projetos desenvolvidos pelo Instituto. Além de fazer a coleta de forma gratuita, a ONG oferece apoio e material de divulgação para que toda pessoa conscientize síndicos e administradores sobre a importância das doações e estabeleçam um prazo para que as bicicletas abandonadas sejam identificadas. Essas bicicletas recolhidas serão usadas  no projeto ‘Pedala Macaé’, que tem  objetivo estimular o empreendedorismo através da bicicleta e o uso desse modal nas escolas de ensino infantil.

Os interessados em fazer a campanha ou doar suas bikes devem preencher um cadastro no site do Aromeiazero , nossa parceira nesta iniciativa. Depois, será realizado um agendamento para a retirada de cada uma delas. O foco é o recolhimento nos prédios, com adesão do síndico para estimular a campanha. Depois elas serão encaminhadas para Macaé, onde desenvolvemos o projeto ‘Pedala Macaé’ – explica Jocelina Valle, coordenadora de Responsabilidade Socioambiental da Ocyan.

As bicicletas doadas serão utilizadas em outros dois projetos da parceria, como o ‘Viver de Bike’ que ensina reparos mecânicos e empreendedorismo através da bicicleta para pessoas em situação de vulnerabilidade de Macaé e o ‘Rodinha Zero’, que ensina crianças a pedalarem com autonomia e segurança sem rodinhas de apoio –  Murilo Casagrande, diretor da Aromeiazero.

Segundo Mireille Gondim, síndica do condomínio Atlântico 1, localizado em Macaé, o prédio em que mora estava repleto de bicicletas abandonadas, causando problemas no espaço e na circulação dos moradores. “A situação aqui estava complicada, eram muitas bicicletas paradas e precisávamos utilizar o espaço. Não sabíamos muito bem o que fazer e foi aí que ficamos sabendo da campanha. Conseguimos resolver o nosso problema e ajudar outras pessoas. Quero estimular todos a doarem. Pensem na sustentabilidade e no bom uso”, comentou.

Os interessados em fazer uma doação, poderão acessar a página da campanha através do site.

A gente estava com um situação bem complicada aqui no meu prédio e a gente não sabia

Parceria

A parceria com a ONG Paulista Aromeiazero busca estimular a segurança do ciclista e o uso desse modal de transporte e mobilidade. A ação faz parte da nova Plataforma Socioambiental da Ocyan, que tem suas linhas de atuação voltadas para a promoção de ações de meio ambiente e desenvolvimento humano.

Sobre a Ocyan

A Ocyan é uma empresa com atitude sustentável e conhecimento para prover soluções para a indústria de óleo e gás upstream offshore no Brasil e no exterior. Seus principais valores são a segurança dos integrantes e da operação, a parceria de confiança com os clientes, e o compromisso com a ética e a transparência. A companhia encoraja também a diversidade e inclusão dentro e fora da empresa. Fazem parte da frota da empresa atualmente cinco unidades de perfuração e duas embarcações FPSO (floating, production, storage and offloading). A Ocyan desenvolve também projetos SURF, fabricação e instalação de equipamentos submarinos, e presta serviços de manutenção offshore. Mais informações no site

Sobre Aromeiazero

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Maiores informações no site .

 

Categorias
bicicleta Destaque Notícias

Bicicleta é tema da ‘Maratona de Ideias’ do SESC São Paulo

O Instituto Aromeiazero e unidades do Sesc SP apoiam  ideias, projetos e negócios que utilizam a bicicleta para fortalecer o território central durante e pós pandemia

De acordo com os dados levantados pela Aliança Bike, o número na
venda de bicicletas aumentou 34,17% no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2020. Outra organização que também registrou esse crescimento foi a Tembici, responsável por operar serviços de empréstimo de bicicletas no país. Segundo a empresa,houve um crescimento do número de aluguéis de 9% entre janeiro e julho de 2021 em relação ao ano passado. Em muitas cidades o uso da bicicleta já vinha se tornando tendência e a pandemia colocou isso ainda mais em evidência. Além de ser usada para a prática de
exercícios físicos, meio de transporte e ferramenta de geração de
renda, a bicicleta  também pode ser usada como fortalecimento do
comércio local.

Foi pensando em fomentar o uso da bike que o Instituto Aromeiazero juntoa 6 unidades do Sesc (24 de Maio, Carmo, Consolação, Bom Retiro,Florêncio de Abreu e Parque Dom Pedro II) irá promover no próximo dia 25, às 11h30, a ‘Maratona de Ideias’, uma  live de apresentação das dez propostas selecionadas na Bike-a-thon Centro. Logo após, os responsáveis por elas serão avaliados e receberão feedbacks da Renata Falzoni, arquiteta, jornalista e idealizadora do portal Bikeé Legal;Cristina Fongaro Peres, assistente técnica da Gerência de Educação para a Sustentabilidade e Cidadania onde responde pela área da Valorização Social do Sesc SP; e Cadu Ronca, diretor do Instituto Aromeiazero.

Veja quais foram as propostas selecionadas:

Selim Cultural: formação de bikers entregadoras/es do coletivo
Señoritas Courier, para que estas pessoas elaborem roteiros de
conteúdo cultural pela região central da cidade.

EcoMilhas: programa de milhas em que cada quilômetro pedalado se
transforma em pontos que valem descontos entre os lojistas da região.

Mapeamento Ciclo Amigável com Señoritas Courier: a ideia é
mapear,identificar e criar um mapa online com pontos estratégicos que
ofereçam suporte à ciclistas de forma gratuita, como por exemplo,
espaços de recarga elétrica de aparelhos celulares, espaços para
alimentação, entre outros.

BikeSystem: coletivo que reutiliza, recicla e ressignifica bicicletas
abandonadas pela cidade e transforma em difusores de arte com o objetivo de levar música e doações para pessoas em situação  de rua no
Centro de São Paulo.

“Rolê no Centro”:  buscam a realização de passeios de bike e outras
rodinhas em ações culturais pelo Centro de São Paulo com o Coletivo
CicloCentro_SP. A ideia é juntar coletivos que atuem utilizando a
bicicleta.

Maratona Mulher na Bicicleta: criado pela Vespas Bike Gang, coletivo de mulheres que começou em setembro de 2018 busca realizar atividades para autonomia da mulher no ciclismo. Seu lema é “qualquer mina, qualquer bike”.

BAZE – Minioficina de Suporte axs Ciclo Entregadorxs: idealizado pelo grupo de ciclo entregadores “SP.Mess”, consiste na instalação de um arsenal básico de ferramentas para manutenção e cuidados de
bicicletas, nos seguintes centros culturais: Al Janiah [Bela Vista],
Casa do Povo [Bom Retiro], Galpão Casa 1 [Bela Vista] e Espaço Selva
[Mooca].

Motor Humano: realizado pelo Bicicletário 68, da ocupação Ouvidor 68, busca imaginar novas formas de transporte, invertendo a escala
automóvel-bike, a fim de fortalecer o acesso à cultura e a cidade para
a população das ocupações do Centro de São Paulo.

Pedalar é urbano – street art Sp: a ideia do projeto é evidenciar
através de um “tour” ciclístico artes de mulheres, pessoas pretas
e indígenas

PedalinhA: tem como proposta brincar e ocupar os espaços de pedal para crianças,  traçando rastros por linhas curvas de chão, que circunda me cortam a Praça Olavo Bilac e da Ciclofaixa do entorno..

A Bike-a-Thon, maratona de inovação social, criatividade e mentoria
para apoiar o desenvolvimento de soluções que utilizem a bicicleta
para fortalecer o território durante e pós pandemia, está acontecendo
desde o mês de agosto e contou com lives inspiradoras e mentorias sobre Bicicleta e Impacto Social ; Gestão de Inovação Social e Modelos de Sustentabilidade Financeira. Agora chega em sua fase final com
apresentações de soluções que serão apoiadas e acompanhadas pelo
Instituto até o fim deste ano.

Vale dizer que todas essas propostas são para o fortalecimento da
economia local no centro de São Paulo durante e pós pandemia.

Participe da live e contribua com as ideias, dando sugestões e tirando
dúvidas sobre elas.

Maratona de Ideias – Bike-a-thon Centro

Quando: 25/09/2021
Horário: 11h30
Onde: Youtube do Aromeiazero e do Sesc Bom Retiro

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que
utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir
para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com
patrocínio do Itaú Unibanco e da Argo Seguros, além de leis de
incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades
vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão
integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e
artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para
saber mais informações, entre em contato:

   Sobre o Territórios do Comum

No atual momento ações realizadas por organizações não
governamentais, coletivos e indivíduos engajados são ainda mais
necessárias para transformar positivamente territórios e comunidades,
bem como as políticas públicas. Assim, diversas iniciativas da
sociedade civil têm atuado de forma colaborativa, constituindo espaços
de diálogo e de criação de tecnologias com mobilização social, que
apontam soluções para questões emergentes em seus territórios. Para
ampliar as possibilidades de trocas de conhecimentos de quem transforma seu território e quem deseja saber mais sobre o assunto, o Sesc Paulo dá início ao projeto “Territórios do Comum”, entre  1 a 15 de agosto, como ação em rede voltada ao tema da cidadania em suas
múltiplas dimensões e possibilidades de colaboração”.

Categorias
bicicletas Brasil Destaque Meio Ambiente Notícias

Inovação social com bicicleta

Unidades do Sesc São Paulo e Instituto Aromeiazero oferecem incentivo para propostas de inovação

Pensando em promover a bicicleta como solução de mobilidade segura,
seis unidades do Sesc (24 de Maio, Carmo, Consolação, Bom Retiro,
Florêncio de Abreu e Parque Dom Pedro II) realizam, dentro da ação
Territórios do Comum, a Bike-a-Thon Território Centro, idealizada pelo Instituto Aromeiazero. Trata-se de uma maratona de inovação social, criatividade e mentoria para apoiar o desenvolvimento de soluções que utilizem a bicicleta para fortalecer o território durante e pós pandemia.
Poderão participar da maratona, ONGs e coletivos, iniciativas que atuem com acessibilidade e pessoas com deficiência, lideranças
comunitárias, ciclistas e ciclo ativistas, pequenos negócios e
empreendedores, pesquisadores, educadores e estudantes, urbanistas,
desenhistas e sociedade civil. Vale ressaltar que é necessário residir
ou ter uma relevante ligação com o centro de São Paulo.
Para se inspirar, vale conferir as lives que rolaram ao longo do mês de
agosto: Dimensões do uso da bicicleta na cidade com Malu Gomes,
idealizadora do projeto Bike Literária e Kamila Gomes Fonseca, gestora da EMEI Profª Edalzir Sampaio Liporoni; Bicicleta e Acessibilidade com  Ricky Ribeiro, fundador do Portal Mobilize e Daniel Moral, fundador do Bike Tour SP; e Políticas Públicas relacionadas à bicicleta na cidade com Renata Falzoni, fundadora do Bike é Legal e Glaucia Pereira, idealizadora do Multiplicidade  Mobilidade Urbana. Os debates foram mediados por Cadu Ronca e Murilo Casagrande, fundadores do Aromeiazero.
Após o período de inscrição, as dez propostas passarão por
mentorias do dia 15 a 22 de setembro, relacionadas a Bicicleta e Impacto Social; Gestão de Inovação Social; Modelo de Negócio; Gestão Financeira; e Comunicação Digital. Por fim, farão uma apresentação no dia 25 de setembro, durante a Semana de Mobilidade. Cada uma das ideias selecionadas receberá um auxílio de R$ 4 mil para serem desenvolvidas.
As inscrições poderão ser feitas até 7 setembro e o regulamento
está disponível no site do Aromeiazero: link. Participe!

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que
utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir
para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com
patrocínio do Itaú Unibanco e da Argo Seguros, além de leis de
incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades
vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão
integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e
artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Sobre o Territórios do Comum

No atual momento ações realizadas por organizações não
governamentais, coletivos e indivíduos engajados são ainda mais
necessárias para transformar positivamente territórios e comunidades,
bem como as políticas públicas. Assim, diversas iniciativas da
sociedade civil têm atuado de forma colaborativa, constituindo espaços
de diálogo e de criação de tecnologias com mobilização social, que
apontam soluções para questões emergentes em seus territórios. Para
ampliar as possibilidades de trocas de conhecimentos de quem transforma seu território e quem deseja saber mais sobre o assunto, o Sesc Paulo dá início ao projeto “Territórios do Comum”, entre  1 a 15 de agosto, como ação em rede voltada ao tema da cidadania em suas
múltiplas dimensões e possibilidades de colaboração”.

Categorias
Brasil Destaque

ONG promove mobilidade sustentável nas aldeias indígenas do Brasil

As ações vão desde doações até investimento e mentoria.

Segundo dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais da metade dos indígenas brasileiros vivem em território urbano. Se for parar para pensar nas razões que explicam a mudança para a cidade ou o deslocamento diário até ela, as respostas estão na busca por trabalho, melhores condições de acesso à saúde e educação e perda de terras.

Um exemplo claro é a votação do PL 490, que tramita no Congresso desde 2007 e determina que são terras indígenas aquelas que estavam ocupadas pelos povos tradicionais em 5 de outubro de 1988. Ou seja, seria necessária a comprovação da posse da terra no dia da promulgação da Constituição Federal. Portanto, se aprovado, o PL 490 também colocará em risco comunidades quilombolas e outros povos tradicionais brasileiros. Embora sejam povos originários, os indígenas ainda são invisíveis ao poder público e à própria população. Em meio às ameaças de violência, riscos de perda de direitos em decorrência da pressão dos latifundiários, mineradoras e usinas, os povos indígenas lutam para sobreviver.

O Instituto Aromeiazero, organização que desenvolve projetos através da bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e tornar as cidades mais verdes e resilientes, vem atuando, desde o início da pandemia, para promover o uso da bicicleta entre os indígenas, facilitar a locomoção nas aldeias e fortalecer a geração de renda. “Estimular o uso da bicicleta nas aldeias vai além da proteção ao meio ambiente, também ajuda a garantir acesso a direitos e mais qualidade de vida nas aldeias”, explicou Renata Cirilo, Coordenadora de Projetos do Instituto.

Foi assim que, entre abril e maio deste ano, a organização através da campanha Bike Parada Não Rola doou 40 bicicletas, entre adultas e infantis, a duas aldeias localizadas no Estado de São Paulo: Tenondé Porã, em Barragem e Guyra Pepo, em Tapiraí. A iniciativa se deu a partir do entendimento que bicicletas podem contribuir para a vida dessas comunidades, apoiando a mobilidade de forma sustentável, favorecendo, portanto, maior autonomia dos que lá habitam.

Foto: Reprodução

Outro projeto foi a Jornada Para Multiplicadores do Rodinha Zero, voltada para educadores, pais, funcionários de escola e organizações sociais, que busca sensibilizar e formar multiplicadores para ampliar a cultura ciclista em diferentes territórios e promover ações que impulsionem o uso da bicicleta como ferramenta para o desenvolvimento integral das criança. Os participantes desenvolveram planos mobilizadores que estão presentes no E-book Rodinha Zero e os projetos selecionados receberam mentorias do Aromeiazero para desenvolverem.

Um deles foi o Pedal na Aldeia, projeto que tem o objetivo de mobilizar os alunos da Escola Estadual Indígena Itaawyak, localizada no norte do estado do Mato Grosso, entre os municípios de Apiacás (a 1.010 km de Cuiabá) e Jacareacanga, no estado do Pará. O acesso saindo da Aldeia, só é possível pelas águas do Rio Teles Pires. As crianças enfrentam não apenas dificuldades de acesso geográfico, mas também falta de acesso às novas tecnologias, ferramentas e equipamentos de lazer e recreação, o que limita bastante as condições para um saudável desenvolvimento motora.

No mês de março, o Aro realizou com o patrocínio do Instituto Phi, a Bike-a-thon Cicloturismo, uma maratona de inovação social que ofereceu apoio técnico e financeiro para ideias, negócios e projetos de turismo de bicicleta que querem estruturar seu plano de negócio e sua operação diante dos desafios da pandemia. Um dos quatro projetos selecionados foi a Muriki Cicloturismo, responsável por propor o desenvolvimento de uma rota de cicloturismo na Unidade de Conservação da Floresta Nacional do Tapajós no Pará, articulando três comunidades tradicionais/indígenas, fortalecendo o turismo sustentável e gerando renda para as famílias que vivem nas reservas.

Em 2020, o Instituto apoiou o projeto Renova Bike, idealizado pela Família Terena do Mato Grosso do Sul. O apoio se deu após a seleção de projetos da Bike-a-thon, patrocinada pelo Itaú Unibanco. O objetivo era de levar mobilidade, promover interação social e fazer com que as crianças da aldeia indígena da cidade de Aquidauana pudessem usar bicicleta como ferramenta de lazer e de meio de transporte até as escolas. Ao todo, 21 crianças foram contempladas. Quinze tiveram suas bicicletas consertadas e seis ganharam uma nova.

Para Everton Silvério Ferreira, responsável pelo Renova Bike, o apoio do Aromeiazero foi fundamental para levar lazer, mobilidade e interação para a vida dessas crianças. “A maioria dos pais dos pequenos não tinha condições financeiras para comprar uma bicicleta ou consertar uma antiga, e graças ao Aro isso foi possível”. Alguns meses depois, as bicicletas seguem rodando com as crianças de Aquidauana.

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio do Itaú Unibanco e da Argo Seguros, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Sobre o Territórios do Comum

No atual momento ações realizadas por organizações não governamentais, coletivos e indivíduos engajados são ainda mais necessárias para transformar positivamente territórios e comunidades, bem como as políticas públicas. Assim, diversas iniciativas da sociedade civil têm atuado de forma colaborativa, constituindo espaços de diálogo e de criação de tecnologias com mobilização social, que apontam soluções para questões emergentes em seus territórios. Para ampliar as possibilidades de trocas de conhecimentos de quem transforma seu território e quem deseja saber mais sobre o assunto, o Sesc Paulo dá início ao projeto “Territórios do Comum”, entre 1 a 15 de agosto, como ação em rede voltada ao tema da cidadania em suas múltiplas dimensões e possibilidades de colaboração”.

Redes Sociais do Aromeiazero

Instagram: Aromeiazero
Facebook: Aromeiazero
Youtube: Aromeiazero

Categorias
Esportes Fica a Dica Social

Quilômetros percorridos em atividades do dia a dia se transformam em apoio financeiro para ONGs

 

 

App promove cultura de doação e impacta positivamente o terceiro setor

Em meio a tantas dificuldades que o Brasil vem passando e o crescimento da fome e da miséria devido a pandemia, ações de solidariedade se multiplicaram em todo o país. Diversas redes foram construídas para captar recursos, combater a crise sanitária e econômica e ajudar famílias em situações de vulnerabilidade.

De acordo com dados do monitor da Associação Brasileira dos Captadores de Recursos (ABCR), o número de doações chegou a R$6 bilhões no início da pandemia. Porém, a média mensal vem diminuindo. Em junho de 2020, a arrecadação ficou 88% abaixo do que foi registrado em maio.

Aromeiazero doou 21 bicicletas através da”Bike Parada Não Rola” para duas aldeias indígenas. Foto: Reprodução

Pensando em contribuir com as Organizações Não Governamentais (ONGs), os empresários André Kok e Saulo Marchi lançaram em fevereiro de 2021, o Km Solidário. Trata-se de um aplicativo gratuito cujo objetivo é desenvolver a cultura de doação, transformando quilômetros percorridos nas atividades do dia a dia em apoio financeiro para mais de 10 ONGs cadastradas.

O  Aromeiazero é uma delas. O Instituto promove mudanças no modo de vida das pessoas, combate a desigualdade social e torna  as cidades mais verdes e resilientes através de projetos relacionados à bicicleta. O apoio financeiro desta e de outras campanhas colaboram com as ações desenvolvidas pelo Aro.

O desafio é grande, mas é muito bonito o que a gente se propôs. Temos que dar 3 voltas ao mundo pedalando, todo mês, para bater nossa meta de arrecadação. Parece impossível, mas com a ajuda de cada um, rola – explica Murilo Casagrande, sócio fundador e diretor do Aromeiazero.

Os interessados em contribuir com o Instituto, precisam fazer download do app no celular, escolher o Aromeiazero e o tipo de atividade que vão realizar e clicar em concluir ao finalizar. A partir daí, as distâncias percorridas em bike, caminhada, natação ou corrida são convertidas em doações financeiras. Vale informar que nada é cobrado do usuário, todo o dinheiro vem por meio dos patrocínios e anúncios existentes dentro do aplicativo. Caso queira ajudar, mas não pode praticar exercícios é possível doar um valor no próprio app. As doações podem ser por cartão de crédito, boleto ou pix.

O aplicativo está disponível em Android e IOS e ocupa menos espaço no celular do que um vídeo de dois minutos. Além disso, pode ser sincronizado com FitBit, Garmin, Polar, Strava ou Apple Saúde. Para quem já tem histórico de resultados e rankings nesses programas, não precisa se preocupar, nenhuma informação será perdida. Para saber mais, confira a página do Km Solidário no site do Aro: http://bit.ly/kmsolidario.

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Assessoria de Imprensa

E-mail: imprensa@aromeiazero.org.br

Whatsapp: (21) 981832288

Redes Sociais

Instagram: Aromeiazero

Facebook: Aromeiazero

Youtube: Aromeiazero

 

Categorias
Brasil Educação

Seguradora apoia ciclotivismo brasileiro

 

Fonte: Reprodução

O Aromeiazero conta, a partir de agora, com o patrocínio institucional da Argo Seguros. A maior seguradora especializada em bikes do Brasil e a primeira a investir no Aro. Foi pensando em fomentar e estimular cada vez mais pessoas a utilizarem a bicicleta como meio de transporte, renda e lazer que a Argo investe no cicloativismo. Esse tipo de doação é muito importante para a manutenção das contas da organização e ainda mais necessária no segundo ano de pandemia.

A escolha do Aromeiazero passa por toda sua história de engajamento a favor das bicicletas. O instituto é membro da Ciclocidade, União de Ciclistas do Brasil (UCB), Aliança Bike, Coalizão Negra de Direitos Humanos e da World Cycling Alliance. Entre outros destaques, a ONG teve também projetos reconhecidos no exterior como o Fórum Mundial da Bicicleta e do Velo-City em diversos países.

A Argo é uma seguradora que periodicamente apoia ações sociais. Em linha com um dos posicionamentos da marca no Brasil, que é a inclusão social, escolhemos a Aromeiazero pelo extenso calendário de projetos sociais que ela promove. O fato dessa transformação social começar pela bicicleta, um dos segmentos que mais atuamos, essa parceria se tornou natural – explica Ivan Vasconcellos, responsável pela Comunicação e Marketing da Argo Seguros.

 

Enxergamos na bicicleta um meio para trabalhar outras questões. A partir dela, cria-se a aproximação e admiração necessária para se discutir a autonomia do indivíduo, o desenvolvimento de uma comunidade e a expressão de uma cultura. Essa parceria institucional com a Argo certamente nos ajudará a impulsionar outros projetos – avalia Murilo Casagrande, sócio-fundador e diretor de desenvolvimento institucional da Aromeiazero.

Entre as ações desenvolvidas atualmente pela entidade estão o Guia de Projetos do Aromeiazero, que ensina pessoas a como transformar a bicicleta como possível ferramenta de fonte de renda, empreendedorismo, arte, cultura e acesso à cidade; a Bike-a-thon, uma maratona de inovação social que oferece apoio técnico e financeiro para ideias, negócios e projetos de turismo que, através da bike, colaboram para o fortalecimento de territórios de baixa renda do Brasil; o Bike Arte Gira, que é um festival de rua independente que celebra a bicicleta e tudo o que ela representa; e a Jornada para Multiplicadores, que reuniu quase 50 educadores de todo o Brasil e um grupo de portugueses. Através dessas experiências será publicado um e-book em breve.

Fonte: Reprodução

Desde sua fundação, em 2011, o Aromeiazero já realizou mais de 80 projetos. São mais de 800 pessoas que aprenderam sobre mecânica de bicicleta e outros conteúdos; 4.200 crianças aprenderam a pedalar; e mais de 35 mil pessoas já participaram dos festivais realizados. O objetivo é ampliar essa atuação para todo o Brasil e o patrocínio da Argo Seguros é fundamental para isso.

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis. Para saber mais informações, entre em contato:

Assessoria de Imprensa

E-mail: imprensa@aromeiazero.org.br

Redes Sociais

Instagram: Aromeiazero

Facebook: Aromeiazero

Youtube: Aromeiazero