Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Rio de Janeiro fará busca ativa para vacinar crianças contra covid-19

Com apenas 52% das crianças vacinadas contra a covid-19, a prefeitura do Rio de Janeiro lançou na última quinta-feira (10) duas estratégias de busca ativa para alcançar os pequenos que ainda não foram levados aos postos para iniciarem a imunização contra a doença: uma via secretaria de educação e outra via secretaria de saúde.

Atualmente a campanha de imunização está na fase de repescagem para todas as idades a partir dos 5 anos.

A primeira ação é voltada para o ambiente escolar, com o Programa Vacina na Escola. A Secretaria Municipal de Educação (SME) vai distribuir folhetos explicativos sobre a vacina contra a covid-19 a todos os estudantes de 5 a 11 anos, público que chega a 347 mil crianças matriculadas em 1.307 escolas públicas.

Junto com o folheto, será enviado um formulário que os responsáveis poderão preencher autorizando a aplicação das doses na escola, caso seja de interesse da família.

O secretário de Educação, Renan Ferreirinha, explica que a data será informada com antecedência e, no dia marcado, a aplicação da vacina nas crianças que estiverem com a autorização ocorrerá no fim das aulas, entre 11h e 12h30 para o turno da manhã e de 15h30 a 17h à tarde.

“Se a família não puder ir até a vacina por qualquer motivo, a vacina vem até a escola. Isso simplifica o processo e faz com que as nossas crianças possam ter a oportunidade de se vacinar, sempre com a autorização do responsável. Acreditamos muito nesta parceria família-escola para que a educação funcione muito bem. Vacinar as crianças permite mais abraços e mais segurança para as nossas escolas.”

De acordo com a prefeitura, os pais que quiserem acompanhar a vacinação da criança podem chegar no horário previsto para ter acesso ao local. A previsão é de que todas as escolas recebam as equipes de saúde dentro de 45 dias.

Segundo o secretário de Saúde, Daniel Soranz, os diretores e coordenadores das escolas estão sendo capacitados para informar sobre a segurança e eficácia das vacinas.

“Nossa expectativa é vacinar 200 mil crianças com essa programação. Esperamos que a busca ativa comece a dar resultado nas próximas semanas. Pedimos aos pais para não esperarem a busca ativa, que eles levem seus filhos o mais breve possível para se vacinar. As vacinas para covid-19 são extremamente seguras, eficazes e protegem contra internação e o agravamento da doença. Se conseguirmos vacinar 80% das crianças, a possibilidade de ter uma internação por covid-19, em quem tem de 5 a 11 anos, cai a praticamente zero”.

A outra ação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é cruzar os cadastros da Estratégia Saúde da Família com os dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Dessa forma, a pasta pretende identificar as crianças que não tenham registro da vacina da covid-19, além de outros imunizantes do calendário vacinal que possam estar em atraso.

Com isso, os agentes comunitários de saúde irão às casas dessas crianças e poderão vaciná-las no próprio domicílio, se o responsável estiver no local. Os responsáveis também serão orientados a comparecer na unidade de Atenção Primária para atualizar a caderneta de vacinação.

O prefeito, Eduardo Paes, fez um apelo para que os pais e mães levem as crianças para vacinar.

“É um ato de amor. Essa vacina é segura, não acreditem em besteiras que falam por aí, vamos proteger nossos filhos. O que as secretarias de Saúde e de Educação estão fazendo é facilitar a vida dos pais que trabalham e têm dificuldade de levar as crianças para se vacinar”.

Até o momento, o painel da vacinação contra a covid-19 da prefeitura indica que foram aplicadas quase 290 mil doses na faixa etária de 5 a 11 anos. Ainda falta alcançar cerca de 270 mil crianças nessa idade.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Notícias Saúde

Uma em cada dez crianças de até 5 anos está acima do peso no Brasil

Uma em cada dez crianças brasileiras de até 5 anos está acima do peso. O excesso de peso também foi registrado em mais da metade das mães com filhos nessa faixa etária: 58,5%. Os dados são do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani-2019).

Encomendada pelo Ministério da Saúde, a pesquisa avaliou 14.558 crianças e 12.155 mães biológicas em 12.524 domicílios brasileiros, em 123 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal, entre fevereiro de 2019 e março de 2020.

Segundo os pesquisadores, o excesso de peso prejudica o crescimento e o desenvolvimento infantil e pode gerar doenças crônicas graves ao longo da vida, como problemas cardiovasculares, diabetes, hipertensão e até câncer.

“Chamamos de excesso de peso a combinação de sobrepeso e obesidade. Entre as crianças brasileiras menores de cinco anos, 7% apresentam sobrepeso e 3%, obesidade. Entre as mães biológicas de filhos nessa faixa etária, o sobrepeso aparece em 32,2% dos casos e a obesidade em 26,3%”, explicou, em nota, o coordenador do Enani-2019, Gilberto Kac, professor titular do Instituto de Nutrição Josué de Castro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (INJC/UFRJ).

O Enani-2019 mostra, também, que quase um quinto das crianças brasileiras de até cinco anos (18,6%) estão em uma faixa de risco de sobrepeso.

“São crianças que precisam ser monitoradas de perto, porque a curva do ganho de peso para a idade já está superior ao recomendado pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Nesse estágio, ainda é possível intervir e melhorar o estado de saúde, evitando consequências de curto, médio e longo prazo”, acrescentou Kac.

O coordenador do Enani-2019 ressaltou que os resultados trazem evidências científicas atualizadas para a definição de políticas públicas de saúde.

“Até então, os dados mais recentes sobre o estado nutricional antropométrico de mães e filhos de até 5 anos eram de 2006. De lá para cá, o cenário mudou bastante. A prevalência de excesso de peso em crianças nessa faixa etária aumentou de 6,6%, em 2006, para 10%, em 2019. Entre as mães, o aumento foi de 43% para 58,6% no mesmo período”, afirmou.

Um dado chamou atenção dos pesquisadores do Enani-2019: 7% das crianças brasileiras de até 5 anos apresentam baixa estatura para a idade.

“A baixa altura para a idade mostra que essas crianças sofreram restrições que prejudicaram o seu crescimento e o seu desenvolvimento. Esse quadro pode ser decorrente de infecções recorrentes e está relacionado ao baixo consumo de nutrientes, possivelmente associado à insegurança alimentar. A prevalência do indicador diminui conforme a faixa etária das crianças aumenta, o que sugere que a situação vem se agravando nos últimos anos”, explicou Kac.

De acordo com o estudo, a prevalência de baixa altura para a idade é de 9% entre bebês de até 11 meses e de 10,2% entre os de 12 a 23 meses. A frequência do problema é menor em crianças que nasceram até 2016: 6,5% na faixa etária de 2 a 3 anos, 5,8% entre 3 e 4 anos e 3,4% entre 4 e 5 anos.

O Enani-2019 foi encomendado pelo Ministério da Saúde e coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O projeto tem parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), sob financiamento da Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Segundo a UFRJ, é a primeira pesquisa com representatividade nacional a avaliar, simultaneamente, em crianças menores de cinco anos, práticas de aleitamento materno, alimentação complementar e consumo alimentar individual, estado nutricional antropométrico e deficiências de micronutrientes, incluindo as deficiências de ferro e vitamina A.

 

 

Agência Brasil

Categorias
Cultura Destaque Notícias Rio

Complexo do Alemão ganha espaço dedicado às crianças

PROJETO FAVELAS DO BRINCAR INAUGURA AÇÃO NA ONG EDUCAP, NO RIO DE JANEIRO

O conjunto de favelas do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro, tem um novo espaço dedicado aos pequenos, com jogos e brincadeiras concebidos especialmente para ajudar a desenvolver suas habilidades emocionais, cognitivas, físicas, sociais e criativas. Favelas do Brincar, uma série de intervenções lúdicas dedicadas ao desenvolvimento das crianças que serão implementadas em áreas públicas de favelas. A iniciativa do Movimento Unidos Pelo Brincar, que chega ao Alemão, já passou por Paraisópolis (SP) e, nos próximos meses, segue para Heliópolis.

A sede de contêineres empilhados e coloridos que dão vida ao Espaço Democrático de União, Convivência, Aprendizagem e Prevenção (EDUCAP) é o espaço que abriga as intervenções Favelas do Brincar no Alemão. Com a iniciativa, foi realizada ainda uma obra de revitalização que gerou um pouco mais de segurança às crianças, com a construção de muros de proteção no ambiente. Atualmente, o EDUCAP está à frente de atividades educacionais, ações dedicadas às mulheres, projetos comunitários e profissionalizantes, além de ser uma base de acolhimento para as famílias da comunidade e fora dela.

Toda criança tem o direito ao lazer, por isso, o ‘Favelas do Brincar’ tem uma importância neste contexto. O brincar traz desenvolvimento e inclusão para as crianças, principalmente, àquelas que precisam de espaços lúdicos de interação, segurança e qualidade. Isso é de extrema importância nas favelas – afirma Lúcia Cabral, educadora e fundadora do Educap.

Foto : Divulgação 

Direito fundamental de toda criança, o brincar é parte integrante dos processos de aprendizagem. No cenário brasileiro e em especial nas comunidades, espaços adequados são um desafio, que se tornou ainda mais crítico durante a pandemia da COVID-19. A pesquisa “O Brincar nas Favelas Brasileiras”, realizada pelo movimento Unidos pelo Brincar em parceria com o Instituto Locomotiva e o Data Favela, apontou que 88% das mães entrevistadas recorrem a telas (celular), TV para entreter as crianças. A quarentena e o fechamento de creches e escolas, ao invés de aproximar mães e filhos, os afastou ainda mais: 50% acham que a pandemia trouxe dificuldade em encontrar tempo para brincar com as crianças. E não é por falta de compreensão da importância do brincar. Na pesquisa, 92% das mães dizem acreditar que as brincadeiras são importantes para o aprendizado infantil, principalmente para habilidades de comunicação, socioemocionais, desenvolvimento físico e concentração.

O Favelas do Brincar nasce dentro do Movimento Unidos Pelo Brincar, em parceria com o G10 Favelas, como fruto da percepção dessa situação crítica. Seu objetivo é impulsionar a aprendizagem através das brincadeiras e abrir caminhos para que organizações, comunidades e governos repliquem o formato em outros territórios. Os recursos utilizados para desenvolvimento das ações nas favelas de Paraisópolis (SP), Heliópolis (SP) e Complexo do Alemão (RJ) estarão disponíveis no site favelasdobrincar.org. Seu público alvo são instituições, governos locais e também cidadãos organizados que decidam replicar a intervenção em suas comunidades em prol das crianças, do brincar e do aprendizado. O Favelas do Brincar reforça o objetivo de unir organizações da sociedade civil e chamar a atenção do poder público para a importância desses espaços para o desenvolvimento integral das crianças.

A iniciativa usa recursos do projeto Pé de Infância, da Bernard van Leer Foundation, e da iniciativa Playful Learning Landscapes (PLLAN).

Confira aqui as fotos da ação no Complexo do Alemão.

Sobre o Movimento Unidos pelo Brincar

O Movimento Unidos pelo Brincar tem a missão de promover a valorização do brincar como um dos pilares do desenvolvimento infantil. Através do brincar, crianças desenvolvem diversas habilidades, e por esse motivo o Movimento visa estimular famílias, cuidadores e o setor público a oferecer mais oportunidades de aprendizagem lúdica para todas as crianças. Com financiamento da Fundação LEGO, a iniciativa atua desde 2019 com ações no Brasil, Colômbia, México e Ruanda.

Categorias
Educação

Instituto Aromeiazero promove bate-papo sobre Educação ao Ar Livre e Bicicleta

 

 

Live de lançamento do E-book do Rodinha Zero marca o encerramento da Jornada para Multiplicadores 

Ensinar crianças a pedalar, abordando a importância da bicicleta em suas dimensões esportiva, cultural, de transporte, lazer e saúde, contribui para o desenvolvimento integral dos pequenos, colaborando ainda com o acesso à educação e a cidade como um todo.

Para contribuir com esse debate, o Instituto Aromeiazero realizará no dia 25 de maio, às 19h, nas redes sociais, o lançamento do E-book do Rodinha Zero que marca o encerramento da Jornada para Multiplicadores que começou no dia 15 de março e contou com a participação de pessoas de várias partes do Brasil e de Portugal.

A live contará com um bate-papo sobre “Educação ao Ar Livre e Bicicleta” e terá a participação de Carol Padilha, pedagoga e sócio fundadora do Carona a Pé e de JP Amaral, coordenador do programa Criança e Natureza do Instituto Alana. Além disso, serão divulgados os 3 projetos selecionados para receber mentoria do Aro para desenvolvimento dos projetos.

Durante as aulas foram abordadas 5 temáticas: Território Educador; Saúde e Meio Ambiente; Pedalar na Cidade; Rodinha Zero e Cultura da Bike; e Mobilização no Território. Como resultado da jornada, os participantes foram convidados a desenvolver planos de mobilização para colocar em prática os conhecimentos que adquiriram e estes estarão presentes no E-book.

Trata-se de um material com ideias de como realizar ações com bicicletas em diferentes territórios de forma simples e adaptável para inspirar mais pessoas a utilizarem a bike em seus projetos e organizações.

A formação online e gratuita voltada para educadores, gestores, pais e funcionários de escola, organizações sociais e outros integrantes da comunidade escolar tem patrocínio do Itaú Unibanco, da EDP e apoio do Instituto EDP e fez parte do projeto do Aro, Rodinha Zero que busca incentivar a bicicleta como ferramenta de desenvolvimento integral para crianças de 4 a 11 anos.

Desde 2016, a iniciativa já ajudou mais de 4.200 crianças a pedalar sem rodinhas, em projetos realizados em escolas municipais públicas e também espaços como praças e ruas, encorajando uma nova e consciente geração de ciclistas. O Ebook estará disponível para download de forma gratuita, logo após o evento, na página do Instituto: https://www.aromeiazero.org.br/rodinhazero .

Sobre o Aro

O Instituto Aromeiazero é uma organização sem fins lucrativos que utiliza a bicicleta para reduzir as desigualdades sociais e contribuir para tornar as cidades mais resilientes. Os projetos contam com patrocínio de empresas e pessoas físicas, além de leis de incentivo, sendo grande parte das ações em periferias e comunidades vulneráveis. Desde 2011, as iniciativas do Aro promovem uma visão integral da bicicleta, potencializando expressões culturais e artísticas, geração de renda e hábitos de vida saudáveis.

Para saber mais informações, entre em contato:

Assessoria de Imprensa

E-mail: imprensa@aromeiazero.org.br

Redes Sociais

Instagram: Aromeiazero

Facebook: Aromeiazero

Youtube: Aromeiazero

Categorias
Destaque Notícias

Rio passa a ter sistema de alerta por telefone para casos de desaparecimento de crianças e adolescentes

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro regulamentou nesta quinta-feira (18), a Lei nº 9.182, que cria o primeiro sistema de alerta por telefone do país que busca solucionar desaparecimentos de crianças e adolescentes.

Segundo a Delegacia de Descoberta de Paradeiros, 4.545 pessoas entre 0 e 17 anos de idade desapareceram apenas na cidade do Rio de Janeiro em 2020. Deste total, mais de 96% dos casos foram solucionados. Para o governador, o Alerta Pri será mais uma ferramenta importante na elucidação desse tipo de crime.

Criado pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, o “Alerta Pri” será usado pela Polícia Civil e torna obrigatória a divulgação de fotos e informações das vítimas pelas companhias de telefonia celular. O sistema ganha esse nome em homenageia Priscila Belfort, desaparecida há 17 anos.

“Nosso objetivo é aumentar o índice de solução de casos, além de reduzir esse tipo de crime no Estado. Não solucionar esses tristes casos é deixar uma ferida aberta. É preciso ter um fim para que haja um recomeço. O Alerta Pri vem ao encontro do que todos querem: o melhor para a segurança da população”, disse Castro.

A mensagem de urgência enviada pelo Alerta Pri vai conter o nome, a idade, as características físicas, o local de desaparecimento e todas as demais informações selecionadas pela Polícia Civil. O objetivo é agir rapidamente quando esse tipo de crime for registrado no sistema.

O Alerta Pri foi elaborado nos moldes do Alerta Amber, dos Estados Unidos, que também é utilizado em outros 27 países como ferramentas no combate ao desaparecimento de pessoas.

“Num estado onde desaparecem mais de 20 pessoas por dia, precisávamos de uma lei como essa. A divulgação, nas primeiras 24 horas, dos dados das criança ou adolescentes desaparecidos, aumentam as chances de localização”, disse o deputado Alexandre Knoploch (PSL), autor do projeto de lei.

Categorias
Brasil Destaque Diário do Rio Meio Ambiente Notícias Notícias do Jornal

Crianças arrecadam R$ 23 mil com vaquinha para restaurar área de Mata Atlântica

Por Alan Alves 

Duas crianças de 8 e 11 anos conseguiram arrecadar R$ 23 mil com uma vaquinha para plantar mudas de árvores em uma área de Mata Atlântica. O Marcello (8) e a Olivia (11) realizaram o financiamento coletivo com a intenção de restaurar uma área equivalente a um campo de futebol em uma antiga fazenda de café em Itu.

Eles conseguiram o suficiente para o plantio de 1.474 mudas e ainda contaram com a ajuda da a Fundação SOS Mata Atlântica, que contribuiu com outras 193 mudas parar atingir a meta de área plantada.

A iniciativa dos dois amigos de escola começou após uma visita à base de restauração florestal da ONG em Itu, em janeiro de 2019. No local, são produzidas mudas de árvores nativas da Mata Atlântica – aproximadamente 450 mil por ano – e usadas nos projetos de restauração florestal.

Vaquinha organizada pelas crianças arrecadou R$ 23 mil. (Foto: Marcelo Ferreli/SOS Mata Atlântica)

Após conhecerem um pouco mais sobre as características da Mata Atlântica e dos riscos da degradação do bioma para o meio ambiente e para a
sociedade, os dois tiveram a ideia de plantar um campo de futebol de árvores.

A leitura de livros na escola também fez criar nos dois o espírito de cooperação com o meio ambiente.

“Tudo começou na minha escola quando eu estava no segundo ano. Li um livro chamado SOS Planet Earth e li algo que me inspirou a levantar
dinheiro para ajudar as florestas tropicais da América do Sul”, disse Marcello.

“No dia da visita à base em Itu, o Marcello perguntou se ele plantasse uma muda ajudaria. Eles disseram que sim e aí tivemos essa ideia”, conta Olivia.

A vaquinha foi lançada em abril de 2019 (Dia da Terra) na plataforma GoFundMe. Nessa época, o Marcello morava no Canadá e a Olívia no Brasil, mas a distância não atrapalhou os planos dos amigos, que divulgaram a
campanha nas redes sociais, colégios e entre colegas e familiares.

Em setembro de 2020, Olivia entregou o cheque simbólico com o valor arrecadado para a Fundação SOS Mata Atlântica e fez o plantio da primeira muda do “Campo dos sonhos” dela e de Marcello, que não pode estar presente, mas que presenciou tudo por videoconferência.

Árvores serão plantadas em área do tamanho de um campo de futebol. (Foto: Marcelo Ferreli/SOS Mata Atlântica)

A propriedade onde as mudas serão plantadas possui mais de 500 hectares, onde acontecem ações de educação ambiental, mobilização, cursos e capacitações. Mais da metade do território da propriedade foi recuperado com o plantio de árvores nativas do bioma, e algumas já alcançam 10 metros de altura.

Na área de restauração em Itu, uma pesquisa identificou 20 espécies nativas de mamíferos que passaram a ocupar o território, sendo que seis encontram-se em algum grau de ameaça de extinção, o que demonstra a importância da área para a conservação da diversidade local e regional.

“Quando conhecemos algo, no caso a Mata Atlântica, e entendemos a sua importância, é um grande passo para que ações como essa aconteçam. Ficamos muito felizes pelo engajamento das crianças em prol da Mata Atlântica, que ainda precisa ser mais conhecida por boa parte da população brasileira”, afirma Kelly De Marchi, coordenadora de Educação Ambiental da Fundação SOS Mata Atlântica.

Categorias
Brasil Saúde

No mês da Luta Contra o Câncer Infantil surge o alerta sobre os desafios para aumentar as chances de cura da doença

No Brasil, o câncer é a enfermidade que mais mata crianças e adolescentes de 01 a 19 anos, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca)

De Fortaleza, no Ceará, Juan Yure Carneiro das Chagas, com apenas 13 anos, já enfrentou obstáculos que poderiam desestruturar qualquer pessoa adulta. Depois de uma inocente brincadeira entre amigos, Juan descobriu uma alteração no osso femoral e foi diagnosticado com Osteosarcoma – câncer ósseo que começa nas células formadoras dos ossos. O pequeno, como parte do tratamento, precisou passar por uma amputação. Juan encontrou no esporte a chance de um recomeço e foi no surfe que o pequeno manobrou a doença. “A cura foi a melhor alegria da minha vida. Hoje eu sou um vencedor”.

Tendo em vista o desafio de mudar a vida de crianças e adolescentes com câncer como o Juan, o mês de fevereiro celebra o dia Internacional da Luta contra o Câncer Infantil (15/02), com objetivo de alertar sobre a doença e promover a conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce para aumentar as chances de cura aos mesmos patamares dos países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que podem chegar a 80%. Atualmente, no Brasil, as chances de cura são de 64%.

De acordo com pesquisa realizada pelo INCA – Instituto Nacional de Câncer, no Brasil, a cada hora, surge um novo registro de câncer em crianças e adolescentes. Esta é a doença que mais mata crianças e adolescentes de 01 a 19 anos no país. Ainda conforme o estudo, entre os anos 2020 e 2022, o Brasil terá cerca de 625 mil novos casos de câncer diagnosticados entre crianças e adultos.

Para aumentar as chances de cura no cenário no Brasil, o Instituto Ronald McDonald, instituição sem fins lucrativos, há quase 22 anos atua para aproximar famílias da cura do câncer infantojuvenil. A organização tem como missão promover saúde e qualidade de vida para crianças e adolescentes antes, durante e após o tratamento da doença através de diversos projetos pelo Brasil.

Como é o caso do Juan Carlo Moreira, que aos 10 anos foi diagnosticado com 10 tumores malignos e uma metástase no pulmão. Ele passou pelo tratamento oncológico e contou com o auxílio da Casa Ronald McDonald do Rio de Janeiro, um dos programas coordenados pelo Instituto Ronald McDonald. “Eu não acreditava em doações, e ali, na Casa, vi realmente a importância delas para quem atravessa a doença. Sou a prova de que o preconceito existe e de que cada doação conta, e conta muito. Guardo isso no meu coração, é um peso de ter, um dia, duvidado da ajuda dessas doações”, afirma Alessandra Araújo de Souza, mãe de Juan.

Sua jornada não foi fácil, mas hoje, aos 18 anos, ele está curado, é estudante técnico de informática, está no seu primeiro emprego e tem o sonho de estudar fora do país.

Apenas em 2019, a organização sem fins lucrativos, que depende exclusivamente de doações de pessoas físicas e empresas, realizou cerca de 95 mil atendimentos a crianças e adolescentes com câncer em tratamento e seus familiares. Só pelo programa Diagnóstico Precoce do Câncer Infantojuvenil, o Instituto Ronald já capacitou mais de 27 mil profissionais e estudantes da área de saúde, sensibilizando os participantes sobre a importância dos sinais e sintomas da doença em crianças e adolescentes como auxílio para o aumento das chances de cura.

Em 2020, o programa Diagnóstico Precoce, em versão totalmente digital, capacitou 742 estudantes de enfermagem e medicina e residentes em pediatria. Ainda em 2020, o Instituto Ronald McDonald, por meio de suas ações e campanhas, beneficiou 68 projetos, de 59 instituições em 43 municípios de 21 estados mais o Distrito Federal.

No Brasil, o tempo entre a percepção de sintomas e a confirmação diagnóstica do câncer infantojuvenil é longo e por isso muitos pacientes chegam ao tratamento em fase avançada da doença. “Identificar precocemente o câncer infantojuvenil é fundamental para aumentar as chances de cura e resultados positivos de tratamento. Os sinais do câncer na infância muitas vezes são imprecisos e por isso é importante estarmos sempre em alerta.”, reforça o superintendente do Instituto Ronald McDonald, Francisco Neves.

Principais sinais e sintomas do Câncer infantojuvenil

Em sua fase inicial, os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil podem se assemelhar aos de doenças comuns da infância, o que muitas vezes dificulta a suspeita e o diagnóstico correto do câncer em crianças e adolescentes.

• Aumento do abdômen;

• Dores de cabeça – especialmente se incomum, persistente ou grave, acompanhada de vômito (normalmente pela manhã ou com piora ao longo dos dias);

• Sangramentos no nariz ou gengiva;

• Tontura;

• Palidez e hematomas;

• Emagrecimento – quando a criança não ganha peso, perde peso ou ganha peso de forma insuficiente;

• Alterações oculares – pupila branca, estrabismo de início recente, perda visual, hematomas ou inchaço ao redor dos olhos;

• Fadiga, letargia ou mudanças de comportamento – como isolamento;

• Dor em membro ou dor óssea;

• Caroços ou inchaços – especialmente se forem indolores e sem febre ou outros sinais de infecção;

• Febre e tosse persistente – ou falta de ar e sudorese noturna.
Categorias
Brasil Política

“Não vamos mais perder crianças no Brasil”, afirma ministra Damares Alves

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (09), regulamenta a Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas
“Não vamos mais perder crianças no Brasil”. A frase é da ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e foi dita durante a assinatura do decreto que regulamenta a Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas. O texto legal foi chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), nesta terça-feira (09).

“Vamos levar um pouco de paz, tranquilidade e esperança a essas famílias que têm seus entes queridos desaparecidos”, afirmou o presidente após assinar o texto. O decreto deve ser publicado no Diário Oficial da União nesta quarta-feira (10).

A política estabelece que as denúncias de crianças e adolescentes desaparecidos são recebidas pelo Disque 100, canal de denúncias de direitos humanos do ministério (Lei 13.812, de 2019). “Nem todo mundo que desaparece é uma questão de segurança pública. Aquela mulher ameaçada e que quer desparecer, tem o direito. Nós vamos cuidar das situações que não sejam de segurança”, esclareceu a ministra informando ainda que, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) terão iniciativas conjuntas nessa política pública.

Decreto

O texto determina a implementação do Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecida. O banco de dados terá a cooperação técnica e operacional de estados e demais entes federados com o objetivo de dar suporte à Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas.

Na versão pública do cadastro, de livre acesso por meio da internet, os cidadãos poderão encontrar informações sobre as características físicas das pessoas desaparecidas, fotos e outros dados úteis para a identificação e que não levem risco para a vida da pessoa desaparecida.

O cadastro ainda contará com informações sigilosas, destinadas aos órgãos de segurança pública. Nesses dados, serão apresentados registros padronizados de cada caso com o número do boletim de ocorrência, assim como informações sobre as características físicas, fotos, contatos dos familiares ou responsáveis pela inclusão dos dados da pessoa desaparecida no cadastro e qualquer outra informação relevante para sua pronta localização.

Comitê Gestor

Com o decreto, também foi instituído o Comitê Gestor da Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas, órgão que integrará a estrutura organizacional do MJSP. Além de prestar auxílio à Pasta e ao MMFDH na formulação e aplicação da política, o Comitê Gestor ainda vai promover a realização de estudos, debates e pesquisas sobre a situação dos desaparecidos no País e no exterior.

A unidade terá ainda a competência de apresentar propostas de edição e de alteração de atos legislativos e normativos e criar protocolos de atuação governamental e para a instituição do Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas. Além disso, o Comitê vai elaborar estratégias de acompanhamento e avaliação da política e apoiar os ministérios na articulação com outros órgãos e entidades federais, com demais entes federativos e com as organizações da sociedade civil.

O regimento interno do Comitê Gestor será aprovado e publicado pelo ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública. O órgão será integrado por três representantes do MJSP, três do MMFDH, um do Ministério da Cidadania e um do Ministério da Saúde e terá a participação de representantes da sociedade civil.

A Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas

O decreto também define os eixos de desenvolvimento e atuação da Política Nacional de Busca de Pessoas Desparecidas. O MMFDH será responsável por atuar no desenvolvimento psicossocial e jurídico às vítimas e familiares, na capacitação e educação em direitos humanos, em ações pelo registro civil e pela adoção segura. Já o MJSP, além de coordenar o Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas, fará a capacitação de agentes de segurança pública, a perícia forense, o registro criminal e a investigação.

Os dois ministérios poderão instituir Grupos de Trabalho ou outros mecanismos administrativos para o desenvolvimento da Política Nacional de Busca de Pessoas Desaparecidas, dentro dos eixos sob sua responsabilidade.

Categorias
Brasil Educação

Visitadores do Programa Criança Feliz serão capacitados para identificar violência contra crianças

Atualmente a iniciativa conta com mais de 26 mil profissionais em todas as regiões do país
Os profissionais que atuam diretamente nas visitas às famílias do Programa Criança Feliz serão capacitados para identificar violências cometidas contra crianças que estão na primeira infância. A Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (SNDCA/MMFDH), lançou nesta semana um edital que vai viabilizar esse treinamento por meio de dois cursos na modalidade de Ensino à Distância (EAD). A ação poderá beneficiar as mais de 870 mil crianças, que são atendidas pelo Programa.
Os agentes do Criança Feliz têm a responsabilidade de visitar as famílias incluídas no Programa. Essa aproximação permite que esses profissionais reconheçam as necessidades de cada contexto e possam pensar em maneiras singulares de intervenção. Por esse motivo, a capacitação desses agentes é de extrema importância para o enfrentamento da violência contra crianças.
Explica o titular da SNDCA, Maurício Cunha. Atualmente a iniciativa conta com mais de 26 mil profissionais em todas as regiões do país.

O primeiro curso terá como tema a “Contextualização da Violência na Primeira Infância”. O segundo vai falar sobre as “Ferramentas para a prevenção e o enfrentamento à violência contra crianças na primeira infância”.

A visitação é o diferencial do Criança Feliz. O programa já tem resultados muito positivos e vamos manter a qualidade do serviço prestado. Através dele, mudaremos o futuro das nossas crianças e para chegarmos lá precisamos investir na qualificação dos profissionais que estão atuando lá na ponta, no município.
Afirma Luciana Miranda, secretária nacional de Atenção à Primeira Infância do Ministério da Cidadania.

A iniciativa ocorre no contexto do biênio da Primeira Infância no Brasil, 2020 – 2021, estabelecido pela lei federal nº 13.960/2019. A ideia é estimular ações formativas e informativas realizadas pelos setores público, privado e da sociedade civil sobre a importância do desenvolvimento infantil e o enfrentamento de toda e qualquer violência nesta etapa da vida.

O edital foi desenvolvido em uma parceria entre o MMFDH e o Ministério da Cidadania, no âmbito do projeto BRA/10/007 – “Boas práticas na implantação e implementação dos sistemas de informação para a infância e a adolescência – SIPIA, Conselhos tutelares e SIPIA, SINASE WEB”.

O Criança feliz está presente em todas as regiões do país e é coordenado pela Secretaria Nacional de Atenção à Primeira Infância do Ministério da Cidadania, tem como público prioritário gestantes e crianças de zero a três anos, ou de até seis anos de idade quando beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Inscrições

Segundo o Edital, serão consideradas elegíveis para desenvolver os cursos pessoas jurídicas que realizam pesquisas e capacitação relativas à área temática proposta. Além do desenvolvimento das capacitações, a instituição selecionada deverá elaborar material digital que será disponibilizado no Portal de Capacitação do Ministério da Cidadania (MC).

As inscrições já estão abertas e poderão ser feitas até o dia 19 de fevereiro de 2021. Para ter acesso ao edital, os interessados devem acessar o portal da Joint Operations Facility – JOF, das Nações Unidas Brasil.

É importante que os licitantes se cadastrem e submetam suas propostas com antecedência. O upload das propostas deverá ser finalizado antes da data e hora limites para recebimento de propostas. O site de inscrições não permitirá o upload de documentos após o prazo limite de recebimento de propostas.

Para dúvidas e mais informações:
gab.sndca@mdh.gov.br

Categorias
Cidade Cultura Rio

Cia Livre de Dança, da Rocinha, promove colônia de férias para crianças da comunidade

Cia Livre de Dança, da Rocinha, promove até 29 de janeiro a colônia de férias “Fazendo Arte nas Férias” para 20 crianças e adolescentes (de 5 a 15 anos) da comunidade localizada na Zona Sul do Rio de Janeiro. As atividades são gratuitas e acontecem de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h, na sede da Cia, localizada na Via Ápia 44/301. Todas as aulas – Hip Hop, Mix Dance, Jazz, Tiktok, Now United, Circo, Artesanato, Oficina Teatral, Danças Urbanas, Musicalização, Percussão e Dança Afro – são voltadas para a linguagem da dança, ministradas pelos professores, coreógrafos e dançarinos Ana Lúcia Silva, Mikael David, Hanna Guimarães, Alexandre Pires, Gleyce Lima e Yara Batista.

É uma colônia de férias com foco na dança, em que as crianças vivenciam diversas atividades artísticas, criativas e lúdicas que contribuem para a formação de um dançarino”, explica a professora e coreógrafa Ana Lúcia Silva, idealizadora da Cia Livre de Dança, escola e Ponto de Cultura criado por ela na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em 1999.

Todas as medidas de prevenção ao novo coronavírus estão sendo seguidas na colônia de férias. Além de as atividades serem simultâneas e restritas a três crianças por vez, cada participante fica em uma área limitada por uma marcação no piso que restringe o espaço. Além disso, não é permitida a entrada com calçados da rua e todos devem levar sua própria garrafa de água, além de máscara e álcool gel.

 

1 - Colônia Fazendo Arte nas Férias - Cia. Livre de Dança - crédito da foto_Nara Raboredo.jpg

Ana Lúcia e a Cia Livre de Dança

Nascida e criada na Rocinha, Ana Lúcia Silva está à frente da Cia Livre de Dança, escola e Ponto de Cultura que criou na comunidade em 1999. Graduada em Licenciatura Plena em Dança pela Universidade Cândido Mendes e pós-graduada em Psicomotricidade Clínica e Relacional, ela acredita na dança como veículo transformador, e por isso a importância de sempre estudar. Valorizando suas origens, Ana Lúcia Silva tem orgulho de  ter representado a Rocinha em eventos nacionais e internacionais, como também ter sua biografia apresentada em uma exposição para mulheres negras nos Estados Unidos.

Mais informações:

www.instagram.com/cialivrededanca

www.facebook.com/cialivrededancadarocinha